Leitura para o 1º Dia de Pesach

1º Dia de Pesach

Por: Rav Reuven Tradburks

1ª aliá (Êxodo 12:21-24) Oferece a oferenda de Pessach, coloca o seu sangue nas ombreiras e permanece dentro de casa até de manhã, pois D’us passará pelas casas identificadas com o sangue e o seu primogénito será poupado. Esta lei é eterna.

A simplicidade desta narrativa enfatiza o seu drama. Peguem no Pessach e ofereçam-no; e eles assim o fizeram. A disposição do povo em desafiar o Egito, em matar o seu deus (o cordeiro) é impressionante. O povo escravo ouviu o seu D’us, independentemente do risco dos seus dominadores.

E este é o primeiro ato de lealdade exigido por D’us ao povo judeu. Toda a Torá foram promessas de D’us para nós. Agora Ele pede que Lhe estendamos a nossa mão em troca. O Sagrado poderia ter-nos redimido, poderia ter passado sobre as nossas casas sem o sangue nos batentes das portas. Mas Ele queria que estendêssemos a nossa mão para Ele.

2ª aliá (12:25-28) Quando entrares na terra e os teus filhos te perguntarem o que é este serviço, responderás que é um Pessach, pois Hashem passou pelas nossas casas. O povo fez como Moshe ordenou.

Esses versículos simples são tão dramáticos quanto o primeiro. “Quando entrares na terra” –  O quê? Escravos no Egito, vivendo apenas de esperança, estão a receber instruções para cumprir esta mitsvá quando entrarem na terra. A terra de Israel é a coisa mais distante das suas mentes, atoladas na escravidão. Desde os primórdios da nossa história temos sonhos e visões de futuro, ignorando a crueldade da realidade do momento.

3ª aliá (12:29-36) À meia-noite, todos os primogênitos do Egito são mortos. O Faraó ordena que Moshe e Aharon saiam e levem todas as pessoas para o celebração e para o abençoem também.

Embora o acumular de situações até este momento tenha levado muitos meses, a redenção ocorre num piscar de olhos. Sair fora. Agora.

Os judeus, mesmo sabendo que serão redimidos naquela noite, não estão preparados para o momento. A antecipação não diminui o espanto do momento. Eles não tinham preparado provisões. Fieis eles eram; mas preparados não estavam.

4ª aliá (12:37-42) O povo partiu, incluindo 600.000 em idade militar, muitos outros que se juntaram, e foram carregados de rebanhos. A massa foi assada à pressa, pois foram expulsos à pressa. Os judeus viveram no Egito 430 anos; partiram exatamente após 430 anos. Este dia que D’us antecipou para a sua partida permanece um dia marcante para os judeus para sempre.

A Torá enfatiza que este dia foi destinado para a redenção desde o início. Desde a nossa perspetiva, a redenção foi repentina; estávamos despreparados. Mas da perspetiva Dele, isso esteve em cima da mesa o tempo todo. Ele antecipou o evento antes de ele acontecer; nós marcamos o dia depois de ele ter acontecido.

5ª aliá (12:43-51) A Oferenda de Pessach: não judeus não podem participar, deve ser comida numa casa, não pode ser retirada de casa, nenhum osso pode ser quebrado, todos os judeus participam. quele que se junta ao povo judeu e é circuncidado pode juntar-se ao Pessach; existe uma só lei para todos. Naquele dia, D’us tirou o povo judeu do Egito.

A lei de que o Pessach não pode ser retirado de casa é muito parecida às leis sobre os korbanot não poderem ser retirados do Mikdash. As nossas casas tornam-se o Mikdash na noite do Seder.

A circuncisão e o Pessach são dois lados da mesma moeda – A Brit Milah é um sinal da aliança com D’us, enquanto Pessach é nossa renovação anual de dedicação a essa aliança.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *