Operação Menashe: Conheça Harel Kingbol, que está fazendo aliá de Mizoram

Harel Kingbol no Muro Ocidental, em 2010
Harel Kingbol no Muro Ocidental, em 2010

A Shavei Israel está, neste momento, se preparando intensamente para a “Operação Menashe ” – a próxima onda de Alyot de Bnei Menashe da Índia – que irá trazer 899 pessoas para Israel ao longo dos próximos 15 meses. O primeiro grupo de imigrantes é de Mizoram e chegará neste final desta semana! É a primeira operação deste tipo no estado indiano, com a segunda maior população Bnei Menashe, em quase 7 anos. Apresentamos para vocês a terceira em nossa série de perfis de famílias de Bnei Menashe que estarão chegando em breve no Estado judeu. Conheça, dessa vez, Harel Kingbol.

Por quase 20 anos, Harel Kingbol sonhou em fazer Alya para Israel a fim de que seus filhos “nunca enfrentassem os mesmos problemas e o sofrimento com o qual eu cresci”, diz ele. Para Kingbol, o sofrimento começou quando tinha 9 anos de idade, no seu Brit Milá (ritual de circuncisão). No estado indiano de Mizoram, onde vive, Kingbol explica que, nenhum médico realizaria a circuncisão nessa idade e, Kingbol e sua família ainda não faziam parte de uma comunidade de Bnei Menashe e, portanto, não tinham seu próprio Mohel (autoridade judaica que pratica o ritual de circuncisão).

No entanto, não foi a dor causada por este duro procedimento em uma idade avançada que causou o sofrimento de Kingbol. Seus jovens amigos o zombavam por sua decisão e, especialmente por sempre usar um Quipá (solidéu) e um Talit Katan (uma peça de roupa com franjas usado sob a camisa). “Eles tentavam derrubar minha quipá e puxar as cordas do Talit Katan, já que eu nunca os escondia”, ele lembra.

Mais tarde, Kingbol se juntou a um time de futebol semi-profissional em Kolkata (Calcutá). “Lá também enfrentei muitos problemas”, lamenta. “Após o diretor do clube descobrir que eu era judeu, eu raramente tive uma chance de jogar”.

Apesar das dificuldades, Kingbol permaneceu forte. “Tenho orgulho de ser judeu e de ser Bnei Menashe”, diz ele. Tanto que, Kingbol, aos 26 anos, foi nomeado um dos “Amigos” da Shavei Israel entre a comunidade Bnei Menashe, servindo como um líder comunitário e educador. Seu compromisso inabalável agora está prestes a ser recompensado: ele e sua família estão incluídos no programa de Alya do próximo grupo de Mizoram!

E nada muito cedo. Kingbol e sua esposa Hodaya têm dois filhos: Rachel, 3, e Nevo, de um ano de idade. Rachel já começou a fazer perguntas, diz Kingbol. “Ela é muito inteligente. Ela quer saber por quê somos diferentes do que as pessoas ao nosso redor. Por que não comemos carne de porco ou caranguejo? Sua mãe lhe diz que ‘se você comer essas coisas você não será saudável, por isso, se você quer crescer e se tornar uma linda menina, você deve comer kosher’. Eu, por outro lado, olho para o Salmo 126 [O Cântico dos que Ascendem, onde se lê “Quando D’us trouxe do cativeiro os que voltaram a Sion, estávamos como os que sonham… Os que semeiam com lágrimas colherão com cânticos de alegria”]. Eu sei como é difícil levar uma vida judaica fora da Terra Santa”.

Kingbol já experimentou um pouco do que está por vir: em 2010, ele fez parte de um grupo de líderes de Bnei Menashe que vieram para Israel em uma viagem patrocinada pela Shavei Israel. (Vide Foto)

Os pais de Kingbol sofreram na Índia também, por serem judeus. Seu pai trabalhou para o governo que, como Kingbol diz, não lhe permitia descansar no Shabat e nas festas. Quando o pai de Kingbol se tornou mais observador, ele se candidatou para uma pensão voluntária, mas a agência recusou. Levou vários anos antes de seu pedido ser finalmente aprovado.

Kingbol vive hoje com toda sua família, incluindo seus pais, em Aizawl, a capital de Mizoram. “Eu rezo para que meu pai e minha mãe, que me criaram para ser um judeu orgulhoso, e todos os meus irmãos e irmãs [ele tem dois], sejam capazes de retornar à Terra Prometida muito em breve”, diz ele.

Com a ajuda de Shavei Israel, este dia está se aproximando rapidamente, assim como também é mencionado no Salmo 126: “Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres!”.