A próxima geração de líderes de Bnei Menashe entra em ação

Group-photo-Erev-Shabbat-Ki-Tavo-300x225Enquanto que 94 homens e mulheres Bnei Menashe voltavam para suas casas e famílias depois de percorrer o país de ônibus por 50 horas, e após terem estado afastados mais de um mês, a festa de Rosh Hashanah se aproximava. Mas, ao invés de descansar, a emoção dos 25 dias de estudo intensivo os influenciava e lhes dava forças. Havia aulas para preparar, ‘Tefilot’ (rezas) para liderar e comunidades para inspirar. Seus trabalhos como a “Nova Geração” de líderes da Shavei Israel na Índia, havia começado.

A Shavei Israel concluiu sua mais extensa formação de líderes Bnei Menashe. Jovens de várias partes da Índia – Manipur, Mizoram, Assam e Nagaland – assim como dois jovens de Mianmar (Burma), participaram do programa organizado e realizado sob a supervisão do Rabino Chanoch Avitzedek e Tzvi Khaute da Shavei Israel, e os Rabinos dos Bnei Menashe Yehuda Gin e Gurion Sela, todos que viajaram de Israel e lá estiveram durante todo o programa.

O emissário da Shavei Israel para os Bnei Menashe, Yochanan Phaltuel, também esteve lá e nos contou alguns detalhes. “A primeira semana do seminário foi realizado em Gangtok, uma cidade turística e a movimentada capital de Sikkim, o menor estado da Índia. Para a segunda e terceira semana do seminário, o grupo se mudou para Yuksam, um pequeno e tranquilo lugar.”

Yuskam é a base final de acampamento para alpinistas que vão escalar o Kanchandzongha, o pico mais alto da Índia, e o terceiro maior do mundo. “O lugar é muito bonito”, diz Yochanan. “Você pode relaxar e observar a natureza, sem perceber o quão rápido o tempo passa.”

Não que alguém teve tempo de olhar para as montanhas. A agenda lotada abordou uma vasta gama de tópicos básicos do judaísmo, incluindo Emuna (fé), Halachá (lei judaica), Chaguim (as festas) e o Shabat, assim como uma revisão completa das Mitzvot práticas diárias.

O grupo saiu para, pelo menos, uma grande excursão, para o topo de uma montanha que, como informou Yochanan, “estava cheio de sanguessugas! Assim, todos nós ficamos felizes de voltar às aulas.”

Havia também outras atividades recreativas, tais como artes, onde o grupo teve que criar a sua própria tábua para Chalá, um show de dança organizado pelas mulheres de Bnei Menashe, uma tarde de esporte e habilidades físicas, e até mesmo um ato mágico que terminou com uma pessoa engolindo fogo.

O seminário de Sikkim foi organizado especificamente com o objetivo de formar uma nova geração de líderes de Bnei Menashe. Muitos dos atuais líderes fizeram Aliá no início deste ano ou irão fazer nos próximos meses. “O seminário é em certo aspecto como ‘o primeiro’ seminário que conduziu Moshe no deserto, quando o povo saiu do Egito. A Shavei Israel continua a tradição do Sinai com os Bnei Menashe”.