Perfil Bnei Anussim: Rachel Souza Lima – do Brasil à Beersheva

Menos de um mês antes da chegada programada em Israel de Rachel Souza Lima, na última etapa de sua longa jornada ao judaísmo, uma guerra começou com o Hamas na Faixa de Gaza. Ela nunca tinha estado antes em Israel e, então, ficou preocupada com seus trê filhos,  que chegavam junto com ela.

“Mas eu sabia que Israel estava bem protegido, com um grande sistema de segurança”, lembra Rachel. “Acima de tudo, D’us nos protege sempre. Sabia que estaríamos a salvo aqui.”

Rachel, de 39 anos, e três de seus quatro filhos – Hillel de 20 anos, Binyamin de 14 anos e Sarah, de 10 anos – chegaram em setembro de 2014 (Stefani, 24 anos, é casada e não veio com a família).

A Operação “Margem Protetora” de 51 dias terminou alguns dias antes de sua chegada. Como a vida voltou ao normal, a vida da família Souza começou de novo… de diversas maneiras.

Rachel cresceu em Lucélia (São Paulo), no Brasil, em uma família de Bnei Anousim – descendentes de judeus que foram forçados a se esconder ou obrigados a se converter ao catolicismo há 500 anos. Muitos escaparam da Europa para o novo mundo nos navios dos grandes exploradores. Mas a Inquisição seguiu também a esses judeus, e, como seus irmãos do “velho país”, suas vidas passaram a ser nas escondidas.

Agora, com a ajuda da Shavei Israel, Rachel e seus filhos voltaram ao judaísmo. Rachel estudou no Machon Miriam, o Instituto de Conversão e Retorno da Shavei Israel, em espanhol, italiano e português. Seu filho mais velho estuda na Yeshivat HaKotel na Cidade Velha de Jerusalém. Os dois filhos mais novos ainda estão aprendendo o hebraico.

Mas a maior – e mais inesperada – mudança para Rachel foi seu casamento, no dia 14 de julho, com Meir Yehuda Lima.

Seguem abaixo algumas fotos do casamento.

 


Como Rachel, Meir é de uma família de Bnei Anussim do Brasil que recentemente descobriu suas raízes judaicas. Meir, 51, trabalhou no Brasil instalando equipamentos de incêndio. Agora, já em Israel há cinco anos, está procurando um emprego em agricultura. Após o casamento, a família mudou-se para Beersheva, onde existem mais oportunidades para trabalhar a terra.

O casamento de Rachel e Meir foi um evento modesto na sinagoga Tov Lehodot LaHashem em Beersheva. Oitenta pessoas participaram. “Foi uma bela cerimônia religiosa”, diz Rachel.

Rachel começou a observar o Shabat no Brasil, mesmo antes de sua conversão. “Não trabalhávamos, fazíamos uma refeição especial com Chalá, orávamos e cantávamos canções judaicas”, diz ela. “Sempre que podíamos, comíamos comida kosher. Fazíamos tudo com entusiasmo, amor e alegria.”

Rachel diz que a maioria de seus amigos e colegas aceitaram o fato de ela não trabalhar mais no Shabat e nas festividades, assim como também que seus filhos não participariam das festividades não-judaicas da escola. “Não experimentei nenhum anti-semitismo como conseqüência d nossa observância,” diz.

“Israel”, ela diz, “superou minhas expectativas. É muito melhor do que eu imaginava!”. O que não é surpreendente. “As notícias só mostravam Israel em conflito. Mas não desisti do meu sonho de me mudar para cá.”

Rachel, Meir e as crianças estão, neste momento, nos estágios finais de realizar a Aliá. “Israel é um país maravilhoso. Estar aqui é muito gratificante. Temos tudo o que precisamos aqui para cumprir as mitzvot [mandamentos]”, acrescenta.

Rachel diz que seu hebraico não é tão bom (“eu preciso estudar mais”), mas depois de quase dois anos no país, seus filhos são quase fluentes. “Estamos integrando-nos gradualmente”, diz ela. “Temos amigos israelenses que nos ajudaram muito.”

A maior ajuda veio da Shavei Israel, que apoiou Rachel e sua família com estipêndios mensais por mais de um ano, já que eles têm navegado pelo complicado processo de conversão e imigração.

“Muchas gracias!”, ela diz em Espanhol e “Toda rabá”, em Hebraico, ambos querendo dizer “muito obrigado”.

Obrigado, Raquel, pela sua firmeza, sua determinação em fazer parte do povo judeu. Agradecemos aos partidários da Shavei Israel que tornaram possível trazer mais judeus, dos cantos mais distantes do mundo, de volta a sua raíz e para Israel. Se você estiver interessado em fazer parte dessa história e ajudar mais “Rachels” a retornarem, visite nosso e faça uma doação.

“Podemos fazer uma diferença real”, diz Rachel, “dando um bom exemplo, com muita fé em D’us, para então sermos uma luz para as nações com força, coragem e bondade. Esse é o cumprimento dos mandamentos que nos foram dados pelo nosso D’us e por Moisés, de abençoada memória “.

4 thoughts on “Perfil Bnei Anussim: Rachel Souza Lima – do Brasil à Beersheva

  • November 5, 2016 at 3:29 pm
    Permalink

    Eu fico muito feliz em conhecer histórias como esta de Raquel Lima, de família judaica forçada à conversão católica e agora voltando ao seu povo, Israel, e principalmente praticando a fé de nosso pai Abraão, e guardando o sábado e a Lei judaica. Shalom Raquel, Shalom Israel.

    Reply
  • November 6, 2016 at 12:04 am
    Permalink

    Que HaShem abençoe e guarde a toda tua família e Baruch Habá.

    Reply
  • November 7, 2016 at 8:18 pm
    Permalink

    Me emociono muito quando vejo essa historia, nosso povo voltando aos seus antepassados,BARUCH HASHEM

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.