Chanuka ao redor do mundo!

Chanuka ao redor do mundo!

Este ano, como sempre, recebemos muitas fotos e vídeos de luz e celebração da festa de Chanuca das nossas comunidades ao redor do mundo.

Alguns destaques deste ano são as muitas fotos que recebemos de comunidades emergentes na América Latina, e a fascinante exposição de luzes dos Bnei Menashe, na Índia. Também um bar mitzvah de Chanucá na Arménia, El Salvador e uma cerimónia de acendimento de velas no famoso Palácio da Inquisição, na Cidade do México, com o nosso diretor, Michael Freund.

Explore aqui o nosso álbum para ver as sufganiots, as luzes nas menorás de todas as formas e tamanhos, as caras felizes, as decorações e as celebrações!

Aqui estão só algumas fotos; no álbum há muitas, muitas mais!

Conheça Perez Krohn, que encontrou a sua vocação em Lodz

Conheça Perez Krohn, que encontrou a sua vocação em Lodz

Uma das comunidades com as quais a Shavei Israel trabalha são os ‘Judeus Ocultos’ da Polónia. Os descendentes daqueles poucos judeus remanescentes na Polónia após o Holocausto, que esconderam o seu judaísmo, estão a descobrir apenas agora a sua herança judaica.

Lodz é uma das cidades da Polónia com uma história judaica rica e trágica, bem como uma renovação judaica na qual Shavei está muito envolvida.

Recentemente, Perez Krohn encontrou-se em Lodz para ajudar a comunidade. Esta é a sua incrível história:

Foi um dia normal. Apenas dois dias após o feriado de Purim de 2022. Recebi um telefonema de uma certa organização nos EUA: “Temos um pedido especial. Você poderá estar na comunidade de Lodz na Polónia durante o próximo Pesach?”

Não foi uma pergunta fácil…

Eu tinha acabado de chegar a Israel depois de uma década de atividades muito importantes para uma comunidade muito importante na Ucrânia. E deixei o local durante a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, junto com a maior parte da comunidade.

Consultei um rabino muito importante. E ele disse-me “se você puder ajudar pelo menos um judeu, tudo vale a pena.”

Então fui até ao meu pai, que mora em Israel, para lhe contar a minha decisão.

Ele começou imediatamente a chorar. Parecia que estava a chorar de emoção…

Perguntei-lhe: “Querido pai, por que está tão emocionado?”

Ele respondeu-me imediatamente: “O meu pai nasceu em Lodz em 1919 e emigrou com os seus pais para os EUA em 1925, e agora você está voltando para lá para fortalecer os judeus????”

Não entendi muito bem essa empolgação até chegar à comunidade aqui em Lodz, tão especial e importante. Quando cheguei, conheci um rabino maravilhoso, o rabino David Szychowski, que conduz a comunidade de forma digna e inspiradora, pelo caminho da sagrada Torá. Com especial doçura e escutando cada pessoa da comunidade.

Surpreendentemente, no decorrer das minhas atividades em Lodz, na verdade, começo a descobrir muito mais detalhes sobre a minha família que vive aqui há pelo menos 200 anos! Em todas as gerações, os meus antepassados usaram os mesmos nomes que ainda hoje estão presentes na família. Além disso, os membros da minha família continuam a ocupar os mesmos cargos, como mohel, cantor e rabino

Depois visitámos o grande cemitério da cidade de Lodz, e lá encontrei os nomes da minha família, de todas as gerações passadas. Entre eles estava um santo rabino, o escritor do livro A Coroa de Shlomo, que era o chefe do tribunal rabínico local e vice-rabino-chefe de Lodz, há cerca de 180 anos, HaGaon Rabi Eliezer Krahan zt”l. Claro que me deu muito mais força e um senso de missão muito grande para o que estou a fazer aqui agora. Depois de ver essas informações, tenho uma sensação pessoal de conexão com cada pedra e cada livro antigo que me leva de volta às gerações passadas.

E acima de tudo, um entendimento de que vim aqui para continuar a corrente de gerações da minha família; não apenas para minha família, mas para o povo de Israel.

Parasha da Semana – Vaierá

Parasha da Semana – Vaierá

Por: Rav Reuven Tradburks

As amadas histórias sobre a vida de Avraham encontram-se na nossa Parsha.  Avraham acolhe os anjos que vieram contar-lhe sobre a futura gravidez de Sara. De’s conta a Avraham sobre a destruição iminente de Sodoma; Avraham pede por eles. A cidade de Sodoma é destruída, Lot é salvo. As nações de  Moav  e Amon nascem de Lot e das suas filhas.  Avraham acampa em Gerar. Sarah dá à luz a Yitzchak. Hagar e  Yishmael  são mandados embora. Avraham faz um pacto com  Avimelech. A parashá acaba com a história dramática da Akeidat  Yitzchak, a quase morte de Yitzchak às mãos de Avraham.

1a Aliá (18:1-14).  De’s aparece a Avraham. Três homens são calorosamente recebidos por Avraham com uma hospitalidade extraordinária. Anunciam-lhe que pela mesma altura do ano seguinte Sara terá um filho.  Sara ouve isto da tenda e ri-se, pois a sua capacidade de ter filhos já é coisa do passado. De’s refuta: Há algo que seja demasiado para De’s? – Nesta altura do próximo ano terás tido um filho.

Esta história é um precioso olhar para dentro do lar de Avraham e Sara. Todos participam na boa ação: Avraham, Sara, os  jovens ajudantes. E a palavra «corre» ou «depressa» aparece quatro vezes em seis versículos. É uma receção enérgica, com entusiasmo.  A pronta hospitalidade de Avraham  tornam-se o paradigma de chesed para o povo judeu.

Sara ri-se da notícia de que vai ter um filho.  É repreendida por isso.  Mas Avraham riu-se da mesma notícia no final da parsha da semana passada, e não foi repreendido.  Rashi  comenta: O riso vem em 2 formas.  Simcha, riso feliz.  E escárnio.  Avraham riu: «Olha só, eu com 99 anos e ela com 90 – vamos ter um filho!»  Sarah escarneceu: «O quê?  Eu aos 90 e ele aos 99?  Não me parece.»

Sara não deixa de ter razão. É realista.  Avraham, sonhador.  A história judaica vai precisar dos sonhadores e dos realistas. Os Avot tendem a ser sonhadores; as  Imahot, as mulheres, realistas.

2ª  Aliá (18:15-33).  Os homens partem para Sodoma. De’s convence-Se de que não pode ocultar de Avraham, o exemplo da justiça, o seu plano para destruir Sodoma.  Avraham desafia-O: Como pode destruir os justos  junto com os maus?  E como pode destruir o lugar se há pessoas justas presentes? Avraham insiste no seu ponto de vista.

A generosidade de Avraham continua, embora aqui seja expressa de maneira bem diferente. Ele recusa-se a permitir a destruição de Sodoma sem contestação. E o seu argumento muda. O primeiro argumento é: porquê o mesmo destino para justos e ímpios? Se destruíres a cidade, então o mesmo destino aguarda os justos e os perversos. Um D’us justo não puniria os bons. Mas depois ele muda. Não castigues apenas os ímpios, poupando os justos; salva a cidade toda, ímpios e justos. Avraham está a implorar pela vida dos ímpios.

Avraham tem grande generosidade de espírito. O Juiz de todos pode julgar os ímpios; o meu papel é ser generoso. Anteriormente, ele tinha resgatado Lot e todo o povo de Sodoma que tinha sido levado cativo nas guerras dos 4 Reis e 5 Reis; esse mesmo povo que também já tinha sido descrito como perverso. Mais adiante, na nossa parashá, ele fica descontente com Sarah por ela querer mandar Yishmael embora, apesar de o seu comportamento não ser do agrado de Sarah. Isto também é a sua generosidade de espírito.

Seríamos verdadeiros aprendizes de Avraham se deixássemos o julgamento dos nossos semelhantes para Ele e, em vez disso, fôssemos generosos.

  Aliá (10:1-20).  Os homens viajam até Sodoma.  Lot insiste com eles para ficarem com ele.  Os homens da cidade opõem-se à presença destes forasteiros.   Tornam-se violentos.  Os  visitantes  dizem a Lot que Sodoma deve ser destruída e que deve partir rapidamente.  Os seus genros recusam-se.  O dia amanhece e  Lot, a mulher e as filhas  deixam Sodoma, tendo recebido a ordem de não olharem para trás.

Lot é o familiar mais próximo de Avraham.  Parece seguir os passos de Avraham.  Dá as boas-vindas aos estranhos, dá-lhes  um lugar em sua casa, serve-lhes comida.   Uma história paralela à bondade de Avraham.   Mas a  lição não reside nas semelhanças, e sim nas diferenças.  Lot está a viver em Sodoma. E isso faz toda a diferença.

Esta história é o início do tema que vai dominar o resto do livro de Génesis: Quem, da família de Avraham, está dentro?  E quem está fora?  A família de Avraham herdará o pacto do povo judeu– Mas quem, na sua família? No fim de contas, o parente mais próximo de Avraham é Lot. Com o nascimento iminente de Yitzchak, a questão de saber quem herdará a terra de Israel torna-se urgente.  Será toda a comitiva de Avraham?  Lot,  Yishmael, Yitzchak?  Será que a generosidade do espírito de Avraham se estende à  promessa da Terra – quererá ele incluir a sua família alargada?

Bem, podemos ver uma pessoa que não vai fazer parte da história judaica: Lot. Lot fica excluído dessa possibilidade devido à sua associação a Sodoma.

4a  Aliá (19:21-21:4) Lot recebe a ordem de fugir de Sodoma.  As cidades de Sodoma e  Gomorra  (Amorra em hebraico) estão destruídas.  A mulher de Lot olha para trás e transforma-se numa coluna de sal. Avraham olha desde as colinas e vê a destruição.  Lot foge para as colinas.  As duas filhas de Lot embriagam-no  com vinho e engravidam dele, pensando que são as únicas pessoas que restam no mundo.  Chamam aos seus filhos  Moav  e Amon.   Avraham vai a  Gerar,  Avimelech recebe a ordem de De’s de não tocar em Sara.  Avimelech confronta Avraham sobre o porquê de lhe ter ocultado a identidade de Sara.  Avraham  responde:  Eu vi que não há aqui temor a De’s.  De’s cumpre o que prometeu a Sara. Sara dá à luz Yitzchak.  Avraham circuncida-o como De’s mandou.

Há muita «visão»: Lot não deve olhar para trás, enquanto Avraham está a olhar para a planície.  As filhas vêem-se como Noé e a família – os únicos sobreviventes.  Avraham vê que não há temor a De’s

Lot não viu, nem  levou a sério o facto de viver entre os pecadores.  O que Lot não viu à sua  volta,  Avraham percebeu imediatamente em  Gerar; não há aqui temor a De’s.

A história com as filhas de Lot é uma ironia amarga, como Rav Hershel Schachter gosta de salientar: Elas pensaram  mesmo  que, de todas as pessoas do mundo, elas eram as mais justas para serem salvas? Não há mais ninguém no mundo a não ser eles? A sério?  E Avraham?  Como se sentiram no dia seguinte quando desceram a rua e viram tudo cheio de pessoas?

5a  Aliá  (21:5-21).  Yitzchak cresce e é desmamado.  Sara vê  Yishmael a brincar com Yitzchak.  Ela diz a Avraham para expulsar este rapaz, pois ele não herdará juntamente com Yitzchak.  Isto incomoda Avraham, mas De’s diz-lhe para ouvir  Sara.  Avraham acorda cedo, manda embora Hagar e  Yishmael. Eles vão para o deserto de  Beersheva.  A água acaba.  Hagar não suporta ver a morte do seu filho, e chora.  Um anjo chama-a.  Os seus olhos são abertos, vê um poço e dá água a  Yishmael.

A próxima geração do povo judeu já nasceu.  Quem fará  parte do pacto? Lot está de fora, mas ele não é filho de Avraham; é sobrinho.  Sara diz a Avraham que  Yishmael, embora filho de Avraham, não é a próxima geração do povo judeu. A expulsão  de Yishmael é uma história paralela à Akeida  que estamos prestes a ler. Em ambas as histórias Avraham levanta-se cedo, há uma criança anda com o pai / mãe, a vida da criança fica em perigo, um anjo chama, o pai / mãe vê o que não viu antes, a criança é salva. Histórias semelhantes ensinam que De’s se importa e salva quem está em perigo.  Mas as semelhanças são apenas semelhanças – não é a mesma coisa.   Yishmael  não será igual a Yitzchak na próxima geração do povo judeu.

6a  Aliá (21:22-34).   Avimelech  inicia um pacto com Avraham em  Beersheva.  Eles dão ao lugar o nome de Beersheva, da palavra «jurar».  Avraham invoca o nome de De’s em  Beersheva.

A fama de Avraham provocou um pacto. Mas porque Avmelech faria um pacto assim? Parece que não é só Avraham que é famoso; as promessas divinas da herança também o são. As pessoas ouviram falar deles, e acreditam neles e respeitam-nos. Por isso, preferem estar do lado de Avraham.

7a  Aliá (22:1-24).   Akeidat  Yitzchak, o sacrifício de Isaac. É dito a Avraham para pegar em Yitzchak e oferecê-lo como oferenda.  No  caminho, Yitzchak questiona Avraham.  Chegam à montanha.  No último momento, o anjo chama Avraham.  Avraham provou a sua lealdade à ordem de De’s.  Ele vê um carneiro preso num arbusto e oferece-o no lugar de Yitzchak.  Regressam a  BeerSheva.

A história mais dramática da Torá.  Uma história de  absoluta lealdade à ordem divina, mas também de  pathos e ironia.  O homem da generosidade, que suplicou pelas vidas dos perversos de Sodoma, está agora pronto para tirar a vida do seu próprio filho.  Aquele que desafiou a injustiça da destruição iminente de Sodoma, agora não tem voz.  E o mais óbvio – aquele que esperou pacientemente durante 25 anos pela promessa de um filho – e de um futuro – agora está pronto para destruir tudo.

Uma história que  pode ser pensada e estudada durante uma vida inteira.  Talvez, um elemento da história diga respeito às promessas. As promessas a Avraham de fama, família e fortuna foram concedidas por De’s.  E a promessa de a sua família herdar a Terra de Israel pode agora tomar forma. Mas não pense que a aproximação de De’s ao Homem e ao povo judeu não terá a sua complexidade, os seus sacrifícios, os seus mistérios ao tentarmos entender as maneiras inefáveis de De’s. Está a ser criada uma ligação íntima, do amor de De’s pelo  povo judeu,  e estamos a ficar cada vez mais próximos dEle, mas Ele permanece opaco, inescrutável, misterioso, fora do nosso alcance. Vivemos simultaneamente em intimidade com o Divino por um lado, e, por outro, com uma grande distância.

LEMBRANDO YOEL LHANGHAL, Z”L

LEMBRANDO YOEL LHANGHAL, Z”L

Foi com profunda tristeza e choque que ouvimos as notícias sobre o terrível assassinato de Yoel Lahangel, um jovem imigrante Bnei Menashe em Israel, no dia 7 de outubro.

Yoel z”l era um ambicioso estudante de yeshiva de 18 anos que imigrou para Israel com a ajuda da Shavei Israel no ano passado e estava determinado a realizar o seu sonho de ser convocado para o IDF (Forças de Defesa Israelitas) para servir e proteger o país. Um sonho que, infelizmente, nunca se tornará realidade.

FAÇA AQUI O SEU DONATIVO PARA AJUDAR A FAMÍLIA LHANGHAL

Ficámos chocados ao saber das circunstâncias do caso e pedimos à polícia e às autoridades que levem à justiça os responsáveis ​​por este ato.

Pnina Tamano Shata, a ministra Israelita da Integração dos Imigrantes, esteve entre as muitas pessoas que foram consolar a família. A ministra disse que a família lhe pediu que, em memória de Yoel, o povo de Israel aprenda sobre os Bnei Menashe, a sua origem e o contexto de onde vêm. Que eles são judeus como todos nós e que certamente não merecem serem vítimas de discriminação e atos violentos.

O representante da Shavei Israel, Tzvi Khaute, está em constante contato com a família, ajudando-os neste momento difícil. Além disso, a Shavei Israel pediu publicamente ao Ministro da Educação para alterar o currículo nas escolas de Israel para que todos os alunos em Israel aprendam sobre os Bnei Menashe. A educação e a consciencialização são fundamentais para garantir que os ataques racistas não se repitam.

O campeonato anual de Futebol Bnei Menashe que se faz em Sucot foi dedicado este ano à memória de Yoel. Ao princípio do jogo houve uma pequena cerimónia, na qual Boris Yudis, prefeito (presidente da câmara) de Afula disse umas emotivas palavras de abertura. Avi Mizrahi, diretor de projetos para a integração dos Bnei Menashe, transmitiu palavras de esperança e encorajamento. Foi feito um minuto de silêncio e todos se puseram de pé, com lágrimas nos olhos.

Partilhamos o pesado luto da família e enviamos-lhes as nossas condolências a eles e a toda a comunidade Bnei Menashe. Continuaremos a apoiar a família e a fazer tudo o que pudermos para aliviar a sua dor e preservar o legado de Yoel, estabelecendo uma sinagoga em sua memória, e redobraremos os nossos esforços para trazer todos os Bnei Menashe para Israel o mais rápido possível.

Para contribuir para um fundo de apoio à família Lhanghal, CLIQUE AQUI e escolha a opção Lhanghal Support Fund em Choose a Project.

Que a memória de Yoel Lahangel seja uma bênção.

Leitura da Torá para Sucot (em Israel)

Leitura da Torá para Sucot (em Israel)

Por: Rav Reuven Tradburks

Sucot
Vayikra 22:26-23:44

1ª aliya (Vayikra 22:26-23:3) Um animal não pode ser trazido como oferenda nos seus primeiros 7 dias de vida. Um animal e seu filhote não podem ser mortos no mesmo dia. Uma oferta de ação de graças deve ser comida dentro de um dia. Não profanes o Meu Santo Nome, mas santifica o Meu Nome, Aquele que te tirou do Egito.

A leitura da Torá para o primeiro dia de Sucot é todo o Capítulo 23 em Vayikra, que lista todo o ciclo anual de feriados. Curiosamente, começamos 8 versículos antes desse capítulo, com um parágrafo que descreve várias regras sobre oferendas. Mas é a última linha que é a conexão com Yom Tov. Santifica o meu nome porque é por isso que eu te tirei do Egito. A observância dos feriados tem um significado histórico, com certeza. Mas o mais importante não é a história; é o relacionamento. Eu os trouxe para serem os santificadores do Meu Nome. Tu és o Meu reflexo neste mundo. E como tal, o tom está definido para a descrição dos feriados, perscrutando além de seu significado histórico para o significado abrangente; Seu reflexo neste mundo.

2ª aliá (23:4-14) Pessach é no dia 14 do 1º mês. Durante sete dias come Matza. O dia 1 e o dia 7 são sagrados, nenhum trabalho deve ser feito. No dia seguinte ao Yom Tov, traz uma medida da primeira colheita de cevada como oferenda de Omer, acompanhada de um sacrifício. O cereal novo não pode ser consumido até que este Omer seja oferecido.

A descrição da oferenda do Omer parece fora de lugar. Embora cada feriado tenha uma oferenda, a ênfase desta seção não são oferendas, mas feriados, chagim. O dia em que o Omer é trazido não é um yom tov. Mas, semelhante aos feriados, tem uma data específica no calendário. Portanto, esta seção seria chamada com precisão, não de uma lista de chagim, ou feriados, mas de uma lista de eventos do calendário.

3ª aliá (23:15-22) Conta 7 semanas inteiras a partir desta oferenda e no dia seguinte, o 50º, traz 2 pães assados ​​de chametz acompanhados de sacrifícios. O Cohen deve mover esses 2 pães bikurim. Esse dia é um yom tov, nenhum trabalho deve ser feito. Ao colheres os teus campos, deixa os cantos e respigas para os pobres e para os estrangeiros.

Os 2 pães trazidos em Shavuot são o pilar que delimita o fim do Omer. O Omer era cevada, trazida no 2º dia de Pessach. Os 2 pães são trigo, chometz, pão, a primeira oferenda de trigo da nova safra trazida em Shavuot. A oferta do Omer permitiu que os consumidores agora pudessem usar os receais recém-colhidos. Mas, no Templo, o novo cereal não pode ser usado até 7 semanas depois, com as oferendas dos 2 pães em Shavuot.

O contraste da matza que comemos em Pessach e o chametz deste pão oferecido em Shavuot convida a nossa curiosidade. Talvez expresse 2 qualidades, mas que precisam de estar em seu devido tempo. Pessach é o feriado da história. Na história você precisa se mover, se mover rápido. Não deixe a massa crescer. Aproveite o momento; não perca velocidade. Mas em Shavuot, no contexto das ofertas sagradas, a paciência é rei. Espere. 7 semanas. Paciência. Deixe a massa crescer, virar chometz. Espere. Enquanto a história exige velocidade, a contenção é inerente à santidade.

4º aliya (23:23-32) O primeiro dia do 7º mês é um dia de Teruah, um yom tov. Mas o 10º dia do mês é Yom Hakipurim. Aflige-te, porque é um dia de expiações. É um dia santo, nenhum trabalho pode ser feito. Aflige-te a partir do dia 9 da tarde, de uma noite à seguinte.

5ª aliá (23:33-44) O dia 15 do 7º mês é Sucot por 7 dias. O primeiro dia é um yom tov, assim como o oitavo dia. Toma um lulav e etrog e regozija-te por 7 dias perante D’us. Permanece em Sucot por 7 dias para que saibas que D’us fez com que os teus antepassados morassem em Sucot ao deixar o Egito.

Sucot completa o ano de chagim. É o fim. Como tal, é uma celebração não apenas de si mesma, mas uma celebração da conclusão dos chagim do ano. O lulav é a expressão de apreço pela vida rica de que desfrutamos, uma vida pontuada pelo encontro com o Divino. A nossa maior alegria é estarmos diante do Rei, regozijando-nos diante de D’us. Isso é regozijo interior verdadeiro.