Parashat Vayakhel – Pekudei

Porque é proibido acender fogo no Shabat?

«E reuniu Moisés toda a congregação dos filhos de Israel e disse-lhes: “Estas são as coisas que o Eterno ordenou fazer: Seis dias trabalharás e no sétimo dia descansarás, pois será dia santo, quer dizer, dedicado ao Eterno. Todo aquele que fizer um trabalho nesse dia será morto. Não acendereis fogo nas vossas moradas no dia de Sábado.»  (Êxodo, 35, 1-4)

O cumprimento da ordem bíblica de respeitar o Shabat exige abster-se de todo o trabalho. Esta abstenção de trabalhar em Shabat não tem só por objetivo dar-nos tempo para levar a cabo outro tipo de atividades; ela é em si mesma o conteúdo básico do dia.

O Shabat é um dia no qual não se trabalha. De’s descansou da sua tarefa da Criação durante o Shabat, e o Homem deve descansar com Ele. Ordena-se ao judeu que considere que a experiência do descanso sabático possui grande valor educativo. Para respeitar o Shabat é necessário evitar conscientemente a execução de certas atividades, analisando para isso cada atividade, para poder decidir se se trata de um trabalho ou não. Este ato de análise forma parte da experiência sabática.

A pergunta que surge neste contexto é a seguinte: pode existir valor num preceito meramente negativo? Numa proibição? O existirá também um aspeto positivo nesta proibição de trabalhar?

O trabalho é um fim em si mesmo, e sem ele desintegrar-se-iam tanto a personalidade do Homem como a própria sociedade. No entanto, não podemos ignorar o facto de que em certas condições socio-históricas, o trabalho transforma-se numa forma de exploração do Homem, constituindo a causa do seu esgotamento físico e espiritual.

Deste ponto de vista, o descanso sabático não tem por único objetivo recordar o descanso Divino, mas também devolver ao Homem o sentido da sua existência como ser livre, libertando-o do trabalho esgotador. É este o significado do Shabat no contexto do êxodo do Egito.

O conceito básico do Shabat como dia de descanso é a abstenção de todo o trabalho. O que é “trabalho” de acordo com a Torá? Por um lado, pode definir-se o trabalho como uma atividade que provoca fadiga. Por outro lado, podemos definir “trabalho” como uma atividade pela qual se recebe uma retribuição monetária. O Talmude, no entanto, define de forma diferente o conceito de trabalho no Shabat. O trabalho que não se pode realizar no Shabat não está relacionado com o grau de fadiga que provoca, nem com o ser pago ou gratuito. Mas é proibido levar a cabo qualquer trabalho que provoque uma criação voluntária no mundo físico. Assim como De’s descansou do Seu trabalho da criação do mundo no Shabat, durante esse dia o Homem deve evitar todo o trabalho criativo no mundo.

O Talmude elabora um modelo básico das atividades proibidas em Shabat, baseado na construção do Tabernáculo (Miscán) no deserto. As atividades que era necessário levar a cabo para a construção do Tabernáculo denominam-se “os trinta e nove Avot Melachá”; trinta e nove diferentes tipos de trabalho, como por exemplo a escrita, a construção, etc.

Os tipos de trabalho dividem-se em três categorias principais: os trabalhos da terra, a preparação da comida e a atividade artística.

As atividades destinadas à construção do Tabernáculo exigiam planeamento, análise e criação, sem exigirem necessariamente esforço físico. A Torá proibiu o trabalho que exigisse pensamento e atividades criativas.

Quando o Homem, como consequência da investigação científica, aprendeu a usar a energia elétrica para obter energia, a Halachá (lei judaica) teve que enfrentar novos desafios. Será que a eletricidade pertence ao tipo de fogo mencionado na Torá e por isso quando uma pessoa carrega num botão e acende uma lâmpada elétrica está a violar o mandamento de “não acendereis fogo nas vossas moradas em dia de Sábado”? O talvez este fogo, que não nos apresenta material ardente diante dos olhos, seja diferente daquele que a Torá proibe?

O descanso prescrito no Shabat está relacionado com o descanso Divino depois de ter completado a criação do mundo. Mas, assim como a criação do mundo não consistiu num esforço físico corporal, mas sim numa atividade criativa, pois foi levado a cabo através da palavra, no Shabat é proibida a criação de um objeto a partir do nada, toda atividade que seja fruto do pensamento e da inspiração, ou seja, toda atividade criativa.

Por isso compreendemos que a causa da proibição não está relacionada de modo algum com a fadiga, nem com o facto de recebermos ou não compensação monetária. A causa da proibição é o estilo do descanso Divino a seguir à Criação.

O pensamento e o planeamento são elementos constitutivos do acendimento do fogo, seja esfregando duas pedras, acendendo um fósforo ou carregando num botão, e tudo isto não tem relação com o grau de esforço exigido por cada uma destas atividades. Ao carregar num botão de plástico, unem-se dois fios elétricos, produz-se uma faísca que fecha um circuito elétrico composto por um polo positivo e outro negativo, coloca-se em atividade uma fonte de energia, calor e luz, turbinas e fábricas. Trata-se aqui de uma criatividade sofisticada e, por isso, proibida no Shabat.

Mas, se em certas circunstâncias tivéssemos que deslocar móveis pesados em Shabat, dentro de casa, é permitido fazê-lo, apesar do esforço e do suor que daí advêm. Segundo a Halachá, esta atividade não exige pensamento nem criatividade, por isso é permitida.

Nos nossos dias produziram-se modificações no conceito de trabalho. Uma criança pequena é capaz de acender fogo usando dois dedos, e, com um só dedo, pode pôr em funcionamento uma complicada maquinaria, que produz elementos sofisticados. Mas estas atividades, que não exigem esforço algum, deixam de estar incluídas no conceito de trabalho?

O respeito pelo Shabat, de acordo com as leis e preceitos, não é tarefa fácil. No entanto, tem por objetivo assegurar-nos que o povo não se esqueça de si mesmo devido a um excesso de trabalho, pensamento e ação. Através do excesso de atividade, o Homem pode chegar a um estado no qual está permanentemente exposto a um nível tão alto de estímulos, que chegue a esquecer-se de si mesmo, da sua família e do seu povo. As numerosas proibições e prescrições que limitam a sua atividade ajudam-no, assim, a transformar o Shabat num dia de criação espiritual, familiar, cultural e nacional.

4 thoughts on “Parashat Vayakhel – Pekudei

  • March 7, 2018 at 12:28 pm
    Permalink

    Thank you all for such a great job.

    Reply
  • March 8, 2018 at 10:37 pm
    Permalink

    Muito interessante, mas mesmo deslocando um móvel dentro de casa de um lugar para outro, envolve esforço físico, não creio possa ser aceitável. A melhor coisa a se fazer no shabat talvez seja ir a um lugar em meio a natureza e ali meditar…

    Reply
  • March 11, 2018 at 3:14 pm
    Permalink

    Uma dúvida, já ouvi falar que alguns judeus utilizam-se da automação previa (antes do shabat) para que no dia não a acendam fogo por si mesmos, mas é acionado fogão e feita a refeição e o mesmo se desliga sozinho ao término de um tempo.
    Isto é aceitável? Está correto dentro do conceito exposto?
    Agradeço

    Reply
    • April 15, 2018 at 11:09 am
      Permalink

      Shalom Helio,
      en mi conocimiento es permitido usar relojes que activan y desactivan aparatos electrónicos y esto esta permitido,
      mas no tengo conocimiento de algun artefacto que encienda fuego, mi consejo es que consultes a un rabino en tu localidad y juzgue el caso en particular

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.