Comício dos Bnei Menashe em Migdal HaEmek em apoio às Forças de Defesa de Israel

Bnei-Menashe-support-for-war-in-Migdal-HaEmek-300x168Como a operação “Muro de Proteção” continua sendo realizada na Faixa de Gaza, os Bnei Menashe se reuniram na semana passada para demonstrar seu apoio para as Forças de Defesa de Israel. 25 Bnei Menashe juntaram mais 200 moradores de Migdal HaEmek para acenar bandeiras israelenses, cantar e recitar salmos na rua principal desta cidade da baixa Galiléia, no norte de Israel.

35 novas famílias de imigrantes de Bnei Menashe, que haviam passado, anteriormente, pelo centro de absorção de Kfar Hasidim, mudaram-se para Migdal HaEmek com a ajuda da Shavei Israel, no início deste ano.
Como a operação “Muro de Proteção” continua sendo realizada na Faixa de Gaza, os Bnei Menashe se reuniram na semana passada para demonstrar seu apoio para as Forças de Defesa de Israel. 25 Bnei Menashe juntaram mais 200 moradores de Migdal HaEmek para acenar bandeiras israelenses, cantar e recitar salmos na rua principal desta cidade da baixa Galiléia, no norte de Israel.

35 novas famílias de imigrantes de Bnei Menashe, que haviam passado, anteriormente, pelo centro de absorção de Kfar Hasidim, mudaram-se para Migdal HaEmek com a ajuda da Shavei Israel, no início deste ano.
Como a operação “Muro de Proteção” continua sendo realizada na Faixa de Gaza, os Bnei Menashe se reuniram na semana passada para demonstrar seu apoio para as Forças de Defesa de Israel. 25 Bnei Menashe juntaram mais 200 moradores de Migdal HaEmek para acenar bandeiras israelenses, cantar e recitar salmos na rua principal desta cidade da baixa Galiléia, no norte de Israel.

35 novas famílias de imigrantes de Bnei Menashe, que haviam passado, anteriormente, pelo centro de absorção de Kfar Hasidim, mudaram-se para Migdal HaEmek com a ajuda da Shavei Israel, no início deste ano.

O comício da semana passada foi organizado com a ajuda de Aviva Yosef, coordenadora da Shavei Israel para os Bnei Menashe em Migdal HaEmek. Foi o primeiro comício em Israel que os Bnei Menashe organizaram, diz Yosef. “Os Bnei Menashe tinham uma aula programada para o mesmo horário, mas acharam que isto era mais importante. Adultos, adolescentes, e mesmo idosos participaram. Foi muito emocionante para eles. Deu-lhes a sensação de que já eram parte integrante de Am Israel (a Nação de Israel).

(Ainda na Índia, os Bnei Menashe participaram de comícios para apoiar Israel. Quando os jovens Naftali Frenkel, Gilad Shaar e Eyal Ifrach foram sequestrados em junho, os Bnei Menashe se reuniram)

Embora Migdal HaEmek esteja longe das linhas de frente e nenhum míssel tenha caído lá (pela bênção de D´us), seus habitantes – como todos os israelenses – estão muito ligados à esta operação através de seus filhos e filhas soldados. Isso é também verdade para os Bnei Menashe: vários membros da comunidade de Bnei Menashe já foram convocados para Gaza durante a Operação “Muro de Proteção” e sete garotos Bnei Menashe se juntarão às FDI, em agosto. Há um total de seis Bnei Menashe servindo nas FDI atualmente e outros oito reservistas que foram recentemente chamados.

Além disso, a maior parte dos Bnei Menashe de Migdal HaEmek têm parentes que vivem no sul da cidade de Sderot, que recebeu mais de 10.000 mísseis, disparados contra Israel desde de Gaza, ao longo da última década.

Aviva Yosef é parte de um “Garin Torani”, uma pequena comunidade de jovens famílias que se mudaram para Migdal HaEmek para reforçar a vida religiosa em geral, da cidade. O grupo de Yosef “adotou” os imigrantes Bnei Menashe. “Nós organizamos aulas para eles, estudo de hebraico, atividades para as crianças”, explica Yosef. “No Shabat, nós fazemos Seuda Shlishit [a tradicional “terceira refeição” do Shabat] juntos na minha casa, bem como uma reunião mensal para as mulheres de Bnei Menashe em Rosh Hodesh” (o primeiro dia do mês hebraico).

A presença ativa do Garin Torani em Migdal HaEmek foi uma das razões pela qual a Shavei Israel escolheu a cidade como um local atraente para os Bnei Menashe depois de “graduados” em Kfar Hasidim.

Yochanan Phaltual, que recentemente fez aliá e serviu por muitos anos como emissário da Shavei Israel para os Bnei Menashe na Índia acrescenta:

“Para os Bnei Menashe, se integrar na sociedade israelense, e representar um papel neste tipo de evento, é uma honra para eles. Dá-lhes um sentimento de orgulho e dever nacional. Mesmo que os Bnei Menashe apenas recentemente chegaram, eles já se sentem parte daquilo que, os que estão na linha de fogo estão vivendo. Israel é a nossa casa e em casa nós sempre nos sentiremos mais seguros!”.

O comício da semana passada foi organizado com a ajuda de Aviva Yosef, coordenadora da Shavei Israel para os Bnei Menashe em Migdal HaEmek. Foi o primeiro comício em Israel que os Bnei Menashe organizaram, diz Yosef. “Os Bnei Menashe tinham uma aula programada para o mesmo horário, mas acharam que isto era mais importante. Adultos, adolescentes, e mesmo idosos participaram. Foi muito emocionante para eles. Deu-lhes a sensação de que já eram parte integrante de Am Israel (a Nação de Israel).

(Ainda na Índia, os Bnei Menashe participaram de comícios para apoiar Israel. Quando os jovens Naftali Frenkel, Gilad Shaar e Eyal Ifrach foram sequestrados em junho, os Bnei Menashe se reuniram)

Embora Migdal HaEmek esteja longe das linhas de frente e nenhum míssel tenha caído lá (pela bênção de D´us), seus habitantes – como todos os israelenses – estão muito ligados à esta operação através de seus filhos e filhas soldados. Isso é também verdade para os Bnei Menashe: vários membros da comunidade de Bnei Menashe já foram convocados para Gaza durante a Operação “Muro de Proteção” e sete garotos Bnei Menashe se juntarão às FDI, em agosto. Há um total de seis Bnei Menashe servindo nas FDI atualmente e outros oito reservistas que foram recentemente chamados.

Além disso, a maior parte dos Bnei Menashe de Migdal HaEmek têm parentes que vivem no sul da cidade de Sderot, que recebeu mais de 10.000 mísseis, disparados contra Israel desde de Gaza, ao longo da última década.

Aviva Yosef é parte de um “Garin Torani”, uma pequena comunidade de jovens famílias que se mudaram para Migdal HaEmek para reforçar a vida religiosa em geral, da cidade. O grupo de Yosef “adotou” os imigrantes Bnei Menashe. “Nós organizamos aulas para eles, estudo de hebraico, atividades para as crianças”, explica Yosef. “No Shabat, nós fazemos Seuda Shlishit [a tradicional “terceira refeição” do Shabat] juntos na minha casa, bem como uma reunião mensal para as mulheres de Bnei Menashe em Rosh Hodesh” (o primeiro dia do mês hebraico).

A presença ativa do Garin Torani em Migdal HaEmek foi uma das razões pela qual a Shavei Israel escolheu a cidade como um local atraente para os Bnei Menashe depois de “graduados” em Kfar Hasidim.

Yochanan Phaltual, que recentemente fez aliá e serviu por muitos anos como emissário da Shavei Israel para os Bnei Menashe na Índia acrescenta:

“Para os Bnei Menashe, se integrar na sociedade israelense, e representar um papel neste tipo de evento, é uma honra para eles. Dá-lhes um sentimento de orgulho e dever nacional. Mesmo que os Bnei Menashe apenas recentemente chegaram, eles já se sentem parte daquilo que, os que estão na linha de fogo estão vivendo. Israel é a nossa casa e em casa nós sempre nos sentiremos mais seguros!”.

O comício da semana passada foi organizado com a ajuda de Aviva Yosef, coordenadora da Shavei Israel para os Bnei Menashe em Migdal HaEmek. Foi o primeiro comício em Israel que os Bnei Menashe organizaram, diz Yosef. “Os Bnei Menashe tinham uma aula programada para o mesmo horário, mas acharam que isto era mais importante. Adultos, adolescentes, e mesmo idosos participaram. Foi muito emocionante para eles. Deu-lhes a sensação de que já eram parte integrante de Am Israel (a Nação de Israel).

(Ainda na Índia, os Bnei Menashe participaram de comícios para apoiar Israel. Quando os jovens Naftali Frenkel, Gilad Shaar e Eyal Ifrach foram sequestrados em junho, os Bnei Menashe se reuniram)

Embora Migdal HaEmek esteja longe das linhas de frente e nenhum míssel tenha caído lá (pela bênção de D´us), seus habitantes – como todos os israelenses – estão muito ligados à esta operação através de seus filhos e filhas soldados. Isso é também verdade para os Bnei Menashe: vários membros da comunidade de Bnei Menashe já foram convocados para Gaza durante a Operação “Muro de Proteção” e sete garotos Bnei Menashe se juntarão às FDI, em agosto. Há um total de seis Bnei Menashe servindo nas FDI atualmente e outros oito reservistas que foram recentemente chamados.

Além disso, a maior parte dos Bnei Menashe de Migdal HaEmek têm parentes que vivem no sul da cidade de Sderot, que recebeu mais de 10.000 mísseis, disparados contra Israel desde de Gaza, ao longo da última década.

Aviva Yosef é parte de um “Garin Torani”, uma pequena comunidade de jovens famílias que se mudaram para Migdal HaEmek para reforçar a vida religiosa em geral, da cidade. O grupo de Yosef “adotou” os imigrantes Bnei Menashe. “Nós organizamos aulas para eles, estudo de hebraico, atividades para as crianças”, explica Yosef. “No Shabat, nós fazemos Seuda Shlishit [a tradicional “terceira refeição” do Shabat] juntos na minha casa, bem como uma reunião mensal para as mulheres de Bnei Menashe em Rosh Hodesh” (o primeiro dia do mês hebraico).

A presença ativa do Garin Torani em Migdal HaEmek foi uma das razões pela qual a Shavei Israel escolheu a cidade como um local atraente para os Bnei Menashe depois de “graduados” em Kfar Hasidim.

Yochanan Phaltual, que recentemente fez aliá e serviu por muitos anos como emissário da Shavei Israel para os Bnei Menashe na Índia acrescenta:

“Para os Bnei Menashe, se integrar na sociedade israelense, e representar um papel neste tipo de evento, é uma honra para eles. Dá-lhes um sentimento de orgulho e dever nacional. Mesmo que os Bnei Menashe apenas recentemente chegaram, eles já se sentem parte daquilo que, os que estão na linha de fogo estão vivendo. Israel é a nossa casa e em casa nós sempre nos sentiremos mais seguros!”.