Parashá da Semana – Vaiechi

Parashá da Semana – Vaiechi

Por: Rav Reuven Tradburks

Vayechi significa vida, mas a parashá começa por falar sobre morte e acaba também com morte. Yaakov exige ser enterrado em Israel. Yosef jura que sim. Yaakov eleva os seus netos Ephraim e Menashe a serem iguais aos seus filhos como tribos colonizadoras da terra de Israel. Yaakov abençoa Efraim e Menashe. Ele chama todos os seus filhos e abençoa cada um deles. Yaakov morre. É enterrado com grandes honras em Maarat HaMachpela. Os irmãos temem que agora Yosef se vingue. Yosef tranquiliza-os. Yosef pede para ser enterrado em Israel quando o povo judeu retornar. Morre e é colocado num caixão no Egito. O querido livro de Breishit está concluído.

1ª Aliá (47: 28-48: 9) Yaakov pede a Yosef para jurar que não o enterrará no Egito, mas sim junto aos seus antepassados. Yaakov adoece. Ele diz a Yosef que D’us lhe apareceu na Terra de Israel; foi-lhe dito que os seus descendentes teriam um domínio permanente na terra de Israel. Efraim e Menashe serão tratados como tribos iguais na divisão da terra. Rachel morreu no caminho para a terra e eu enterrei-a lá.

O povo judeu está instalado no Egito. E esse é precisamente o tema desta parashá. Yaakov está a batalhar, a insistir, perseverando num tema: esta não é a nossa casa. Ele só fala  da terra de Israel: Não me enterres no Egito, Efraim e Menashe serão iguais na divisão da terra, que eles prosperem na terra (de Israel); abençoa os filhos enfatizando sua localização na terra.

Yaakov insiste: nós estamos aqui, mas estaremos lá.

Na verdade, se eu tivesse escolhido por onde começar esta parashá, eu teria começado um versículo atrás. (Embora a palavra “Vayechi” soe bem). O último versículo da parashá da semana passada é: Yisrael habitou na terra do Egito, em Goshen, e foram extremamente prósperos.

Esse é exatamente o mesmo versículo (quase) do início de Vayeshev. Lá, Yaakov queria estabelecer-se, criar raízes, construir uma nação em Israel. Agora, aqui, ele está a fazer exatamente isso: a estabelecer-se e a criar raízes. Mas no sítio errado; no Egito e não em Israel.

Porque menciona Yaakov que Rachel morreu repentinamente e foi enterrada no caminho para Beit Lechem? Talvez este seja um momento de ternura entre pai e filho. Ele está a falar com Yosef. “Yosef, perdeste a tua mãe tragicamente, de repente. Rachel, a minha querida esposa. A tua mãe. E tu eras tão jovem, foi tudo tão repentino, não tiveste oportunidade de enterrar a tua mãe da maneira que te estou a pedir para me enterrares a mim. Tu e eu partilhámos aquele momento trágico. Agora, é tão diferente. Eu, idoso. E tu, um homem adulto, de grande sucesso. Talvez tivéssemos tido mais filhos. Em sua memória, em sua homenagem, os teus 2 filhos tomam os seus lugares como filhos meus, para preencher o vazio do que poderia ter existido.”

Um momento saudoso, terno, de partilha, no meio de instruções de importância nacional.

2ª Aliá (48: 10-16) Yaakov não vê. Ele abraça e beija Ephraim e Menashe. Yaakov coloca a mão direita sobre Ephraim, o mais jovem, e a mão esquerda sobre Menashe, o mais velho. D’us, perante Quem os meus antepassados ​​caminharam e que me protegeu, abençoe estes meninos. E que eles se multipliquem na terra.

Não podemos deixar de ouvir ecos do pai de Yaakov, Yitzchak: cego, deu a bracha ao mais jovem e não ao mais velho. Mas, aqui, Yaakov não abençoa apenas um. Ele abençoa os dois com a mesma bracha. Isso muda tudo. A era do “um entra e o outro fica de fora” acabou. Todos fazem parte do povo judeu. E estes são os netos. Netos significam longo prazo, futuro, legado, todos os filhos.

3ª Aliá (48: 17-22) Yosef não gosta da troca de mãos. Ele corrige Yaakov. Yaakov objeta. Ambos serão grandes, mas o mais novo será maior. Abençoou os dois: Os judeus abençoarão com “Que D’us te faça como Efraim e Menashe”.

Yosef sofria com o favoritismo do pai. Ele não quer o mesmo para os seus filhos. Mas Yaakov insiste. Porque existe uma diferença entre exclusão e diferenciação. Yaakov não está a excluir ninguém. Ambos estão dentro. Ambos são abençoados. Os judeus no futuro abençoarão com Efraim e Menashe. Mas Yaakov disse a Yosef: embora a partir de agora todos os judeus sejam parte do povo judeu, embora todos estejam dentro, eles não são idênticos. Alguns serão maiores, outros menos.

4ª Aliá (49: 1-19) Yaakov chama os seus filhos para lhes dizer o que acontecerá com eles. Dirige-se a eles individualmente. Reuven, o meu primogénito. Shimon e Levi, por causa da vossa raiva, não se associam à minha honra. Yehuda, salvaste o meu filho da destruição; a autoridade não se afastará de ti. Zvulun vai morar na costa. Yissachar é um trabalhador poderoso; ele verá a qualidade e a beleza da terra. Dan, o juiz da nação. D’us, esperamos a Tua salvação.

Falta uma palavra no discurso de Yaakov para cada um dos seus filhos: D’us. A Torá não diz que ele abençoa os filhos. As bênçãos vêm de D’us. Yitzchak abençoou o seu filho: Que D’us te dê o orvalho dos céus … Até o próprio Yaakov abençoou Efraim e Menashe: Que D’us, perante Quem andaram os meus antepassados, ​abençoe estes meninos. E Yaakov disse a Yosef que o povo judeu abençoará: Que D’us te abençoe como a Efraim e Menashe.

As bênçãos vêm de D’us. Porque Yaakov não menciona nem sequer uma vez o nome de D’us no seu discurso aos filhos? Porque ele não os está a abençoar. Ele está a descrevê-los. Ele está a enfatizar, já perto da morte, que o seu lugar não é no Egito. O seu lugar é na terra de Israel. E eles chegarão lá, com todos os seus variados talentos. Para construir uma nação. Uma nação precisa de líderes, de marinheiros mercantes, de agricultores, de justiça. Yaakov está a declarar de facto aos seus filhos como será o Estado do povo judeu na terra de Israel. Todos vós sereis incluídos porque todos os vossos  talentos serão necessários. E vós sois todos diferentes e essenciais.

5ª Aliá (49: 20-26) O discurso de Yaakov para cada filho continua. Gad, um legionário. Asher, pão e iguarias. Naftali, um mensageiro rápido. Yosef teve adversidades, mas com a ajuda de D’us prevaleceu e foi enormemente abençoado.

Com a descrição de Binyamin na próxima aliya, as descrições ficam completas. A nação judaica será construída na terra de Israel como resultado de todos vós. Nenhum fica de fora, todos estão dentro. Será uma nação de agricultura, força militar, liderança, generosidade, justiça e comércio. Será uma nação colorida, diversificada e bem-sucedida.

Yaakov está muito empenhado, a batalhar, a insistir  na sua mensagem: estamos aqui no Egito apenas temporariamente. É na terra de Israel que ficaremos.

6ª Aliá (49:27-50:20) O fim de Yaakov está próximo. Ele ordena aos seus filhos que o enterrem em Maarat Hamachpela, descrevendo em detalhe a sua aquisição por parte de Avraham e o enterro de todos os avot e imahot. Yaakov morre. Yosef recebe permissão do faraó para enterrar Yaakov em Israel. Uma grande procissão acompanha o enterro. Ao voltar ao Egito, os irmãos dizem a Yosef que Yaakov lhes ordenou que lhe dissessem para perdoar o pecado que eles cometeram contra ele. Yosef chora ao ouvir isso.

A comitiva funerária de Yaakov é cheia de honra e respeito por ele. O povo judeu ganhou grande fama. Ao mesmo tempo, o fim do livro de Breishit encontra o povo judeu estabelecido no Egito, sem fim à vista.

7ª Aliá (50:21-26) Yosef contrapõe que D’us os trouxe ao Egito para que pudessem sobreviver. Yosef vê os seus bisnetos no Egito. Yosef faz com que os irmãos prometam levar os seus ossos para Israel quando forem redimidos.

Yosef é generoso e piedoso: vós, meus irmãos, não me vendestes para aqui. Era o plano de D’us salvar o nosso povo, colocando-me na posição de salvar todos vós. Isto é generoso para com os seus irmãos e piedoso, ao ver a Mão de D’us a salvar o povo.

O único problema é que ele está errado.

Não podemos culpar Yosef. Ele está correto no que vê. Mas ele não vê o que nós vemos. Ele vê a “árvore”. Nós temos a vantagem de ver a “floresta”. Nós sabemos o que vai acontecer a seguir. Muitos anos no Egito, crescimento maciço, faraó, escravidão, sofrimento e, finalmente, redenção. Claro, a descida do povo judeu para o Egito era o plano de D’us. Mas era o grande plano, o plano dramático que termina com o Êxodo do Egito.

Yosef foi involuntariamente a causa da descida da nação judaica ao Egito. Ele pensou que era o plano de D’us salvar a família. Mas realmente o plano de D’us era abrigar o povo judeu inteiro no Egito. Para que crescesse e se tornasse uma nação. Para depois redimir todo o povo judeu e levá-lo de um lugar para outro ao mesmo tempo. Yosef não sabia o que estava para vir. Mas nós sabemos.

 

Parasha da semana – Vaigash

Parasha da semana – Vaigash

A Parsha começa no meio da história. Yosef acabou de dizer a Yehuda e a todos os irmãos que Binyamin,  o ladrão, se tornará escravo de Yosef. Todos os outros estão livres para ir embora. A nossa Parsha começa com o longo e apaixonado apelo de Yehuda a Yosef para ele permitir que Binyamin volte para casa, enquanto Yehuda assumirá o seu lugar como escravo. Yosef não pode mais. Ordena a todos que saiam. E diz aos seus irmãos: “Eu sou Yosef”. Ele diz-lhes que tragam Yaakov. O faraó envia os irmãos a casa com carruagens para trazerem Yaakov e o resto da família. Yaakov reune-se com Yosef. Toda a família se instala em Goshen. Yaakov conhece o faraó. A fome piora. Yosef adquire todo o Egito para o faraó.

1ª Aliá (44:18-30) Yehuda implora a Yosef: este é o querido filho do nosso pai. Quando nos pediste para trazê-lo aqui, dissemos-te que o nosso pai ficaria de coração partido se o filho o deixasse. Quando precisámos de comprar comida, o nosso pai disse-nos que, se algo acontecesse com Binyamin, ele desceria às profundezas. E agora, se eu voltar para o meu pai sem o rapaz, e como a sua alma está ligada à dele…

A aliá termina suspensa no ar. Yaakov e Binyamin, as suas almas estão ligadas… Não poderia haver melhor maneira de transmitir o drama: terminando a aliá com as almas amarradas.

Yehuda ganha liderança neste momento dramático. Ele está a assumir a responsabilidade. Ele ainda não o disse, mas fá-lo-á na próxima aliá – ele fará qualquer coisa para garantir o regresso de Binyamin a casa. Toda a sua argumentação é a preocupação com o pai. O seu pai morrerá de coração partido, perdendo os únicos 2 filhos da sua querida esposa.

Mas, embora Yehuda seja o único ator nesta aliá e embora as suas ações sejam heróicas e poderosas, há um ator silencioso: Yosef. Vamos colocar-nos no lugar de Yosef. Quando nós ouvimos as palavras de Yehuda, o assunto é familiar para nós, porque já conhecemos a história toda até aqui. Estávamos lá quando os irmãos voltaram para casa, ouvimos as interações com Yaakov e a sua angústia ao pensar na partida de Binyamin.

Mas Yosef não sabe nada disso. O que aconteceu quando eu nunca voltei para casa? O meu pai sentiu dor? Ele sentiu a minha falta? Nós sabemos que Yaakov ficou inconsolável quando os irmãos lhe levaram a túnica ensanguentada. Mas Yosef não sabe. Tudo o que aconteceu depois de ele ter sido atirado ao  poço é um espaço em branco para ele. O meu pai está vivo? O que sabe ele sobre o que me aconteceu? Porque não veio procurar-me?

O que Yehuda diz a Yosef é como o levantar de um véu  – Yosef fica a par do que o seu pai pensa que lhe aconteceu, e do quanto o seu pai ama Binyamin, que é para Yaakov como um Yosef substituto. O momento em que Yosef se revela aos irmãos é dramático, e é dramático também para Yosef. É um vislumbre da casa do seu pai, uma casa da qual ele nada sabe há 22 anos. Esta é a primeira vez que ele fica a saber que o seu pai ficou de coração partido com o que acreditava ter sido a morte de Yosef. Ele não me procurou porque achava que eu tinha morrido.

2ª Aliá (44:31-45:7) Yehuda garantiu o retorno de Binyamin. Ele não suportará ver a dor de Yaakov. Yehuda permanecerá em seu lugar como escravo. Yosef não aguenta mais. Ele ordena que todos os outros saiam. Sozinho com os seus irmãos, diz-lhes: Eu sou Yosef, vosso irmão. O nosso pai ainda vive? Os irmãos ficam em choque. Ele garante que a sua venda para o Egito era o plano de De’s para salvar a família da fome.

O que disse Yehuda, que fez com que Yosef não pudesse aguentar mais? Os comentaristas lêem isto no contexto da intenção de Yosef ao longo da história. Porque  acusou ele os irmãos de serem espiões? E exigiu que eles lhe levassem Binyamin? E mandou colocar o seu cálice no saco de Binyamin? Parece que ele está a tentar recriar a cena do crime. Eles venderam o seu irmão Yosef como escravo. Venderiam também Binyamin como escravo, ou arrependeram-se? A oferta de Yehuda para ficar em lugar de Binyamin é uma vitória, teshuva.

Poderia ser entendido de forma totalmente diferente. Binyamin é o substituto de Yosef na família. Sem Yosef, Binyamin assume o seu lugar. Quando Yehuda fala do quanto Yaakov ama Binyamin, Yosef não ouve Binyamin, ouve Yosef. Para Yaakov, Binyamin é um substituto de Yosef. O amor de Yaakov por Binyamin é na verdade o seu amor por Yosef na ausência dele. Yosef, ao ouvir falar do amor do seu pai por ele, não aguenta mais. Ele precisa não apenas de ouvir, mas de ver o pai. E é isso que ele diz aos irmãos.

3ª Aliá (45:8-18) Yosef continua: De’s enviou-me para ser ministro no Egito. Rápido, ide dizer ao pai que Yosef é governante no Egito. E para ele vir. Estabelecer-vos-eis em Goshen. Dizei ao pai, trazei o pai. Ele abraça e beija Binyamin, abraça e beija os irmãos. O faraó toma conhecimento e é favorável. Ele ajuda a facilitar a viagem de Yaakov.

Yosef é chamado de Yosef Hatzadik não apenas porque resistiu aos avanços da esposa de Potiphar. Ele menciona De’s 4 vezes. Fala de De’s e acredita que tudo pelo que passou faz parte  do Seu plano. Ele ignora as suas dores pessoais olhando para o Divino. A sua ascensão ao governo do Egito não é ele; é o plano de De’s. Ele não nega a sua posição poderosa, mas vê-se apenas como um peão na Mão Divina para ajudar a sua família a sobreviver.

4ª Aliá (45:19-27) O faraó fornece carruagens para trazer Yaakov. Yosef oferece comida e roupa aos seus irmãos e animais carregados de provisões ao pai. Os irmãos dizem a Yaakov que Yosef está vivo e que é governante no Egito. O coração dele quase que pára. O espírito dele revive.

Porquê Yosef oferece roupas aos irmãos? E, se Yaakov deve vir rapidamente para o Egito, porquê enviar-lhe animais carregados de alimentos?

Os irmãos pegaram na túnica de Yosef; Yosef dá roupas aos irmãos.

E os sonhos. Yosef sonhava com feixes de trigo a curvarem-se a ele. E com estrelas a curvarem-se a ele. Agricultura e energia. Yosef envia uma mensagem a Yaakov: Eu sou o governante. E olha para a riqueza agrícola. Os sonhos tornaram-se realidade. Mas não na terra de Israel. Na terra do Egito.

5ª Aliá (45:28-46:27) Yaakov faz oferendas em Beer Sheva. De’s chama-o: Yaakov, Yaakov. E ele diz: Hineni. Não tenhas medo. Eu descerei contigo e trazer-te-ei de volta. Toda a família desce. A Torá lista a genealogia da família: as 70 almas que foram para o Egito.

Esta aliá simples muda tudo. As reviravoltas da história dos irmãos agora são vistas no seu todo; a câmara muda, de um primeiro plano para uma vista geral. Yaakov está a pensar na história judaica. Avraham foi informado de que os seus filhos serão escravos numa terra estrangeira durante 400 anos. Yaakov, ao mesmo tempo que está ansioso por ver Yosef, está nervoso em mudar toda a sua família para o Egito. Voltarão algum dia? Será ele culpado de abandonar a promessa de que os judeus viverão na terra de Israel?

De’s chama-o, com aquela frase que soa a drama: Yaakov, Yaakov. Hineni. De’s tranquiliza-o; Eu trazer-te-ei de volta.

E, no próximo parágrafo, a genealogia começa e termina com a mesma frase: Estes são os Bnei Yisrael que vieram para o Egito. A história judaica agora deixa a terra de Israel. E não retornará durante todo o resto da Torá. Yaakov tinha razão no seu receio. Este é o momento do exílio do povo judeu da terra de Israel.

6ª aliá  (46:28-47:10) Yaakov e Yosef reunem-se, com abraços e lágrimas. Yosef faz um plano cuidadoso com os irmãos. Eles devem dizer ao faraó que são pastores. Estabelecer-se-ão em Goshen. O faraó concorda com o plano de Yosef. Yaakov abençoa o faraó.

A dramática reunião tem 2 versículos. Um pouco dececionante. Yosef organiza tudo com sucesso para que a sua família seja preservada, tanto materialmente quanto permanecendo juntos e longe dos egípcios.

Oh, que amarga ironia. Porque nós sabemos o que vem a seguir. A Torá já passou adiante da história de Yosef, dos seus irmãos e do seu pai. A Torá está agora a descrever a história do Êxodo do Egito. Sabem como começou a história do Êxodo? Yosef mudou a sua família toda para o Egito. Ele estabeleceu-os com sucesso. Talvez com demasiado sucesso?

7ª Aliá (47:11-27) Yosef sustenta a família. A comida no Egito torna-se escassa; tudo é precário. Yosef adquire ouro, gado e terra para o faraó. Exceto a terra dos sacerdotes. As pessoas tornam-se escravas do faraó. Yaakov e a família moram em Goshen, criam raízes lá e prosperam.

A ironia continua. Yosef cria um faraó extremamente poderoso: dinheiro, gado, armazéns de alimentos, escravos. Controlo sobre todo o Egito. Que ironia: Yosef criou o primeiro capítulo da história do Egito. Um faraó extremamente poderoso. Todo o povo judeu no Egito. Lembrem-se de Yosef Hatzadik, assim chamado porque viu o plano de De’s. Como ele disse aos seus irmãos, “De’s colocou-me aqui para vos salvar no tempo da fome.” Bem, Yosef estava errado. Ele só viu o capítulo 1 da história. A verdadeira história é que De’s colocou-me aqui para vos trazer a todos para o Egito, para solidificar o poder do faraó. Isso resultará em serem todos escravos. E em deixarem o Egito no meio de sinais e maravilhas. Yosef é um peão, sim. Mas numa história muito maior do que ele pode imaginar.

Parashá da Semana – Miketz

Parashá da Semana – Miketz

Por: Rav Reuven Tradburks

Yosef sai da prisão para completar o controlo do Egito. O Faraó tem um sonho. O copeiro lembra-se de Yosef na prisão. Yosef fala ao faraó sobre a iminência de 7 anos de abundância seguidos de 7 anos de fome. Yosef é designado o responsável pelo armazenamento de alimentos durante os anos bons. Quando começa a fome, o mundo inteiro se volta para Yosef em busca de alimentos, incluindo a sua família. Yosef reconhece os seus irmãos e acusa-os de espionagem. Shimon é mantido na prisão e os irmãos voltam para casa para trazer Binyamin. Quando a fome os força de volta ao Egito, trazem Binyamin com eles. Yehuda garante a Yaakov o seu retorno. Yosef coloca o seu cálice  entre os pertences de Binyamin e  condena-o a permanecer escravo no Egito.

1ª Aliá (41: 1-14) 2 anos depois (após o retorno do copeiro ao serviço do faraó), o faraó  sonha. 7 vacas saudáveis ​​emergem da água e são devoradas por 7 vacas magras que emergem depois. O faraó  não se contenta com as interpretações dos sonhos dos seus sábios. O copeiro lembra-se de Yosef, e fala ao faraó sobre ele. Yosef é barbeado, vestido e levado à pressa ao faraó.

Sonhos em abundância. Yaakov sonhou com a escada e os anjos. Yosef teve 2 sonhos. O copeiro  e o padeiro tiveram sonhos. Agora o faraó tem 2 sonhos.

Mas existem diferenças subtis sobre quem, quando e quantos: Yaakov teve um sonho: 1 homem, 1 sonho, 1 noite. Yosef teve 2 sonhos, mas não no mesmo dia. Ele contou aos seus irmãos sobre os feixes a curvarem-se perante ele e eles não ficaram nada contentes. Depois  teve outro com o sol, a lua e as estrelas e contou-o a Yaakov e aos irmãos. Então: Yosef: 1 homem, 2 sonhos, 2 noites. O copeiro e o padeiro: 2 homens, 2 sonhos, 1 noite. E o faraó: 1 homem, 2 sonhos, 1 noite.

Quando Yosef consegue interpretar os sonhos do copeiro, do padeiro e do faraó, será que ele se pergunta a si próprio sobre os seus sonhos? Achará que os seus sonhos ainda se podem tornar realidade? Ou assume que não correspondem ao padrão? (Os outros foram 2 sonhos, uma noite, e os  seus foram 2 sonhos, 2 noites.) Ou talvez 2 noites seja um sinal de que levarão muito tempo para ocorrer. Talvez até mais de 20 anos.

2ª Aliá (41: 15-38) O faraó conta os sonhos a Yosef. Yosef diz ao faraó  que os 7 anos de abundância serão seguidos de 7 anos de fome. Então, Faraó, deves nomear uma pessoa sábia para acumular alimentos durante o tempo da abundância, para evitar o colapso do país durante a fome. O faraó responde: Poder-se-á encontrar mais alguém assim, que tem nele o espírito de D’us?

A interpretação dos sonhos é um assunto muito rico. Se o sonho é de abundância e fome,  tenho espigas saudáveis ​​ a serem  devoradas por espigas doentes… Mas  as espigas  não comem. E o que tem o gado tem a ver com a agricultura? Porquê vacas  a saírem  do Nilo? Ok, as vacas podem comer-se umas às outras, enquanto  as espigas  não. Mas  as espigas  fazem parte da agricultura, e as vacas não.

O nome Elokim aparece 7 vezes nesta troca entre Yosef e  o faraó. Quando uma palavra é repetida 7 vezes, é um sinal – preste atenção, isto é fundamental. A história da venda de Yosef, a sua  ida  para a casa de Potifar, a traição da mulher de Potifar,  A ida para  prisão, tudo isso é uma espiral descendente projetada pelas mãos do homem. Mas está tudo prestes a mudar, pois a Mão de D’us está  a entrar na história.

3ª Aliá (41: 39-52)  O faraó nomeia Yosef responsável sobre todo o Egito; ele recebe o anel de sinete e o manto  real, anda na carruagem real, recebe o nome egípcio Tzafnat Paneach e casa.  Recolhe o grão nos anos de abundância.  Nascem os seus  2 filhos: Menashe (D’us permitiu-me esquecer a casa de meu pai) e Ephraim (D’us fez-me prosperar no Egito).

Num instante, Yosef passou de jovem estrangeiro na prisão, a ser o  segundo homem mais importante  do país. Só que é o país errado. Não deveríamos estar  a assentar  na terra de Israel?  Na nossa compreensão  deste episódio  maravilhoso, cheio de reviravoltas, esquecemos que a história da Torá é a promessa a Avraham: Os teus filhos herdarão a terra. A terra de Israel. Não é a terra do Egito. O local da história do povo judeu mudou  completamente,  de Israel para o Egito, bem debaixo dos nossos narizes.

E todos gostamos tanto  do Midrash de que os judeus foram resgatados do Egito por não  terem mudado os seus nomes,  vestuário  ou  língua! Yosef recebe roupa nova e um novo nome numa nova língua. Yosef parece ter-se tornado um verdadeiro egípcio.

4ª Aliá (41: 53-42: 18) Começa a fome.  O faraó  diz ao seu povo para ir ter com Yosef, pois Yosef abriu os  armazéns. Yaakov envia os seus filhos, exceto Binyanim, ao Egito para obter  alimentos. Quando os irmãos se curvam  perante Yosef, este reconhece-os  e lembra-se  dos seus sonhos. Yosef desafia os irmãos, alegando que eles estão  a espiar o Egito. Para provar que não são espiões, ele exige que tragam Binyamin. E  põe-nos na prisão durante 3 dias.

O que pensou Yosef quando viu os irmãos? Todos os comentaristas  têm dificuldades com a resposta de Yosef. Porque não  cumprimentá-los? Porquê  esconder-se? As respostas são  variadas. Mas ao nível da metáfora, ou drash, que imagem! O judeu, bem-sucedido, (extremamente bem-sucedido!), no mais alto cargo da sua nova terra, com a sua nova língua, o seu novo nome, e a sua nova roupa, é irreconhecível para os seus irmãos. E ele próprio, tão confortável no seu novo mundo, não consegue encontrar as palavras para fazer a ponte entre eles.

5ª Aliá  (42: 19-43: 15) Yosef diz aos irmãos que um deles deve ficar para trás enquanto os outros voltam para casa e lhe trazem Binyamin. Eles dizem a si próprios: isto aconteceu por causa  do que fizemos a Yosef. Yosef chora ao ouvir isso. Shimon  fica preso. Yosef deposita o seu dinheiro junto com os cereais. Quando eles o descobrem, perguntam-se por que D’us está  a fazer  isso. Yaakov fica angustiado com a ideia de Binyamin o deixar. Mas quando a comida acaba, não há escolha. Yehuda garante o retorno seguro de Binyamin. Eles voltam a  apresentar-se  diante de Yosef.

Os sentimentos de culpa dos irmãos pela venda de Yosef são inevitáveis. Mais de 20 anos depois, no Egito, a comprar  alimentos… Quando se espoleta  uma crise, com Yosef a exigir  que tragam Binyamin, os irmãos imediatamente desabafam: estamos   a receber   o que merecemos por  termos vendido Yosef. Eles estavam à espera que lhes acontecesse uma calamidade, sabendo que certamente ela viria. Mas, é claro, o que eles querem dizer é que isto é D’us a castiga-los, quando, na verdade, é Yosef quem os está  a manipular. Então não é D’us; é Yosef.  Mas será mesmo? Talvez eles estejam certos. Yosef é repetidamente descrito como bem-sucedido no Egito: na casa de Potifar, na prisão, e, agora, como o número 2  do país. Ele é eficiente e  decidido. No entanto, aqui, é caprichoso:  manda  todos para a prisão, diz que todos deveriam permanecer na prisão e só um voltar, depois muda de ideias: um fica na prisão e todos voltam. Ou talvez Yosef  não saiba o que fazer. Ou talvez os irmãos não sejam os únicos a ser manipulados. Talvez Yosef também seja uma marionete nas Mãos Divinas – ele faz um movimento e De’s coloca na sua cabeça algo diferente, a fim de trazer os judeus para o Egito.

6ª Aliá (43: 16-29) Os irmãos recebem uma recepção real de Yosef ao retornar com Binyamin. Eles  pedem desculpa  pelo dinheiro que encontraram nos seus sacos de  cereais. Yosef diz-lhes para não se preocuparem porque D’us lhes deu um presente. Os irmãos são  servidos  de um excelente jantar. Yosef pergunta sobre o pai e vê Binyamin.

Binyamin é irmão de Yosef, o único  irmão nascido de Rachel. Binyamin era muito jovem quando Yosef foi vendido. Isto está a acontecer 22 anos depois. Yosef não reconheceria Binyamin. A aliá termina com  algo prestes a acontecer: ele vê Binyamin – e depois? A próxima aliá começa com Yosef  a chorar. Yosef chora muito nesta história. Os irmãos, por seu lado,  estão a passar por uma montanha russa de emoções: Nervosos quanto a como ele vai reagir. Aliviados no banquete que ele lhes serve. E depois desabam,  quando, na próxima aliá, o cálice for colocado junto aos pertences de Binyamin.

7ª Aliá (43: 30-44: 17) Yosef coloca os irmãos pela ordem de nascimento. Eles  ficam surpreendidos. Os seus sacos estão cheios de  cereais, o seu dinheiro é devolvido. E  o cálice  de Yosef  é colocado  no saco de Binyamin. Assim que eles saíram, Yosef ordena que os guardas os persigam. O cálice é encontrado no saco de Binyamin. Eles voltam para Yosef. Yehuda  propõe  que todos eles  fiquem como escravos. Yosef opõe-se;  só o ladrão ficará como escravo. Vocês voltam em paz para a casa do vosso pai.

As  mudanças  da sorte dos irmãos são dramáticas. São acusados ​​de serem espiões, mas o dinheiro voltou com o cereal. Tratados  como reis após o seu retorno, e o dinheiro voltou novamente com  o cereal. Acusados de roubo. E o palco está montado para uma mudança ainda mais dramática: Yosef finalmente revela-se a eles.

Parashá da Semana – Vaiesehv

Parashá da Semana – Vaiesehv

Por: Rav Reuven Tradburks

A venda de Yosef na Parshat Vayeshev é uma das histórias mais famosas da Torá. Yaakov estabelece-se, finalmente, na terra de Israel. Yosef é o favorito. Yosef tem 2 sonhos. Yaakov manda Yosef averiguar sobre o bem-estar do seu irmão. Os irmãos vendem Yosef a mercadores que viajam para o Egito. Yehuda é confrontado por Tamar e aceita a responsabilidade. Yosef obtém grande sucesso como servo de Potifar. Depois de ser incriminado pela esposa de Potifar, Yosef acaba na prisão. Na prisão, o seu sucesso continua. Ele interpreta os sonhos do copeiro e do padeiro, mas continua na prisão.

A história de Yosef é a mais longa da Torá, abrangendo 4 parshiot. É um leque de emoções e condições humanas que nos envolve: um filho preferido, sonhos, ciúme, isolamento, sexo, sucesso. E depois lágrimas, confronto e responsabilidade fraternal. É a história que revela as fraquezas humanas; daí o seu encanto e fama.

1ª Aliá (37: 1-12) Yaakov estabelece-se na terra de Israel. Yosef tem 17 anos e traz relatórios para o pai. Yaakov ama Yosef. Oferece-lhe uma túnica especial, provocando o ciúme dos seus irmãos. Yosef tem 2 sonhos: Os irmãos, juntando feixes de trigo, reúnem-se e curvam-se diante de Yosef. O sol, a lua e as 11 estrelas inclinam-se para ele. Os irmãos sentem ódio. Yaakov critica Yosef, mas toma nota dos sonhos.

O primeiro versículo, embora eminentemente simples, apresenta toda a história. “Yaakov estabeleceu-se na terra da permanência de seu pai.” Como se dissesse: eles foram peregrinos, mas eu não. Eu vou assentar. Avraham recebeu a promessa da Terra de Israel. E de que os seus filhos seriam estranhos numa terra estranha, voltando ricos para Israel. Yaakov pensa: “Ei! Fui eu: Muitos anos com Lavan, voltei rico, agora sigamos para a próxima etapa da história judaica: estabelecer e governar esta terra”.

Chegou a hora de se estabelecer na terra e, eventualmente, de a governar. Construir uma nação  requer uma mudança económica, do pastoreio à agricultura. E a governação exige poder.

Quando Yosef sonha, não com ovelhas mas com fardos de trigo, Yaakov aguça os ouvidos: Porquê um sonho de trigo, se somos pastores? Será um novo mundo a despontar?

E depois, um sonho de poder: com o sol, a lua e as estrelas. Será uma mensagem Divina, através dos sonhos, de que a promessa da terra está para acontecer, com a agricultura e o poder a facilitar a construção da nossa nação?

2ª Aliá (37: 13-22) Yaakov manda Yosef averiguar sobre o bem-estar dos seus irmãos. Um homem direciona-o para Dotan. Os irmãos planejam matar Yosef e acabar com os seus sonhos. Reuven opõe-se a derramar o seu sangue, sugerindo meramente atirá-lo a um buraco. Ele salva Yosef, na esperança de devolvê-lo ao pai.

A aliá mais conhecida da Torá (sim, por causa da Broadway – este nosso mundo é assim). Irmãos a querer matar um irmão? Isto não tem precedentes. Bem, exceto nos primeiros irmãos da Torá, Caim e Abel. Rivalidade, competição e ciúme são partes inevitáveis ​​da vida. Os irmãos lutam (como o Midrash diz sobre Caim e Abel) por causa do dinheiro da herança, da religião, do casamento ou, como aqui, pelo amor dos pais e por ciúme. Se a Torá tivesse evitado essa rivalidade entre irmãos, ter-lhe-ia faltado a realidade da vida. Mas o que é de muito maior importância é a resposta à rivalidade. A história da Torá é a resposta de lealdade entre irmãos, irmandade e responsabilidade (e falta dela). As falhas humanas acontecerão – a preocupação da nossa Torá é como responder a elas.

3ª Aliá (37: 23-36) Yosef é despido da sua túnica e atirado para uma cisterna vazia. Aparecem os mercadores. Yehuda opõe-se a matar o seu irmão, convencendo os outros a vender Yosef a esses mercadores. Yosef é vendido aos mercadores e levado para o Egito. Reuven encontra a cisterna vazia e rasga as suas roupas. A túnica de Yosef é mergulhada em sangue e trazida a Yaakov. Yaakov rasga as suas roupas e fica inconsolável. Yosef acaba na casa de Potifar.

Yosef sonhou com o sol, a lua e as estrelas – o mais alto possível – e termina no buraco, o mais baixo possível. Yaakov, que sonhava com uma escada ascendendo aos céus, agora diz que “se afundará no mundo dos mortos em luto”. Yaakov enganou Yitzchak com pele de cabra nos seus braços; Yaakov é enganado pela túnica de Yosef mergulhada em sangue de cabra.

4ª Aliá (38: 1-30) Yehuda desce. Ele tem 3 filhos. 1 filho casa com Tamar e morre, assim como o segundo. Ele atrasa o casamento do terceiro filho com ela. Tamar disfarça-se. Fica grávida de Yehuda. Yehuda ordena que ela seja morta. Ela envia-lhe os seus pertences de identificação. Yehuda admite. Ela tem gémeos, Peretz e Zerach.

Yehuda desce. Mas acaba com Zerach – brilho. Yehuda negou o seu terceiro filho a Tamar, tal como impediu Yosef de voltar para Yaakov, vendendo-o. Mas aqui ele assumiu total responsabilidade, enquanto lá não. Quando os irmãos quiseram matar Yosef, Reuven disse-lhes para o atirarem para uma cova. Ok, não o matem com uma faca; matem-no passivamente, de fome. Yehuda levantou-se: não vamos matá-lo, vamos vendê-lo. Isso certamente era melhor do que matá-lo. Mas ele realmente deveria ter objetado mais veementemente e dito: “Não vos vou deixar fazerem mal a Yosef. Vou devolvê-lo ao Abba.” Aqui ele assume total responsabilidade. Este é um prenúncio da plena aceitação da responsabilidade que ele demonstrará mais tarde ao garantir o retorno de Binyamin a Yaakov.

5ª Aliá (39: 1-6) Yosef desce ao Egito. D’us está com Yosef e ele é bem-sucedido. O dono de Yosef vê que D’us está com ele e que o faz prosperar em tudo o que faz. D’us abençoa a casa do amo por causa de Yosef; tudo o que é dele, em sua casa e no seu campo, D’us abençoa. Ele dá a Yosef o controlo total de tudo o que é seu.

Uma pequena aliá de 6 versículos. E o nome de D’us aparece 6 vezes. O nome de D’us não apareceu nos 66 versículos até aqui na parashá (exceto na morte dos 2 filhos de Yehuda: “eles fizeram o mal aos olhos de D’us”). Isto é muito semelhante à ausência de D’us no início do Sefer Shemot, até que Ele finalmente vê a aflição do povo.

O Homem tem muito jeito para cair sozinho – Yosef às mãos dos seus irmãos, Yehuda na forma incorreta como tratou Tamar, os judeus no Egito às mãos do Faraó. Quando o Homem atinge o fundo, D’us aparece.

6ª Aliá (39: 7-23) As propostas da esposa de Potifar. Yosef resiste, pois por mais que tenha autoridade completa na casa, isso seria um pecado perante D’us. Sem ninguém por perto, ela agarra-o. Ele foge, deixando-a a segurar na sua roupa. Ela trama Yosef, como se ele é que se tivesse aproximado dela. Yosef é mandado para a prisão. D’us é gentil com ele e o carcereiro põe-no no comando. D’us fá-lo prosperar em tudo o que faz.

Veja os paralelos: o irmão tira a Yosef a sua túnica; A Sra. Potifar fica agarrada à túnica de Yosef. O irmão engana o pai com a túnica; A Sra. Potifar engana o marido com a túnica. Yosef é vendido como escravo; Yosef acaba na prisão.

De sonhar com o sol, a lua e as estrelas, e com os irmãos a curvarem-se perante ele, Yosef desceu para o Egito, a sua situação desceu até à de escravo, e agora caiu ainda mais, para a prisão.

Yosef ganhou o título de Yosef HaTzaddik graças à sua resistência aos avanços da Sra. Potifar. Ele está sozinho, numa terra estrangeira, sem ninguém por perto, a receber propostas; ainda assim, o seu pensamento é não pecar contra D’us.

7ª Aliya (40: 1-23) O copeiro e o padeiro do Faraó são presos. Yosef cuida deles. Eles sonham. Yosef diz: digam-me os sonhos, mas as suas explicações são de D’us. O copeiro viu uma videira frutífera, e viu-se a espremer as uvas no copo do Faraó. Yosef diz-lhe: serás restaurado como copeiro. E, acrescenta Yosef, lembra-te de mim quando as coisas estiverem bem de novo e conta ao Faraó, pois eu não mereço estar aqui. O padeiro descreve sonhar com pão na cabeça. Yosef diz-lhe: vais ser enforcado. O copeiro é restaurado. O padeiro é enforcado. O copeiro esquece Yosef.

A história de Yosef avança rapidamente para nós, leitores, mas passaram-se anos. Dois anos se passarão desde a restauração do copeiro até Yosef interpretar o sonho do Faraó na próxima semana. Ele tinha 17 anos quando os irmãos o venderam. Agora tem 28. Terá 30 quando interpretar os sonhos do Faraó.

E se Yosef é um bom intérprete de sonhos (ele próprio teve 2 sonhos), o que pensa ele dos seus sonhos? Ele sonhou com os feixes de trigo do irmão curvando-se a ele. E sonhou com poder, todos a curvarem-se perante ele. Será que ele medita sobre os seus sonhos, de vez em quando? Todas as semanas? Todos os dias? Ele diz ao Faraó que ter 2 sonhos implica que eles vão acontecer em breve. Ele teve 2 sonhos. Os seus sonhos não aconteceram logo. Será que ele acha que ainda vão acontecer? Afinal, quanto tempo é “em breve”? Alguns dias? Ou 25 anos?

Parashá da Semana – Vaishlach

Parashá da Semana – Vaishlach

Parsha Vaishlach

Por: Rav Yoshua Ellis, de Varsóvia

É isso, esta é a semana em que o homem Israel vai morar na terra de Israel. Após vinte anos de saudades, construindo uma família e acumulando riquezas, Yakov vai para casa. Mas não é o que ele se lembra, ou o que ele esperava. O seu encontro com Esav, o irmão distante, embora não seja fatal, não oferece nenhuma resolução para o conflito. Depois de vinte anos de crescimento, mudança e até mesmo um novo nome, ele ainda precisa de mentir para escapar do controlo do seu irmão. O seu encontro com os habitantes locais mostra que eles não têm mais moralidade agora do que quando Sarah foi sequestrada.

Depois de vinte anos de luta e saudade, Yakov volta para casa e descobre que está a mesma bagunça que ele deixou. Fugir dos nossos problemas, embora às vezes possa ser necessário para a nossa sobrevivência, não resolve nada. Esta semana Yakov aprendeu que Israel não é a sua casa por ser o lugar onde pode viver sem dificuldades; Israel é a sua casa porque é o lugar todos os desafios são desafios seus.

Shabat Shalom!

Com amor,
Yehoshua