Da Rússia a Israel: uma história de aliá e amor

Da Rússia a Israel: uma história de aliá e amor

A história da família Katz caracteriza a história dos judeus Vissoky e a maneira como a sua comunidade estava envolvida na vida dos outros judeus das zonas vizinhas.

Yevgeny e Svetlana numa sinagoga de Voronezh

À Grande Sinagoga de Voronezh, a capital de distrito da vila de Vissoky chegam judeus de todos os bairros da cidade e cidades próximas. Rabinos e chefes da comunidade local há gerações que não distinguiram entre judeus Ashkenazi ou judeus pertencentes a outras comunidades. Assim, tanto nas orações quanto nas atividades sociais da sinagoga da cidade ou noutras organizações judaicas, os estrangeiros da vila de Vissoky também participam ativamente.

Quando, há cerca de 15 anos, a Agência Judaica de Israel abriu um curso de hebraico na cidade de Voronezh, Yevgeny Katz, filho de uma família judaica local, foi dos primeiros a inscrever-se e conheceu lá outra empenhada estudante: Svetlana, que tinha-se mudado recentemente para a cidade de Voronezh da vila de Vissoky para estudar na universidade.

A família Katz antes da aliá

Desenvolveu-se entre os dois um relacionamento romântico e, depois de um tempo, casaram e tiveram 2 filhos: uma filha, Kira e um filho, Lev. Continuaram sempre ativos na comunidade judaica de Voronezh e o tema de se mudarem para Israel pairava constantemente no ar, mas Svetlana não se sentia em paz com o fato de que, se eles emigrassem para Israel, o direito oficial que ela teria à cidadania ser-lhe-ia dado apenas por ser «a mulher do seu marido judeu» e não por ela ser filha de uma comunidade judaica.

Só no verão de 2022, quando os imigrantes Vissoky receberam uma permissão oficial para imigrarem, é que a família começou a preparar-se para a mudança. Naquela época, não sentiam necessidade de fazer aliá imediatamente, mas começaram os preparativos, já que o seu plano era fazerem aliá no prazo de um ano.

Mas o destino trocou-lhes as voltas, como a muitos outros.

Em meados de setembro de 2022, a Rússia começou o recrutamento em massa, pelo que Yevgeny sentiu que isso era um sinal de que o momento tinha chegado. Ficou logo claro que todas as passagens aéreas tinham sido vendidas e só havia passagens muito caras, que teriam custado várias vezes o preço normal, e que não eram voos diretos. Existem maneiras mais baratas de atravessar a fronteira, mas por terra.
Com vários amigos e conhecidos, juntou-se a uma caravana de carros cuja intenção era atravessar a fronteira entre a Rússia e a Geórgia.

Devido a essas circunstâncias, separou-se de Svetlana, sua esposa, e dos filhos, e, no dia 27 de setembro, apanhou um comboio [trem] para a cidade de Krasnodar e de lá juntou-se ao carro com o qual começaram a viagem. Depois de várias horas a conduzir, chegaram ao final da fila, que incluía centenas, provavelmente até milhares de carros, todos com o mesmo objetivo – escapar da Rússia.

A longa fila de carros a caminho da fronteira da Geórgia

Esta viagem levou três dias e noites. Progrediam apenas alguns metros num dia inteiro e havia escassez de comida, água, combustível… Durante os tempos de angústia, houve pessoas que se aproveitaram da situação e apareceram a vender bens de consumo básicos a preços exorbitantes, mas, como não tinham escolha, quem estava na caravana tinha que usar os seus serviços.

Exausto, mas finalmente feliz, Yevgeny Katz cruzou a fronteira e chegou à Geórgia no dia 1o de outubro!

De lá, após vários dias de recuperação desta jornada tão cansativa, embarcou num avião para Israel. Estava finalmente livre, no Estado Judaico! A missão de resgate para ele terminou com sucesso, mas ele ainda tinha que se preocupar em como levar a sua família para lá.

Yevgeny veio para Israel como turista porque não teve tempo de obter um visto de aliá, tendo feito o processo em Israel. A sua família teve que passar por todas as aprovações na Rússia e receberam um visto de entrada através do consulado israelita em Moscovo, tudo feito através da organização em Israel, é claro.

Durante cerca de um mês, Yevgeny viveu sozinho, primeiro na cidade de Rehovot com amigos, depois com os parentes da sua esposa, até à chegada da família à Galiléia.

Yevgeny com a geladeira que ele recebeu da Shavei Israel

Agora, eles moram num apartamento alugado na cidade, um apartamento espaçoso, que de acordo com Yevgeni é excelente e muito adequado para eles, mas estava quase vazio. A Shavei Israel veio em seu auxílio e em pouco tempo forneceu-lhes eletrodomésticos básicos: um frigorífico [geladeira], um fogão, uma máquina de lavar e um microondas. Algo que os ajudou muito, especialmente nos primeiros tempos.

Atualmente, Svetlana continua a estudar hebraico no Ulpan, e Yevgeny, depois de alguns meses de estudos de idiomas, decidiu investir o seu tempo a trabalhar para o bem-estar da família. Ele agora está a trabalhar na fábrica da UCT Fluid Solution na área industrial de Tziporit, perto da cidade, e as crianças vão para a escola.

A integração, de acordo com Yevgeny e Svetlana, está a correr bem, e eles estão muito satisfeitos, especialmente com a integração das crianças. Além da estrutura escolar, o filho mais novo participa do clube de futebol e já se juntou à equipa avançada. Apesar da sua tenra idade, brinca com crianças que são vários anos mais velhas do que ele e está muito satisfeito.

Kira no jornal russo em Israel

Kira, a filha mais velha, também teve tempo de alcançar bons resultados no ténis, apesar do seu curto período em Israel. Na verdade, a foto de Kira já apareceu num jornal russo local.

Yevgeny orgulha-se do fato de ter conseguido comprar um carro. Embora em segunda mão e não muito novo, o carro deu-lhes um impulso em tudo o relacionado à sua qualidade de vida e eles usam-no em todas as oportunidades de viajar pelo país.

Num futuro próximo, Svetlana concluirá com sucesso o Ulpan, Yevgeny continuará a trabalhar e espera, no futuro, vir a receber uma promoção. Ele também quer fazer um curso de hebraico. Ambos estão muito felizes com a sua integração no país da sua herança!

Celebrando Israel em todo o mundo

Celebrando Israel em todo o mundo

Yom Ha’atzmaut é o Dia da Independência Nacional de Israel, que comemora a Declaração da Independência de Israel em 1948. O dia é marcado por cerimónias e eventos oficiais e não oficiais em todo o Israel e no mundo judaico.

Yom Hazikaron, o Dia da Memória dos Soldados Israelitas Caídos e das Vítimas do Terrorismo, é sempre no dia anterior ao Dia da Independência. Esse contraste intenso geralmente é marcado por uma cerimónia de encerramento de Yom Hazikaron, seguida pelo início das 24 horas de celebrações do Dia da Independência de Israel.

Uma das características marcantes dessas comemorações e celebrações são as bandeiras israelitas azuis e brancas. E, é claro, todas as decorações nessas cores.

Desfrute das fotos das celebrações e comemorações das nossas comunidades em Israel e ao redor do mundo CLICANDO AQUI!

Visita ao Túmulo dos Patriarcas

Visita ao Túmulo dos Patriarcas

Esta semana, a Shavei Israel e os alunos do programa de conversão do Machon Miriam participaram numa viagem a Hebron, organizada pela organização Tiferet e pelo Município de Jerusalém, onde tiveram a maravilhosa orientação de Diego Hacohen e Rav Aryeh Natan.

A caminhada começou em Mearat Hamachpela (O Túmulo dos Patriarcas), onde estão localizados os túmulos dos Patriarcas e Matriarcas do povo de Israel. Juntos, puderam testemunhar a beleza e santidade do referido local e fazer tefilot (orações) no local sagrado.

Entre cada visita, Rav Arieh Natan foi-lhes contando segredos e histórias sobre este o local abençoado, e também aproveitou a oportunidade para transmitir mensagens de Torá a todos os presentes.

“…Sempre me perguntei porque o primeiro território, o primeiro pedaço de terra que pertenceu a Israel, começa num túmulo, no túmulo que Abraão comprou. As pessoas pensariam que deveria ter sido num lugar solene, talvez uma nascente ou um palácio, mas é exatamente o oposto. Gosto de pensar que Abraão reconheceu que a vida física é temporária, mas a vida espiritual transcende o tempo e o espaço, assim como o povo judeu transcende os anos pela eternidade…” disse Eliav Riera, ex-aluno do Machon Miriam.

O passeio foi esplêndido, comentou Rut Stroe, diretora da organização Tiferet «Sentimo-nos fluindo e voando com o aroma do Gan Eden, conectado com as nossas raízes, os nossos antepassados… », acrescentou.

Uma parte da viagem também aconteceu no que é tradicionalmente conhecido como o túmulo de Ishay e Ruth, os antepassados de David Hamelech (o Rei David). Todas as pessoas ali, principalmente as mulheres, puderam receber shiurim e explicações sobre o local e também houve um tempo para tirar fotografias do momento memorável.

Aqui estão algumas fotografias e vídeos daquela experiência tão maravilhosa:

Hatikvah: a mezuzah musical de Israel

Hatikvah: a mezuzah musical de Israel

Por: Michael Freund

É uma canção conhecida em todo o mundo, um hino nacional que comove os corações judeus, de Manhattan a Melbourne, dando voz aos anseios de gerações para retornar ao nosso antigo património.

Seja no início de um jogo de basquete ou no juramento de soldados da IDF no Muro das Lamentações, “Hatikvah” comove, inspira e desafia-nos a apreciar a sorte da nossa geração.

Devo admitir que ainda sinto arrepios quando ouço as primeiras notas da Hatikvah a serem tocadas, como se os próprios acordes atingissem o fundo da alma.

E, no entanto, apesar da sua profunda familiaridade, há muito sobre “Hatikvah” que parece estar envolto em mistério, incluindo alguns dos factos mais básicos em torno da sua proveniência.

Claro, todos sabemos que foi escrito pelo poeta hebraico Naftali Herz Imber, um judeu que viveu no Império Austro-Húngaro no final do século 19, e que rapidamente ganhou popularidade em todo o movimento sionista.

Mas, além disso, não sabemos muito mais.

Por exemplo, os estudiosos discordam sobre se Imber o redigiu ou completou em Iasi, Roménia, em 1877, ou talvez em Zloczow, então na Polónia, em 1878, ou se e em que medida foi revisto quando ele fez aliá em 1882.

Sabemos que foi publicado pela primeira vez em Jerusalém em 1886 numa coleção de poemas de Imber intitulada Barkai, «estrela da manhã» em hebraico.

Como o Prof. Edwin Seroussi, vencedor do Prémio Israel no campo da musicologia, sugeriu num artigo académico de 2015, intitulado “Hatikvah: Conceções, Receções e Reflexões”, Imber parece ter sido inspirado pela fundação de Petah Tikva.

No entanto, como ele também observa, a fonte dos temas e frases usadas na música é objeto de muito debate.

Algumas teorias sugerem que foi inspirada em canções patrióticas alemãs ou polacas, enquanto outras a vinculam à visão bíblica dos ossos secos que ganham vida no capítulo 37 do Livro de Ezequiel.

A inspiração por trás da melodia “Hatikvah”, composta por Samuel Cohen, também não é clara.

A musicóloga Astrith Baltsan disse que a música está ligada a uma melodia de 600 anos cantada por sefarditas ao recitar a Oração do Orvalho.

Outros disseram que é baseado em canções folclóricas italianas, romenas ou ciganas, ou em “Die Moldau”, um poema sinfónico do compositor boémio Bedrich Smetana.

Também não está claro como “Hatikvah” se tornou tão amplamente aceite, ou o porquê de outros poemas e canções concorrentes não terem alcançado o mesmo sucesso.

No entanto, começando no Quinto Congresso Sionista em Basel em 1901, foi cantado em todos esses congressos até ser formalmente adotado em 1933 como o hino do movimento sionista.

À luz do forte sentido de consciência histórica do povo judeu, é intrigante considerar quão pouco sabemos com certeza sobre o hino nacional de Israel, que tem menos de 140 anos.

Mas isso não diminui em nada a sua inegável beleza e imagens. Pois, ao mesmo tempo em que lembra as dores do exílio, destaca os presságios do destino do nosso povo, encarnado na mais poderosa das emoções humanas, a esperança.

A neblina que envolve os detalhes das suas origens é, nesse sentido, altamente simbólica, sugerindo o borrão do exílio que o povo judeu suportou até a fundação do Estado em 1948.

Há, é claro, muitas pessoas que criticam o “Hatikvah”, e algumas pessoas na esquerda rejeitam sua referência à “alma judaica”, enquanto outros, na direita religiosa, lamentam a sua secularidade.

Mas acho que não devemos prestar atenção a esses críticos.

Com efeito, “Hatikvah” serve como um lembrete breve e emotivo, uma espécie de “mezuzá musical”, que visa colocar as coisas na sua devida perspetiva histórica e espiritual.

Isso leva-nos a apreciar, mesmo que apenas por alguns momentos, o mérito que nos foi concedido pela Divina Providência, de recitar um hino nacional no Estado Judaico soberano.

E serve para sublinhar a nossa determinação de ser um povo livre na nossa própria terra, “a terra de Sião e Jerusalém”.

Como qualquer hino nacional, “Hatikvah” incorpora a herança de um povo. Mas, ao contrário de outros, expressa um sonho de 1.900 anos que se tornou realidade e que se continua a desenrolar.

Celebrando Israel pelo Mundo!

Celebrando Israel pelo Mundo!

Onde quer que nossas comunidades se encontrem, do Chile à China, do Equador à Índia, Israel está nas suas almas e nos seus corações. Todos os anos, em Yom Ha’Atzmaut há celebrações, canções, festas, programas variados e eventos especiais para celebrar a independência de Israel. E assim foi este ano. Azul e branco, bandeiras, comida israelita e verdadeira celebração.

Veja as fotos aqui no link do álbum!