DO HOLOCAUSTO AO RENASCIMENTO DO POVO DE ISRAEL – (ESPANHOL)

DO HOLOCAUSTO AO RENASCIMENTO DO POVO DE ISRAEL – (ESPANHOL)

O Centro Ma’ani da Shavei Israel tem o prazer de partilhar uma palestra em espanhol do rabino Yejiel Chilewsky, ‘Do Holocausto ao Renascimento do Povo de Israel’, com foco especial na sua influência nas comunidades da diáspora, como as comunidades judaicas ocultas na Polónia e comunidades de Subbotniks na Rússia, ambos os quais a Shavei Israel auxilia no retorno à sua herança cultural, alguns continuando para um processo de conversão e até mesmo aliá (imigração) para Israel.

Governo israelense, salve os judeus Subbotnik!

Governo israelense, salve os judeus Subbotnik!

Por Michael Freund, fundador e diretor da Shavei Israel.

Artigo publicado originalmente no Jerusalem Post a 15/07/2021

 

Nos últimos 15 anos, centenas de judeus Subbotnik no vilarejo de Vysoky, no sul da Rússia, têm estado no limbo, esperando ansiosamente a oportunidade de fazer aliá e se reunir com seus entes queridos no estado judaico.

Embora um grande número tenha se mudado para Israel no século passado sem problemas, no início dos anos 2000 surgiram obstáculos burocráticos inexplicáveis, e sua imigração foi paralisada desde então.
Com um novo governo israelense agora em vigor, chegou a hora de remover os obstáculos em seu caminho e salvar os judeus Subbotnik da Rússia antes que seja tarde demais.
Os Judeus SUBBOTNIK não devem ser confundidos com os “Subbotniks”, um grupo totalmente separado de cristãos russos que escolheu observar o Shabat.
A história dos judeus Subbotnik, como grande parte da história judaica, é repleta de fé e determinação, mas também de terrível sofrimento e tragédia.
As origens dos judeus Subbotnik remontam ao final do século XVIII e início do século XIX, quando seitas judaizantes surgiram no sul da Rússia por razões que os estudiosos têm tido dificuldade em explicar. De acordo com os arquivos czaristas e documentos da igreja russa da época, o movimento se espalhou rapidamente e cresceu até chegar a dezenas de milhares.
Embora permanecessem cristãos, muitos adeptos adotaram algumas práticas judaicas, como observar o “Subbot”, ou sábado, aos sábados, levando-os a serem chamados de “Subbotniks”.
Entre eles, no entanto, estava um pequeno grupo que deixou para trás a fé ortodoxa russa e se converteu ao judaísmo. Referindo-se a si mesmos como “Gerim”, usando a palavra hebraica para convertidos, começaram a praticar o judaísmo abertamente, o que na Rússia czarista não era nada fácil.
Os judeus Subbotnik observavam a lei judaica, casavam com judeus Ashkenazi russos na cidade de Voronezh e alguns enviavam os seus filhos para estudar em yeshivot na Lituânia e na Ucrânia.
A sua adoção do judaísmo não passou despercebida, e o regime russo logo tentou destruir o movimento.
De acordo com o falecido Simon Dubnow, o grande historiador dos judeus russos e poloneses, o czar Alexandre I soube da existência dos judeus Subbotnik em 1817, quando estes reclamaram perante ele do antissemitismo que estavam sofrendo “por terem confessado a lei de Moisés. ”
Em vez de proteger seus súditos, o czar decidiu persegui-los. Ele emitiu uma série de decretos cruéis contra os judeus Subbotnik, incluindo até o sequestro de seus filhos e culminando com a sua deportação para os confins da Sibéria oriental.
Com o tempo, muitos migraram de volta, estabelecendo-se novamente no sul da Rússia ou na Ucrânia, enquanto tentavam preservar corajosamente sua identidade em face da opressão czarista e posteriormente soviética.
Na década de 1920, o sexto Lubavitcher Rebe, o Rabino Yosef Yitzchak Schneersohn, enviou um emissário chamado Rabino Chaim Lieberman para viver e trabalhar com essa comunidade. Ele estabeleceu um matadouro kosher, bem como uma fábrica de talit, (o manto de oração), que era operada por judeus Subbotnik e que servia comunidades judaicas em toda a Rússia. A fábrica funcionou até que Lieberman foi preso e assassinado pelos comunistas em 1937, por sua promoção do judaísmo.
Quando os alemães invadiram a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial, assassinaram muitos judeus Subbotnik, por serem judeus.
Posteriormente, nos dias sombrios da Rússia stalinista, os judeus Subbotnik enfrentaram opressão e perseguição por causa de sua teimosa insistência em permanecer fiéis ao judaísmo.
Figuras proeminentes na história moderna de nossa nação, como o falecido chefe de gabinete das FDI Rafael Eitan e o lendário Alexander Zaid, um pioneiro da Segunda Aliá, que fundou no século passado o grupo de autodefesa judaico Hashomer, eram de ascendência Subbotnik. Yossi Korakin, um lendário comandante da alardeada unidade naval de operações especiais de Israel Shayetet 13, que morreu durante uma operação de contraterrorismo contra o Hezbollah no Líbano em setembro de 1997, também era de ascendência Subbotnik.
Décadas de comunismo soviético custaram a todos um preço alto e, nos últimos anos, um número cada vez maior de judeus Subbotnik tem infelizmente sucumbido à assimilação e aos casamentos mistos, o que representa uma ameaça ao seu futuro como judeus.
É por isso que é tão essencial que Israel aja rapidamente para permitir que os judeus Subbotnik restantes façam aliá.
Até 2005, centenas de judeus Subbotnik da vila de Vysoky, no sul da Rússia, se mudaram para Israel, e milhares de pessoas de outras partes da ex-União Soviética vieram durante a grande onda de aliá da Rússia, que ocorreu durante a década de 1990.
Quando a aliá dos judeus Subbotnik foi interrompida em 2005, isso lhes causou grande sofrimento, dividindo famílias e enviando uma mensagem aos que ainda estavam na Rússia de que não eram realmente bem-vindos no estado judaico.
O resultado foi que centenas de judeus Subbotnik na aldeia de Vysoky foram deixados para trás.
O tratamento que lhes foi dado foi simplesmente imperdoável. Não há razão para que seja tão difícil para eles fazer aliá e retornar ao povo judeu.
De fato, num artigo recente no Tchumin, um jornal haláchico, o rabino Pinchas Goldschmidt, o rabino-chefe de Moscovo, publicou um estudo extenso e baseado numa pesquisa meticulosa sobre os judeus Subbotnik. Sua conclusão é que “não podemos desviar os olhos desta comunidade e deixá-los entregues ao seu destino.” Fazer isso, escreve ele, provavelmente os levará a se perderem do povo judeu em questão de poucos anos. Existe, conclui Goldschmidt, “um grande fundamento para considerá-los convertidos kosher” e, portanto, eles devem ser trazidos em aliá para Israel, onde podem passar por um processo adicional para dissipar quaisquer dúvidas que possam existir quanto à sua condição judaica.
Essa também foi a posição recentemente assumida pelo rabino Asher Weiss, um dos mais proeminentes decisores haredi da lei judaica.
À luz disto, exorto o primeiro-ministro e o governo israelense a tomar medidas imediatas para trazer os judeus Subbotnik restantes em aliá. O tempo urge.
Os judeus Subbotnik agarraram-se corajosamente ao seu judaísmo durante dois séculos, sobrevivendo à opressão czarista, à perseguição nazista e à tirania soviética. Devemos a eles e a seus antepassados ​​reduzir a burocracia e permitir que finalmente voltem para casa.
Pode ler o artigo original em inglês no Jerusalem Post Aqui

Cara a cara com Edith Blaustein

Uma entrevista com a vice-diretora da Shavei Israel, traduzida do original em espanhol, um artigo do Semanário Hebreo Jai, um jornal judaico da América Latina. Entrevista por Janet Rudman

Gostaria que a Edith nos contasse a sua biografia em poucas palavras.

Estou muito honrada de que o Semanario Hebreo queira conduzir uma entrevista através de si, querida Janet. É realmente um grande prazer me reconectar com a Janet e com os leitores do Semanário. 

Nasci em Montevidéu em 1955. Os meus pais imigraram no final dos anos 1920, minha mãe de Kobrin e meu pai de Chernovich. Tenho quatro filhos – Dina, Raquel, Shie e Ionatan, sete netos, e sou casada com o Dr. Yehuda Sczwartz.

Eu me formei no Instituto Yavne em 1972, terminei meu ensino de história no Instituto de Professores Artigas e obtive o título de Mestre em Educação pela Universidade Católica. 

Pertenço à primeira geração de graduados do Leatid, programa da Joint, em Buenos Aires. Mais tarde, fiz a pós-graduação do Instituto Melton de Educação da Universidade Hebraica de Jerusalém. Além disso, sou técnica ontológica. Obtive o diploma no instituto dirigido pelo Dr. Rafael Echeverría na Universidad del Desarrollo de Santiago do Chile.

Trabalhei como professora de História Hebraica no Instituto Yavne e na Escola Integral. Dirigi o Centro de Estudos Judaicos entre 1982 e 1989. Fui Diretora Geral do Instituto Yavne entre 1991 e 1995. Mais tarde, já no Chile, fui Diretora Geral do Vaad Hajinuj e do Instituto Hebraico de Santiago do Chile entre 2002 e 2008. 

Em 2008 fiz aliá com meu filho Ionatan. Meus filhos Raquel e Shie já moravam aqui; Dina mora em Montevidéu. Viemos morar em Jerusalém. 

Trabalho desde fins de 2008 como vice-diretora da Fundação Shavei Israel.

O que representou para si o CEJ? Que contar aos nossos leitores que não o conheceram? Que memórias tem da publicação Contextos?

O nosso encontro, Janet, foi no Centro de Estudos Judaicos, um empreendimento do Departamento Dor Tzahir da Agência Judaica, em conjunto com as Universidades de Jersualem e de Tel aviv. Foi uma grande honra ser nomeada diretora de uma instituição de educação para adultos numa época difícil. Lembremos o contexto da ditadura que havia no Uruguai. Uma crise econômica muito importante, também, precisamente nesse ano de 1982. Locais de estudo foram fechados, então também foi um privilégio para o Uruguai ter aquele espaço. A comunidade judaica foi muito enriquecida pelo Programa de Identidade Judaica ministrado pelo CEJ, que durava dois anos. O CEJ foi, sem dúvida, uma luz em todos os sentidos; uma equipa de professores locais de alto nível com professores convidados de Buenos Aires, da Universidade Hebraica e da Universidade de Tel Aviv.

Lembro-me do valor que os formandos davam ao diploma final, voltam sempre à minha memória, tanto professores da comunidade quanto alunos inesquecíveis que passaram pelas suas salas de aula. Pessoas adultas muito cultas. Entre as iniciativas que realizávamos no CEJ estava a revista Contextos, com uma equipa editorial de estudantes de luxo, com artigos, entrevistas, ilustrações feitas com profissionalismo e amor, que influenciaram a vida comunitária da época. E a Janet também fazia parte dessa linda equipa.

A Edith trabalhou na educação judaica em vários países da América Latina? Como foi a sua experiencia?

Foi uma experiência enriquecedora, que me permitiu conhecer a vida judaica latino-americana. Quero destacar a minha experiência chilena como diretora geral do Vaad Hajinuj e do Instituto Hebraico, um colégio modelo com cerca de 1.500 alunos. Foram anos muito intensos que me permitiram fazer parte da comunidade chilena e fazer amizades excelentes, com as quais continuo em contato até hoje. Tenho muito carinho pela comunidade chilena e sou muito grata pela oportunidade que tive de realizar projetos e transformar a educação judaica naquela comunidade. O fato de ter tornado o Instituto Hebraico trilíngue foi um dos alicerces do seu sucesso atual. Levei a experiência do Taglit para o Chile, e também do Hillel para jovens universitários. Fizemos um programa de intercâmbio com um colégio de New Jersey. Acrescentámos à viagem de estudo a Israel uma paragem na Polónia, e dessa forma elevámos a viagem a uma dimensão de experiência transformadora para os alunos. Desenvolvemos a Semana de Verão para a comunidade adulta e uma infinidade de outros projetos. Lembro-me de quando saí do cargo para fazer aliá, deixei trinta projetos em andamento.

Em que anos trabalhou no Yavne? Quantos alunos compareceram?

Fui diretora geral da Yavne entre 1991 e 1995. Naquela época havia cerca de 500 alunos. Foram anos muito intensos na direção, onde programámos, com o corpo docente, profundas mudanças estruturais. Duas lembranças que me vêm à mente: quando chamei um pai, jovem na época, Dani Cohn, e lhe pedi que fizesse parte da comissão diretiva (tudo o resto é história), e quando trouxemos o minian da Bney Akiva da Escola Integral, que funcionava nos Yamim Noraim, ao Yavne, e essa foi a base do minian de sucesso até hoje em um belo Beit Knesset.

Como foi a sua adaptação a Israel profissionalmente? E pessoalmente?

Fiz aliá com a convicção de que Eretz Israel niknet al isurim, ou seja, que «a Terra de Israel consegue-se com sacrifício». Eu tive siata dishmaia, ajuda divina, na klitá. A Raquel já era casada, ela já tinha três filhos, e a Shie veio morar com o Ionatan e comigo até casar e hoje já tem quatro filhos. Assim, meus filhos foram e continuam sendo um apoio constante que me permitiu aclimatar-me como em casa. Ao longo do caminho conheci pessoas maravilhosas, incluindo meu marido, que junto com meus amigos de longa data, o Rabino e Rabanit Birenbaum, permitiu que Ionatan e eu tivéssemos uma klitá muito boa, não sem dificuldades, é claro, mas certamente bem-sucedida.  

Desde 2008, trabalho como vice-diretora da Shavei Israel (www.shavei.org), uma fundação criada por Michael Freund, que fez aliá de Nova Iorque. Michael, enquanto servia como assessor de Netanyahu no seu primeiro mandato, recebeu uma carta de um grupo no nordeste da Índia que se apresentava como descendentes da tribo Menashe. Na carta, eles pediam a «seu irmão Yehuda» que os ajudasse a chegar a Eretz Israel. Michael, ao contrário de outros que rejeitaram a carta, decidiu responder-lhe. A partir dessa carta, ele prometeu fazer todos os possíveis para trazê-los para Israel. E essa é uma das nossas tarefas na Shavei Israel, onde Michael é o principal responsável pela angariação de fundos e eu pela administração da instituição. Temos departamentos que se encarregam dos Bnei Anusim (descendentes daqueles que mantiveram o judaísmo em segredo após a expulsão dos judeus de Espanha), há quem queira voltar plenamente ao judaísmo e nós os ajudamos, tanto os que vivem na Europa como na América Latina. Dentro deste departamento funciona o Machon Miriam, que acompanha a conversão dos alunos falantes de espanhol, português e italiano, e o Machon Milton, para os alunos falantes da língua inglesa. 

O Rabinato Chefe de Israel é quem estabelece os critérios para todo esse trabalho. Trabalhamos também com os judeus ocultos da Polônia, que esconderam seu judaísmo após a Shoah e hoje seus netos se descobrem judeus e querem voltar às suas raízes. Também trabalhamos com os Subotniks na Rússia e com a comunidade judaica Kaifeng na China. Com o patrocínio do Ministério da Cultura, criámos o Centro Maani, de preservação da cultura das diferentes comunidades com as quais temos contato, onde aprendemos e compartilhamos as diversas tradições que cada comunidade desenvolveu para preservar o Judaísmo.  Portanto, tenho um trabalho apaixonante. 

Já conseguimos trazer para Israel cerca de 3.000 bnei menashe, que vivem em doze cides de Israel. Criámos para eles um centro de absorção para quando chegam a Israel, e lá os acompanhamos durante três meses para eles passarem pela conversão com os Daianim do Rabinato de Israel. Depois os acompanhamos na sua absorção nas diferentes cidades, quando já estão instalados. 

Já viajei várias vezes à Índia para dirigir a «operação retorno». Em uma das viagens, foi a minha vez de trazer um grupo de cem bnei menashe para Israel. A verdade é que é a coisa mais próxima de se sentir Moshe Rabeinu por algumas horas. A emoção é indescritível; eles têm um hino que fala da esperança de chegar à Terra de Israel e Jerusalém, eu sempre choro de emoção ao chegar em Israel com aquela música e ver como cada um beija a enorme mezuzá que está na entrada do aeroporto. Neste momento o governo de Israel aprovou a chegada de 250 olim bnei menashe e estamos em pleno planejamento e organização; serão trazidos por um avião da El Al que fretámos especialmente e, junto com o Ministério de Absorção, cuidaremos da sua inserção na sociedade israelense depois de passarem pelo centro de absorção que montámos, onde passam a conversão. 

Sem dúvida é um privilégio fazer parte desta importante instituição.

Eu conheci a Edith como sendo ortodoxa moderna. Tenho a lembrança de Shabat do papel higiênico cortado no banheiro de sua casa. Como é a sua vida hoje nesse sentido?

Minha família, quando nasci, não era religiosa; na verdade, até chegar a Yavne no primeiro ano do ensino médio, e em Bnei Akiva, eu não sabia hebraico. Foram essas instituições, que evidentemente moldaram minha vida, que me permitiram me apaixonar pelo judaísmo, estudar e começar a cumprir mitzvot

Adotei o algoritmo Judaico, do qual fala o Rabino Jonathan Sacks (ZT´L), em minha vida. Acredito com plena convicção que o Judaísmo é um modo de vida cheio de significado, não há dia que não estude um capítulo do Tanach e agora também a página diária do Talmud, é alimento para a alma.

Do que sente saudades, de Montevidéu?

Em primeiro lugar, da minha filha Dina que mora lá, dos meus pais (Z´L) que estão enterrados no cemitério de La Paz. Não sinto falta de nada específico, mas certamente carrego Montevidéu no coração. Um fenômeno interessante é a língua, o espanhol: tenho a felicidade de dominar (ler, escrever) o espanhol, o inglês e o hebraico, mas às vezes sinto falta do espanhol, quero ver um filme ou ler um livro… porque falar hebraico ou inglês para mim é como estar vestida para sair para a rua, e o espanhol é estar de pantufas, com roupa de andar por casa.

Suas amigas de longa data, de que origem são elas e de que época da sua vida?

Tenho amigas de longa data que fui fazendo em diferentes fases da minha vida, da Bnei Akiva, CEJ, Yavne, amigas chilenas que são incríveis e, ultimamente, também israelenses. Quero mencionar a minha amiga Lea Cesarco, que conheci no CEJ, com quem tenho contato o tempo todo. Também a Cuca Sandbrand e Mary Fogjel… A lista é muito longa graças a D’us.

A Edith sempre foi uma mulher muito trabalhadora. Dentro do lar judaico…

Quando meus filhos andavam no gan, aprendiam que «o pai trabalha e a mamãe cozinha.» Acho que ninguém fala assim hoje. Meus filhos me viram trabalhar toda a minha vida, com esforço, e eles também o fazem. Minhas filhas são profissionais, têm mestrados e trabalham em cargos importantes, minha nora também. Eu acredito que as mulheres judias podem ser profissionais em vários campos. Mesmo na vida judaica, na sinagoga, também houve muitas mudanças nos lugares que as mulheres ocupam como professoras, estudiosas do Talmud, etc.

Hoje, no Uruguai, temos uma vice-presidente mulher, conhecida por lutar pelas mulheres. Golda Meir foi primeira-ministra em 1969. O Uruguai tem mais mulheres no Parlamento e, pelo que li, Israel tem menos nesta legislatura do que na anterior. O que me pode me dizer sobre isto?

Sem dúvida, as mulheres em Israel ocupam um lugar muito importante. Isso vê-se na mídia e também na política. Em relação ao Uruguai, as mulheres aqui, nesse sentido, têm mais relevância. A Diretora Geral da Indústria Aeronáutica de Israel é uma engenheira, funções que não eram tradicionalmente associadas às mulheres. 

A Edith é avó. Diga-me o que significa para si ser avó e exercê-lo.

Ser avó para mim é como receber um prêmio. Por enquanto, tenho sete netos, a mais nova tem três anos e os mais velhos 18 (são gêmeos). Eles são todo o meu orgulho. É muito especial estar com eles e desfrutá-los. Todas as sextas-feiras, quando nos cumprimentamos para o Shabat, eu digo-lhes o quanto os amo e como estou orgulhosa deles. Confesso que exerço um «avózismo» ativo, preocupo-me em estabelecer rotinas, às vezes organizo peulot, como quando era madrichá. Gosto de passear, preparar comida para eles, comprar doces, ensinar espanhol, estudarmos juntos, coisas que com certeza vão se lembrar quando, com a ajuda de De’s, forem adultos.

Trazer para casa uma das tribus perdidas? Uma entrevista com Michael Freund, fundador da Shavei Israel

Tradução do artigo publicado a 10 de Setembro de 2020 no website Jewish Press

A ministra israelita da Aliá e Integração, Penina Tamanu-Shata, disse a Michael Freund numa reunião recente que está a avançar com os planos para que outros 722 membros da comunidade Bnei Menashe do nordeste da Índia se mudem para Israel.

Nas últimas duas décadas, Freund – fundador e presidente da Shavei Israel – tem estado na vanguarda dos esforços para ajudar os Bnei Menashe, que afirmam ser descendentes de uma das Dez Tribos Perdidas, a retornar ao povo judeu. Na verdade, graças em grande parte aos esforços da Shavei Israel, mais de 4.000 Bnei Menashe estão agora vivendo em Israel.

Freund, que cresceu em Nova York, é formado pela Princeton University, tem um MBA da Columbia University e é coautor de dois livros.

The Jewish Press: Quem são exatamente os Bnei Menashe?

Michael Freund: Os Bnei Menashe são descendentes da tribo de Menashe, uma das Dez Tribos Perdidas que foram exiladas da Terra de Israel há mais de 27 séculos pelo Império Assírio. Residem atualmente na parte nordeste da Índia, principalmente no estado de Mizoram e Manipur, ao longo das fronteiras com a Birmânia e o Bangladesh.

Apesar de terem vagado no exílio durante tanto tempo, nunca se esqueceram de quem eram ou de onde vieram, e nunca se esqueceram de para onde um dia esperavam voltar: Sião. Incrivelmente, apesar de estarem separados do resto do povo de Israel durante tantas gerações, eles apegaram-se à sua identidade, continuaram a praticar o judaísmo e nunca perderam a fé de que acabariam por se reunir com o resto do povo judeu.

Quantos Bnei Menashe existem e que tipo de judaísmo praticam?

Até agora, fomos abençoados em ter traziso mais de 4.000 Bnei Menashe em aliá para Israel, e ainda há outros 6.500 na Índia à espera para vir. Os Bnei Menashe estão espalhados por mais de 50 comunidades em todo o nordeste da Índia, cada uma com a sua própria sinagoga.

Durante séculos, eles praticaram uma forma bíblica de judaísmo, guardando o Shabat, comendo casher, celebrando os festivais e seguindo as leis de pureza familiar. Quando foram descobertos pelos britânicos, há mais de um século, ainda realizavam os rituais dos sacrifícios.

Curiosamente, não conheciam Purim ou Chanucá, festas que comemoram eventos ocorridos séculos depois de os seus antepassados terem sido exilados. Na década de 1980, quando pela primeira vez estabeleceram contato com o falecido Rabino Eliyahu Avichail, de Jerusalém, adotaram o Judaísmo Ortodoxo contemporâneo, que praticam fielmente até hoje.

Visitei as suas comunidades na Índia inúmeras vezes e é realmente uma visão extraordinária. Todos os homens usam yarmulkes e muitos têm tsitsit pendurados por baixo das camisas, e as mulheres vestem-se com recato.

Como é que você se envolveu com os Bnei Menashe?

Fiz aliá de Nova York em 1995, e, quando Benjamin Netanyahu foi eleito primeiro-ministro em 1996, fui nomeado vice-diretor de comunicações do Gabinete do Primeiro-Ministro, sob a direção de David Bar-Illan, de abençoada memória.

Um dia, na primavera de 1997, chegou um pequeno envelope cor de laranja dos líderes da comunidade Bnei Menashe, dirigido ao primeiro-ministro. Passou pela minha secretária, por isso eu abri o envelope e li a carta. Era um apelo muito emotivo, pedindo que os Bnei Menashe pudessem voltar a Israel após 2.700 anos.

Para ser sincero, ao princípio pensei que era uma loucura. Mas havia algo muito sincero e sentido na carta, por isso decidi respondê-la. Então, quando me encontrei com membros da comunidade e aprendi mais sobre a sua história, tradições e costumes, fiquei convencido – por mais fantasioso que possa parecer – de que eles são de fato os nossos irmãos perdidos e que tínhamos que os ajudar.

Então comecei a lutar contra as barreiras da burocracia e providenciei para que grandes grupos de Bnei Menashe fizessem aliá.

Todos os aceitam como judeus?

Em 2004 abordei o Rabino Chefe Sefardita de Israel, Shlomo Amar, e pedi-lhe que estudasse o assunto. Depois de o estudar, o Rabino Amar declarou, numa reunião em março de 2005, que os Bnei Menashe são «Zera Yisrael» – descendentes de Israel como grupo coletivo – mas que, por terem estado separados do resto do povo de Israel por por tanto tempo, cada indivíduo teria que passar por um processo formal de conversão, que é exatamente o procedimento que é seguido até hoje.

Todos os 4.000 Bnei Menashe em Israel foram convertidos pelo Rabinato Chefe de Israel, por isso são tão judeus quanto você ou eu.

É fascinante que um grupo que esteve isolado durante tanto tempo esteja agora voltando para Israel.

Basta abrir qualquer um dos livros dos Profetas e verá que todos falam da reunião dos exilados, incluindo Judá e Israel – ou seja, as Dez Tribos Perdidas de Israel. Isaías diz: «E acontecerá naquele dia que se tocará um grande shofar e virão aqueles que tinham sido espalhados na terra da Assíria» (27:13). Esta é uma referência explícita às tribos que foram exiladas pelos assírios.

E em Jeremias (3:18), Hashem promete que «Naqueles tempos, a casa de Judá caminhará com a casa de Israel e virão juntas de uma terra do norte para a terra que dei a vossos antepassados ​​por herança.»

O retorno dos Bnei Menashe, que são descendentes da casa de Israel, é o início do cumprimento dessas promessas milenares. Portanto, acredito que é um passo significativo no processo da redenção.

Como descreve a sua integração na sociedade israelita?

Graças a D’us, no geral, tem sido um sucesso. A maioria dos imigrantes Bnei Menashe tem pelo menos o ensino médio [também chamado ensino secundário], alguns têm diplomas de universidades indianas e muitos falam inglês. Todos eles têm smartphones na Índia, por isso estão familiarizados com os costumes ocidentais e acompanham de perto as notícias de Israel.

Todos os rapazes da comunidade servem nas FDI, muitos deles apresentando-se como voluntários em unidades de combate de elite. Um número crescente de jovens da comunidade formou-se em faculdades israelitas, em cursos que variam de serviço social a engenharia, e alguns jovens receberam ordenação rabínica.

Obviamente, como novos imigrantes, eles enfrentam muitos desafios, mas os Bnei Menashe são sionistas e judeus praticantes e estão determinados a que as coisas resultem.

Quando fará aliá o próximo grupo de Bnei Menashe?

No meu recente encontro com a ministra da Aliá e Integração, Penina Tamanu-Shata, ela deixou claro que deveríamos começar os preparativos para trazer em novembro o primeiro grupo de 250 imigrantes de um total de 722 que foram aprovados. O restante virá em 2021. Mas depende, é claro, do financiamento.

Pelo acordo com o governo, a Shavei Israel deve cobrir diversos custos, como a passagem aérea e todo o transporte dos Bnei Menashe da Índia para Israel, que ascendem a USD $ 1.000 por imigrante. Portanto, precisamos de angariar os fundos necessários.

Para além dos Bnei Menashe, você trabalha também com outras comunidades «perdidas». Pode contar-nos um pouco sobre essas outras comunidades?

Eu fundei a Shavei Israel com o objetivo de estabelecer contacto com tribos perdidas e comunidades judaicas ocultas e ajudá-las a se reconectarem com as suas raízes. Além dos Bnei Menashe da Índia, trabalhamos há muitos anos com os judeus chineses de Kaifeng, na China; os Bnei Anussim (ou «Marranos») de Espanha, Portugal e América do Sul; os judeus ocultos da Polónia, do Holocausto; os judeus Subbotnik da Rússia, e outros.

Fazemos isto porque sinto que temos a responsabilidade histórica, moral e religiosa de ajudar a retornar aqueles que antes fizeram parte do nosso povo. Como sabemos, o povo judeu, nos últimos 2.000 anos, foi perseguido e torturado, massacrado e expulso mais do que qualquer outra nação da Terra. Ao longo do caminho, muitas pessoas foram arrancadas de nós, mas de alguma forma conseguiram preservar um sentido de consciência ou conexão judaica.

E nas últimas décadas, um número crescente de descendentes de judeus tem batido às nossas portas, procurando se reconectar com o povo judeu. Depois de tudo o que os seus antepassados sofreram – seja às mãos da Inquisição, dos comunistas ou dos nazis – como lhes podemos virar as costas?

Artigo de Tzvi Fishman, do Jewish Press

Shavei Israel celebra Tu B’Shvat com as comunidades ao redor do mundo em 2015

Shavei Israel celebra Tu B’Shvat com as comunidades ao redor do mundo em 2015

Nesta mesma data no ano passado, o mundo judaico celebrou o Tu B’Shvat, o anual “Ano Novo das Árvores”, e as comunidades da Shavei Israel fizeram parte desta festa através de festas, plantando árvores e comendo muitas frutas e nozes. De Portugal à Polônia, de Bogotá à Beit Shemesh, as comunidades judaicas “perdidas” e “escondidas” tiveram sua porção de amêndoas, castanhas, azeitonas, damascos, figos e até mesmo um cranberry ocasional. Abaixo disponibilizamos as fotos e histórias de algumas destas celebrações.

portugal

Plantando uma árvore em honra a Tu B’Shvat, em Portugal

Portugal – o emissário da Shavei Israel para os Bnei Anussim em Portugal, o Rabino Elisha Salas, celebrou a festa com um novo grupo de estudantes da pequena cidade de Seixal, perto de Lisboa. Durante as festividades, foi exibido um filme chamado Milagre de Israel, que traça a história judaica de Avraham até o presente e, plantaram uma árvore em homenagem a festa.

O Rabino Ellis lidera um "Seder" de Tu B'Shvat na Polônia
O Rabino Ellis lidera um “Seder” de Tu B’Shvat na Polônia

Polônia – o emissário da Shavei Israel, o Rabino Yehoshua Ellis nos enviou algumas impressionantes fotos em preto e branco da festa de Tu B’Shvat que foi realizada em Katowice. O Rabino Ellis liderou um “Seder” de Tu B’Shvat – um costume cabalístico iniciado no século 16, onde diferentes frutas e nozes são consumidas juntamente com as bênçãos apropriadas enquanto que as histórias são contadas, destacando o significado espiritual de cada alimento. Trinta pessoas participaram. O Rabino Ellis liderou um segundo “Seder” na noite seguinte na cidade polonesa de Gilwice.

Judeus Subbotnik comemoram com o emissário Rabino Zelig Avrasin, em Beit Shemesh
Judeus Subbotnik comemoram com o emissário Rabino Zelig Avrasin, em Beit Shemesh

Como tem acontecido nos últimos anos, a comunidade judaica Subbotnik de Beit Shemesh organizou um “Seder” de Tu B’Shvat na sinagoga Netzach Menashe. O Rabino Zelig Avrasin, emissário da Shavei Israel para a comunidade Subbotnik – tanto em Israel quanto na Rússia – presidiu as festividades, que incluíram lanches, música e dois livros escritos em russo, especialmente para os judeus Subbotnik: o primeiro foi publicado no ano passado pela Shavei Israel para Tu B’Shvat, e um novo livro foi lançado sobre as tradições de Rosh Chodesh -o início do mês judaico.

Bogotá curte suas bananas em Tu B'Shvat
Bogotá curte suas bananas em Tu B’Shvat

Na foto à direita, você pode ver a comunidade dos Bnei Anussim da sinagoga Har Sinai, em Bogotá, Colômbia, comemorando com algumas boas bananas, típicas da América do Sul.

El Salvador celebra bonito o Tu B'Shvat
El Salvador celebra bonito o Tu B’Shvat

E na esquerda, uma foto da vizinha da Colômbia para o noroeste, El Salvador. A foto é do grande “Seder” realizado pelas comunidades de Bnei Anussim das cidades de Armenia e da capital do país, San Salvador.

Combinando o Ano Novo Chinês com Tu B'Shvat em Jerusalém
Combinando o Ano Novo Chinês com Tu B’Shvat em Jerusalém

Finalmente, voamos para a China… através de Israel. Nossas fotos da comunidade chinesa judaica que comemorou o Tu B’Shvat no ano passado foram, efetivamente, tiradas aqui na Terra Santa, onde alguns dos judeus chineses dos quais a Shavei Israel tem ajudado a fazer Aliá ao longo dos últimos anos, se juntou a um grupo da Universidade Hebraica, que incluiu estudantes da China que estão estudando em Jerusalém, além dos israelenses que estão matriculados no programa Hebrew U’s Chinese e Estudos da Ásia Oriental.

Judeus chineses comemoram Tu B'Shvat em Jerusalém
Judeus chineses comemoram Tu B’Shvat em Jerusalém

Juntos, eles celebraram tanto o Tu B’Shvat quanto o Ano Novo Chinês, que aconteceu no dia 19 de fevereiro, e como Tu B’Shvat, significa o início da temporada da primavera. Nas fotos, os judeus da China estão vestindo uniformes do exército e o estudante de terno e gravata, foi o mestre de cerimônias, traduzindo do Inglês ao Chinês. A noite foi patrocinado pela organização de Relações Públicas de Israel, Stand With Us, e incluiu uma dramática demonstração de Kung Fu. Mas o destaque foi claro quando os judeus chineses recontaram a história inspiradora de suas longas viagens, desde a pequena comunidade judaica de Kaifeng até se tornarem soldados orgulhosos e totalmente judeus das Forças de Defesa de Israel.