Shavei Israel celebra Tu B’Shvat com as comunidades ao redor do mundo em 2015

Nesta mesma data no ano passado, o mundo judaico celebrou o Tu B’Shvat, o anual “Ano Novo das Árvores”, e as comunidades da Shavei Israel fizeram parte desta festa através de festas, plantando árvores e comendo muitas frutas e nozes. De Portugal à Polônia, de Bogotá à Beit Shemesh, as comunidades judaicas “perdidas” e “escondidas” tiveram sua porção de amêndoas, castanhas, azeitonas, damascos, figos e até mesmo um cranberry ocasional. Abaixo disponibilizamos as fotos e histórias de algumas destas celebrações.

portugal

Plantando uma árvore em honra a Tu B’Shvat, em Portugal

Portugal – o emissário da Shavei Israel para os Bnei Anussim em Portugal, o Rabino Elisha Salas, celebrou a festa com um novo grupo de estudantes da pequena cidade de Seixal, perto de Lisboa. Durante as festividades, foi exibido um filme chamado Milagre de Israel, que traça a história judaica de Avraham até o presente e, plantaram uma árvore em homenagem a festa.

O Rabino Ellis lidera um "Seder" de Tu B'Shvat na Polônia
O Rabino Ellis lidera um “Seder” de Tu B’Shvat na Polônia

Polônia – o emissário da Shavei Israel, o Rabino Yehoshua Ellis nos enviou algumas impressionantes fotos em preto e branco da festa de Tu B’Shvat que foi realizada em Katowice. O Rabino Ellis liderou um “Seder” de Tu B’Shvat – um costume cabalístico iniciado no século 16, onde diferentes frutas e nozes são consumidas juntamente com as bênçãos apropriadas enquanto que as histórias são contadas, destacando o significado espiritual de cada alimento. Trinta pessoas participaram. O Rabino Ellis liderou um segundo “Seder” na noite seguinte na cidade polonesa de Gilwice.

Judeus Subbotnik comemoram com o emissário Rabino Zelig Avrasin, em Beit Shemesh
Judeus Subbotnik comemoram com o emissário Rabino Zelig Avrasin, em Beit Shemesh

Como tem acontecido nos últimos anos, a comunidade judaica Subbotnik de Beit Shemesh organizou um “Seder” de Tu B’Shvat na sinagoga Netzach Menashe. O Rabino Zelig Avrasin, emissário da Shavei Israel para a comunidade Subbotnik – tanto em Israel quanto na Rússia – presidiu as festividades, que incluíram lanches, música e dois livros escritos em russo, especialmente para os judeus Subbotnik: o primeiro foi publicado no ano passado pela Shavei Israel para Tu B’Shvat, e um novo livro foi lançado sobre as tradições de Rosh Chodesh -o início do mês judaico.

Bogotá curte suas bananas em Tu B'Shvat
Bogotá curte suas bananas em Tu B’Shvat

Na foto à direita, você pode ver a comunidade dos Bnei Anussim da sinagoga Har Sinai, em Bogotá, Colômbia, comemorando com algumas boas bananas, típicas da América do Sul.

El Salvador celebra bonito o Tu B'Shvat
El Salvador celebra bonito o Tu B’Shvat

E na esquerda, uma foto da vizinha da Colômbia para o noroeste, El Salvador. A foto é do grande “Seder” realizado pelas comunidades de Bnei Anussim das cidades de Armenia e da capital do país, San Salvador.

Combinando o Ano Novo Chinês com Tu B'Shvat em Jerusalém
Combinando o Ano Novo Chinês com Tu B’Shvat em Jerusalém

Finalmente, voamos para a China… através de Israel. Nossas fotos da comunidade chinesa judaica que comemorou o Tu B’Shvat no ano passado foram, efetivamente, tiradas aqui na Terra Santa, onde alguns dos judeus chineses dos quais a Shavei Israel tem ajudado a fazer Aliá ao longo dos últimos anos, se juntou a um grupo da Universidade Hebraica, que incluiu estudantes da China que estão estudando em Jerusalém, além dos israelenses que estão matriculados no programa Hebrew U’s Chinese e Estudos da Ásia Oriental.

Judeus chineses comemoram Tu B'Shvat em Jerusalém
Judeus chineses comemoram Tu B’Shvat em Jerusalém

Juntos, eles celebraram tanto o Tu B’Shvat quanto o Ano Novo Chinês, que aconteceu no dia 19 de fevereiro, e como Tu B’Shvat, significa o início da temporada da primavera. Nas fotos, os judeus da China estão vestindo uniformes do exército e o estudante de terno e gravata, foi o mestre de cerimônias, traduzindo do Inglês ao Chinês. A noite foi patrocinado pela organização de Relações Públicas de Israel, Stand With Us, e incluiu uma dramática demonstração de Kung Fu. Mas o destaque foi claro quando os judeus chineses recontaram a história inspiradora de suas longas viagens, desde a pequena comunidade judaica de Kaifeng até se tornarem soldados orgulhosos e totalmente judeus das Forças de Defesa de Israel.

Lag BaOmer em Visoky

shaveiisrael
5/06/2013

Nosso emissário para a comunidade Subbotnik em Visoky, o Rabino Shlomo Zelig Avrasin, teve um intenso mês de abril, em sua comunidade.

Graças ao seu trabalho árduo, duas mulheres mais foram capazes de realizar suas respectivas conversões no tribunal rabínico de Moscou e mergulhar no Mikve naquele mesmo dia, sendo assim, formalmente reconhecidas como judias para o povo de Israel e elegíveis para fazer a Alyah para Israel.

Além disso, em comemoração a festa de Lag BaOmer, foi feita, após o Shabat, a tradicional fogueira aonde foram servidas abobrinhas e pimentas assadas, além de toda a cantoria de músicas com referência a “Bar Yochai”. Um costume único da comunidade é visitar o cemitério e os túmulos de seus entes queridos durante Lag BaOmer, o Rav Avrasin acompanhou as famílias e conduziu as orações.

Um interessante evento que ocorreu foi a surpresa do rabino que ao trocar uma Mezuzá em uma das casas do povoado, descobriu que ao invés do Klaf (pergaminho) de mezuzá, havia um Klaf de Tefilin!

A caminho da Russia, o Rabino passou por Varsóvia como um convidado da comemoração oficial do 70º aniversário da Revolta do Gueto de Varsóvia. Também, foi convidado para a inauguração do novo Museu Judaico da cidade e conversou com o diretor do centro sobre uma possível cooperação entre as organizações.

Trazemos aqui algumas fotos de todos estes bonitos eventos.

 

Shavei Israel celebra Hanukkah 2012 ao redor do mundo

Editado por Brian Blum – 17/12/2012

Talvez mais do que qualquer outro feriado do calendário judaico, em Hanukkah é celebrada a determinação do povo judeu em sobreviver. Dois mil anos atrás, um pequeno grupo de combatentes, liderados por Juda Macabeu, lutou contra os governantes helenísticos de Israel, que queriam assimilar o povo judeu com o Império Grego.

O Victoria resultando em muitas maneiras pressagia o renascimento do moderno Estado judeu independente. Além disso, dá esperança aos muitos indivíduos corajosos das tribos perdidas e ocultas comunidades judaicas, que atualmente lutam sua maneira de reivindicar a identidade judaica que lhes foi tirado.

Em honra do feriado, pedimos três membros de comunidades judaicas com as quais a Shavei Israel trabalha, que partilhem conosco suas histórias judaicas e o que Hanukkah significa para eles. Todos vem de uma parte diferente do mundo – Yitzchak Lhungdim é um Bnei Menashe da Índia, Jaume Floch i Mola é um Bnei Anussim da Espanha e Filtzgova Tova bat Avraham é uma judia Subotnik da Russia – mas todos hoje, são muito gratos pela oportunidade de poder abertamente celebrar o milagre de Chanucá este ano.

Na minha adolescência, eu nunca teria acreditado que o meu perfil corresponde a de uma pessoa religiosa ou mesmo alguém com uma minima consciência de sua relação com o Criador. Eu cresci em uma família católica, e quando tinha apenas 10 anos, concluí que nenhum dogma tinha sentido. Realizando uma extrapolação rápida, eu decidi que todas as religiões eram falsas. Logo segui um caminho racional “clássico”: na escola procurei um feedback sobre a verdadeira natureza da realidade em filosofia e ciência, e estudei física na universidade. Mas não encontrei o que eu queria.

Jaume Floch i Mola de Barcelona, Espanha (Bnei anussim)

Enquanto minha carreira específica progredia, fiz amizade com um casal de Barcelona. Ambos eram relacionados com a libertação política da Catalunha, e compartilharam uma profunda afinidade filosófica. Um dia, me disseram que se converteram ao judaísmo. Eu não entendi. Como poderia um casal tão educado e inteligente adotar o judaísmo, uma “religião”?

Esta aparente contradição quebrou meus anos de preconceito contra a religião e levou-me aos meus primeiros questionamentos sobre o judaísmo. Meu foco, no entanto, era muito impulsivo e desorganizado e levou-me a uma crise alguns anos depois. Eu decidi que deveria tentar mais profundamente, então eu comecei a freqüentar as aulas no Chabad de Barcelona. Então, ampliei minha participação para os sábados e mais tarde comecei a freqüentar aulas do Rabino Nissan Ben Avraham (emissário da Shavei Israel na Espanha).

Eu comemorei meu primeiro Hanukkah em 2009, no Parque Turo em Barcelona. Lembro da minha grande alegria de reviver a história dos Macabeus, que enfatizava a grande distinção entre a mentalidade limitada da nação pagã coerciva dos gregos e da luminosa e libertadora visão, centrada na Torá e no D’us de Israel.

Este Hanukkah, eu posso mais profundamente internalizar o conceito fundamental e as Halachot (Leis) da festa e comemorar com a comunidade judaica, em Barcelona. Vou me juntar novamente com o Chabad na Praça Sant Jaume para acender a menorah. Eu olho com grandes expectativas para tudo o que Hashem reserva para mim na minha jornada pessoal!

Chag Chanukah Sameach Kol Israel Am vontade [Hanukkah feliz a todo o povo de Israel]!

Yitzhak Lhungdim de Bongmol Tampak, Índia (Bnei Menashe)

Nasci em 1970 na aldeia Bongmil Tampak perto da fronteira da Índia com Myanmar (Birmânia). Mas apenas em 1997, graças a D’s, comecei a praticar o judaísmo quando, então, me tornei um membro da comunidade de Churachandpur, Manipur, principal centro da Shavei Israel para os Bnei Menashe na Índia.

Mesmo antes, eu me lembro uma vez quando eu era pequeno, que houve um terremoto e meu avô gritou “os filhos de Menashe ainda estão vivos!” Surpreendentemente, não houve danos.

Como eu me tornei mais envolvido com o judaísmo, não vivia perto da sinagoga, mas andava até lá – 4 ou 5 kilometros – todos os sábados. Pedi aos líderes da comunidade para me ensinar o judaísmo, e depois escrevia tudo o que ouvia. Eu estava tão feliz.

Em 2000, estabeleceu-se uma nova sinagoga em Churachandpur e foi nomeado cantor. Até então, eu sabia o suficiente para ensinar a comunidade por mim mesmo, sobre as leis judaicas e outras questões como, a forma de guardar o Shabat. Às vezes, inclusive, viajando para outras comunidades também.

Minha conexão com a comunidade judaica continuava a crescer. Em 2005, eu me casei com minha amada esposa, Leah. Então, em 2007, fui selecionado para participar do primeiro seminário de membros da Shavei Israel. O seminário foi realizado no Nepal e entre os professores incluiu o diretor da Shavei Israel, Michael Freund, o Rabino Hanoch Avitzedek (diretor do Departamento de Bnei Menashe), Tzvi Khaute (coordenador dos Bnei Menashe) e o Rabino Yehuda Gin, de Manipur e que agora vive em Israel.

Agora, com a bênção de Hashem e do trabalho duro da Shavei Israel, fiz aliá para Israel. Temos três filhas e um filho e vivemos perto de Jerusalém.

Celebrei Hanukkah pela primeira vez em 1997. Todos os membros da comunidade em Churachandpur acendaram as velas juntos. A história da festa e dos milagres me tocou – como Hashem ouviu aqueles que fizeram teshuvá e como ele ajudou os Cohanim, Matatias e seus filhos, ao lutar contra os gregos para salvar os judeus de seus inimigos.

Com a bênção de Hashem, vou passar este Hanukkah com minha família, com alegria e saúde, amor e felicidade em nossos corpos e almas. Hashem irá abençoar a nação de Israel e permitirá que aqueles na diáspora, façam aliá rapidamente em nossos dias. E que D’s possa abençoar a Shavei Israel por todo o trabalho feito com os Bnei Menashe. Amém!


Filtzgova Tova bat Avraham Voronezh, Rússia (judia Subotnik)

Eu cresci em uma pequena cidade da Rússia, nos anos 60, em um lugar com uma forte comunidade judaica. Nós éramos diferentes das outras comunidades rurais, porque eles eram particularmente coesivos, sempre realizando atos de amor, como se faz com a família próxima.

Quando criança, com uns 5 ou 6 anos, eu ia com os adultos as orações públicas recitadas em hebraico. Isso me deu um profundo sentimento de pertencer a algo secreto … e queria saber mais. Isto continuou quando era pequena e folheando o sidur me perguntava sobre a natureza das letras hebraicas que estavam escritas lá. Ou quando os adultos eram chamados na Torá na sinagoga e os nossos avós que se aproximavam de nós para nos beijar. Ou quando perguntava sobre o objetivo das mezuzot, que estavam nos batentes de nossas casas, e os adultos respondiam que havia algo, ou alguém, que protegia a casa à noite. Todas essas imagens permanecem na minha memória para sempre.

Manter a tradição não foi fácil quando o estado tentou nos “educar” no espírito do comunismo. Naqueles dias difíceis, nossos avós estavam tentando proteger o nosso futuro, com orações para D’s.

Uma das festas que celebrávamos era a Páscoa, o que era sempre divertido. Toda a nossa família, que não era pequena – 15 ou 20 pessoas – se reuniam para assar as Matzos. A linha de produção eram praticamente a de uma indústria – organizávamos um negócio em uma casa especial e as pessoas trabalhavam em turnos. Todas as crianças tinham uma tarefa importante – usávamos engrenagens de velhos relógios para fazer furos na massa. Estes preparativos eram como um feriado em si.

A festa mais deliciosa era, naturalmente, o Shabat. O sabor da comida esplêndida é inesquecível.

Quando o regime comunista, e os muitos anos que tentaram incutir em nós as idéias de Marx e Lênin, terminaram, foi a chama da fé pura, que os nossos antepassados nos concederam em nossa infância, que nos salvou e nos ajudou a seguir em frente, mesmo quando a sociedade ao nosso redor estava se desintegrando.

No início dos anos 90, a comunidade judaica de Voronezh, viajava 200 quilômetros a cada domingo para o nosso povo, para ajudar a reconstruir as bases da vida judaica. Nos ensinaram a ler e escrever em hebraico. Foi maravilhoso.

Aos poucos, começamos a organizar nossa escola judaica aos domingos, onde agora preparávamos a nova geração nos fundamentos do judaísmo e em hebraico. Agora, isso é feito sob a supervisão de nosso rabino Shlomo Zelig Avrasin (emissário da Shavei Israel na Rússia).

Quando eu penso sobre minhas primeiras memórias de Hanukkah, elas também são da minha infância. Fazíamos a menorah de batatas frescas, aonde colocávamos as velas de cera. Em seguida, era especialmente maravilhoso ficar em casa nas noites frias de inverno, e ver as velas de Hanukkah, enquanto ouvíamos o crepitar das toras no fogo. Sentíamos que estávamos no meio de um milagre, trazendo luz para a escuridão.

Então, já adultos, ganhamos uma menorá real, não de batata, com velas kosher. Nós celebramos com os judeus de Voronezh. O feriado foi quente e delicioso. E a tradição continua a cada ano.

Este ano vamos comemorar Hanukkah cheios de espírito. Vamos sentar em torno da mesa – todos, crianças e adultos – e desfrutar da luz da menorah. E, claro, comer sufganiyot, latkes e outros pratos deliciosos.

Chanukah Sameach!

 

Um Shavuot Subbotnik!

12A comunidade judaica Subbotnik de Beit Shemesh realizou uma festa “pré-Shavuot”, na semana passada antecipando a festa na qual se comemora Matan Torá – a entrega da Torá ao povo judeu, no Monte Sinai. O evento foi organizado pela diretora do departamento de Rússia e Europa Oriental da Shavei Israel, Esther Surikova.

O Rabino Zelig Avrasin, nosso emissário para a comunidade, foi o mestre de cerimônias desta noite que contou com uma refeição festiva (com o tradicional Bolo de Queijo de Shavuot) e uma atividade interativa sobre os Dez Mandamentos – cada participante recebeu um papel com o texto de um dos Dez Mandamentos e tiveram que decidir, e debater, entre eles como se posicionar na sala, por ordem de imporância.

Os participantes utilizaram o livreto de Shavuot em russo, que a Shavei Israel publicou, no ano passado, para as comunidades Subbotnik. Ouviram música israelense e também discutiram notícias atuais da comunidade que provenieram, Visoky.

Seguem abaixo algumas fotos do evento:

[nggallery id=325]

Os novos rechaçados da Russia

sobotnikim-english-fixed-301013_fAgora vou contar-lhes uma história tão absurda e incoerente que deve fazer o sangue ferver. Durante os últimos quatro anos, milhares de judeus russos foram impossibilitados de fazer aliá e se encontrarem com seus parentes no Estado judeu.

Pais e filhos são forçados a viverem separados devido a manobras burocráticas e irmãos são divididos por uma loucura do governo.

Continue reading “Os novos rechaçados da Russia”