Referências para contar os anos

images (7)Na antiguidade, o ponto de partida para a contagem dos anos, variava de cidade para cidade e de uma nação para outra, pois cada lugar se baseava em um evento histórico significativo diferente. Normalmente, o início do reinado de um novo monarca marcava o ínico dos anos. O “Ano Um” desse reino e, assim por adiante o cálculo continuava até a coroação de um novo rei e uma nova contagem se iniciava. Tais datas eram utilizadas para datar documentos oficiais e para registrar acontecimentos históricos. A Bíblia nos dá muitos exemplos de tal uso.

Os primeiros cristãos, também com base no cálculo dos anos de reinado daquele, que eles consideravam o “rei espiritual”, afirmavam que o ano de seu nascimentom foi o “Ano Um”. O predomínio da civilização cristã no mundo dos negócios resultou que, a contagem dos anos pelos cristãos tornou-se o calendário mais utilizado no sistema mundial. Enquanto os cristãos usam o posfácio inerentemente religioso, AC e DC, os textos judaicos, normalmente, as substituem por AEC ou DEC, que significam, respectivamente, “Antes da Era Comum” e “Depois da Era Comum.”

Por muitos séculos, os judeus usaram como ponto de partida para contar os anos, o Êxodo do Egito, assim como, também, utilizavam os anos de reinado do governante da época. Desta maneira, no início da era cristã, os judeus já estavam no século XIV de seu calendário. Se houvessem continuado com este sistema hoje em dia (1978), estaríamos na metade do nosso trigésimo quarto século em torno do ano 3356.

No entanto, após a destruição do Templo de Jerusalém, no ano 70 da Era Comum e a dispersão do povo judeu, considerou-se que o uso do Êxodo como um ponto de referência para a contagem dos anos estava sendo substítuido por outros eventos centrais. A destruição do Templo serviu também como uma dessas bases e anotações que se referem a esta data, podem ser encontradas nos documentos da Idade Média. No entanto, o sistema que alcançou popularidade máxima entre os judeus, e que é aquele utilizado até hoje, não se baseia em um evento ou símbolo cujo significado é limitado a fé de nosso povo, mas uma questão de importância universal e de aplicação geral, ou seja, a criação do mundo!

O número de anos a partir da criação foi calculado pelos sábios que estudaram todos os padrões existentes na época, revisaram todos os registros bíblicos em termos de tempo de vida de um indivíduo relacionando-os aos anos mencionados nos primeiros capítulos do Gênesis e considerando os sete dias da criação, equivalentes aos nossos, atuais. Fato que, os sete dias da criação podem ter sido períodos de duração prolongada correspondentes a estágios, que seria algo como, 90 dias atuais de 24 horas, mesmo de acordo com a Torá no livro de Gênesis. O sol, cuja nascente e poente levamos em consideração para nossos dias, não havia sido criado até o quarto dia e ainda assim, já fazia parte do primeiro e do segundo dia. De qualquer maneira, este fato não anula o significado espiritual ético da criação como uma base conceitual para o ano judaico que é o que, significa e implica, o número 5775 (do ano novo que começa esta semana). Demonstra a soberania de D’us sobre o universo, importante e eloqüente, e que, neste caso, não exige uma precisão científica e técnica de cálculo que, na verdade, nem poderá alcançar.

 

Texto retirado do livro “el ser judio”, escrito por David Hayi aleví Donin