Delegação da Noruega faz visita-surpresa à Shavei

Delegação da Noruega faz visita-surpresa à Shavei

Uma visita espontânea aos nossos escritórios em Jerusalém de dez representantes de dois grupos de interesse noruegueses transformou-se numa interessante palestra sobre judeus perdidos e ocultos, e uma verdadeira experiência de aprendizagem.

Arvid Bjerga, que criou o ramo norueguês da Shavei Israel há cerca de três anos, também esteve presente, pois pertence a um dos grupos e é membro do conselho de relações públicas entre as cidades geminadas de Stavanger, na Noruega, e de Netanya, em Israel.  O outro grupo está mais relacionado à agricultura.

O principal grupo a visitar a Shavei Israel era formado por  membros da Câmara de Comércio Israelita Norueguesa de Stavanger. Eles convidaram agricultores e um importador de soluções técnicas para estudar inovações israelitas. Mas Henrik Halleland, um político do governo da cidade de Stavanger, e Arvid, estavam a representar o conselho das cidades geminadas Netanya-Stanger.

Durante a visita-surpresa ao escritório da Shavei Israel em Jerusalém, o grupo foi acolhido com o clássico rugelach e burekas israelitas, e com uma palestra de Laura Ben-David sobre a história dos Bnei Menashe, as suas raízes, a sua cultura, como eles entraram em contacto com Michael Freund, e a sua jornada de aliá que a Shavei Israel tem facilitado. Além disso, Laura falou sobre judeus Kaifeng, Bnei Anousim, Subbotniks e judeus ocultos da Polónia.

Todos os convidados relataram que tiveram muito gosto em  ouvir Laura Ben-David. A maioria não conheciam os conceitos de Tribos Perdidas e Judeus Ocultos; foi uma informação totalmente nova para eles. Interagiram sempre, com muitas perguntas, e ficaram muito gratos pela palestra.

Foto de grupo incluindo: Arvid Bjerga (à esquerda); Henrik Halleland (na ponta direita); Sigve Bø (o terceiro da direita), um dos líderes da Câmara de Comércio Israelita-Norueguesa.

Bnei Anussim – Passado e Presente

Bnei Anussim – Passado e Presente

O Centro Maani da Shavei Israel acolheu a fascinante palestra intitulada “Bnei Anusim, Passado e Presente”, pela nossa querida Edith Blaustein. É importante que, tanto a nível pessoal quanto nacional, não esqueçamos o passado do povo judeu; vamos aprender com ele para moldar o presente e, assim, moldar o nosso futuro.

‘Anussim’, plural para ‘anuss’, que significa ‘os forçados’ são os judeus que foram forçados a abandonar a Lei Judaica contra a sua vontade. É o termo legal rabínico aplicado a um judeu que foi forçado a abandonar o judaísmo contra a sua vontade e que faz tudo ao seu alcance para continuar praticando o judaísmo sob a condição de coerção. É normalmente aplicado aos judeus ocultos na era da Inquisição espanhola (mais comumente – e negativamente – referidos como ‘Marranos’).

O termo é derivado da expressão utilizada no Talmud, “aberrá be’ones” [Avoda Zara 54a]:

“Certamente, quando se trata de linhagem, todo o povo de Israel são irmãos. Somos todos filhos de um mesmo pai, os rebeldes (reshaim) e criminosos, os hereges (meshumadim), os forçados (anussim), e os prosélitos (guerim) que estão ligados à casa de Jacob. Todos esses são israelitas. Mesmo que eles tenham deixado De’s ou rejeitado-O, ou violado a Sua Lei, o jugo da Lei ainda está sobre os seus ombros e nunca será levantado.”

 

Veja a gravação da conferência (Em espanhol):

A segunda edição do sidur Bnei Menashe já está pronta!

A segunda edição do sidur Bnei Menashe já está pronta!

Um dos grandes projetos em que Shavei Israel está constantemente envolvida é escrever, publicar e fornecer livros e literatura necessários para as várias comunidades com as quais trabalhamos. Esses livros incluem livros de oração, livros de hebraico e estudo bíblico e outros. É uma enorme quantidade de trabalho, envolvendo pesquisa, tradução, transliteração, instruções, tradições e, claro, todo o trabalho necessário na publicação e distribuição. Mas é um trabalho de amor, e que é tão importante para nós e para as comunidades.

Com isso em mente, estamos muito felizes por anunciar, finalmente, a segunda edição, aqui em Israel, do Sidur Sefardita Bnei Menashe, com traduções e transliterações na língua Kuki,

O original, um projeto iniciado há quase dez anos, teve uma edição 5.000 cópias e esgotaram todas. Era claramente hora de imprimir mais, especialmente com a esperança de mais Bnei Menashe fazerem ali em num futuro próximo.

Esta nova edição, com 1.500 cópias, inclui uma bela carta de aprovação do rabino Yitzchak Yosef, rabino-chefe sefardita de Israel.

Michael Freund, Fundador e Presidente da Shavei Israel, disse: “Esperamos que os Bnei Menashe encontrem força e inspiração deste siddur, e oramos para que, através do mérito de servir a De’s com alegria, em breve testemunhemos a reunião de todos os dispersos de Israel para a nossa Terra, reunidos novamente como um só, em Sião.”

Tzvi Khaute, Coordenador de Bnei Menashe da Shavei Israel, disse sobre a nova edição: “Estou realmente emocionado por as 5.000 cópias da primeira edição terem esgotado e estamos muito felizes em trazer a segunda edição com a recomendação e bênção do rabino-chefe sefardita.”

O projeto de identidade judaica

O projeto de identidade judaica

The Jewish Identity Project: New American Photography” de Susan Chevlowe (2005) é um belo livro fotográfico para pôr na mesinha de café. Apresentando dez projetos fotográficos e de vídeo de artistas emergentes e em meados de carreira, todos encomendados pelo Museu Judaico, o livro apresenta uma série de discussões provocativas sobre a natureza da identidade judaica na América do século XXI. A autora, Susan Chevlowe, discute como os artistas exploram comunidades individuais para dissipar estereótipos da vida judaica contemporânea, e o colaborador Ilan Stavans disseca a diversidade dos judeus americanos no último século. Em luminosas entrevistas com os artistas, a colaboradora Joanna Lindenbaum fornece perspetivas sobre suas ideias e métodos.

Jaime Permuth escreveu ‘A Conversão de Carmen’ (2003), uma seção sobre Carmen Maria (Esther) Rodriguez, que é amiga de Shavei Israel. Originalmente de Cuba e agora morando nos Estados Unidos, ela partilhou recentemente sua história de conversão connosco.

A história de Carmen é contada através de fotos no livro. Embora o livro esteja fora de catálogo, Carmen deu generosamente à Shavei algumas cópias para ter no escritório, para as pessoas usufruirem delas.

Algumas citações de Carmen no livro destacam-se particularmente: “Um homem disse-me recentemente que eu provavelmente estava no Sinai. O que significa que eu também era uma alma judia naquela época.” E, “o que meus antepassados fizeram foi sobreviver espiritualmente, saindo da Espanha para não cortar seu vínculo eterno com a Magnificência confiada aos judeus no Sinai”.

Carmen dedicou um vitral em uma sinagoga aos sobreviventes do Holocausto que conheceu. Nele, diz: “Para Irene e Martin Staub, sobreviventes do Holocausto, de uma filha de judeus que fugiram da Inquisição, tudo pela nossa Amada Torá.”

O último passo: o casamento

O último passo: o casamento

 

 

Nós já escrevemos sobre a família Bissato (Yehoshua de 45 anos, Chana, de 36, e a filha Leah de 10) quando eles chegaram a Israel vindos de Caxias do Sul, Brasil. O caminho incomum destes ex-pastores na verdade afastou-os dos ensinamentos com que cresceram, na direção de um caminho que os levou ao judaísmo. Procuraram por um processo de conversão durante oito anos e estão animados por estarem finalmente em Israel e por começarem esta etapa final da sua jornada ao judaísmo.

Uma vez feita a conversão formal ao judaísmo, depois de muitos meses, ou mesmo anos de aprendizado, os novos convertidos mergulham em um mikva  (banho ritual) após o qual os homens passam pela circuncisão e os casais se casam novamente, de acordo com a Torá. 
Esta cerimónia em particular foi uma grande celebração! Organizado pelas respetivas famílias adotivas dos noivos na cidade de Alon Shvut, ao sul de Jerusalém, o casamento teve cerca de 200 convidados, incluindo Chaya Castillo, coordenadora da Shavei Israel para todos os programas de conversão, que acompanhou o casal e sua filhinha durante todo o processo. 
O casamento foi um acontecimento alegre e memorável tanto para a família Bissato como para todos os convidados. MAZAL TOV!

“Somos muito gratos à Shavei Israel, que esteve sempre em contato connosco, nos ajudou durante todo o processo e continua ajudando até hoje. Também ficámos maravilhados com a chesed (bondade) do povo de Israel. Não podemos acreditar que nossa filha já está falando hebraico! Estamos ansiosos para continuar nosso futuro em nossa terra, Israel”. ~Yehoshua, Hanna e Leah
Para ajudar a família Bissato e outros como eles que estão trabalhando arduamente para concluir sua conversão, sinta-se à vontade para doar qualquer valor . Obrigada!