PORQUE ESCOLHEMOS O JUDAÍSMO – CONTINUAÇÃO

PORQUE ESCOLHEMOS O JUDAÍSMO – CONTINUAÇÃO

Continuação do artigo sobre a família Bissato (Yehoshua de 45 anos, Chana de 36, e a filha Leah, de 10), que chegaram a Israel vindos de Caxias do Sul, Brasil. O caminho incomum destes ex-pastores na verdade afastaram-nos dos ensinamentos com que cresceram, na direção de um caminho que os levou ao judaísmo. Procuraram por um processo de conversão durante oito anos e estão animados por estarem finalmente em Israel e por começarem esta etapa final da sua jornada ao judaísmo.

“Estamos morando em Israel agora, mas não tomamos isso como garantido.”
“Um pouco da nossa história: Enfrentámos muitos desafios na nossa jornada. Então, finalmente recebemos a oportunidade das nossas vidas por parte da Shavei Israel e começámos a planear a nossa viagem. Depois veio o coronavírus e os ataques a Israel. Tive que fazer vários exames, na verdade tive Corona e minha esposa teve que fazer uma cirurgia. Esperámos mais de um ano até podermos finalmente embarcar num avião e tudo correu bem. Tanta espera e angústia…  Rezámos muito, chorámos muito… mas nunca perdemos a fé!”
“Tínhamos certeza de que chegaria o dia de nossa viagem a Israel. Depois de termos tido que cancelar a viagem três vezes, tudo correu bem. Cada etapa da jornada foi acompanhada de muita emoção e lágrimas, mas desta vez foram lágrimas de alegria e gratidão por vermos nosso sonho realizado!
Quando chegámos ao aeroporto de Ben Gurion, parecia que finalmente estávamos indo para casa. À chegada, fomos calorosamente recebidos por pessoas maravilhosas; temos muito a agradecer.
Logo após a nossa chegada, começámos as aulas no Machon Miriam, o curso de conversão em língua espanhola da Shavei Israel. Os professores são incríveis e têm uma compreensão profunda dos conceitos judaicos. Eles fazem-nos refletir sobre os temas apresentados, e a cada aula aprendemos e crescemos mais. Além disso, fomos recebidos como se fôssemos todos parte de uma grande família, onde todos se preocupam uns com os outros, e tentam ajudar em tudo o que precisarmos.”
“Estamos muito gratos por esta oportunidade, embora ainda tenhamos muitos desafios pela frente. A questão económica é algo que pesa muito sobre nós, claro, enquanto esperamos o privilégio de poder trabalhar em Israel. Embora tenhamos recebido muita ajuda até agora, todas as necessidades básicas como alimentação, aluguer, água, eletricidade e saúde exigem recursos consideráveis. Mas confiamos em De’s, e Ele certamente enviará muitas pessoas boas para nos ajudar. 
Só podemos agradecer a todos por tudo o que já vivemos aqui em Israel. Agora vamos continuar lutando até alcançarmos nosso objetivo final, que é nos converter ao judaísmo e fazer aliá.” ~Yehoshua, Hanna e Leah
Para ajudar a família Bissato e outros como eles que trabalham duro para completar sua conversão, pode fazer o seu donativo aqui neste link, e pode indicar num comentário qual a finalidade do seu donativo. Muito obrigado!
PORQUE ESCOLHEMOS O JUDAÍSMO

PORQUE ESCOLHEMOS O JUDAÍSMO

A família Bissato (Yehoshua, de 45 anos, Chana, de 36 e a filha Leah, de 7) vieram de Caxias do Sul [Brasil] para Israel, mas a viagem foi muito mais do que uma viagem de avião. Como ex-pastores, os seus estudos bíblicos na realidade afastaram-nos dos ensinamentos com que cresceram, na direção de um caminho que os levou ao judaísmo. Eles estão a procura de um processo de conversão há oito anos e estão animados por estarem finalmente em Israel e por começarem esta etapa final da sua jornada ao judaísmo. Aqui está a história deles:

“Desde o momento em que conhecemos o judaísmo, há sete anos, começámos a admirar o povo judeu, o seu modo de vida, as festividades e a sua reverência, temor e respeito por D’us e pela Torá. Uma vez que conhecemos um pouco mais sobre a Torá, decidimos que o D’us de Israel também seria nosso D’us.

“Com o passar do tempo, aprofundámo-nos nos nossos estudos e descobrimos que o povo judeu é diferente. Houve uma aliança, feita através de Abraão, passando por Isaque e Jacob. Depois de passar por muitas provas e demonstrar uma grande submissão para cumprir a vontade do Criador, Jacob recebeu o título de “Israel” [que pode ser traduzido como] “ yashar El ” ou “direto com D’us”, e, juntamente com o nome, a função de estudar e transmitir a Torá para a humanidade.

“Consequentemente, os Filhos de Israel receberam uma responsabilidade maior, uma nova situação espiritual e o jugo de todo o cumprimento da Torá. Percebemos que, apesar de sermos de outro povo, queríamos fazer parte desse povo, o Povo de Israel. Decidimos que deixaríamos o nosso povo, as nossas raízes, mesmo sabendo quanto esforço teríamos que fazer, e também que enfrentaríamos muitas dificuldades e até poderíamos enfrentar perseguições, antissemitismo e ódio gratuito, como o povo judeu sofre.

“Mesmo sabendo de tudo isso, continuámos firmes na nossa decisão, no nosso objetivo, e queríamos fazer parte deste povo, sermos “Israel”, convertermo-nos e tornarmo-nos judeus, assumindo a responsabilidade de manter todos os mandamentos, leis e costumes, honrar a aliança de Abraão, receber o jugo da Torá e servir a D’us.

“A partir de então começámos a estudar e a cumprir as mitzvot (mandamentos): comer kosher, guardar o Shabat, manter a pureza familiar, cumprir as exigências das festas, fazer orações e bênçãos diárias, aperfeiçoarmo-nos todos os dias na halachá (lei judaica) e ter consciência da importância que esta tem nas nossas vidas, desde o momento em que acordamos e em tudo o que fazemos.”

“De facto, sentimos que agora é como se estivéssemos “a voltar para casa”, a retornar às nossas verdadeiras raízes. Amamos Hashem, a Torá e o povo judeu. Não nos imaginamos a viver de outra maneira, exceto como judeus.

Decidimos realizar o nosso processo de conversão no Machon Miriam da Shavei Israel, pois é uma organização séria e comprometida em ajudar aqueles que desejam converter-se, tornando-se parte do povo judeu. Se D’us quiser, seremos capazes de atingir o nosso objetivo. Hashem é o nosso D’us, Israel é a nossa terra e o povo judeu é o nosso povo”.

À chegada a Israel, com Chaya Castillo da Shavei.

DE SAN SALVADOR AO NASCIMENTO DE UM ‘SABRA’

DE SAN SALVADOR AO NASCIMENTO DE UM ‘SABRA’

Quando Efrat e Chaim Menjivar vieram para Israel, há dois anos, da sua cidade natal, San Salvador, não podiam imaginar a alegria que sentiriam apenas dois anos depois. Efrat e Chaim, alunos de nosso Machon Miriam, partilharam connosco a sua empolgante novidade: o brit mila do seu primeiro filho, um ‘sabra’ (nativo israelita), Netanel Meir.

Tendo concluído recentemente o processo de conversão, tivemos o prazer de ver o seu progresso e crescimento aqui em Israel. Desde que chegaram de San Salvador há quase dois anos, temos estado com eles em cada etapa do caminho.

Chaim partilhou: «A verdade é que Hashem nos fez viver uma história incrível desde o início do nosso processo, depois a nossa aliá (imigração para Israel) e agora o bebé… tudo chegou na hora certa, até o dia da chegada da minha sogra, que desceu do avião no dia do nascimento de Netanel. Realmente sentimos a providência divina nas nossas vidas.»

«Hashem providenciou pessoas que nos ajudaram muito e por quem somos muito gratos. A Shavei Israel fez parte de tudo isso. Estou muito feliz…»

Membros da comunidade de El Salvador que fizeram aliá nos últimos anos também participaram do feliz evento. Rav Eliahu Franco, bom amigo da família e ex-presidente da comunidade de El Salvador, teve a honra de ser sandak.

Que lindo evento, numa família que verdadeiramente exemplifica um compromisso com a Torá e a fé. Desejamos a Chaim e Efrat, e principalmente ao pequeno Netanel Meir, muitas felicidades, alegrias e bênçãos!

Antigos membros de grupo de jovens judeus do Uruguai celebram Israel e a Shavei Israel

Antigos membros de grupo de jovens judeus do Uruguai celebram Israel e a Shavei Israel

Antigos membros de grupo de jovens judeus do Uruguai celebram Israel e a Shavei Israel

Recentemente, em homenagem à Independência do Estado de Israel, 45 antigos membros do movimento juvenil Bnei Akiva do Uruguai se reuniram em um hotel próximo ao Kineret (Mar da Galileia). Desfrutaram de uma viagem por Israel, onde celebraram a independência do Estado de Israel e relembraram o passado que compartilharam no Movimento Bnei Akiva. Como parte da sua programação, o grupo, que tem muito interesse nas atividades da Shavei Israel, pediu à nossa vice-diretora, Edith Blaustein, para lhes falar sobre a vibrante atividade da Shavei Israel em suas diferentes facetas.

Os participantes estavam particularmente interessados ​​nas várias comunidades com as quais trabalhamos e perguntaram especificamente sobre as Dez Tribos Perdidas, como a absorção dos Bnei Menashe em Israel pode ser avaliada e colocaram várias questões sobre o processo de conversão que os nossos alunos realizam em Machon Miriam (o nosso Centro de conversão em língua espanhola) e em Machon Milton (o nosso centro de conversão em língua inglesa).

Eles ficaram particularmente surpresos com o fenômeno das comunidades emergentes na América Latina, e todos mostraram grande admiração pelo trabalho que nosso fundador, Michael Freund, faz e expressaram seu desejo de que houvesse mais pessoas como ele em Israel.

Yosef e Bruria: uma jornada de retorno

A Shavei Israel tem o prazer de vos apresentar Yosef Mendez e Bruria Brito, da Venezuela, estudantes do nosso Machon Miriam, instituto de conversão em idioma espanhol.  Bruria e Yosef, casados ​​há quase oito anos, estão prestes a se casar novamente — desta vez de acordo com todos os preceitos da tradição judaica, pois terão completado a sua jornada rumo ao judaísmo. Esta é a sua história:

— Eu sou o Luis Mendez (Yosef) e esta é a minha esposa, Francys (Bruria) Brito.  Somos venezuelanos e começámos a estudar judaísmo na Venezuela em uma comunidade de sefarditas.  Lá encontrámos pessoas que eram candidatas à conversão, junto com judeus.

Começámos a estudar a halacha (lei judaica) e a porção semanal da Torá, até que, finalmente, decidimos que também queríamos fazer parte do povo judeu, por opção. No entanto, não foi e não tem sido  assim tão simples. Escolher esse caminho não é uma decisão da noite para o dia ou mesmo de um ano. Foram anos de estudo e preparação, enquanto procurávamos a oportunidade de concluir a conversão.

Apesar dos obstáculos que enfrentamos há mais de 6 anos, tudo nos ajudou a ter a certeza do que queremos enquanto casal. Que a Torá, o judaísmo, as mitsvot (mandamentos) e Israel fazem parte da nossa vida do dia a dia.

Decidimos ir para a Argentina para encontrar uma comunidade mais sólida, já que a Venezuela estava passando por um processo que dificultava a vida judaica lá.  Na Argentina, poderíamos estar em uma comunidade, sermos reconhecidos e ao mesmo tempo praticar, estudar e prepararmo-nos para concluir o processo de conversão.

Agora estamos em Israel há um ano.  Na Argentina, entrámos em contato com a Shavei Israel para que nos ajudassem na conclusão do processo de conversão.  Agora estamos infinitamente gratos à Shavei Israel, que esteve connosco a cada passo do caminho: no processo de estudo, desde as primeiras entrevistas, antes do Beit Din (tribunal de conversão), até quando finalmente chegámos ao Beit Din. O tempo todo nos sentimos seguros e muito gratos à Shavei Israel por todo o apoio que eles nos deram. Não dá para nomear cada uma das coisas pelas quais estamos gratos; é impossível listá-las.

Há apenas uma pequena etapa para concluir: apenas um brit milah e o dia mais esperado das nossas vidas: o dia em que faremos a imersão em um mikve e emergiremos como membros a 100% do povo judeu e, se De’s quiser, casaremos em uma cerimónia judaica. —