O Mishkan

Comentário sobre a Porção Semanal da Torá – Pekudei

 

imagesParasha Pekudei é a última de uma série de Parashiot que descrevem todos os detalhes da construção do Mishkan! Mishkan este, que seria usado como a Casa da Presença Divina neste mundo até que os Filhos de Israel chegassem neste lugar que estamos hoje – Jerusalém – e construíssem o Beit Hamikdash.

O Midrash Tanhuma conta sobre a felicidade e a ansiedade de todo o povo, quando finalmente o grande momento da inauguração chegou! O Midrash descreve como, todos, homens, mulheres e crianças, se empurravam e se pisoteavam para tentar levantar o Mishkan e finalmente ver-lo pronto!! Imaginem que momento incrível!

E então, está escrito que:

“Moshe viu todo o trabalho, e eis que haviam feito como D´us ordenou! E Moshe os abençoou!”

E qual foi esta Brachá de Moshé? Rashi menciona o Sifre e diz que a bracha que Moshe deu ao povo foi:

“(…) que a Presença Divina repouse em vossos trabalhos”!

Nossos sábios questionam o momento desta Brachá de Moshé, sugerindo que esta seria mais conveniente antes da construção do Mishkan, abençoando, assim, todo o grande trabalho que seria realizado na construção da Casa de D´us? Por que esperar até o final para abençoar o trabalho??

O Rav Simcha Schepps oferece uma resposta muito interessante. O Rav Schepps sugere que o lugar mais lógico para esta Brachá, com certeza seria no início da construção do Mishkan, em Parashat Terumá, juntamente com o Passuk: “Me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles”. A Brachá de Moshe viria então para reforçar esta promessa de Hashem! Por que, então, Moshe esperou até o final da construção? Devemos então dizer que, supostamente, esta Brachá é diferente da Promessa feita por D´us e que, a Brachá de Moshe vem nos ensinar algo novo!

E o que seria?

O Rav Schepps se baseia no famoso Tehilim (salmos) 24, para entender este ensinamento de Moshe. No Tehilim está escrito: “Quem subirá ao monte de D´us, e quem se manterá no lugar santo?”.

Aparentemente o Rei David se refere a dois desafios: o primeiro, “Quem subirá a montanha de D´us” e o segundo, “Quem se manterá no lugar santo”!

É necessária muita força de vontade e disposição para subir uma montanha, uma empreitada assim, por si só, é um tremendo desafio. Mas existe um desafio ainda maior que este. O desafio de permanecer lá em cima!

Nos meses de Elul e Tishrei, todos estão entusiasmados e mobilizados para alcançar os grandes níveis espirituais! Se preparam dias e dias e começam a subir, subir e subir! Rosh Hashana já estão muito altos, Aseret Yemei Teshuvá ainda mais, quando em Yom Kipur, atingem o pico de espirtualidade! E então, termina Sucot e surgem os grandes desafios e, quando chegamos em Adar, muitos já desistiram e apenas os mais fortes ainda estão de pé no pico da montanha de Hashem!

No início da construção do Mishkan, estavam todos muito entusiasmados e mobilizados para construir a Casa de D´us neste mundo. No entanto, com o Mishkan já construído, a emoção se dissipou um pouco. E então, quando o povo está prestes a começar suas rotinas e o trabalho de cada dia, Moshe ve a necessidade de abençoar, “que a Divina Presença repouse em vossos trabalhos”! Para que mantenham o poderoso nível espiritual que atingiram no trabalho do Mishkan, em seus cotidianos!

Que saibamos levar as grandes conquistas espirituais para todo o ano!!

5 thoughts on “O Mishkan

  • March 12, 2016 at 6:16 pm
    Permalink

    Shalom! É muito bom, para quem está iniciando e percebe em sí mesmo este oscilar da conexão, poder ter acesso a este texto… Gratidão! Baruch HaShem, Shabat Shalom!

    Reply
  • March 12, 2016 at 6:20 pm
    Permalink

    Excelente comentário sobre o oscilar de nossa conexão e a necessidade de tudo fazer
    para permanecer no Topo da Montanha! Gratidão! Baruch HaShem, Shabat Shalom!

    Reply
  • April 4, 2016 at 9:48 pm
    Permalink

    A profundidade do significado nos ensina que não basta alcançar, mas permanecer! Ensinamento requíssimo

    Reply
  • April 11, 2016 at 11:06 pm
    Permalink

    Muito interessante o texto. Facil de interpretar para quem não conhece o judaismo.

    Reply
  • August 27, 2016 at 8:31 pm
    Permalink

    É sempre um presente para mim, essa forma de pensar, tão simples, e ao mesmo tempo, tão belo e verdadeira, e tão grandiosa….. é, o difícil é permanecer, mas, JAMAIS impossível, se assim o ETERNO, O desejar.
    Marcos Antônio Aguiar.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.