«Entre la piedra y la flor»: Um documentário a estrear em breve

«Entre la piedra y la flor»: Um documentário a estrear em breve

Entre la piedra y la flor: La dualidad de los conversos trata da incrível jornada de Genie Milgrom e da sua busca de décadas pela sua linhagem judaica. Genie, uma amiga próxima da Shavei Israel, nasceu em Havana, Cuba, e cresceu em Miami numa escola católica apostólica romana desde a escola primária até ao nível universitário. Sempre esteve sobrecarregada com um sentimento profundamente enraizado de não pertencer ao seu ambiente católico.

A sua história segue muitas voltas e reviravoltas, enquanto toma a difícil decisão de se converter ao judaísmo no meio de uma família católica tradicional de Espanha e escolhe um caminho ortodoxo para o seu futuro.

A sua família e amigos são abalados até à medula, enquanto Genie se convence cada vez mais de que a sua família era judia na Península Ibérica, há séculos atrás.

A sua busca pelas «migalhas de pão» que os seus antepassados deixaram cair levou-a aos Arquivos Medievais e a vários países da Europa para desvendar a rede de segredos que os seus antepassados criaram para se proteger durante tempos muito sombrios da Europa.

Junto com o seu marido Michael, um asquenazita de origem romena, finalmente chega à verdade da sua família num filme atraente que você não pode perder.

A pesquisa para o filme foi realizada em lugares que tocaram a linhagem cripto-judaica de Genie, como Cuba, Espanha, Portugal, Ilhas Canárias, Cartagena, Colômbia, Costa Rica, França, Key West e Miami, Flórida.

Pode ver a apresentação aqui: (em inglês com legendas em espanhol)

Genie Milgrom, escritora e pesquisadora, reúne com o Papa Francisco

Genie Milgrom, escritora e pesquisadora, reúne com o Papa Francisco

Genie Milgrom, escritora, pesquisadora e grande amiga da Shavei Israel,  reuniu-se com o Papa Francisco na biblioteca privada do Vaticano esta semana. A audiência privada foi organizada pelo Rabino Avi e Nehama Tawil, líderes do Centro da Comunidade Judaica Europeia em Bruxelas. Genie foi acompanhada por seu marido Michael Milgrom e vários membros do EJCC.

Há mais de 8 anos que Genie Milgrom tem trabalhado incansavelmente para digitalizar os Processos da Inquisição a nível mundial. Estes Processos contêm as genealogias Pré-Inquisição dos descendentes dos Coversos ou Cripto-judeus, bem como dos Sefarditas que saíram de Espanha na Expulsão de 1492. Dentro de cada Processo, existem genealogias detalhadas dadas pelos detidos, que praticavam o judaísmo clandestinamente. A razão é que os Inquisidores podiam seguir as genealogias e ao mesmo tempo prender também os seus familiares, mesmo vivendo noutras cidades ou países.

Muitas portas se fecharam na cara de Genie Milgrom e muitas paredes de pedra se ergueram perante os seus repetidos pedidos, efetuados pessoalmente, por telefone e por e-mail. Os países que fecharam as suas portas são Espanha, Canárias, México, Colômbia e Peru. Cada um desses países tinha Tribunais da Inquisição. Teve sucesso noutros países, mas Espanha e o México são considerados muito importantes para seguir a diáspora das muitas famílias judias que viviam em Espanha antes da Inquisição. Genie tem sido implacável, mas os governos e os diretores de arquivos têm sido mais fortes, ao não permitir que este projeto avance.

São muitos os historiadores que concordam em que o número aproximado de judeus presentes em Espanha antes de 1492 era de cerca de 300.000, mas não existe um número exato e certo que os mesmos historiadores nos possam dar. Destes, o consenso parece ser que 100.000 partiram em 1492 para o Império Otomano e outras terras, 100.000 ficaram e passaram para a clandestinidade para praticar a sua religião fingindo serem católicos e 100.000 foram assimilados e perderam-se para o povo judeu.

Genie Milgrom pertence ao grupo cuja família ficou e passou à clandestinidade em 1391. Durante séculos, fingiram ser católicos. Genie retornou ao povo judeu e pôde seguir a sua própria linhagem, e finalmente encontrou uma linha materna ininterrupta que remontava a 22 avós. Isso levou mais de 12 anos e Genie entendeu claramente que se aqueles registros da Inquisição não fossem digitalizados para serem carregados para a Internet, o trabalho e o custo seriam proibitivos para a maioria das pessoas, e, assim, começou a sua missão para a digitalização global massiva desses processos. Esta iniciativa histórica permitirá que os Sefaraditas que saíram durante a expulsão também possam se conectar com as suas identidades e histórias.

Durante a sua audiência, Genie Milgrom pôde explicar claramente ao Papa Francisco o significado histórico da digitalização, bem como as lutas atuais em cada país. O Papa ficou entusiasmado em ajudar e designou um emissário papal para trabalhar lado a lado com Genie e obter resultados positivos. Um momento verdadeiramente significativo e histórico para recuperar a identidade daqueles cuja linhagem se perdeu durante a Inquisição Hispano-Portuguesa.

Duas iniciativas para ajudar descendentes de criptojudeus

Duas iniciativas para ajudar descendentes de criptojudeus

Excertos traduzidos do artigo original em inglês do The Times of Israel, de RENEE GHERT-ZAND.

Iniciativas ajudam descendentes de criptojudeus a recuperar as origens sefarditas que lhes foram roubadas

Um Certificado de Ascendência Sefardita que valida a identidade, e um banco de dados ancestral online de 45.000 nomes de famílias sefarditas que facilita a busca de raízes

Da esquerda para a direita: Genie Milgrom, Ashley Perry. da Reconectar. e Drora Arussy, do ASF Institute of Jewish Experience

Duas novas iniciativas interrelacionadas estão a facilitar a reconexão com as suas raízes aos descendentes de judeus que foram perseguidos, forçados a converter-se ao cristianismo ou expulsos da Península Ibérica durante a Inquisição dos séculos XIV e XV.

O primeiro é um Certificado de Ascendência Sefardita , ao qual podem candidatar-se descendentes das comunidades sefarditas de Espanha e Portugal que não façam parte de uma comunidade judaica organizada e não sejam reconhecidos pela halachá (lei judaica). O certificado reconhece a ligação genética ou histórica da pessoa com judeus sefarditas, mas não é oficial para fins religiosos (como conversão) ou pedido de cidadania espanhola ou portuguesa.

Este certificado é um esforço conjunto do Instituto de Experiência Judaica da Federação Sefardita Americana, da organização Reconectar, dedicada a ajudar os descendentes de judeus espanhóis e portugueses a se reconectarem com o povo judeu; e Genie Milgrom, autora, pesquisadora e genealogista que conseguiu documentar totalmente a sua linhagem materna ininterrupta de 22 gerações, até 1405 em Espanha e Portugal pré-Inquisição.

O mais recente projeto de Genie Milgrom, um extenso banco de dados ancestral de nomes de família de judeus sefarditas e criptojudeus, complementa o Certificado de Ancestralidade Sefardita, permitindo que as pessoas façam pesquisas iniciais para identificar antepassados judeus.

Assim como o pedido do Certificado de Ascendência Sefardita, o banco de dados foi recentemente carregado no site do ASF Institute of Jewish Experience.

O banco de dados contém 60.000 bits de dados, incluindo 45.000 nomes de família. Há duas maneiras de pesquisar o banco de dados. A opção “Pesquisa Ancestral” permite ao usuário percorrer 49 listas separadas e procurar o seu sobrenome. Entre essas listas estão os detalhes das listas de passageiros que iam ou regressavam de uma colónia espanhola, começando no início dos anos 1500 e continuando até 1588. Abrangente, mas ainda não completa, a lista contém mais de 5.000 nomes de família. Outro exemplo é uma lista de 1.430 nomes judeus hispano-portugueses em lápides da Jamaica, do século XVII ao século XX. Um terceiro exemplo são 2.657 registros da Inquisição no México.

Em cada uma dessas listas, são fornecidas as seguintes informações (quando disponíveis): Nome, sobrenome, pseudónimo, ano (da documentação), origem, residência, ocupação, comentários especiais e referência (fonte da informação).

A segunda opção de busca no banco de dados é por ordem alfabética de sobrenome, de Aabela a Zemmour. É fornecida uma bibliografia para cada nome, para que os pesquisadores possam ir ao(s) livro(s) ou documento(s) original(is) onde o nome aparece e fazer a sua pesquisa de acompanhamento.

Leia o artigo original completo aqui

Certificado de Ascendência Sefardita – Um desejo antigo dos descendentes de judeus

Certificado de Ascendência Sefardita – Um desejo antigo dos descendentes de judeus

Por: Luis Leonel León

Descendentes de comunidades judaicas espanholas e portuguesas, cujos antepassados foram forçados ou pressionados a se converterem ao cristianismo a partir do século XIV, podem agora realizar um desejo antigo: obter um Certificado de Ascendência Sefardita

São habitualmente chamados sefarditas os judeus expulsos da Península Ibérica no final da Idade Média e cujas diásporas fundaram comunidades na Europa, Norte de África e Mediterrâneo Oriental. Um dos impulsos para os criadores deste certificado foram as investigações académicas e genéticas que indicam que cerca de 200 milhões de pessoas, no continente americano e na Europa, têm “ascendência judaica significativa“, boa parte delas sendo sefarditas. 

A iniciativa foi idealizada pela genealogista cubano-americana Genie Milgrom, que a lançou em conjunto com a Federação Sefardita Americana (ASF, pelas suas siglas em inglês) e a Reconectar, uma organização dedicada a ajudar esses descendentes a se reconectarem com o povo judeu. 

Genie Milgrom, autora de vários livros, conseguiu documentar integralmente a sua linhagem materna de 22 gerações, que remonta a 1405 em Espanha e Portugal. Pelo seu trabalho, Genie foi premiada por instituições académicas e civis e falou sobre a questão da reconexão no Parlamento israelita e no Parlamento Europeu em Bruxelas

Desde há alguns anos, a partir do contato com centenas de pessoas que lhe perguntavam como se reconectar com as suas raízes judaicas, Genie Milgrom concebeu a necessidade deste documento, cujas primeiras edições foram entregues esta semana a moradores dos Estados Unidos, México, Chile e outros países. 

“Há muitas pessoas que pensam ou sentem que têm raízes sefarditas e que, embora não estejam interessados ​​ou prontos para retornar à religião dos seus antepassados, querem validar a sua história familiar. Este documento dá-lhes a validação que procuram. É uma conquista importante para muitos e estou extremamente satisfeita por poder oferecê-lo e fazer parte deste programa”, disse Genie em entrevista à KVC Media e Diario las Américas.
 

O certificado de ascendência sefardita “É considerado histórico por muitas pessoas que anseiam por se conectar com o seu passado e até agora não tiveram maneira de o conseguir. Juntamente com a minha coleção de ferramentas de genealogia, especificamente para aqueles com linhagens cripto-judaicas e sefarditas que aparecem no site, isso os ajudará a procurar o seu passado”, explicou a autora de As Minhas 15 avós, Da pira ao fogo, As receitas das minhas 15 avós e outros títulos. 

Segundo a autora, o processo para obter o documento tem um custo administrativo de cerca de 140 dólares, dependendo do país onde é entregue, e começa com um questionário em espanhol ou inglês sobre “os antecedentes dos requerentes, pistas sobre a sua origem judaica, tais como costumes familiares, árvores genealógicas ou elementos com ligação judaica, bem como as suas razões para acreditar que você tem ascendência sefardita”. 

As respostas e os dados fornecidos serão avaliados por uma equipa de especialistas e pesquisadores que determinarão se o requerente possui informações suficientes para receber o certificado. “O programa online de Genie Milgrom para ajudar na busca de genealogia” está disponível para todos, é gratuito e pode ser usado quantas vezes a pessoa quiser”, disse o genealogista.

“A identidade de uma pessoa é baseada no seu passado, no seu presente e no que ela quer para o futuro. Com o Certificado de Ascendência Sefardita, estamos a ajudar a verificar o seu passado para criar um sentido de identidade e de si mesmo mais fortes”, disse Drora Arussy, diretora do Instituto de Experiência Judaica da ASF. “O nosso objetivo é educar o mundo sobre a rica herança, cultura e espírito do povo sefardita antes da Inquisição. Juntamente com a Reconnectar e a Genie Milgrom, esperamos ajudar as pessoas a encontrarem as suas raízes sefarditas e a aprenderem mais sobre a sua origem.”

O certificado não terá status legal, mas “é algo que um número crescente de pessoas com ascendência judaica sugeriu que lhes daria um enorme sentimento de orgulho e identidade. Temos testemunhado nos últimos anos um interesse sem precedentes entre aqueles cujos antepassados judeus foram convertidos à força para se reconectar com sua herança e aprender mais sobre o seu passado”, disse Ashley Perry (Pérez), presidente da Reconnectar, ex-assessor do governo israelita e promotor de projetos no Parlamento de Israel (Knéset) para o reencontro com os descendentes de judeus em Espanha e Portugal. 

Perry assegura que “este é um momento paradigmático na história judaica porque, pela primeira vez, dezenas de milhões daqueles cujos ancestrais foram desconectados à força do povo judeu, têm as ferramentas para procurar algum tipo de reconexão. O certificado que oferecemos é uma maneira de se conectar formalmente com a sua herança judaica e de se reconectar com o seu povo.” 

Genie Milgrom também está a liderar um grande esforço para digitalizar os registos da Inquisição a nível mundial, algo que pode fornecer informações genealógicas, até agora de difícil acesso, para aqueles que procuram descobrir as suas possíveis raízes judaicas. No site do certificado, a pesquisadora partilhou uma ampla gama de informações que ajudarão os descendentes, também conhecidos como marranos, conversos ou cripto-judeus, a descobrir as suas origens.  

Para a genealogista, que veio para Miami na década de 1960 quando os seus pais fugiam do comunismo, a busca e a adoção da identidade judaica é uma realidade multigeracional, tanto para judeus reconhecidos pela lei judaica quanto para aqueles que tentam se reconectar: ​​“A identidade é passada pelos avós aos pais e aos seus filhos, e pelas avós para as mães e suas filhas, construindo gerações de correntes fortes sem elos perdidos. Então chega uma situação como a da Inquisição e gerações depois temos a tarefa de reconectar essas correntes”. 

Em meio da globalização e da coletivização das identidades, a pesquisadora alerta que “a diferença entre a natureza deste certificado e as chamadas identidades de grupo, como LGBTI+ e outras, é que esse tipo afeta apenas a pessoa que se sente identificada num determinado momento da história. A identidade judaica é multigeracional, e este projeto é baseado nessa realidade.” 

Milgrom está ciente de que a confluência da memória e da identidade é vital para preservar e até salvar povos. “Eu tenho isso em conta e vejo em centenas de pessoas que me contactam com a necessidade de poder ver quem foram os seus antepassados. E vejo-o ainda mais quando eles estão a tentar se conectar com o povo judeu. As memórias que eles conseguem descobrir dão-lhes uma forte identidade judaica, seja através de genealogia, escritos deixados pela família, receitas e muito mais. Como sabemos quem somos se não sabemos de onde viemos?”. 

O certificado afirma claramente que “não é uma indicação de ser judeu de acordo com a lei judaica (halachah) e não deve ser interpretado dessa maneira”. 

“A maneira de retornar ao povo judeu é fazendo uma conversão ou fazendo e traçando toda uma genealogia materna até chegar a uma judia. Isso é o que eu tive que fazer ao encontrar 22 avós e chegando a muitos membros da minha família que foram queimados nos anos 1500 enquanto fingiam ser católicos quando na verdade praticavam secretamente as leis judaicas ”, recordou Milgrom.

A mensagem da pesquisadora para o Ano Novo judaico está diretamente ligada aos motivos que a levaram a criar o certificado: “O meu desejo é que haja mais compreensão entre o próprio povo judeu e que eles abracem todos aqueles que desejam retornar ao seu povo ancestral . ”

Qualquer pessoa pode acessar o site Genie Milgrom ou o ASF utilizar livremente a base de dados da autora, que há mais de uma década pesquisa, compila e partilha informações sobre as genealogias das famílias sefarditas. Também pode contactá-la por e-mail: spanishancestry@aol.com 

“Estou muito emocionada com a intensidade com que este projeto foi recebido, que exigiu muito esforço, mas que sem dúvida trará muita satisfação”, concluiu. 

Manuscrito do séc. XVIII com dados da Inquisição portuguesa encontrado em Israel

Manuscrito do séc. XVIII com dados da Inquisição portuguesa encontrado em Israel

Um manuscrito português do século XVIII, que detalha as atividades da Inquisição portuguesa, foi encontrado pela Biblioteca Nacional de Israel. O documento pode ser consultado na página daquele órgão.

Um manuscrito português do século XVIII, que detalha as atividades da Inquisição portuguesa, foi encontrado pela Biblioteca Nacional de Israel, que o digitalizou e disponibilizou online.

Trata-se de um documento raro que reúne informações de mais de 100 anos de audições e execuções brutais de pessoas acusadas de praticar o judaísmo e outros “pecados”.

o Arquivo Central da Biblioteca para a História do Povo Judaico divulgou na quarta-feira o documento de 60 páginas, escrito em português, que relata principalmente as audiências públicas e execuções que tiveram lugar entre 1540 e 1669, a maior parte em Lisboa, designadas de autos-da-fé.

As vítimas descritas nos documentos eram maioritariamente judeus recentemente convertidos ao cristianismo e que eram acusados de manter os seus costumes judaicos.

Leia aqui o artigo original do jornal português O Observador

Veja aqui o manuscrito, no website da Biblioteca Nacional de Israel