Shavei Israel abre um novo centro em Kaifeng, China

Brian Blum
22/12/2013

O lugar chamado de “Rua do Estudo da Torá” em chinês foi, durante séculos, o centro da vida judaica na antiga capital da China, Kaifeng. Mas desde 1850, quando a sinagoga foi fechada e o último rabino morreu, o centro “Rua do Estudo da Torá” estava mais para uma lembrança dos dias de glória do que um lugar vivo e vibrante.IMG_20131004_173056-300x2251

Agora, graças a Shavei Israel, a “Rua do Estudo da Torá” tem o potencial de retornar, embora ainda modestamente, a parte de sua antiga glória. No mês passado a Shavei Israel abriu um novo centro para os judeus de Kaifeng em um apartamento pequeno (mas bem decorado) com dois andares e um belo jardim que é caracterizado por uma árvore de ‘Grapefruit’, ao lado da rua com o famoso nome judeu. O novo centro inclui uma grande sala para orações e aulas, uma sala para receber os visitantes da comunidade, uma cozinha, uma sala de jantar e uma sala separada para estudo on-line via Skype.

O centro é dedicado à memória do Sr. Harry Rosenthal, avô do diretor da Shavei Israel, Michael Freund. Rosenthal foi um líder sionista americano e um homem de negócios que viajava para a China com frequência, fazendo com que Freund criasse um interesse no país desde uma idade precoce.

O novo centro em Kaifeng é notável por uma outra razão: repara um cisma que afetou a comunidade nos últimos anos, no momento que haviam duas escolas judaicas operando simultaneamente para uma pequena comunidade de 150 pessoas, concorrendo, assim, pelos alunos. Agora, existe apenas uma escola para todos.

Eran Barzilay é o coordenador da Shavei Israel para a comunidade judaica de Kaifeng. Um israelense que fala chinês e passou o ano de 2010, em Kaifeng como parte de seus estudos no Departamento de Estudos do Leste Asiático da Universidade Hebraica.

Eran descreve algumas das atividades que aconteceram no centro desde a sua criação: “A comunidade se reúne toda sexta à noite para as orações de Shabat seguidas de uma refeição em grupo. Aos domingos, há aulas por Skype, atualmente de Pirkei Avot com Ari Schaffer, que visitou Kaifeng como convidado da Shavei Israel e ensina o grupo, diretamente dos EUA.”

O centro esteve muito ativo durante a festa de Sucot, pois os calendários judaico e chinês coincidiram e as festividades chinesas de Outono caíram junto com Sucot. “Todo mundo estava de férias, voltaram para Kaifeng, celebraram e sentaram-se juntos na Sucá”, disse Barzilay.

Barzilay esteve em Kaifeng para Sucot e levou seu “chavruta” (parceiro de estudo) israelense de sua yeshiva. O chavruta de Barzilay foi bombardeado com questões da lei judaica pela comunidade de Kaifeng (felizmente Barzilay esteve lá para ajudar a traduzir). Seu chavruta, conta Barzilay, ficou “fascinado” pelo fato de que a comunidade judaica na China ainda existe.

Existir, existe, mas já teve uma época muito maior. Alcançou cerca de 5.000 pessoas em seu auge, durante a Idade Média. Judeus chegaram à Kaifeng, originalmente, como mercadores da Pérsia ou do Iraque, através dos negócios pela ‘Rota da Seda’. Mais informações sobre a comunidade e sua história pode ser encontrada em nosso site.

Barzilay, em seu posto na Shavei Israel, divide sua atenção entre as necessidades da comunidade de Kaifeng e os judeus chineses que viajaram para Israel. Isso inclui sete jovens que tiveram seus processos de conversão em Israel recentemente concluídos. Agora, estes sete homens voltarão à China para as primeiras férias desde que começaram o processo formal de conversão ao judaísmo com a ajuda de Shavei Israel há mais de três anos atrás.

Voltar para a China não é tão fácil quanto parece pois, a China não aceita a dupla cidadania, e assim cada um deles deve candidatar-se a um visto de turista padrão. Para a China, eles são agora 100% cidadãos israelenses. A maioria pretende ficar um mês mas um deles deverá ficar seis meses para estudar para ser cozinheiro chefe e abrir um autêntico restaurante de comida chinesa em Israel. A maioria deles servirá algum tempo no exército de Israel quando retornarem ” eles aguardam ansiosamente por isso”, disse Barzilay. ” Eles vêem o exército como uma maneira de se tornar “mais israelenses” e, claro, melhorar o hebraico”.

A comunidade judaica de Kaifeng não é particularmente rica hoje. “Kaifeng, em geral, é uma cidade pobre”, diz Barzilay. A maioria dos judeus aqui têm pequenas lojas têxteis, alguns trabalham no governo e um deles trabalha em um banco.

Também não é fácil praticar o judaísmo em público. A universidade local de Kaifeng oferece especialização em judaísmo mas, diz Barzilay, “Os alunos desta especialização não estão autorizados a reunir-se com os judeus de Kaifeng. Na verdade, é até ilegal para eles dizerem que são judeus. Há 56 minorias na China, mas o judaísmo não é uma delas”.

Barzilay diz que sua experiência com a comunidade de Kaifeng o deixou mais observador, religiosamente. Ele conta a história de um membro da comunidade que começou a comer kosher: “Este homem ia a todos os tipos de reuniões e aí serviam todos os tipos de carne, incluindo carne de porco e até cães (alimento popular em Kaifeng), mas ele diz que não pode pois é judeu. “Quando vi o quanto esforço fazia para comer Kosher na China, eu senti que eu também queria ser assim”.

Parece que o centro “Rua do Estudo da Torá” está, na verdade, voltando a ser aquilo que seu nome representa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.