Descendentes criptojudaicos estão em contacto, mas ainda há obstáculos

Descendentes criptojudaicos estão em contacto, mas ainda há obstáculos

Por: Sasha Rogelberg

“Shabbat Shalom a Todos” escreveu um membro do grupo do Facebook Sephardic and Crypto-Jewish Research para um público de mais de 400 membros, muitos dos quais vivem no norte do México ou no sudoeste dos Estados Unidos. 

O post aparece por cima de acima de uma consulta para encontrar um livro sobre guardas da marinha espanhola publicado em 1954 em Madrid e por baixo de uma imagem antiga de um manual escolar mostrando uma mulher a ser levada perante a  Inquisição na Cidade do México.

O conteúdo dos posts do grupo é variado, mas todos dizem respeito ao criptojudaísmo, a prática secreta do judaísmo pelos judeus sefarditas em Espanha e suas colónias durante e depois da Inquisição.

Numa época em que os católicos continuam a ser a grande maioria nos países de língua espanhola e na Península Ibérica, os judeus desses países permanecem estigmatizados, embora a Inquisição tenha terminado há séculos. É por isso que esses grupos do Facebook são preciosos para tantas pessoas que estão agora mesmo a descobrir as suas origens sefarditas depois das mesmas lhes terem sido ocultas durante gerações.

Ronit Treatman, da Filadélfia, (na foto) é membro de mais de 25 desses grupos, incluindo Sephardic and Crypto-Jewish Research.

Em 2012, Treatman descobriu a sua própria história através de testes de ADN: Uma descoberta surpresa indicou que alguns membros da família se tinham mudado de Espanha para a Polónia.

“Isso mostrava que parte deles foi forçada a converter-se e teve que ir para o Brasil”, disse Treatman.

“A descoberta de origens judaicas, particularmente de ascendência criptojudaica, tornou-se mais comum agora, com os  testes de DNA mais acessíveis”, disse Treatman. Empresas como a Family Tree DNA podem pesquisar mais especificamente as as raízes sefarditas.

Treatman descreve-se como “o outro lado do espelho”. Enquanto tantos outros membros dos grupos foram educados como católicos e estão agora a tentar aprender mais sobre as suas raízes judaicas, Treatman sempre soube que era judia (o seu pai foi diplomata israelita). 

Ao longo de quase uma década a conhecer pessoas nesses grupos, Treatman tem conseguido ajudar dezenas de pessoas a encontrar textos, recursos e membros da comunidade, e tem reunido descendentes criptojudaicos de volta ao judaísmo.

Os judeus da Filadélfia estão habituados a ajudar descendentes de criptojudeus, também chamados de Conversos, Bnei Anusim ou Marranos,  a palavra espanhola que quer dizer “porco” e que, na opinião de Treatman, é uma terminologia inadequada para o grupo.

A Congregação Mikveh Israel, a sinagoga mais antiga da Filadélfia, foi fundada por judeus espanhóis e portugueses através de uma sinagoga sefardita em Amsterdão.

Na década de 1920, foi a primeira sinagoga sefardita a responder aos pedidos do Comité Português de Marranos, “para que sejam aplicados fundos no retorno ao judaísmo de mais de 14.000 marranos que vivem em Portugal, como cristãos em público e como judeus secretamente, há mais de quatro séculos”, escreveu o líder religioso de Mikveh Israel Leon H. Elmalah numa carta de 31 de outubro de 1926.

O apelo foi feito em parceria com a Comunidade Sefardita de Londres, a Associação Anglo-Judaica e a Aliança Israelita, explicou a carta. A doação feita pela Mikveh Israel seria o equivalente a USD $ 50.000 de hoje, disse o rabino da Mikveh Israel, Albert Gabbai.

“Como somos uma sinagoga espanhola e portuguesa, e traçamos a nossa ascendência até aos judeus que escaparam — porque somos uma congregação que segue essa tradição iniciada por esses judeus, foi natural para nós ajudá-los”, disse Gabbai.

Gabbai visitou a comunidade judaica portuguesa, que agora tem entre 50 e 100 membros, em 2017, décadas depois dela ter recebido uma educação judaica por parte de rabinos israelitas enviados para ensinar os feriados judaicos.

A viagem foi animadora, disse Gabbai, pois conseguiu ver o que a ajuda da Mikveh Israel 90 anos antes  foi capaz de fazer. Mas ainda há na zona preconceitos em torno dos judeus, disse ele.

Na viagem, Gabbai viu um turista numa igreja — erguida no lugar de uma antiga sinagoga — que perguntou o que tinha acontecido com os judeus que deixaram a sinagoga.

“O guia disse: ‘Nós convidámo-los a deixar o país’”, conta Gabbai.

O estigma contínuo reafirma o trabalho de Treatman, disse ela. Também impulsionou o trabalho de um amigo de Treatman, que ela conheceu num evento criptojudaico no Facebook: Keith Chávez, natural de Albuquerque, Novo México, que descobriu que era judeu aos 13 anos.

“A minha bisavó estava a morrer. Ficou acamada por um longo período de tempo antes de falecer, e queria falar comigo, com o meu irmão e com o meu primo”, disse Chávez. “Então convocou-nos juntos e disse: ‘Somos Sefarditos.’ Somos Sefarditos.”

Em retrospetiva, a origem judaica de Chávez fazia sentido para ele, apesar de, durante a infância, ter  frequentado com o pai uma igreja católica. Enquanto a maioria das mulheres católicas do Novo México varria a casa empurrando o lixo para fora da porta, a sua bisavó usava uma pá, já que varrer para fora da porta violava as leis da mezuzá (embora a família nunca tivesse tido mezuzot nas ombreiras das suas portas). Ela insistia em obter e preparar a carne para as refeições do fim de semana de uma maneira que se assemelhava à lei kosher.

A história de Chávez assemelha-se à de muitos outros descendentes de criptojudeus, mas ele ainda se considera diferente. 

Muitas outras pessoas com origens criptojudaicas negaram firmemente as suas origens familiares, dando preferência à sua educação católica. Se quiserem aprender mais sobre judaísmo, poderão enfrentar obstáculos por parte de alguns líderes judeus que não consideram os descendentes de criptojudeus como sendo judeus válidos sem passarem por uma conversão.

Agora professor adjunto de história e antropologia na Universidade do Novo México, Chávez tem ensinado sobre a presença de descendentes de criptojudeus no sudoeste dos EUA e a sua própria Inquisição, que só terminou no século XIX.

Como Treatman, Chávez é administrador de vários  grupos criptojudaicos no Facebook. O Facebook ajudou a mudar a situação dos descendentes de criptojudeus que procuram conectar-se, disse Chávez, embora essas conexões permaneçam menores do que ele queria.

A certa altura, ele ajudou uma mulher finlandesa, que tinha acabado de descobrir a sua ascendência judaica, a conectar-se com um rabino em Helsínquia. Depois o rabino acabou por ajudá-la a fazer o processo de conversão.

“Senti-me muito bem,” disse Chávez. “Porque ela voltou para casa.”

Pode ler Aqui o artigo original em inglês.

A história de Chaya: descobrindo as minhas raízes

A história de Chaya: descobrindo as minhas raízes

Onde eu realmente pertenço

Muitas pessoas me perguntam porque emigrei para Israel… Que eu venho de um país muito bonito e tinha tudo o que precisava… O que me encorajou a tomar essa decisão crucial? Costumo responder com um grande sorriso: “Porque não há lugar como Israel!”

Eu tenho 30 anos, agora. Nasci e cresci em Puebla, uma cidade próxima à Cidade do México.

O meu pai é cristão, e a minha mãe não. Os meus pais  divorciaram-se quando eu era criança. Na maior parte da minha infância, eu fui mais próxima da família do meu pai.

Quando fiz quinze anos, comecei a passar mais tempo com a família da minha mãe. Eles eram diferentes de todas as outras famílias da área. Não trabalhavam aos sábados e não iam à igreja.

A minha mãe sempre me ensinou que havia apenas um De’s. Ela ensinou-me a ter fé e encorajou-nos, a mim e aos meus irmãos, a ler o Tanach. Isso ela aprendeu com os tios que a criaram, porque a sua mãe faleceu quando ela tinha quatro anos de idade.

O apelido [sobrenome] da minha bisavó era Valencia. Ela foi para o México vinda de Valência, Espanha. Achamos que ela era judia. Não temos registos para provar isso. Não temos registos de nascimento de nenhum dos seus filhos, em lugar algum. Não temos documentos. Apenas as histórias que ouvíamos na infância e o fato inegável de que a família da minha mãe aparentemente sempre manteve a fé judaica. No entanto, a minha mãe nunca explicou porquê ou de onde veio esse sistema de crenças. Ela nunca o chamou de judaísmo, mas acreditamos que ela nasceu judia.

Eles tinham certos costumes, como usar roupas conservadoras, e as mulheres usavam apenas saias. Incomum num ambiente secular, celebravam o Shabat aos sábados, em contraste com a maioria das outras pessoas. Eles tinham uma panela especial para leite e eram estritamente proibidos de consumir carne de porco e frutos do mar.

Todos nós fomos à escola com crianças cristãs, e ela deixava claro que, embora devêssemos respeitá-las, a elas e à sua fé, éramos diferentes.

Quando eu era criança e os meus amigos ou a família do meu pai tinham eventos nas suas igrejas, a minha mãe sempre hesitava em deixar-me ir. Dizia: “É melhor não ires.” Mas eu nunca entendi o porquê. Eu ia, porque queria estar lá pelos meus amigos e pela minha comunidade, mas sabia que eu nunca estava lá por observar a fé cristã.

Em Puebla, não havia comunidade judaica.

Eu sabia que me sentia diferente, mas nunca tinha visto uma comunidade judaica para poder saber onde eu realmente pertencia.

(…)

Escolhendo uma Vida Nova

Quando eu tinha dezoito anos, o meu rabino fez-me uma proposta: Ele disse que eu poderia vir para Israel e frequentar uma Midrasha. Ele queria que eu viesse a Israel para ver se gostava. Ele queria que eu visse se realmente queria ser judia.

Na época, embora eu soubesse que a minha família alargada estava a passar pelo processo e planeava fazer aliá, eu própria não tinha a certeza disso. Eu estava no processo de aceitar quem eu realmente era e de onde eu realmente vim. A questão era: Queria eu comprometer-me com essa identidade?

Eu poderia ter escolhido ser Noahida. Poderia ter acreditado em um só De’s, cumprido as sheva mitzvot bnei noach, e tido uma boa vida.

Eu tinha medo. Estava com medo de deixar para trás tudo o que conhecia. Eu estava a aprender coisas novas e estava a processar o que elas queriam dizer. Estava a tentar entender o que significaria cumprir todas as mitzvot. Parecia uma mudança radical. A pessoa pode acreditar numa fé, mas o estilo de vida era muito diferente. Eu nunca tinha passado tempo numa comunidade judaica. Tudo parecia tão estranho…

No final, escolhi viver pelo resto da minha vida como judia.

Fiz uma conversão completa aqui em Israel.

Sentei-me com sete rabinos de Bnei Brak. O meu rabino estava comigo e ajudou-me a comunicar, fazendo a tradução.

Eu estava com tanto medo. Não falava hebraico. Fizeram-me perguntas sobre chagim, kashrut, Shabat, os 13 princípios da fé.

Eu sabia todas as respostas e passei no exame.

O Mikveh foi muito bom. Foi uma experiência especial. Embora já tenham passado onze anos, lembro-me que chorei.

Depois tive uma mistura de emoções, mas no final cumpri a minha missão. Que de ali em diante, eu podia começar a viver. Podia ser quem eu realmente era.

(…)

Eu precisava de me converter novamente. A conversão que eu tinha feito não era reconhecida pelo Estado. Somente o Rabinato-Chefe de Israel tem permissão para fazer conversões e que a situação das pessoas que se convertem seja reconhecida pelo estado. Eu já era judia, mas para fazer aliá, eu precisava de fazer a conversão novamente através do Rabinato Chefe. Eu já o sabia com antecedência, mas era importante para a minha família que eu fizesse a conversão primeiro através do Beit Din de Bnei Brak.

Fui ao mikveh novamente. A conversão foi considerada “L’chumrah”. Depois de algumas semanas da minha primeira conversão, fomos ao Beit Din e no dia seguinte fomos ao mikveh.

O meu processo finalmente terminou.

Eu estava tão animada para começar minha nova vida!

Shavei Israel

Um dia, recebi uma ligação de alguém da Shavei Israel a perguntar-me se eu queria trabalhar para eles. Eu sempre quis trabalhar com Aliá e Olim. Eu estava feliz onde estava, fui promovida onde estava, mas a minha paixão era ajudar olim e partilhar a minha experiência.

Tive três entrevistas, e havia sete candidatos.

Fui escolhida.

Então, agora eu trabalho com o Ulpan de conversão da Shavei. Trabalho com as pessoas que estão a vir para cá, não apenas de países de língua espanhola e portuguesa, mas também pessoas que querem fazer aliá de todo o mundo. Eu giro os seus casos e a documentação. Como eu mesma fiz isso, e sei exatamente como é, sei como ajudá-los e orientá-los.

No ano passado, mais membros da família vieram do México para Israel. Fui eu que geri o processo para eles, através da Shavei Israel.

Foi tão difícil. O processo burocrático é tão difícil. Nem sempre se obtêm as respostas quando se quer, é preciso esperar até que o comité decida. Eles tiveram que esperar seis meses para saber se poderiam ou não se converter.

Eu ajudei-os a traduzir os documentos e a obter as recomendações. Obtive cópias da teudat zehut de todos os membros da nossa família que já vivem aqui, para ajudar a recomendá-los ao comité. Às vezes, o comité diz não. Quando acham que a pessoa não é um bom candidato ao processo.

Entendo o porquê de não poder ser toda a gente aceite, embora seja difícil. Eu vi casos em que as pessoas pedem para se converter porque querem vir para aqui por outras razões. Acabam por não cumprir a religião, ou querem vir para Israel para começar um negócio. Nem toda a gente está a querer fazer a conversão pela razão certa, de querer ser judeu.

Mas desta vez eles disseram que sim, e acredito que o apoio e o empenho da nossa família ajudaram na aceitação deles.

Graças a De’s eles terminaram. Eles farão Aliá em breve.

Agora tenho família a morar em Be’er Sheva, Ashdod, Ashkelon e Jerusalém. Temos mais de trinta membros da família aqui agora. Tios, tias, primos; famílias inteiras a casar, a ter bebés e a crescer aqui.

É incrível fazer parte deste novo capítulo na história da minha família.

Estes foram excertos de Chaya’s Story: Discovering My Roots – um capítulo do novo livro, Layers: Personal Narratives of Struggle, Resilience, and Growth From Jewish Women, publicado pela Toby Press, escrito por Shira Lankin Sheps, da The Layers Project Magazine.
A Chaya trabalha na Shavei Israel como Diretora dos Departamentos Bnei Anousim e Judeus Ocultos da Polónia e do nosso Centro Ma’Ani.
Leia o resto da história de Chaya e tantas outras histórias neste livro tão especial.
Para comprar sua cópia do livro nos EUA, Canadá e em todo o mundo, clique aqui:https://korenpub.com/products/the-layers-project
Para comprar sua cópia em Israel, clique aqui:https://korenpub.co.il/products/layers
Use o código ‘Shavei’ e receba 10% de desconto!

Os Portugueses Mexicanos

Pelo Rabino Nissan Ben Avraham

 

vasa_stern_color_modelOs Portugueses Conversos

Como já sabemos, grande parte dos judeus que foram expulsos de Castilha no nefasto ano de 1492, chegaram ao reino vizinho de Portugal, esperando encontrar no país um lugar de hospedagem, que lhes era negada em Castilha e Aragão.

Contudo, somente três anos depois, se viram, novamente, frente a mais um decreto de expulsão, quando o rei Manuel, que se queria casar com a filha dos Reis Católicos, recebia uma instrução – como condição para o casamento – de que não houvessem mais judeus em seu país. Deste modo, deu-se início a um difícil êxodo dos judeus que começaram a buscar outros lugares aonde pudessem ser acolhidos. Porém, o ritmo da emigração não satisfez o rei, que encontrou um inusitado método para fazer “desaparecer” os judeus de seu reino: ‘batizou’ a todos em celebrações que não comprometiam a ninguém. Ao espirrar ‘águas sagradas’ nas paredes dos bairros judeus, foram incluídos, assim, todos os habitantes do bairro no batismo. Os judeus foram condenados a guardar seu judaísmo em segredo, mesmo que estivesse claro que nenhum deles havia feito qualquer claro ou sincero ato de conversão ao cristianismo.

Não é de se estranhar que os conversos portugueses foram, logo, duramente perseguidos pela Inquisição. Deu-se início a uma época na qual os ‘novos cristãos’ migravam, de um lado ao outro, através da fronteira entre o reino de Portugal e Castilha, fugindo sempre do país que apresentava a maior ameaça.

 

Nova Espanha e Novo Leão

Não demoraram muito para encontrar uma solução: a emigração ao “Novo Mundo”, recentemente descoberto.

Desta maneira seria lógico encontrar um grande número de ‘portugueses’ que se comunicavam em um perfeito castelhano, desembarcando nas costas da Nova Espanha, como era, então, conhecido, o atual México.

Durante algo como cento e cinquenta anos, desde meados do século XVI e até o século XVIII, as migrações de ‘portugueses’ para o território mexicano se tornaram notórias. Assim também deixaram uma forte marca nos arquivos inquisitoriais do país, nos quais é possível encontrar, em praticamente todos os casos documentados de “judaizantes”, judeus observantes da Lei de Moisés destacados como ‘portugueses’ ou ‘de origem portuguesa’.

O historiador Ricardo Escobar Quevedo, no seu livro “Inquisição e os judaizantes na América espanhola (séculos XVI-XVII)”, indica que, como consequência desta situação, o ‘português’ se converte em um sinônimo de ‘ser judeu’ ou ser ‘judaizante’. E, mesmo que, logicamente, seguiam existindo ‘judaizantes’ em Castilha e lá, aqueles que eram descobertos, eram julgados e castigados, parte destes chegaram a Nova Espanha, buscando, talvez, se distanciar ainda mais dos grandes centros de conexão com o Velho Mundo e assim, preferindo esconder-se na América.

Algumas evidências levam a crêer que o distrito lusitano do qual mais cripto-judeus emigraram para o México, foi o de Guarda, na fronteira com Salamanca, no reino de Leão, seguidos pelos cripto-judeus de Castelo Branco e Braganza, ao sul e ao norte de Guarda, respectivamente, que também faziam fronteira com Castilha, confirmando o fenômeno da continua migração entre os dos países, como explicamos anteriormente.

Nesta mesma Braganza, na região próxima da frontera com Salamanca, em um pequeno vilarejo chamado Mogadouro, nascia em 1539, Luis de Carvajal y de la Cueva, mesmo que ainda jovem voltava com a família para Leão, para a cidade de Sahagún. Este personagem se tornaria o primeiro governador e capitão-general do Novo Reino de Leão, que ocupava todo o norte do México e do estado de Texas. Em 1590 ele foi acusado de “judaização”, junto com sua irmã Francisca, seu cunhado Francisco Rodriguez e os filhos do casal. Luis morreu na prisão, vítima de tortura. Sua família foi executada na Cidade do México, no Auto de Fé de 8 de Dezembro de 1596. Dos filhos de Francisco e Francisca, sabemos que Baltasar e Luis escreviam poesias hebraicas. No “Livro Vermelho” do escritor e político mexicano Vicente Riva Palacio, há uma gravura da ‘execução de Mariana de Carvajal’, uma das filhas do casamento Rodríguez-Carvajal. Em 1974, um filme chamado “A Inquisição” por Arturo Ripstein (nomeado para o Palme d’Or no Festival de Cannes deste mesmo ano) foi lançado, contando a história desta família.

 

Os Magnatas Portugueses

Parece que outros conversos portugueses se estabeleceram na Cidade do México. Em 1627, o jovem rei Filipe IV de Espanha começou a ter sérios problemas financeiros por causa de suas guerras intermináveis ​​contra quase todos os reinos: França, Inglaterra, Portugal, etc. Assim, durante a Guerra dos Trinta Anos, ele foi forçado a pedir a ajuda aos “portugueses marranos”. Eles eram descendentes de judeus convertidos em Portugal que, assim, obtiveram a cidadania espanhola. A Espanha havia perdido o apoio dos genoveses e o Conde-Duque de Olivares, favorito do rei, apesar dos protestos da Inquisição Portuguesa, receberam o perdão de Roma e a autorização de emigração ilimitada para Castilha.

Assim, um descendente de conversos de Castelo Branco chamado Don Simon Baez Sevilha (Simão Vaaz Sevilha) tornou-se um verdadeiro magnata da frota real espanhola, com contatos que chegavam até Manila, Macau e Goa. Diz-se que foi chefe da importante comunidade cripto-judaica no México e ajudou a instalar cerca de vinte sinagogas clandestinas na Cidade do México, assim como em outras grandes cidades. O comércio desta comunidade tinha fortes contatos culturais e comerciais com seus irmãos de sangue em Amsterdã, Itália, Grécia e Turquia. A partir de 1685 começa uma dura perseguição contra os criptojudeus no México, invejados por seu enorme poder econômico. Através da Inquisição, a Coroa se apropriou de todas as propriedades dos acusados. Como resultado desta perseguição, não sobraram muitos judeus conversos portugueses no México

Os remanescentes desta comunidade, se dividiram em diferentes territórios em Monterrey, Texas e nas regiões de Michocoán e Guerrero. As famílias continuam sendo chamadas de Oliveira, Nunez, Mendez, Da Silva, de Castro, Pereira, etc. Se trata de uma clara influência portuguesa, e certamente cripto-judaica, nestas regiões da América Central.