PORQUE ESCOLHEMOS O JUDAÍSMO

A família Bissato (Yehoshua, de 45 anos, Chana, de 36 e a filha Leah, de 7) vieram de Caxias do Sul [Brasil] para Israel, mas a viagem foi muito mais do que uma viagem de avião. Como ex-pastores, os seus estudos bíblicos na realidade afastaram-nos dos ensinamentos com que cresceram, na direção de um caminho que os levou ao judaísmo. Eles estão a procura de um processo de conversão há oito anos e estão animados por estarem finalmente em Israel e por começarem esta etapa final da sua jornada ao judaísmo. Aqui está a história deles:

“Desde o momento em que conhecemos o judaísmo, há sete anos, começámos a admirar o povo judeu, o seu modo de vida, as festividades e a sua reverência, temor e respeito por D’us e pela Torá. Uma vez que conhecemos um pouco mais sobre a Torá, decidimos que o D’us de Israel também seria nosso D’us.

“Com o passar do tempo, aprofundámo-nos nos nossos estudos e descobrimos que o povo judeu é diferente. Houve uma aliança, feita através de Abraão, passando por Isaque e Jacob. Depois de passar por muitas provas e demonstrar uma grande submissão para cumprir a vontade do Criador, Jacob recebeu o título de “Israel” [que pode ser traduzido como] “ yashar El ” ou “direto com D’us”, e, juntamente com o nome, a função de estudar e transmitir a Torá para a humanidade.

“Consequentemente, os Filhos de Israel receberam uma responsabilidade maior, uma nova situação espiritual e o jugo de todo o cumprimento da Torá. Percebemos que, apesar de sermos de outro povo, queríamos fazer parte desse povo, o Povo de Israel. Decidimos que deixaríamos o nosso povo, as nossas raízes, mesmo sabendo quanto esforço teríamos que fazer, e também que enfrentaríamos muitas dificuldades e até poderíamos enfrentar perseguições, antissemitismo e ódio gratuito, como o povo judeu sofre.

“Mesmo sabendo de tudo isso, continuámos firmes na nossa decisão, no nosso objetivo, e queríamos fazer parte deste povo, sermos “Israel”, convertermo-nos e tornarmo-nos judeus, assumindo a responsabilidade de manter todos os mandamentos, leis e costumes, honrar a aliança de Abraão, receber o jugo da Torá e servir a D’us.

“A partir de então começámos a estudar e a cumprir as mitzvot (mandamentos): comer kosher, guardar o Shabat, manter a pureza familiar, cumprir as exigências das festas, fazer orações e bênçãos diárias, aperfeiçoarmo-nos todos os dias na halachá (lei judaica) e ter consciência da importância que esta tem nas nossas vidas, desde o momento em que acordamos e em tudo o que fazemos.”

“De facto, sentimos que agora é como se estivéssemos “a voltar para casa”, a retornar às nossas verdadeiras raízes. Amamos Hashem, a Torá e o povo judeu. Não nos imaginamos a viver de outra maneira, exceto como judeus.

Decidimos realizar o nosso processo de conversão no Machon Miriam da Shavei Israel, pois é uma organização séria e comprometida em ajudar aqueles que desejam converter-se, tornando-se parte do povo judeu. Se D’us quiser, seremos capazes de atingir o nosso objetivo. Hashem é o nosso D’us, Israel é a nossa terra e o povo judeu é o nosso povo”.

À chegada a Israel, com Chaya Castillo da Shavei.

Leave a Reply

Your email address will not be published.