O que o Judaísmo opina sobre a vida em outros planetas?

הורדPERGUNTA DA SEMANA: O que o Judaísmo opina sobre a vida em outros planetas?

RESPOSTA:

Antes de mais nada vale esclarecer o fato de que certamente não somos os únicos “seres conscientes” do universo.

Não faltam, por exemplo, referências nos ensinamentos dos sábios judaicos sobre “anjos mais elevados”, que possuem uma consciência da realidade muito superior a nossa. O Maimônides, entre outros, escreve sobre os corpos celestes como também sendo seres conscientes.

A singularidade da humanidade não é a nossa consciência, mas sim, a maneira com que esta nossa consciência é capaz de difereciar o bem e o mal e escolher um deles! O chamado, “livre arbítrio”.

O Rebe de Lubavitch sustentava uma opinião de que existe embasamento na Torá para afirmar que existe vida em outros planetas. O Rebe se baseava no Livro dos Juízes (5:23), quando Deborah, a profetisa, canta sobre a vitória de Barak sobre Sísera. Em sua canção, ela diz: “Maldito seja Meroz! Malditos, malditos sejam seus habitantes, diz o anjo de D’us!”.

Onde está Meroz, e quem são seus habitantes? O Talmud nos oferece duas explicações, em que uma delas defende que Meroz é uma estrela ou planeta. Aparentemente, os corpos celestes também vieram em auxílio dos israelitas na guerra, como Deborah declarou apenas um versículo antes “Dos céus eles lutaram, as estrelas de suas órbitas…”. Esta estrela, Meroz, no entanto, que apoiava a Sisera, aparentemente não veio em auxílio de Israel. E assim, o general Barak de Israel, penalizou a Meroz e seus habitantes.

Contudo, embora podemos nos apoiar em algumas opiniões para dizer que existe vida em outros planetas, não podemos afirmar que estes habitantes tenham a capacidade de tomar decisões e possuam livre vontade. O livre-arbítrio foi entregue somente a humanidade, no planeta Terra, o local escolhido por D’us para que a Torá Sagrada seja praticada e assim possa elevar este mundo.

Desta maneira, é possível afirmar que exista vida extraterrestre, mas com certeza, esta, não se pareceria com à vida humana, no sentido consciente, inteligente e em capacidade espiritual!

Leave a Reply

Your email address will not be published.