Um rabino na Polónia: missão cumprida

Já se passaram quase 13 anos desde que o rabino Yehoshua Ellis foi nomeado como emissário da Shavei Israel em Katowice, Polónia, e ele e sua esposa, Raissa, se mudaram de Jerusalém para lá. Depois de 5 anos em Katowice e 8 em Varsóvia, trabalhando lado a lado com o rabino-chefe da Polónia, o rabino Ellis completou a sua missão no país – e realmente deixou a sua marca.

Nascido em Kansas City, Missouri, o rabino Yehoshua Ellis estudou em várias Yeshivot em Jerusalém antes de receber a sua ordenação rabínica do Centro Sefardita Shehebar. Ele também é Shochet, abatedor ritual kosher. Há vinte anos, trabalhou como voluntário comunitário em Varsóvia, onde desenvolveu um vínculo poderoso com a comunidade judaica polaca e decidiu dedicar-se a fortalecê-la.

Yehoshua viu que eles precisavam de rabinos na Polónia, então pensou tornar-se rabino para ajudar a preencher essa necessidade. Enquanto estudava na yeshiva para se tornar rabino, ia para a Polónia durante as férias das festas judaicas e liderava os serviços lá. Em 2007, conheceu Raissa na Polónia numa das suas passagens regulares pelo país para liderar os serviços de oração das festas. Casaram no ano seguinte em Jerusalém, onde permaneceram por dois anos enquanto Yehoshua terminava a sua ordenação rabínica.

Em 2010, o jovem casal mudou-se para Katowice, onde se tornou o rabino da comunidade. Os seus dois filhos nasceram lá. Daniel agora tem 11 anos e Chana tem 9. Depois de as crianças chegarem, a educação tornou-se uma preocupação, porque não havia pré-escola judaica. Quando Daniel tinha cerca de 3 anos, mudaram-se para Varsóvia. Mas o rabino Ellis nunca parou de ser o rabino-chefe da cidade de Katowice, onde trabalhou para fortalecer a comunidade judaica local, ao mesmo tempo que alcançava os “judeus escondidos” em toda a área, muitos dos quais estavam procurando se reconectar com o povo judeu.
Enquanto isso, em Varsóvia, o rabino Ellis ajudou a comunidade a se desenvolver, trabalhando em estreita colaboração com o rabino-chefe Schudrich. As suas funções incluíam logística, ensino e trabalho religioso. Fosse garantindo a existência de serviços religiosos, organizando um seder de Pesach para 300 pessoas ou realizando eventos de ciclo de vida – havia sempre muitas coisas a fazer.
— A Shavei ajudou a dar muitas ferramentas maravilhosas — comentou o rabino Ellis. — Quer se tratasse de materiais impressos, apoio financeiro, organização de programas – a sua dedicação foi inabalável. Às vezes ajudavam mais, às vezes menos, mas podemos sempre contar com eles. E não é apenas que eles forneceram recursos, mas aplicavam sabiamente os recursos.—
Outra grande responsabilidade que o rabino Yehoshua Ellis tinha era lidar com os cemitérios judeus na Polónia. Esta não era uma tarefa pequena, pois existem no país mais de 1.400 cemitérios judeus, além de números desconhecidos de valas comuns! O seu título oficial a esse respeito era  Diretor da Comissão Rabínica de Cemitérios e foi um grande trabalho por si só. Por exemplo, às vezes os ossos são desenterradas ao fazer uma escavação para um projeto de construção. E então era responsabilidade do rabino Ellis pesquisar a área, encontrar mapas e fazer o que pudesse para provar que havia um cemitério judeu naquele local e lutar para evitar a construção nele. Às vezes com sucesso, e às vezes, infelizmente, não.
É claro que os ossos que foram descobertos estão longe de ser os únicos judeus «ocultos» que ele encontrou.
Os «Judeus Ocultos» são um fenómeno que ganhou força na Polónia nos últimos anos, com muitos judeus retornando lentamente ao judaísmo e ao povo judeu. Muitos desses judeus perderam todo o contato com o judaísmo devido ao extremo antissemitismo que encontraram após o Holocausto, e alguns deles até se converteram ao cristianismo. Outros esconderam o seu judaísmo das autoridades comunistas e agora sentem-se livres para retomar a sua verdadeira identidade. Outro fenómeno diz respeito às crianças judias que foram adotadas por famílias e instituições católicas durante o Holocausto. Essas crianças não foram informados de nada sobre a sua identidade judaica, e só nos últimos anos começaram gradualmente a descobri-la. Hoje, estão registados como vivendo na Polónia cerca de 4.000 judeus, mas de acordo com várias estimativas, há mais largos milhares de judeus que ocultam a sua verdadeira identidade, ou simplesmente a desconhecem.
O rabino Yehoshua Ellis explica que quase nenhum judeu na Polónia cresceu sabendo que é judeu:
— Praticamente NENHUM judeu nasceu numa casa onde ambos os pais fossem judeus —, explica. — Então é um judaísmo muito instável. É quem eles são, mas não necessariamente quem sempre foram. São instáveis sobre a sua judeidade.— (A história de sua própria esposa também é peculiar: Estavam conectados à comunidade judaica, mas eram laicos e muitos eram comunistas.)
O rabino Ellis tem tantas histórias sobre como as pessoas vieram se conectar com o seu judaísmo!.. Como a de um homem que gostava muito de comediantes judeus americanos quando era criança. Quando tinha 8 ou 9 anos perguntou ao pai:
— Pai, por que não podemos ser judeus? — Ao que o pai respondeu:
— Você É judeu — E há muitas histórias como esta.
O rabino continuou a falar sobre as suas experiências mais singulares:
— Conheci um homem que tinha cerca de 60 anos, talvez mais. Ele descobriu que a sua mãe era judia quando tinha 40 anos. Nós conhecemo-nos porque eu estava a ajudar outro judeu que precisava de comida e eles estavam a organizar a entrega. A mãe dele viveu o Holocausto e escondeu a sua judeidade até o filho ter 40 anos. Eu via-o ocasionalmente na comunidade judaica e estive com a mãe dele algumas vezes. A mãe era uma mulher mais velha com mobilidade limitada. Eles iam à loja kosher por baixo da sinagoga para comprar chalá «para sexta-feira» (ou seja, nem mesmo «para o Shabat»). Perguntei-lhe se já tinha estado na sinagoga e ela disse que não, então ofereci-lhe uma visita. Ela entrou, claramente emocionada. Levei-a para a arca da Torá e ela ficou lá a olhar, com grande emoção, para os rolos da Torá. Então inclinou-se e beijou uma das Torás… tanto o filho dela quanto eu não conseguíamos parar de chorar.—
O rabino Ellis pensa sobre as coisas de que vai sentir falta:
— Do povo — Declara. Não da comunidade. Não é uma comunidade; é um conglomerado de pessoas. Não é a mesma coisa. Como judeu lá, a pessoa sente-se essencial. Além disso, há tanta coisa inesperada lá. Nunca se sabe quando podemos receber um telefonema de qualquer lugar do mundo. Pode ser alguém a precisar de ajuda agora, como na fronteira (a guerra, etc.). A qualquer momento, as coisas podem mudar completamente. Tantas oportunidades para ajudar judeus… nem mesmo necessariamente da Polónia. Refugiados, pessoas que precisam de ajuda com os cemitérios, tantas coisas… —
Quando a família Ellis se mudou para Varsóvia, uma das primeiras coisas que o rabino Ellis se lembra de fazer com o seu filho Daniel é trazê-lo para o ajudar a enterrar ossos. Daniel tinha três anos na época. E gostava! Mas não tinha amigos judeus, o que foi ficando cada vez mais difícil à medida que as crianças cresciam. — No entanto — observa Ellis, — as crianças têm uma identidade judaica muito profunda; é uma enorme base de quem elas são; elas são judias. Toda a experiência na Polónia tornou a nossa família muito forte.—
E, no entanto, há lacunas. Não é fácil fornecer educação judaica aos filhos num lugar que não tem o tipo de comunidade necessária para apoiar isso. Os Ellis ensinaram os seus filhos a rezar, por exemplo. — Eu sentava-me ao lado deles — lembra Ellis, — e dizia as palavras mais alto para eles ouvirem. E agora eles adoram rezar; algo que a mim sempre me custou. Mas, por outro lado, na verdade não conseguem ler as orações —
E assim, por fim, chegou a hora de a família seguir em frente. Estão atualmente em Montreal, no Canadá, a planear os próximos passos. Enquanto isso, quando as crianças caminham pela rua e veem um judeu visivelmente identificável, ficam muito animadas. Vai ser muito diferente para eles agora. Mas as memórias de tudo o que fizeram durante todos os anos que estiveram na Polónia vão acompanhá-los sempre.
Por Laura Ben-David

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *