Uma luz de Hanuka em Cuba

O meu nome é Eliav e sou de Cuba. Há exatamente um ano, eu estava a comemorar  Hanukkah na ilha de onde vim. Desde que comecei meus estudos de Judaísmo e a minha busca pela verdade, a celebração de Hanukkah tem para mim um significado especial. Há cerca de 5 anos, recebi a minha primeira Hanukkiah, das mãos de uma pessoa muito generosa e especial que mora em Nova Iorque. O meu castiçal era dourado e tinha o formato de uma harpa. Quando o recebi, ele vinha com várias caixas de velas para celebrarmos a vitória que Hashem deu ao povo judeu sobre aqueles que buscavam a nossa destruição. Todos os anos, em Hanukkah, eu acendia as velas com grande emoção. Para mim foi uma grande mitsvá fazer isso, pois de certa forma a luz que Hanukkiah emitia dissipava as trevas espirituais que muitas vezes pesavam no lugar onde eu vivia.

O tempo foi passando e um dia vi-me sem velas para acender, pois as que recebera tinham acabado. Sem velas, como ia celebrar Hannukah? No lugar de onde eu venho não há muitas coisas à venda, nem mesmo velas, seja para o que for. É um lugar com muitas carências, tanto materiais como espirituais. E perante esta situação, decidi fazer algo. A minha cidade sofria muitas vezes de cortes de energia e apagões, e eu via sempre a minha irmã a acender umas lamparinas improvisadas: Ela pegava engenhosamente num pedaço de algodão do tamanho de um polegar, mergulhava-o em óleo de cozinha e colocava-o num recipiente de metal com mais algumas gotas de óleo, fazendo assim uma espécie de lâmpada artesanal que nos iluminava durante as noites apagão. Já era Hannukah e resolvi fazer uma lamparina igual às que a minha irmã fazia. Usei uma tampa de metal que tirei de uma jarra de café e segui o procedimento. Fiz isso durante os oito dias de festa. Eu já tinha as minhas luzes de Hanukkah, mas ao mesmo tempo estava um pouco inquieto porque não tinha a certeza se estava ou não a cumprir a halachá. Também estava impressionado com a ideia de não poder ter algo melhor ou mais bonito para iluminar. Mas como em qualquer celebração do povo judeu devemos sempre lembrar e aprender algo, tive o meu tempo para refletir sobre isso. Um ano depois, aprendi que, de acordo com a halacha, basta acender uma vela e assim a Mitzvah é cumprida. Fiquei muito feliz em saber disso. Eu entendi que o mais importante é servir a Hashem sem dar desculpas, procurando os meios e agindo, em vez de ficar parado como uma pedra, não importa onde você esteja ou quão densa seja a escuridão ao seu redor. Devemos também levar em conta que, assim como a luz de Hanukkah desloca as trevas, a nossa luz interior também pode deslocar o mal que nos cerca. Neste mundo devemos fazer o bem sem desculpas. Certamente D’us proverá.

Baruch HaShem Eu já estou em Israel, celebrando Hannukah pela primeira vez nesta terra abençoada. Agora faço-o com muita alegria, com muito óleo e com muita luz.

2 thoughts on “Uma luz de Hanuka em Cuba

  • December 9, 2021 at 7:05 pm
    Permalink

    Sua história é muito linda! Que Deus te abençoe e ilumine sempre!

    Reply
    • January 4, 2022 at 9:22 pm
      Permalink

      Amén!

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.