Os sonhos: Utopia, profecia e realidade – Parashat Vaieshev

«E Yosef teve um sonho que contou aos seus irmãos, que o odiaram ainda mais do que antes. Contou-lhes: “Peço-vos que escuteis o sonho que tive. Estávamos a atar feixes no meio do campo, quando de repente a minha foice levantou-se e manteve-se de pé e as vossas foices inclinavam-se em volta dela, em círculo.” Então disseram: “Hás de reinar entre nós?” “Porventura hás de nos dominar?” E continuaram a odiá-lo, tanto pelos seus sonhos como pelas suas palavras. E teve outro sonho, e também o contou aos seus irmãos, dizendo: “Tive outro sonho. Eis que o sol, a lua e onze estrelas se prostravam perante mim.” E contou-o também a seu pai, que o reprendeu, dizendo: “Que sonho é este que tiveste? Por acaso eu e tua mãe prostrar-nos-emos diante de ti?” E os seus irmãos invejavam-no, mas o seu pai prestou atenção ao assunto…»  (Genesis, 37, 5-11)

A seguir às parashot Vaietze e Vayishlach, que se referiam ao nosso patriarca Yaacov, continuamos com o estudo das características e da importância que o livro Bereshit dá ao mundo dos sonhos, fenómeno que se repete nos seguintes livros da Torá. Os sonhos do Chumash que analisaremos são altamente significativos, tanto quando estes sonhos representam o presente, como quando constituem a causa que explica certos acontecimentos que hão de acontecer no futuro.

Todas as personagens do livro de Génesis sonham: Abraham põe o pacto em prática depois de ter caído numa sonolência; Yaacov, o nosso patriarca, com o seu sonho acerca do grande escadote, e o decifrador de sonhos, Yosef.

Todas a parashot que se referem aos nossos patriarcas caracterizam-se por uma surpreendente mistura de sonho e realidade. Por um lado, são-nos descritas as preocupações diárias no que diz respeito ao sustento, ao pão para comer e à roupa para vestir; a luta pela sobrevivência face à ameaça dos inimigos; a rutina do lar e do campo. Por outro lado, temos relatos sobre aparições, anjos, sonhos sobre coisas que não são deste mundo, promessas futuras, nomes simbólicos; tudo está entrelaçado de tal modo que não podemos distinguir entre sonho e realidade, entre pessoas e anjos, ou entre o passado e o futuro. Continue reading “Os sonhos: Utopia, profecia e realidade – Parashat Vaieshev”