Guarda e Coimbra

GUARDA

Na Espanha, os judeus já viviam desde eras remotas. Nos antigos pergaminhos encontrados em Qumran já se fala da presença judaica na Espanha.

Contudo, em Portugal, a região da Beira recebeu a primeira imigração judaica no final do séc. XIII, sendo Guarda o primeiro município que os recebeu.

Continue reading “Guarda e Coimbra”

Visita a Belmonte

Belmonte, Portugal

Depois de tantas aldeias desaparecidas, chegar Shabat em Belmonte, e ver a sinagoga Bet Eliahu, nos encheu de alegria. Entramos e nos surpreendeu a quantidade de pessoas que ali estavam. Nos contaram, então, que havia um passeio de israelenses que também visitavam Belmonte.

Continue reading “Visita a Belmonte”

Livro sobre a jornada de uma família Bnei Anussim da Espanha para Jerusalém – e o papel da Shavei Israel

Baruch Israel lembra que sua mãe costumava cantar o Hatikva, o hino nacional israelense, todas as noites antes de ir dormir, em Elda, na Espanha, onde Baruch cresceu. Era o sonho de sua mãe, Sarah, fazer aliá algum dia, sonho este que realizou em 2015 com seu filho e a avó de Baruch. Escrevemos anteriormente sobre o emocionante Bar Mitzvá de Baruch no Kotel aqui.

Continue reading “Livro sobre a jornada de uma família Bnei Anussim da Espanha para Jerusalém – e o papel da Shavei Israel”

A contribuição da Shavei Israel no resgate de Neda Amin

Neda Amin era uma blogueira iraniana que escrevia em persa para o site do Times of Israel. Como jornalista que criticava o regime iraniano, Amin deixou o Irã para a Turquia em 2014.

Alguns meses atrás, Amin entrou em contato com o Times de Israel com uma mensagem: sua vida estava em perigo. As autoridades turcas não gostaram do fato de que ela escrevia para um canal israelense e planejavam expulsá-la do país.

Continue reading “A contribuição da Shavei Israel no resgate de Neda Amin”

Perfil Aliá Bnei Menashe: Itzkhak Fanai – O Carpinteiro Cantante

Já ouviu falar sobre o carpinteiro cantante? Seu nome é Itzkhak Fanai e, junto com sua esposa e filho, estará fazendo Aliá (para Israel) no início de 2017.

Itzkhak é um dos 100 Bnei Menashe que imigrará do estado indiano de Mizoram no próximo ano com a ajuda de Shavei Israel. Conversamos com Itzkhak para conhecer mais sobre sua vida na Índia e escutar sobre suas expectativas em chegar a Israel.

Aizawl, a capital de arranha-céus de Mizoram
Aizawl, a capital de arranha-céus de Mizoram

Itzkhak, 30, recebeu este seu apelido através de uma combinação de sua profissão e seu treinamento religioso. Durante o dia, constrói estantes e armários. Nos finais de semana, é um cantor na sinagoga de Bnei Menashe em Aizawl, a capital conhecida como a “Hong Kong de Mizoram” (pelos seus arranha-céus surpreendentes no meio da Índia rural).

Como muitos Bnei Menashe, Itzkhak aproximou-se do judaísmo quando era adolescente, quando sua família descobriu suas raízes Bnei Menashe.

“Fiquei realmente espantado… e surpreso”, diz ele. Itzkhak ainda tem membros da família que não se juntaram à comunidade e que ele diz que “não entendem” a decisão de sua família de manter o Shabat, o kosher e as leis da pureza da família.

Felizmente, Itzhkak acrescenta que nunca foi discriminado quando abraçou o judaísmo e nunca experimentou nenhum anti-semitismo na Índia. O maior problema que a comunidade enfrenta atualmente, é o fato de não haver um shochet (ritual matadouro) em Aizawl – significando que não há carne kosher disponível.

Itzkhak espera continuar com sua atual profissão em Israel, assim que aprender o hebraico, mas está aberto a “qualquer trabalho decente que posso encontrar se surgir a necessidade.” Seus principais objetivos são “ser bom pai, fazer minha família feliz e cuidar do bem-estar de minha família, religiosamente e economicamente. Vou tentar o meu melhor para ser uma pessoa útil para a comunidade e para Israel. Estou pronto para ajudar os outros e para servir a nação judaica”.

Ele certamente já demonstrou isso na Índia: em 2013, Itzkhak participou do nosso seminário para os amigos da Shavei Israel em Sikkim, na Índia. Depois deste encontro passou a ensinar o hebraico e o judaísmo a outros Bnei Menashe.

Não é de surpreender, então, que seus talentos e dedicação estão sendo reconhecidos agora, colocando sua família no alto da última lista de Aliá. “Eu estive esperando para fazer Aliá por quase dez anos”, diz ele. “Foi difícil ver outros Bnei Menashe fazerem Aliá enquanto nós tivemos que ficar para trás. Mas a Shavei Israel nos deu esperança.”

Ele está muito animado com a possibilidade de “observar o Shabat e as festas judaicas, ‘pacificamente'” em Israel, além de “conhecer e rezar no Kotel” (o Muro Ocidental).

Caso você visite Nazareth, onde a família Fanai estará vivendo, e ouvir um carpinteiro praticando sua Chazanut (habilidades cantoriais), enquanto martelando as unhas, certifique-se de dizer olá. Pois, trata-se, sem dúvida, de Itzkhak Fanai.