Acolher o converso em Shavuot

Em Shavuot, é costume ler o livro de Rute. Nesse livro, Rute diz a Naomi (1:16): «Onde fores, eu irei, e onde ficares, eu ficarei. O teu povo será o meu povo e o teu De’s, o meu De’s.» Em Shavuot, quando celebramos o recebimento da Torá, incluímos aqueles que a receberam no Sinai e, especialmente, aqueles que, como Rute, escolheram receber a Torá. Em Shavuot, sentimos que é o momento perfeito para celebrar o feito daqueles que se convertem ao judaísmo. Escolhemos um movimento específico que está em alta em todo o mundo, mas especialmente na América Latina.

Hoje, os descendentes dos Conversos da era da Inquisição, de Espanha, Portugal, América do Sul, e outras regiões, estão a passar por um profundo processo de retorno às suas origens judaicas. Esses «Bnei Anussim» estão a reivindicar o seu direito histórico de retornar às suas raízes e ao seio do povo judeu.

Quando as portas do «Novo Mundo» se abriram para os Bnei Anousim, o novo continente era, desde o século XV, um destino mágico e tentador, como uma terra onde havia grandes oportunidades para melhorar o nível de vida. Além disso, o Novo Mundo era visto como um ambiente relativamente liberal, que aceitaria e permitiria o retorno a uma vida judaica aberta e plena, ao contrário de Espanha e Portugal, onde dominava a Inquisição.

Ao longo de várias gerações, esses refugiados participaram  do assentamento e desenvolvimento do Brasil e de outros países, ocupando cargos importantes em todos os campos. Os longos braços da Inquisição acabaram por chegar também às novas colónias, mas esse facto não impediu que os cristãos novos continuassem a manter secretamente a tradição dos seus antepassados. Muitas famílias mantiveram costumes e tradições judaicas ocultas, juntamente com uma forte identidade judaica. Essa grande herança foi transmitida de geração em geração, até aos nossos dias.

Hoje há uma tendência de comunidades «emergentes» compostas principalmente por conversos, principalmente na América do Sul e Central, designadamente na Colômbia. Um grande número desses conversos é de origem judaica, que remonta aos dias sombrios da Inquisição. Muitos re-descobriram as suas raízes judaicas e tradições ocultas que o seus avós tinham escondido, temendo perseguição, e embarcaram numa jornada de regresso ao judaísmo.

Nessas comunidades, como noutras comunidades judaicas ao redor do mundo, a sinagoga é o centro da vida judaica. É uma casa de oração, muitas vezes tem uma mikve, uma escola e/ou aulas, e às vezes até alojamentos, para permitir que os membros que moram demasiado longe para poderem chegar a pé possam ficar na sinagoga no Shabat.

No entanto, na maioria das vezes, essas comunidades são totalmente separadas das comunidades judaicas já existentes e têm grandes desafios ao criar comunidades literalmente do zero.

Hoje existem centenas dessas comunidades emergentes e a Shavei Israel está em contato com cerca de 50 delas que se alinham com o judaísmo ortodoxo, como a Beit Hillel em Bogotá, Colômbia, Antiochia, em Medellín, Colômbia, Magen Avraham em Cali, Colômbia, Shemaya e Avtalyon em Arménia, El Salvador, Sha’ar Hashamayim na Guatemala, Associação Judaica em Ambato, Equador, Beit Israel em Lima, Peru, Beit Moshe na Cidade do México, e muitas mais.

Que a comunidade judaica mundial continue a merecer ser aumentada por pessoas que abraçam as nossas tradições, os nossos rituais e o nosso povo.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *