Leite e Mel

Comentário sobre a porção semanal da Torá – Shelach

 

Leite e Mel

Os Filhos de Israel chegaram às portas da Terra Prometida e se preparam para entrar e conquistá-la. Quase um ano se passou do momento em que estiveram aos pés do Monte Sinai, quando receberam a Torá e construíram o Tabernáculo. Em seguida, um caminho que deveria ter durado apenas 11 dias, acabou demorando quarenta dias que terminaram com a decisão de enviar espiões para a verificar a situação da Terra Prometida.

Quando os espiões retornam, após mais quarenta dias, declaram que, de fato, trata-se de “uma terra que emana leite e mel” (Números 13:27). Mas…

Há sempre um “mas” que estraga tudo.

Sendo que os frutos são tão bons, verifica-se que os habitantes do país, que os consomem diariamente, ‘são muito fortes e suas cidades inexpugnáveis. Também há gigantes…’.

Claro. Toda moeda tem dois lados. O que esperavam? E mesmo assim, a mão divina preparava tudo, de modo que suas forças, de nada lhe serviriam. “Uma terra que devora seus habitantes” (id. 13:32), acusam os espiões, explicando que a cada lugar que chegaram encontram, pelo menos, um funeral. Sem compreender que se tratava de uma intervenção divina, já que morriam os últimos cidadãos que poderiam, verdadeiramente, apresentar algum perigo aos filhos de Israel.

 

 

Sombra Divina

Em cada povo existem pessoas, poucos ou muitos, dignos de serem considerados verdadeiros “humanos”. Pessoas com virtudes bem desenvolvidas, bem cultivadas, que sabem como usar as habilidades que receberam, que se esforçam para obter novas habilidades com as quais possa praticar o bem com sua família, sua sociedade e o resto da humanidade. Pessoas que, sem dúvida, podem ser consideradas como representando a “imagem divina”, no verdadeiro sentido da palavra.

Graças a estas pessoas, que crescem dentro de cada uma das nações, o país no qual que vivem pode se desenvolver, crescer e prosperar. Estes são como um “guarda-chuva protetor” de seus compatriotas. Não existe nenhum país que não possua, muitos ou poucos, indivíduos assim. Temos de aprender a reconhecer e apreciar-los, onde quer que estejam.

Certamente não se parecem em nada com aquilo que consideramos ‘uma boa pessoa’, de acordo com os critérios de judeus, uma vez que, certamente, estarão imersos em idolatria, em ideologias erradas ou detenrão algumas falhas importantes que nos impedem de ver as virtudes que possuem e que praticam. Uma coisa não deve anular a outra, já que a pessoa humana é formada por diferentes facetas e nem todos são capazes de coordená-las entre si e encaixá-las, mutuamente, em um todo coerente. São estes os Justos Entre as Nações.

Acontece, então, que o país se deteriora de tal forma que estes poucos indivíduos com uma “imagem divina” simplesmente desaparecem do mapa. Ou porque os perseguem e os matam, ou porque se retiram para buscar um lugar mais calmo. E então, o país acaba ficando sem proteção. É um conjunto de letras em hebraico, intraduzível: a Torá diz que “foi retirado sua sombra sobre eles” (id. 14: 9), escrevendo ‘sombra’ com três letras hebraicas: ‘tsadik’, ‘lamed’ e ‘mem’ ‘(=‘tsilám’). Estas três letras, são as mesmas letras que formam a palavra B’Tselem – ‘a imagem’. Ao dizer que “retirou sua sombra”, também quer dizer que “a imagem (de D’us) os abandonou”.

Nossa obrigação, hoje e sempre, é ajudar de toda forma possível que estas pessoas conservem sua “imagem divina” para então, prosperar e influenciar positivamente sobre o resto da população. Como disse, isso pode ser muito “difícil” para um judeu, pois, certamente, essas pessoas são culpados de idolatria ou algum outro problema, mais ou menos graves. Como pode um judeus apoiar idólatras? Obviamente que isso não se trata de apoiar a idolatria, D’us nos livre! Somente o lado negativo de uma pessoa que, por sua grande desgraça, a pratica. Temos de aprender a definir, para nós e para eles, erros e acertos, para deixar claro que apoiamos-los apenas em atividades positivas. Claro que, se somos capazes de ajudá-los a se afastarem dos erros e focarem no atendimento ao Criador, esta será uma situação muito melhor, mas isso é uma outra questão…

 

 

Gigantes Instáveis

Os espiões regressam com amostras dos frutos do país. Os frutos da Terra Santa possuem propriedades especiais que dão uma força sobrenatural àqueles que os consomem. O que então fazer com esse poder? Esta é outra questão. Caso você tenha desenvolvido com êxito suas virtudes, e saiba como usar essas energias para praticar o bem. Caso contrário, estas serão usadas para causar grandes danos. A Torá diz que os habitantes eram “homens de ação”, uma expressão também usada para descrever as qualidades de cada um, virtudes ou defeitos. Possuíam medidas extraordinárias, muito além daquelas que podem ser encontradas em outros lugares. Pessoas altamente qualificadas. Mas, qualificadas para quê? Como utilizavam seus poderes, suas qualidades?

A Torá nos conta sobre uma espécie de gigantes chamados de “Nefilim”. Uma expressão estranha. A palavra vem do verbo ‘cair’, ou seja, eram os “caídos”, ou, mais propensos a cair. Por um lado, eles são gigantes, por outro lado, tendem a cair. São instáveis em sua grandeza.

Possuem talentos, habilidades e até mesmo algumas virtudes, mas não as tratam da maneira adequada e, portanto, tendem a perdê-las muito facilmente. Ou a deformá-las, ou mesmo, usá-las incorretamente.

 

 

Não Nega a Recompensa

Claramente podemos acrescentar que, sem a Torá, e todas suas indicações que explicam como praticar o bom uso das qualidades e como polir as virtudes, eles não poderiam ir muito longe. Ainda assim, devemos entender que o fato de que alguém que não tenha crescido com os ensinamentos da Torá, não significa que, automaticamente, este não irá fazer bom uso de seus talentos e não desenvolverá suas habilidades afim de ser uma boa pessoa. Para isto, “basta” que esteja interessado em melhorar, em se esforçar para ser uma boa pessoa, e, certamente, o Criador estará à sua disposição através dos meios necessários. De acordo com o interesse que demonstram em melhorar, aprenderão a fazer bom uso de suas qualidades. Caso contrário, seria uma grande injustiça punir aqueles que não tiveram oportunidade. Pelo contrário, o Criador não nega a recompensa merecida à qualquer uma das suas criaturas.

A Torá é uma ferramenta que nos permite alcançar “mais além” do que aquilo que poderíamos  alcançar com instrumentos meramente humanos. Ela nos permite obter todo o potencial oculto em cada uma das habilidades e talentos. Ela nos permite concentrar-los mais facilmente no objetivo real, no contato do homem com seu Criador.

 

 

Leite e Mel

Portanto, ao tratar de “gigantes instáveis”, estamos nos referindo a pessoas que confiaram em sua “grandeza” e não se preocuparam em se estabilizar. Pessoas que não se empenharam em construir uma base ampla e sólida para trabalhar e definir adequadamente cada uma de suas virtudes. dando-lhes o desenvolvimento prático que necessitam.

É o perigo daqueles que comem o fruto da Terra Santa: são frutas que fornecem forças sobrenaturais. Se usado para o bem, será extremamente positivo, contudo, caso sejam usados para o mal, serão bastante negativos. Aqueles que têm o grande prazer de viver na Terra da Profecia, a Terra Santa, devem ter muito cuidado com isso. Devem saber aproveitar as energias que nos dão os frutos deste país que emana leite e mel, concentrando-os na meta mais apropriada, sem permitir desperdiça-las em falsas metas.

Caso fizermos isso de acordo com as instruções da Torá, alcançaremos grandes sucessos, tanto a nível científico quanto espiritual. As instruções estão na bênção que dizemos após o consumo dos “Cinco Frutos”: “comer-los com santidade e pureza”. Um tema que merece um estudo mais aprofundado, em uma outra oportunidade…

One thought on “Leite e Mel

  • July 15, 2016 at 2:45 pm
    Permalink

    Agradeço a oportunidade me dada e a todos descendentes do povo Judeu, que fugiram da sanha ditada pela “santa-inquisição” e, que em grande maioria se encontram em solo brasileiro mais acentuadamente no Nordeste brasileiro; muitos dos quais sequer conhecem sua origem hebraica, mantendo costumes comum ao povo de Israel. Creio em Adonai como o único D´us.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.