Cerimônia histórica de Chanuká em uma Prisão da Inquisição

Gil Ronen (Arutz 7)
10/12/2013

A cerimônia de acendimento das velas de Chanuká foi realizada quarta-feira na infame prisão Steri em Palermo, Sicília, que serviu como sede da Inquisição espanhola entre 1601 e 1782.

A cerimônia – a primeiro desse tipo – foi chefiada pelo rabino Pinhas Punturello, emissário da organização Shavei Israel para o sul da Itália e Sicília. Entre os participantes estavam o Professor Roberto La Galla, chanceler da Universidade de Palermo, outros membros do corpo docente, bem como cerca de 100 Bnei Anussim que vivem na Sicília.

Os Bnei Anussim são os descendentes de judeus que foram convertidos à força ao cristianismo sob o regime de terror da Inquisição. Muitos desses “cristãos-novos” fizeram o máximo para permanecer fiel às suas raízes judaicas, passando adiante a fé e as práticas de seus antepassados através das gerações.Candle-Lighting-300x225

“Centenas de anos depois da prisão do Palácio Steri operar para apagar a luz de Israel, nós viemos aqui hoje para mostrar que a chama judaica continua queimando”, disse Michael Freund, fundador e presidente da Shavei Israel, que trabalha para trazer os Bnei Anussim de volta ao redil judaico. “Durante 200 anos, os judeus foram torturados dentro dos muros deste palácio, e muitos deles foram queimados na fogueira pela Inquisição por, secretamente, manter seu Judaísmo. E é por isso que este evento não é apenas histórico e sim, também, simbólico, pois a luz das velas de Chanuká chegou ao lugar onde a escuridão da Inquisição uma vez reinou”.

Freund contou que ainda se pode ver inscrições de graffiti nas paredes das celas de confinamento solitário da prisão, entre eles, dois escritos em letras hebraicas.

A perseguição dos judeus na Sicília chegou a um clímax em 1492, quando os judeus da Espanha – incluindo aqueles na Sicília – foram expulsos à força. Havia pelo menos 37 mil judeus que viviam em 52 comunidades da ilha na época. Muitos foram expulsos e, outros, que foram forçados a converter-se, continuaram a sofrer com a Inquisição por gerações.

Leave a Reply

Your email address will not be published.