Judeus e descendentes de Bnei Anussim celebram Purim na Itália, Portugal e El Salvador

Os judeus e Bnei Anussim das comunidades das quais a Shavei Israel trabalha na Itália, Portugal e El Salvador, entraram no espírito de Purim este ano – e os nossos fotógrafos conseguiram capturar o humor.

Vamos começar a nossa ‘turnê mundial’ pela Itália. Abaixo imagens do que aconteceu no início da semana passada em Palermo.

E aqui, o que rolou na comunidade italiana de Bnei Anussim de San Nicandro:

Viajando um pouco para o oeste, paramos em Portugal onde Purim foi comemorado com o emissário da Shavei Israel, o Rabino Elisha Salas:

Para nossa parada final, cruzamos o oceano e chegamos à El Salvador onde a comunidade de Beit Israel se destacou com dua festa de Purim:

Presidente da Shavei Israel: a Rainha Esther inspirou os judeus Anussim a preservarem sua fé

Fonte: JerusalemOnline

Em uma entrevista exclusiva com o JerusalemOnline, o presidente da Shavei Israel Michael Freund falou sobre a importância da história de Purim para os judeus Anussim que foram forçados a se converter ao catolicismo após a Inquisição espanhola, assim como seus descendentes.

Continue reading “Presidente da Shavei Israel: a Rainha Esther inspirou os judeus Anussim a preservarem sua fé”

Shavei Israel celebra Purim mundo afora!

Todas as comunidades de Shavei Israel celebraram alegremente esta última festa de Purim.

Aqui trazemos algumas fotos das celebrações nos diferentes países ao redor do mundo, para que possamos desfrutar junto com eles!

 

Espanha

No Beit Hamidrash – em nome Bernat Pomar – que a Shavei Israel abriu há alguns meses em Palma de Mallorca, celebraram Purim com uma saborosa e colorida refeição.

9a6586ea-a8a3-4547-bfae-e58b52ca7194-300x169 b54bdcff-2d2f-40b8-b04d-cf6d035c9b9c-300x169  f9ee5466-88e4-4579-887e-f8cd0a880913-300x225ca0b05fe-dbb0-402b-9238-eeb606ee7605-169x300

 

El Salvador

Nas comunidades de San Salvador e Armênia comemoraram Purim com todas as cores – este ano já com uma Megilá em cada comunidade!

Eliyahu-Franco-IMG-20160323-WA0024-300x169 Eliyahu-Franco-IMG-20160324-WA0034-300x169 Eliyahu-Franco-IMG-20160324-WA0061-300x169 Eliyahu-Franco-IMG-20160326-WA0004-300x239 Eliyahu-Franco-IMG-20160326-WA0005-300x225 Eliyahu-Franco-IMG-20160326-WA0009-300x180 Eliyahu-Franco-IMG-20160326-WA0012-300x225

 

Portugal

O Rabino Elisha Salas comemorou Purim com sua comunidade, aonde compartilharam a leitura da Megilá, dançaram em uma festa noturna e realizaram uma refeição festiva durante o dia.

DSC_0695-300x199 DSC_0709-300x199 DSC_0711-300x199 DSC_0724-300x199 DSC_0737-300x199 DSC_0750-300x199 DSC_0770-300x199 DSC_0802-300x199

 

Colômbia

As comunidades da Colômbia não ficaram para trás. O Rabi Shimon Yehoshua compartilhou a festa com a comunidade de Beit Hillel, em Bogotá.

MG_3963-300x200 MG_3994-300x200 MG_4006-300x200 MG_4022-300x240 MG_4033-300x207 MG_4040-300x208 MG_4080-300x200 MG_4116-300x200 MG_4136-300x230 MG_4148-200x300 MG_4200-300x200

 

Chile

No Chile, além das festas tradicionais, os membros da comunidade protagonizaram uma bela peça baseada na história da festa de Purim.

1-300x225 3-1-300x225 5-300x225 7-225x300 15-300x225

 

Polônia

Nossos três emissários na Polônia organizaram grandes festas em suas comunidades e desfiles pelas ruas do país que uma vez, foi palco de um dos maiores centros judaicos do mundo.

1510971_1179716688713084_4525825595705469112_n-300x201 12895520_1257033480991024_99265153_n-300x123 12439031_1182111435140276_5533632685559246703_n-300x201 1463143_1182111558473597_1339606239489910887_n-300x201 1390466_1182111178473635_4917417311933664821_n-300x201 11-300x225 8-225x300 3-300x225

 

Seminário em Israel

Jovens polacos experimentaram pela primeira vez a festa de Purim em Jerusalém. Além do mais, celebraram purim duas vezes de acordo com a tradição, uma em Tel Aviv e outra em Jerusalém!

20160323_184451-2-169x300 20160323_184842-2-169x300 20160323_204455-2-300x169 20160324_175009-2-300x169 20160324_194134-2-300x169 20160324_200402-2-300x169 IMG-20160325-WA0061-169x300

 

Bnei Menashe

Os Bnei Menashe da Índia sabem como celebrar uma festa: concursos de beleza, peças de teatro, refeições festivas e, claro, a leitura da Meguilá.

12799163_10154797462718636_6425270010395361764_n ggg gggg

Como os judeus guardavam o Purim durante os tempos da Inquisição?

Apesar da perseguição implacável, os judeus encontraram uma maneira de observar o Purim durante a Inquisição espanhola.

Em 1391, massacres anti-judaicos varreram a Espanha, fazendo com que judeus fossem obrigados a escolher entre se converter ao cristianismo ou serem assassinados. Cerca de 20.000 judeus espanhóis se tornaram cristãos durante este período e muitos mais continuaram a converter ao longo do século 15, sob coerção. No entanto, muitos desses judeus que foram convertidos sob a espada continuaram a praticar o judaísmo em segredo. Isso perturbou muito os espanhóis, que viram que muitos judeus “escondidos” continuavam a fazer parte dos altos escalões da sociedade espanhola, como já eram desde a Idade de Ouro da Espanha muçulmana.marranos-300x261

Deste modo, em 1492, a rainha Isabel e D. Fernando expulsaram do seu reino todos aqueles judeus acusados de seguirem praticando a fé judaica. Em um primeiro momento, a Inquisição espanhola foi criada para caçar os judeus que continuavam a praticar sua fé em segredo. Cerca de 165.000 judeus fugiram da Espanha, 50.000 foram batizados e algo como 20.000 morrem, tentando deixar a Espanha em 1492. Enquanto isso, 31,912 “hereges” foram queimados nas fogueiras da Espanha, e outros 17.659 foram queimados em efígie – ou seja, simbolicamente, substituídos por um boneco de pano. Para os judeus secretos, conhecidos como “Anussim” – conversos ou marranos – que viviam sob o jugo da Inquisição e, portanto, em constante medo de que seriam descobertos, a festa de Purim tinha um significado especial, já que a Rainha Esther também foi forçado a praticar o judaísmo em segredo.

Para os Anussim da Espanha, Portugal e América Latina, Purim não era um dia de festa com crianças fazendo barulho e adultos consumindo álcool. Pois, se celebrassem desta forma, seriam descobertos pela Inquisição. Ao invés disso, os Anussim, que corriam perigo de vida, jejuavam por três dias, assim como a Rainha Ester jejuou quando os judeus da Pérsia foram ameaçados de aniquilação.

Como resultado, a Inquisição utilizou o Jejum de Esther como um indicador de judeus engajando-se em atividades religiosas “proibidas”. Além disso, um jejum de três dias não era considerado saudável. De acordo com Gabriel de Granada, um garoto de 13 anos de idade, interrogado pela Inquisição no México em 1643, as mulheres de sua família dividiam os três dias de jejum entre elas. Leonor de Pina, que foi preso pela Inquisição portuguesa em 1619, registrou que suas filhas jejuavam por três dias, durante o dia, enquanto durante a noite, comiam. Contudo, quando comiam, se abstinham de comer carne.

Estudiosos dos Anussim sustentam a idéia de que os judeus secretos de Espanha, Portugal e América Latina viram no jejum particular de três dias como um substituto para as Mitzvot públicas de: ler a Megilá na sinagoga e enviar presentes com comida para familiares e amigos – sendo estas ações que chamavam a atenção da Inquisição. O professor Moshe Orfali da Universidade Bar Ilan afirma que os Anussim jejuavam, muitas vezes, como uma forma de demonstrar o seu remorso por serem forçados a violar a Torá.

Curiosamente, os Anussim também transformaram a rainha Esther em “Santa Esther,” como um meio de disfarçar sua fé judaica durante a Inquisição. Os Anussim frequentemente ofereciam todas as suas orações para esta “santa”. Assim, mesmo que os Anussim hajam perdido muito de sua herança judaica ao longo dos séculos, eles nunca esqueceram a Rainha Esther, ou as palavras da Megilá que proclamam: “E esses dias de Purim nunca deixarão os judeus, e sua lembrança jamais será perdida entre seus descendentes”.

 

Por: Rachel Avraham, traduzido do site UnitedWithIsrael.org

Não Perder a Cabeça em Purim

file_0Os conselheiros, e a mulher, de Haman, lhe disseram: “Se Mordechai é a semente dos Yehudim… você vai cair diante dele” (Ester 6:13). Este verso é, superficialmente, incompreensível: os conselheiros dizem “caso ele seja da semente dos Yehudim…”, parece que existe uma dúvida se Mordechai é mesmo um Yehudi, embora conheçamos a história de que o decreto para matar todos os judeus, se materializou, precisamente, pois este próprio Mordechai recusou-se a se curvar perante Haman (ibid. 3: 6). Sendo assim, como se explica que tanto sua esposa quanto seus conselheiros, falavam com Haman, como se não tivessem certeza da linhagem de Mordechai?

Para responder esta questão, devemos voltar para a história do primeiro pai desta nação, Avraham Avinu. D´us ordena a Avraham a circuncidar-se, mas ao invés de fazê-lo imediatamente, Avraham foi se aconselhar com três de seus amigos mais próximos. Dois deles sugeriram que ele não o fizesse e, apenas o terceiro disse-lhe para não se preocupar e cumprir com a ordem do Criador, sem medo (Bereshit Rabá 42:8). Isso é muito intrigante! Em primeiro lugar, por que Avraham resolve se aconselhar quando recebe esta ordem, algo que não o faz em nenhuma dos demais comandos que recebe de Dús?! E uma vez já pedido o conselho, por que Avraham não escuta a maioria de seus amigos e não circuncida-se?

Consideremos, antes, a situação que precede a este Comando Divino: o Criador havia realizado um pacto com Avraham, o famoso, “Brit Ben HaBetarim”. Este mesmo criador de todo o Universo o “convidou” a uma aliança, aonde Deu Sua palavra, lhe prometeu proteção, e lhe garantiu uma porção no Mundo Vindouro (Rashi, Bereishis 15: 1). O sentimento mais natural naquele momento seria de orgulho e presunção! Ele havia acabado de assinar um acordo com, nada mais e nada menos, que o Todo-Poderoso! Lhe foi garantido tudo o que é mais importante, tanto no âmbito físico como no espiritual. O que mais ele poderia querer? Como podia sair desta embriaguez que, certamente, lhe abateu após sentir tamanho êxito? Avraham não “perdeu a cabeça”, manteve a cabeça baixa e foi pedir um conselho, como dizendo: “Eu não sou importante”, pois o menor necessita conselhos. Ou seja, a Avraham não foi permitido se tornar arrogante. A prova é que Avraham não foi se aconselhar, por necessidade, e sim para humilhar-se, uma vez que ignorou a opinião da maioria. Isto mostra, que seu único interesse era diminuir-se em seus próprios olhos e não sentir-se importante. Portanto, o “conselho” de seus amigos é completamente irrelevante (pois de qualquer maneira ele tinha a intenção de realizar a vontade do Todo-Poderoso, como o fez toda a sua vida), o importante para ele, era, na verdade, o ato de pedir um conselho.

Voltando a Haman, assim lhe disseram, sua esposa e seus conselheiros: “Caso Mordechai seja um verdadeiro descendente de Avraham, que se rebaixou, de modo a não ficar convencido, então você não poderá ir contra ele… no entanto, se ele é como qualquer outro homem, que depois de ser exaltado e elevado, por ter usado o cavalo e as roupas do rei, se enche de orgulho, com certeza você poderá ir contra ele, que, você prevalecerá”. A realidade era que Mordechai sabia que o segredo era não deixar o sucesso subir à cabeça, assim como nossos Sábios que, após desfilar pela cidade como um herói, ele voltou a vestir seu saco (uma roupa que desperta a Teshuva – despertar espiritual) e voltou a jejuar (16a – Tratado de Megilá). Em outras palavras, Mordechai não se vangloriou de sua nova posição.

Uma boa semana e um Feliz Purim!!

Extraído da Drashá do Rabino Michael Perets