Bnei Menashe aprendem caligrafia

Bnei Menashe aprendem caligrafia

Abriu um curso especial na Galiléia para os imigrantes Bnei Menashe em Israel. ‘Sofrut’, ou arte da caligrafia, é a habilidade especial para transcrever pergaminhos sagrados judeus, como tefillin, mezuzot e outros escritos religiosos, incluindo pergaminhos da Torá. O curso abrange os aspectos haláchicos da sofrut, bem como os aspectos técnicos.

Na verdade, há dois cursos de seis meses a serem realizados ao mesmo tempo, um na língua Kuki, para imigrantes de Manipur, e o outro na língua Mizo, para imigrantes de Mizoram.
Os participantes do curso estão muito animados e estamos muito orgulhosos da sua iniciativa e compromisso em aprender essa arte tão antiga e complexa.
B’hatzlacha (desejos de sucesso) a todos os participantes!
A segunda edição do sidur Bnei Menashe já está pronta!

A segunda edição do sidur Bnei Menashe já está pronta!

Um dos grandes projetos em que Shavei Israel está constantemente envolvida é escrever, publicar e fornecer livros e literatura necessários para as várias comunidades com as quais trabalhamos. Esses livros incluem livros de oração, livros de hebraico e estudo bíblico e outros. É uma enorme quantidade de trabalho, envolvendo pesquisa, tradução, transliteração, instruções, tradições e, claro, todo o trabalho necessário na publicação e distribuição. Mas é um trabalho de amor, e que é tão importante para nós e para as comunidades.

Com isso em mente, estamos muito felizes por anunciar, finalmente, a segunda edição, aqui em Israel, do Sidur Sefardita Bnei Menashe, com traduções e transliterações na língua Kuki,

O original, um projeto iniciado há quase dez anos, teve uma edição 5.000 cópias e esgotaram todas. Era claramente hora de imprimir mais, especialmente com a esperança de mais Bnei Menashe fazerem ali em num futuro próximo.

Esta nova edição, com 1.500 cópias, inclui uma bela carta de aprovação do rabino Yitzchak Yosef, rabino-chefe sefardita de Israel.

Michael Freund, Fundador e Presidente da Shavei Israel, disse: “Esperamos que os Bnei Menashe encontrem força e inspiração deste siddur, e oramos para que, através do mérito de servir a De’s com alegria, em breve testemunhemos a reunião de todos os dispersos de Israel para a nossa Terra, reunidos novamente como um só, em Sião.”

Tzvi Khaute, Coordenador de Bnei Menashe da Shavei Israel, disse sobre a nova edição: “Estou realmente emocionado por as 5.000 cópias da primeira edição terem esgotado e estamos muito felizes em trazer a segunda edição com a recomendação e bênção do rabino-chefe sefardita.”

Primeiro capítulo Bnei Akiva para Bnei Menashe

Primeiro capítulo Bnei Akiva para Bnei Menashe

O capítulo Bnei Akiva ‘Hamenashe’ em Nof HaGalil tem até agora apenas cerca de 40 crianças, mas como é um capítulo novo, com menos de três meses de idade, cada criança é uma grande conquista. Quando as crianças e os monitores, e até mesmo a pessoa responsável são membros da comunidade Bnei Menashe, este novo capítulo especial torna-se único. Como as crianças postaram na sua viagem de Sucot: “Da Índia a Israel – Sionismo 2022”.

A célula é administrada por Tsofia Singson, que imigrou da Índia para Israel sozinha há cerca de oito anos. Ela descreve a realidade da Índia: “Sou a segunda filha de oito irmãos, há um irmão acima de mim. Quando criança, nasci judia [halachicamente] porque os meus pais se converteram antes de casarem. Fazíamos todos os feriados e Shabats, meu pai ia toda vez à sinagoga e rezava lá sozinho, porque não havia muitos judeus na nossa aldeia. Celebrávamos Purim, Hanukkah, sentíamos que não éramos gentios, mas sim judeus.

Os gentios nos tratavam de maneira diferente, nos chamavam zombeteiramente de ‘guardiões do Shabat’. Quando eu era pequena, meu tio, irmão de meu pai, emigrou para Israel e nos ajudou a aprender como nos comportar no Shabat e nos feriados. De Israel, ele nos orientava sobre como nos comportar”. A família emigrou da Índia e se estabeleceu em Safed, onde nasceram os dois irmãos mais novos de Tzofia.

Tzofia conta sobre o início de sua relação com o Bnei Akiva: “No começo, depois que chegamos, o Bnei Akiva nos convidou para entrar. Só funcionou por algumas semanas, por causa dos problemas de idioma e da dificuldade de conexão – não conhecíamos ninguém. Eles eram muito legais, mas não combinavam com os imigrantes. Não havia ninguém que nós conhecêssemos, não havia ninguém que pudesse falar a nossa língua.’

Tzofia estudou no Bnei Akiva Segulah Studio em Kiryat Motzkin, e quando o estúdio procurou uma mulher local para administrar o ‘Chodesh Irgun’ (grande projeto Bnei Akiva e o mês mais movimentado do ano para a organização) para estudantes imigrantes do sexo feminino – ela se ofereceu, e suas amigas a escolheram. No entanto, apesar da experiência, Tzofia planejou um Serviço Nacional diferente.

“No final da escola”, explicou Tzofia, “Moti Yogev, responsável pelos imigrantes em Nof Hagalil, veio até mim e pediu que eu me tornasse a líder do Bnei Akiva. Eu disse a ele que iria pensar sobre isso. No começo eu queria fazer outro serviço nacional, não em nossa comunidade. Mas voltei a pensar, fiz um tour pelas escolas da Galileia, vi os imigrantes e mudei de ideia. Escolhi servir lá, fui para um seminário para o serviço nacional, seguido de uma semana de seminário para aprender como ser líder de jovens.”

Artigo original (em hebraico) apareceu aqui.

2.700 anos depois, Bnei Menashe inauguram a sua1ª sinagoga em Israel

2.700 anos depois, Bnei Menashe inauguram a sua1ª sinagoga em Israel

Artigo original do The Jewish Link 

Foi inaugurada em Nof Hagalil a Sinagoga Eliyahu Hanavi, a primeira sinagoga Bnei Menashe em Israel

A Sinagoga Eliyahu Hanavi, a primeira casa de oração em Israel para os imigrantes Bnei Menashe da Índia, foi inaugurada no último Shabat (19 de novembro) na cidade de Nof Hagalil, no norte de Israel. Compareceram cerca de 150 fiéis, a maioria membros da comunidade Bnei Menashe.

A organização Shavei Israel, com sede em Jerusalém, que tem promovido há duas décadas a Aliá (imigração) dos Bnei Menashe para Israel, avançou os planos para o estabelecimento da sinagoga. Isso aconteceu depois de muitos pedidos de membros da comunidade terem sido recebidos por Tzvi Khaute, diretor da absorção Bnei Menashe na Shavei Israel.

A sinagoga será usada por imigrantes de Mizoram, um estado no nordeste da Índia. Uma segunda sinagoga, localizada num outro bairro de Nof HaGalil, será aberta para imigrantes de Manipur, outro estado do nordeste da Índia. O prefeito de Nof Hagalil, Ronen Plot, trabalhou em estreita colaboração com a Shavei Israel e a comunidade em ambos os projetos.

Pode ler o artigo completo em inglês aqui

Bnei Menashe: Uma exposição especial

Bnei Menashe: Uma exposição especial

No início deste mês, em cooperação entre a Shavei Israel e a organização Indian Jewish Heritage, foi inaugurada uma exposição especial, para celebrar a cultura e as tradições dos Bnei Menashe em memória de Yoel Lhanghal z”l, um jovem de 18 anos que foi assassinado no mês passado, no norte de Israel. 

As belas fotos de Dorit Lombrusco, bem como as explicações sobre a história e cultura Bnei Menashe, foram muito bem recebidas e muito impressionantes. Realizada no centro comunitário Nof Hagalil, a exposição é aberta ao público durante o horário de funcionamento do centro e é muito comovente e informativa.