Conversão ao judaísmo: uma visita ao museu do Holocausto Yad Vashem como lição de História e fé

Conversão ao judaísmo: uma visita ao museu do Holocausto Yad Vashem como lição de História e fé

O museu do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém é um lugar angustiante e comovente que serve como um poderoso recordatório das atrocidades cometidas durante o Holocausto. Recentemente, um grupo que está em processo de conversão ao judaísmo através do Machon Milton da Shavei Israel visitou o museu com o rabino Reuven Tradburks, diretor do Machon Milton, e outros professores e funcionários, como parte da sua jornada para abraçar a fé judaica.

Para muitos dos visitantes, a experiência foi profunda. Alguns membros do grupo são oriundos de lugares que eram no centro do acontecimento, e, enquanto caminhavam pelas exposições e aprendiam sobre os horrores do Holocausto,  ficaram muito impressionados com a resiliência e a força do povo judeu. Para eles, a visita não foi apenas uma lição de História, mas também uma afirmação do seu compromisso de se juntarem à comunidade judaica.

Uma das visitantes, Naomi, originalmente da Alemanha, ficou profundamente tocada com algo que o guia turístico disse perto do final da visita. «Ela falou sobre a libertação dos campos de concentração e disse que a maioria dos sobreviventes não procura vingança; o único tipo de vingança foi, pouco depois, dar à luz muitas crianças e, assim, deixar o povo judeu crescer novamente.»

Outro visitante, que preferiu não ser identificado, disse: «Na qualidade de alguém que se está a converter ao judaísmo, visitar o Yad Vashem foi uma experiência profundamente emotiva. Lembrou-me da importância de recordar o passado e enfrentar o ódio e a intolerância. Também me deixou mais determinado do que nunca a fazer parte da comunidade judaica.»

Como o rabino Tradburks disse aos seus alunos no final da visita, o Yad Vashem não é um lugar para a pessoa vir uma vez; a pessoa tem que voltar inúmeras vezes, pois há muita informação e muitas histórias comoventes para absorver.

Para muitas pessoas, a jornada em direção à conversão pode ser desafiadora e complexa. No entanto, para este grupo, a visita ao Yad Vashem serviu como um poderoso recordatório da rica e significativa herança à qual eles se estão a unir. À medida que continuarem no seu caminho para abraçar o judaísmo, levarão consigo as lições e as memórias do Holocausto e esforçar-se-ão para serem uma força para o Bem no mundo.

Veja as fotografias da visita AQUI, no fim do artigo em inglês.

 

Memória do Holocausto – Testemunhos pessoais

Memória do Holocausto – Testemunhos pessoais

Israel marcou recentemente o Dia da Memória do Holocausto. Infelizmente, os horrores do Holocausto geralmente não estão a mais do que alguns passos de qualquer judeu.

Decidimos filmar os testemunhos de algumas pessoas que são próximas e queridas da grande família Shavei Israel.

Dr. Yehuda Schwartz, marido da nossa própria Edith Blaustein e filho de sobreviventes do Holocausto, conta a difícil história dos seus pais e os desafios de crescer como filho de sobreviventes.

Além disso, temos o testemunho do Dr. Charles Siegman, pai da nossa professora do Machon Milton Dafna Siegman, que conta a sua história como menino de 5 anos quando a guerra eclodiu e da invasão da Holanda, da deportação dele e dos seus pais para Terezin (Theresienstadt) e de sua quase deportação para os campos de extermínio.

Difícil, mas importante partilhar. Nunca esquecer…

Vídeo em hebraico, com opção de legendas em inglês:

Vídeo em inglês:

DO HOLOCAUSTO AO RENASCIMENTO DO POVO DE ISRAEL – (ESPANHOL)

DO HOLOCAUSTO AO RENASCIMENTO DO POVO DE ISRAEL – (ESPANHOL)

O Centro Ma’ani da Shavei Israel tem o prazer de partilhar uma palestra em espanhol do rabino Yejiel Chilewsky, ‘Do Holocausto ao Renascimento do Povo de Israel’, com foco especial na sua influência nas comunidades da diáspora, como as comunidades judaicas ocultas na Polónia e comunidades de Subbotniks na Rússia, ambos os quais a Shavei Israel auxilia no retorno à sua herança cultural, alguns continuando para um processo de conversão e até mesmo aliá (imigração) para Israel.

ALUNOS DO ENSINO MÉDIO BNEI MENASHE VISITAM AUSCHWITZ PELA PRIMEIRA VEZ PARA APRENDER SOBRE O HOLOCAUSTO

ALUNOS DO ENSINO MÉDIO BNEI MENASHE VISITAM AUSCHWITZ PELA PRIMEIRA VEZ PARA APRENDER SOBRE O HOLOCAUSTO

Cinco adolescentes da comunidade judaica Bnei Menashe visitaram Auschwitz como parte de uma viagem para alunos do 12º ano com o objetivo de educá-los sobre os horrores do genocídio nazista contra o povo judeu.

Os cinco jovens, que fizeram aliá do estado indiano de Manipur em 2012 e 2014 com a ajuda da Shavei Israel, estudaram na escola Abir Yaakov, na cidade de Nahariya, no norte de Israel.

Visitar a Polónia para aprender sobre o Holocausto no local onde aconteceu é uma parte regular do currículo do ensino médio israelense, com milhares de estudantes fazendo a viagem de uma semana a cada ano. No entanto, esta é a primeira vez que um grupo da comunidade Bnei Menashe se junta a esta experiência israelense de amadurecimento.

“Sinto-me mais conectado ao judaísmo por ter aprendido sobre a Shoah ”, disse Yaniv Hoinge, usando a palavra hebraica para o Holocausto. “Na verdade, isso me dá um sentimento mais forte de amor por Israel. O Holocausto torna Israel ainda mais importante para o povo judeu”.

Hoinge é de Churachandpur e fez aliá em 2012 com os seus pais. Os outros jovens que foram para a Polónia esta semana são os irmãos Obed e Simeon Lhouvum de Gamgiphai, Manipur, que também vieram para Israel em 2012, e David Haokip e Tzion Baite, que chegaram ao país em 2014 com as suas famílias.

Abir Yaakov é um internato. As famílias dos alunos vivem em Migdal HaEmek, Acre e Ma’alot, comunidades onde os imigrantes Bnei Menashe se têm estabelecido nos últimos quatro anos desde que a aliá da Índia foi retomada.

O grupo do ensino médio Abir Yaakov desembarcou em Katowice e passou a primeira noite em Cracóvia. Visitaram os campos de concentração de Auschwitz e Birkenau no seu segundo dia. O Shabat foi passado em Varsóvia, e incluiu orações na sinagoga Nozyk da cidade e um passeio pelo Gueto de Varsóvia.

O grupo também visitou túmulos judeus antigos e dois outros campos de extermínio – Treblinka e Majdanek – durante a viagem.

“Durante o Holocausto, os alemães e seus colaboradores assassinaram milhões de judeus em Auschwitz, incluindo membros da minha família”, disse o fundador e presidente da Shavei Israel , Michael Freund. “Como parte dos nossos esforços para ajudar os Bnei Menashe a retornar ao povo judeu depois de terem sido isolados por 27 séculos, consideramos essencial incutir neles uma melhor compreensão dos horrores do Holocausto e o seu lugar central na história judaica.”

Freund acrescentou: “A luta pela sobrevivência judaica é algo que diz muito aos Bnei Menashe, pois eles enfrentaram enormes adversidades ao longo dos séculos e ainda conseguiram se apegar à fé dos seus antepassados. É isso que torna esta visita dos jovens Bnei Menashe a Auschwitz tão comovente e significativa, porque sublinha o poder do destino judaico e o espírito indestrutível do povo judeu”.

Os Bnei Menashe são descendentes da tribo de Manassés, uma das Dez Tribos Perdidas exilada da Terra de Israel há mais de 2.700 anos pelo império assírio. Até agora, cerca de 3.000 Bnei Menashe fizeram aliá graças à Shavei Israel . Outros 7.000 Bnei Menashe permanecem na Índia esperando a chance de voltar para casa em Zion.

Celebrando o Dia da Lembrança do Holocausto com a Marcha da Vida na Polônia

Esta semana o mundocelebrou o Yom HaShoah – Dia da Rememoração do Holocausto. Na Polônia, o dia acrescentou significado à anual Marcha da Vida, onde milhares marcham dos campos de concentração de Auschwitz para Birkenau. O emissário da Shavei Israel em Cracóvia, Avi Baumol, descreve a marcha e o memorial deste ano.

Read more