Pessach 2022 – 1º dia de Pessach

Pessach 2022 – 1º dia de Pessach

1º dia de Pessach – Por: Rav Reuven Tradburks
Este ano o primeiro dia de Pessach é Shabat, por isso temos 7 aliyot.

1ª aliá (Êxodo 12:21-24) Oferece a oferenda de Pessach, coloca o seu sangue nas ombreiras e permanece dentro de casa até de manhã, pois D’us passará pelas casas identificadas com o sangue e o seu primogénito será poupado. Esta lei é eterna.

A simplicidade desta narrativa enfatiza o seu drama. Peguem no Pessach e ofereçam-no; e eles assim o fizeram. A disposição do povo em desafiar o Egito, em matar o seu deus (o cordeiro) é impressionante. O povo escravo ouviu o seu D’us, independentemente do risco dos seus dominadores.

E este é o primeiro ato de lealdade exigido por D’us ao povo judeu. Toda a Torá foram promessas de D’us para nós. Agora Ele pede que Lhe estendamos a nossa mão em troca. O Sagrado poderia ter-nos redimido, poderia ter passado sobre as nossas casas sem o sangue nos batentes das portas. Mas Ele queria que estendêssemos a nossa mão para Ele.

2ª aliá (12:25-28) Quando entrares na terra e os teus filhos te perguntarem o que é este serviço, responderás que é um Pessach, pois Hashem passou pelas nossas casas. O povo fez como Moshe ordenou.

Esses versículos simples são tão dramáticos quanto o primeiro. “Quando entrares na terra” –  O quê? Escravos no Egito, vivendo apenas de esperança, estão a receber instruções para cumprir esta mitsvá quando entrarem na terra. A terra de Israel é a coisa mais distante das suas mentes, atoladas na escravidão. Desde os primórdios da nossa história temos sonhos e visões de futuro, ignorando a crueldade da realidade do momento.

3ª aliá (12:29-32) À meia-noite, todos os primogênitos do Egito são mortos. O Faraó ordena que Moshe e Aharon saiam e levem todas as pessoas para o celebração e para o abençoem também.

Embora o acumular de situações até este momento tenha levado muitos meses, a redenção ocorre num piscar de olhos. Sair fora. Agora.

4ª aliá (12:33-36) Os egípcios exortaram os judeus a partirem rapidamente. O povo judeu levou a massa não fermentada e o ouro, a prata e as roupas dos egípcios.

Os judeus, mesmo sabendo que serão redimidos naquela noite, não estão preparados para o momento. A antecipação não diminui o espanto do momento. Eles não tinham preparado provisões. Fieis eles eram; mas preparados não estavam.

5ª aliá (12:37-42) O povo partiu, incluindo 600.000 em idade militar, muitos outros que se juntaram, e foram carregados de rebanhos. A massa foi assada à pressa, pois foram expulsos à pressa. Os judeus viveram no Egito 430 anos; partiram exatamente após 430 anos. Este dia que D’us antecipou para a sua partida permanece um dia marcante para os judeus para sempre.

A Torá enfatiza que este dia foi destinado para a redenção desde o início. Desde a nossa perspetiva, a redenção foi repentina; estávamos despreparados. Mas da perspetiva Dele, isso esteve em cima da mesa o tempo todo. Ele antecipou o evento antes de ele acontecer; nós marcamos o dia depois de ele ter acontecido.

6ª aliá (12:43-47) A Oferenda de Pessach: não judeus não podem participar, deve ser comida numa casa, não pode ser retirada de casa, nenhum osso pode ser quebrado, todos os judeus participam.

A lei de que o Pessach não pode ser retirado de casa é muito parecida às leis sobre os korbanot não poderem ser retirados do Mikdash. As nossas casas tornam-se o Mikdash na noite do Seder.

7ª aliá (12:48-51) Aquele que se junta ao povo judeu e é circuncidado pode juntar-se ao Pessach; existe uma só lei para todos. Naquele dia, D’us tirou o povo judeu do Egito.

A circuncisão e o Pessach são dois lados da mesma moeda – A Brit Milah é um sinal da aliança com D’us, enquanto Pessach é nossa renovação anual de dedicação a essa aliança.

Preparativos para Pessach, à maneira da Shavei

Preparativos para Pessach, à maneira da Shavei

Com a grande variedade de comunidades com as quais a Shavei Israel trabalha, literalmente em todos os cantos do globo, existem inúmeras atividades e programas para as pessoas se prepararem para o feriado de Pessach.

Como as festividades envolvem muita preparação e há muitas leis e detalhes específicos que precisam ser respeitados em relação à limpeza para Pessach e todo o processo de celebração, há seminários, aulas e campanhas para ajudar os imigrantes mais novos com as necessidades para esta festa, que é cara.

Em Nof Hagalil, onde há mais de 1.000 novos imigrantes Bnei Menashe do nordeste da Índia, organizámos cartões-presente especiais e outros presentes e elementos necessários para Pessach:

Em Cali, Colômbia, Rav Asher deu um seminário em vídeo explicando em detalhe todo o seder de Pessach, passo a passo.

Em Ambato, Equador, a comunidade realizou uma palestra interativa por zoom do Rav Aaron Gulman intitulada “É hora de deixar o Egito”. O programa foi moderado por Renan Munoz Palacios, representante da Shavei Israel no Equador.

Outro programa em espanhol, no popular tanaj.org , foi voltado especificamente para líderes da Torá e de comunidades judaicas, liderado por Rav Shmuel Kornblit. O programa concentrou-se nas mensagens da Torá sobre a história de Pessach, o êxodo do Egito e as histórias da Hagadda.

Na comunidade Beith Hillel em Bogotá, Colômbia, o nosso emissário Rav Shimon Yechua deu uma aula online sobre os detalhes das halachot (leis) de Pessach.

SETE BÊNÇÃOS PARA O NOVO CASAL

SETE BÊNÇÃOS PARA O NOVO CASAL

Imediatamente após o casamento, a maioria dos casais recém-casados ​​costuma partir para a lua de mel, mas  na tradição judaica os noivos continuam a celebrar com a comunidade durante uma semana após o casamento. Todos os dias são oferecidas aos noivos refeições especiais, por diferentes amigos ou familiares. Essas refeições festivas são chamadas ‘Sheva Brachot’, ‘Sete Bênçãos’, devido às 7 bênçãos que são recitadas em cada uma dessas refeições (desde que haja um quorum de 10 homens  e esteja presente pelo menos uma nova pessoa que não esteve presente no casamento)

Seguindo essa tradição, a equipa da Shavei Israel homenageou os nossos queridos recém-casados, Chaya e Eliav , no último dia das suas ‘Sheva Brachot’, juntamente com o presidente da Shavei, Michael Freund, professores do programa de conversão de língua espanhola do Machon Miriam, o Rav Natan Menashe e o Rav Yechiel Chilewsky, alunos da Machon Miriam, amigos próximos e familiares do novo casal.

Várias pessoas falaram, incluindo Michael Freund, que abençoou o casal, desejando-lhes que o tempo os faça apenas melhorar, como os melhores vinhos, e que eles possam transformar elementos materiais, tais como o vinho, em algo sagrado e espiritual.

Desejamos ao ‘nosso’ novo casal apenas o melhor! Amor e felicidade na construção de um lar de Torá e mitsvot!

Parashá da Semana – Metzorá

Parashá da Semana – Metzorá

1ª aliá (Vayikra 14:1-12) Purificação da Tzarat: Quando o Cohen determinar que a Tzarat da pele diminuiu, o metzora passa por um processo para poder entrar novamente no acampamento, embora não possa entrar no Mikdash durante mais 7 dias. São trazidas duas aves: uma é abatida e a outra é mergulhada no seu sangue, juntamente com madeira de cedro, um fio vermelho e hissopo. O sangue e a água são salpicados no metzora. A ave viva é libertada. O metzora faz a imersão. No 8º dia: No oitavo dia, o seu cabelo é rapado, faz a imersão e traz oferendas. O processo de purificação do metzora tem duas etapas: A primeira etapa é efetuada fora do acampamento ou cidade. Depois de 7 dias, é efetuado um segundo processo no 8º dia, que vai ser descrito na próxima aliá.

O processo de purificação do metzora é único. Tem três elementos inusuais: 1) são levadas duas aves para fora da cidade, sendo uma abatida e a outra libertada. 2) São utilizados hissopo, um fio e madeira, juntamente com a ave, para salpicar o metzora para o purificar. 3) No 8º dia, são colocados sangue e azeite na orelha, no polegar e no dedo grande do pé do metzora.

Cada um destes elementos encontra-se também noutro sítio. Yom Kippur, Para Aduma (o bezerro vermelho) e a consagração dos cohanim.

  1. As duas aves, uma oferecida e a outra libertada – é o Yom Kippur. Duas cabras, uma oferecida e outra libertada no deserto. As cabras são instrumentos de expiação, kapara.
  2. O hissopo utilizado para aspergir a pessoa – é a Para Aduma, a purificação de uma pessoa depois desta ter tido contacto com mortos. A aspersão é o instrumento da purificação, tahara.
  3. A colocação de azeite na orelha, polegar e dedo do pé era o instrumento da consagração dos cohanim, alcançar santidade, kedusha.

A purificação do Metzora é a kapara de Yom Kippur, a tahara de Para Aduma e a kedusha da inauguração dos Cohanim. Kapara, Tahara e Kedusha; expiação, purificação, santidade.

O Metzora é a tuma mais dramática. Ele é enviado para fora do acampamento inteiramente. A sua reentrada no acampamento e depois no Mikdash também é a mais dramática: contém elementos de kapara (expiação) do Yom Kippur, elementos de tahara (pureza) de Para Aduma e elementos de kedusha (santidade) da consagração.

Temos uma noção de tuma que temos vindo a desenvolver. O Mikdash é o encontro do homem com a Shechina. O Divino convida-nos a este encontro. Somos convidados devido à visão de D’us sobre o Homem como nobre, digno. Digno do convite.

A Tuma é o encontro do Homem com situações da vida que ferem o nosso sentido de nobreza e dignidade. Encontros com a nossa mortalidade, a nossa corporalidade material grosseira, a parte da nossa vida que partilhamos com todo o mundo animal. Isso inclui a morte, a doença, a procriação, a alimentação. A nossa nobreza reside na nossa singularidade humana, na nossa comunicação, na nossa natureza social.

A dignidade e nobreza do Metzora é ferida pela natureza pública das lesões ou descolorações na sua pele. O seu caráter de nobreza é ainda mais prejudicado pela necessidade de isolamento, pela perda de interação social. Um duplo golpe na sua dignidade: a vergonha das suas manchas visíveis na pele e a sua necessidade de se isolar socialmente.

Para recuperar a sua dignidade, ele precisa de kapara e tahara, dois processos de renovação, de limpeza divina. A Kapara e a Tahara são sinais Divinos para nós do favor Divino. O amor Divino pelo Homem expressa-se na Sua vontade de se aproximar de nós, de nos perdoar, de limpar o passado. A Kapara e a Tahara são o encorajamento ao Homem por parte de D’us.

2ª aliá (14:13-20) É trazida a oferenda: o seu sangue é colocado na orelha direita, polegar e dedo grande do pé do Metzora. O azeite é salpicado na frente da cortina e colocado na orelha direita, polegar, dedo grande do pé e cabeça do Metzora. Com estes elementos, o Cohen forneceu kapara para o Metzora e ele torna-se tahor.

A inusitada colocação de sangue e azeite na orelha, polegar e dedo do pé são elementos emprestados da inauguração dos Cohanim, a entrada em Kedusha. O Metzora está a ser equiparado ou pelo menos associado à santidade dos Cohanim. Ao fazê-lo, afirma-se que todos nós somos dotados de santidade, que o nosso propósito é elevado. O Metzora emerge do seu elaborado processo de tahara tendo afirmado novamente a posição digna e elevada do Homem, amado pelo seu Criador, dotado de kedusha. Neste estado recém-afirmado, ele pode encontrar-se novamente no Mikdash, como o ser digno que foi convidado pela Shechina.

3ª aliá (14:21-32) A alternativa menos dispendiosa: Se uma pessoa não puder pagar as oferendas que são trazidas no 8º dia, é oferecida uma alternativa menos dispendiosa, incluindo aves em vez de uma das oferendas animais. Faz-se então o processo descrito acima para obter kapara e tahara para o metzora.

4ª aliá (14:33-53) Na terra de Israel, as casas também estarão sujeitas a Tzarat. Os Cohen examinarão as marcas. Se for declarado que é Tzarat, tudo o que está em casa torna-se tamei, portanto, tudo tem que ser removido antes da declaração do Cohen. Se as marcas se espalharem nos 7 dias seguintes, o Cohen ordenará que algumas pedras sejam retiradas e substituídas. Se a propagação persistir, o Cohen pode ordenar a demolição da casa. Se o Cohen declarar a casa tahor, tomam-se 2 aves, uma é abatida e a outra é mergulhada no seu sangue com madeira de cedro, um fio carmesim e hissopo. Liberta-se a ave.

Uma pessoa pode se tornar tamei por estar numa casa com Tzarat. Temos argumentado que a entrada no Mikdash exige que uma pessoa reconheça a sua nobre posição na vida. Mas a vida pode prejudicar a nossa nobreza, fazendo com que a subestimemos. Mas também podemos ter nascido «em berço de ouro», o que pode empolar demasiado a nossa autopercepção. Somos nobres, mas não em virtude do que temos e sim em virtude do que somos. As nossas casas podem ser a fonte não de dignidade diminuída, mas de arrogância.

Nós, que vivemos nesta geração, sabemos muito bem como a enorme abundância em que vivemos nestes nossos tempos pode distorcer a qualidade da nossa autoperceção. A dignidade do Homem não reside na grandiosidade da sua casa, mas na grandiosidade da sua pessoa. Aparece uma erupção na casa se esta tiver causado uma inflamação na autoestima do dono, transformando essa autoestima em arrogância.

5ª aliá (14:54-15:15) Um Zav: um homem que tem uma descarga incomum do seu órgão de procriação. Ele torna os outros tamei e requer um processo de purificação de 2 oferendas de aves no final de 7 dias.

6ª aliá (15:16-28) Uma descarga sexual normal de um homem causa um nível baixo de tuma.

Nida: O sangramento menstrual regular de uma mulher torna-a temeya durante 7 dias, transferindo a sua tuma para outros, incluindo através do toque. Zava: Uma mulher que tem um sangramento fora do seu período regular é uma Zava, uma Tuma semelhante ao Zav masculino. Ela conta 7 dias antes de se tornar tahor.

A procriação também pode levar a uma autoimagem inflacionada: a Criação não é apenas Sua, também é nossa. Ele dá vida; também nós damos vida. A autoimagem saudável da nossa dignidade e majestade pode ser danificada pela nossa fisicalidade em ambas as direções: diminuída ou aumentada. Uma visão demasiado baixa (que não passamos de animais), ou demasiado alta, vendo-nos como criadores, deixando menos espaço para o Criador.

Talvez estas leis, relacionadas a anomalias nos órgãos de procriação, estejam relacionadas à possibilidade ou talvez à tendência dos seres humanos de terem visões empoladas de si mesmos como criadores, no lugar dO Criador.

7ª aliá (15:29-33) As oferendas são trazidas após a cessação desse sangramento incomum.

As leis de tuma e tahara não fazem parte do nosso mundo. As leis são complexas. A vida nos tempos do Mikdash, o mundo de tuma e tahara, seria irreconhecível para nós. Estaríamos perdidos nesse mundo, sem saber o que fazer. Temos vestígios – a lavagem das mãos antes do pão. E a lavagem das mãos no seder, antes do karpas. O seder é talvez o único momento em que realmente colocamos o pé no mundo de tuma e tahara, só um pouquinho, para nos transportar, mesmo que por um momento, para o mundo do Mikdash, o mundo de tuma e tahara.

O casamento de que estávamos à espera!

O casamento de que estávamos à espera!

Todos na Shavei Israel ficámos muito felizes quando Chaya, a nossa colaboradora de longa data, casou com Eliav, o nosso colaborador mais recente, no início desta semana. Mas a celebração foi mais do que apenas um casamento, e mais do que apenas a alegria partilhada pelos colegas de trabalho.

Esta história de amor estava a ser construída há anos. Chaya e Eliav uniram-se, literalmente, contra todas as probabilidades e vindos de diferentes partes do mundo. Michael Freund, presidente da Shavei Israel, conheceu Eliav em Cuba há 5 anos; Michael Freund queria ajudá-lo a vir para Israel, mas foi tudo muito complicado e demorou até ao verão de 2021 para Eliav finalmente chegar a Israel. Pouco depois desse encontro em Havana, Chaya juntou-se à Shavei Israel como diretora do Departamento de Bnei Anussim. Mal sabia ela, que o homem com quem um dia iria casaria entraria na sua vida através do trabalho.

Quando Eliav já estava em Israel para iniciar o seu processo formal de conversão com a Shavei Israel, ele e Chaya conheceram-se… e apaixonaram-se.

Uma vez que a conversão de Eliav fosse finalizada, eles poderiam casar. Foi um evento lindo e emocionante, graças a muitas pessoas que ajudaram, à Shavei Israel e, claro, às pessoas da escola de ensino médio Neve Chana, que organizaram e cederam o local para o casamento.

Como disse Michael Freund: “Fiquei emocionado quase até às lágrimas no casamento de Chaya, originária do México, e Eliav, originário de Cuba, duas almas muito especiais que encontraram o seu caminho de volta ao povo judeu e que Hashem reuniu como só Ele pode fazer. Que eles sejam abençoados com a construção de um lar judaico com orgulho, patriótico e de princípios, aqui na Terra de Israel. Mazal Tov!!”

Chaya e Eliav, que a vossa vida juntos seja tão linda quanto foi o vosso casamento, e que conheçam apenas bênçãos e felicidades!!