Duas toneladas de matzá enviadas de Israel para a Comunidade Judaica da Polónia

Publicamos a tradução do artigo publicado esta semana em Arutz Sheva.

A organização Shavei Israel envia duas toneladas de matzá para fornecer a pequena comunidade judaica da Polónia durante este Pesach.

A comunidade judaica da Polónia recebeu esta semana uma encomenda especial mesmo a tempo de Pesach: Duas toneladas de matzá de Israel. 1.692 caixas  de matzot Aviv, mais 90 caixas de matzá shmurá (“guardada”) feita à máquina e 45 caixas de matzá shmurá feita à mão, graças à organização Shavei Israel e ao seu diretor e fundador, Michael Freund.

Como a preparação da matzá exige uma supervisão muito rigorosa e a comunidade judaica da Polónia ainda é demasiado pequena para a poder efetuar,  costumam recorrer à matzá importada para a festa de Pesach, que, este ano, será a 19 de abril. A pedido do rabino máximo da Polónia, Michael Schudrich, o diretor da Shavei Israel, Michael Freund, concordou em patrocinar a compra e envio da matzá de Israel, que vai ser distribuída por cerca de uma dezena de famílias de toda a Polónia, incluindo Bielsko-Biala, Danzigue, Katowice, Cracóvia, Legnica, Lodz, Lublin, Poznan, Szczerczin, Varsovia e Breslávia.

A matzá, que os judeus comem em memória da pressa com que saíram do Egito durante o êxodo, vai ser usada em seders comunitários por toda a Polónia, e vai ser oferecida gratuitamente aos mais necessitados, como os idosos e pessoas doentes que não podem sair de casa, muitos dos quais são sobreviventes do Holocausto.

“Estamos muito gratos à Shavei Israel e a Michael Freund, que nos ajudam há muitos anos na educação judaica, por esta generosa oferta”, disse Monika Krawczyk, presidente da União das Comunidades Judaicas da Polónia.

Existem aproximadamente 4.000 judeus registados na Polónia hoje em dia, e há peritos que sugerem que pode haver mais dezenas de milhares por todo o país que até hoje ocultam as suas identidades ou que simplesmente desconhecem as suas origens familiares. Recentemente, um número cada vez maior dos chamados “judeus ocultos” tem vindo a retornar ao judaísmo e ao povo judeu. A Shavei Israel tem trabalhado ativamente na Polónia há mais de uma década, trabalhando em colaboração com o rabino máximo da Polónia, Michael Schudrich, e com os próprios “judeus ocultos”. 

“Pesach é uma festividade especial para todos os judeus do mundo. Aqui, onde a nossa comunidade passou por uma verdadeira libertação há 74 anos, da Alemanha nazi, e, depois, há 30 anos, por uma libertação menor mas igualmente verdadeira, da União Soviética, tem um significado particularmente especial. A matzá é o nosso símbolo destas libertações, tanto da antiga como das modernas. Graças à Shavei Israel, muitos judeus polacos vão poder contar com este símbolo da libertação neste Pesach”, explica o rabino Schudrich. 

“Para o número cada vez maior de polacos que descobrem as suas raízes judaicas”, disse o rabino Schudrich, “Pesach representa algo muito especial sobre a celebração da liberdade e o fim da escravidão ou da ocupação. A matzá representa essa liberdade, e cada judeu quer ter a sua caixa de matzá para Pesach. Graças à Shavei Israel, muitos judeus vão ter matzá este Pesach. Obrigado, Shavei Israel.”

“Temos muito gosto em fazer esta parceria com o rabino máximo da Polónia, o rabino Michael Schudrich, e com a Comunidade Judaica da Polónia, para ajudar a que todos os judeus da Polónia tenham matzá”, disse o diretor e fundador da Shavei Israel, Michael Freund. “Quase 75 anos depois de os alemães terem aniquilado mais de 90% dos judeus da Polónia”, nota Freund, “milhares de judeus em toda a Polónia vão juntar-se este ano para celebrar Pesach e comer a matzá, que simboliza a libertação e a determinação. Temos essa dívida para com os judeus polacos e para com o número crescente de polacos que estão a descobrir as suas raízes judaicas: estender-lhes a mão e ajudá-los.”

Existe uma sensação palpável de anti-semitismo na Polônia, de acordo com um de seus principais rabinos.

Crédito de la foto: BOZENA NITKA.

Yehoshua Ellis, o rabino chefe de Katowice, vive na Polônia desde 2010 como emissário do Shavei Israel. Ele se mudou para Warsaw, há três anos, onde também atua como chefe da missão rabínica para os cemitérios judeus na Polônia e como assistente rabino-chefe rabínica de Varsóvia, Michael Schudrich.

Ele disse que desde que as tensões começaram a aumentar entre Israel e a Polônia na sexta-feira passada, a comunidade polonesa sentiu que a grama foi pisoteada.

“Há uma citação famosa que quando dois elefantes lutam, a grama sofre”, disse Ellis ao The Jerusalem Post. “Os judeus da Polônia são a erva nessa luta”.

Ellis explicou que muitos poloneses obscurecem a linha entre Israel e os judeus. “A linha entre israelenses e judeus não é tão grande, se ela existe, e nós estamos vendo mais declarações anti-semitas desde sexta-feira, o que poderia levar a ações.”

Última sexta-feira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu foi citado na mídia israelense como tendo dito que “os polacos cooperou com os alemães” durante o Holocausto. Embora mais tarde ele emitiu um esclarecimento que ele não estava se referindo à nação polonesa ea todos os poloneses, Polônia determinada no domingo que o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki não participar da reunião de líderes da República Checa, Hungria, Polónia e Eslováquia de Visegrad. O encontro acontece em Israel. Na segunda-feira, a delegação polonesa se retirou completamente.

Ellis disse que, embora a principal mídia polonesa relatou sobre a situação no que ele considera uma forma profissional, comentários sobre artigos e comentários são surpreendentemente “grande” e “extrema”.

“Em geral, toda vez que há um artigo sobre qualquer coisa judaica, você tem comentários muito desagradáveis ​​sobre os judeus”, disse Ellis. “Mas ainda mais quando você tem um artigo sobre israelenses, judeus israelenses, difamando a Polônia.”

A situação causou ainda mais tensão interna dentro da comunidade judaica polonesa, porque os judeus poloneses, explicou ele, “têm identidades múltiplas e concorrentes

Ele contou como uma mulher, que havia se reconectado recentemente com seu passado judaico, entrou em contato com ele na sexta-feira e perguntou: “O que devo dizer aos meus filhos? Onde nós caímos nesta linha?

“Isso pode ser uma briga entre Israel e a Polônia, mas parece uma luta entre o mundo judeu e o mundo não-judeu polonês aqui, e isso cria um corte nas identidades judaicas de muitas pessoas”, disse Ellis, observando que a situação é ainda mais surpreendente porque a Polônia tende a ter uma das menores taxas de incidentes anti-semitas.

“Não consigo me lembrar de um ato de violência física anti-semita que aconteceu aqui há muito tempo”, disse Ellis. “Eu realmente amo Varsóvia, é uma cidade muito especial, embora realmente não haja muitos judeus, é uma cidade muito judaica.

Ninguém realmente sabe quantos judeus vivem na Polônia. As estatísticas variam entre cerca de 5.000 e cerca de 50.000.

“Ninguém sabe contar aos judeus da Polônia”, explicou Ellis.

Isso ocorre porque há muitas pessoas que são judias de acordo com a lei judaica, mas não sabem que são judias; seus pais poderiam tê-los entregue durante o Holocausto ou escondido sua identidade por razões de segurança. Há pessoas que se identificam como judias, mas cujas raízes judaicas são, como Ellis as descreve, “escuras ou fracas”. Há pessoas que se identificam como judias, mas certamente não são judias, e existem vários convertidos.

“É uma mistura estranha”, disse Ellis com uma risada.

A comunidade de Varsóvia é muito ativa. Todas as noites, de acordo com Ellis, estão disponíveis duas ou três atividades judaicas diferentes organizadas por Hillel, Chabad, o Museu Judaico, B’nai B’rith, Maccabi ou o JCC.

Após a declaração do recém-nomeado ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, de que “os poloneses bebem anti-semitismo do leite materno”, Ellis disse que os rabinos locais têm “tentado apagar os incêndios”.

Schudrich publicou uma carta hoje em que criticava Katz e disse que sua declaração “ofende os judeus poloneses que fazem parte dessa sociedade.

Ellis lembrou que esta não é a primeira vez que as relações entre Israel e a Polônia se estenderam. No início de 2018, a Polônia promulgou uma lei que dizia: “Quem alegar que a nação polonesa é responsável ou co-responsável por crimes nazistas cometidos pelo Terceiro Reich … estará sujeito a uma multa ou prisão de até três anos”. Esta lei levou a um aumento das tensões entre os dois países.

“A relação entre poloneses e judeus é imensamente complexa”, disse Ellis, observando que ele considera o valor central dos judeus como a verdade, enquanto os poloneses se concentram nos valores de Deus, honra e pátria, declarações impressas em suas bandeiras militares e parafernália oficial ..

“As duas nações têm valores fundamentais muito diferentes e somos obrigados a ter conflitos”, disse ele. “Nós só queremos que isso acabe em breve.

As comunidades Shavei Israel de todo o mundo celebram Chanukah

Chanucá, o festival das luzes, está aqui, unindo os judeus em todo o mundo por sua atmosfera mágica da alegria, esperança e antecipação como muitos anos antes. Vamos desfrutar juntos, dando uma olhada nos destaques da celebração de várias comunidades de diferentes países e continentes!
Começaremos com a Índia, onde os Bnei Menashe dos estados locais de Manipur e Mizoram estão se reunindo para acender as velas de Chanucá.

Manipur

Enquanto a maior parte do sobbotnik jude formados da ex-União Soviética ainda celebra Chanucá na diáspora, um grupo daqueles que já fizeram aliá a Israel visitou recentemente um shiur entregue pelo rabino Shlomo Zelig Avrasin em Beit Shemesh, onde vive a maior parte do grupo.

Os judeus escondidos da Polônia participaram de atividades organizadas pra eles pelo rabino Avi Baumol em Cracóvia e pelo rabino David Szychowski em Lodz.

Cracóvia

O rabino Elisha Salas, emissário da Shavei Israel em El Salvador, também compartilhou con nos algumas fotos de sua comunidade, bem como algumas fotos das comunidades de Honduras e Guatemala com as quais ele também está em contato.

Armênia

Beit Israel, San Salvador

Guatemala

Honduras

Colombia

As comunidades nas cidades de Bogotá, Cali, Medellin e Barranquilla também compartilharam as celebrações de Chanuka.
Entre as atividades em Bogotá entre os dias 4 e 6 de dezembro, a comunidade recebeu uma visita especial da missão do ministério da diáspora de Israel.

Bogota

Cali

O dia 9 de dezembro será realizado pela primeira vez no sul de Calí “A ILUMINAÇÃO DAS VELAS NA CHANÚQUIA GIGANTE”

Baranquilla

Medellin

Finalmente, o Rabino Avraham Latapiat, do Chile, nos envia algumas fotos de sua comunidade Aproveitando das férias.

Ensinando hebraico em Lodz, Polónia

Na semana passada chegou à comunidade de Lodz, Polónia, a professora de Hebraico Shosh Hovav, voluntária da Shavei Israel. Com grande entusiasmo, Shosh e o seu marido chegaram à Polónia na semana passada e foram muito bem recebidos pela comunidade de Lodz, onde foi iniciado um programa de estudos de hebraico para os membros da comunidade, abrangendo todos os níveis e idades.

Continue reading “Ensinando hebraico em Lodz, Polónia”

Televisão judaica pela internet – A primeira da Polónia!

Shalom.tv (szalom.tv, em polaco) é a primeira televisão pela internet (web TV) da Polónia. Transmitindo desde Lodz – uma cidade com uma longa tradição cinematográfica – o canal é gerido por profissionais: pessoas da comunidade judaica que são peritas em assuntos judaicos, e realizadores de cinema com muitos anos de experiência.

Continue reading “Televisão judaica pela internet – A primeira da Polónia!”

Celebrando o Dia da Lembrança do Holocausto com a Marcha da Vida na Polônia

Esta semana o mundocelebrou o Yom HaShoah – Dia da Rememoração do Holocausto. Na Polônia, o dia acrescentou significado à anual Marcha da Vida, onde milhares marcham dos campos de concentração de Auschwitz para Birkenau. O emissário da Shavei Israel em Cracóvia, Avi Baumol, descreve a marcha e o memorial deste ano.

Continue reading “Celebrando o Dia da Lembrança do Holocausto com a Marcha da Vida na Polônia”

O Surpreendente Ressurgimento Judaico em Chmielnik, Polônia – Uma cidade sem Judeus

Em uma pequena cidade polonesa de apenas 11.000 pessoas, sem um único judeu, um museu judaico “estado de arte” está sendo construído. Milhões de dólares foram investidos na restauração da sinagoga – de tirar o fôlego – da cidade. E agora, uma Mikvê (banho ritual judaico) de 150 anos, que o tempo tinha quase esquecido, foi re-descoberta.

Bem-vindo à Chmielnik, uma das cidades mais surpreendentes no centro-sul da Polônia.

O emissário da Shavei Israel para a Cracóvia, o Rabino Avi Baumol, recentemente visitou Chmielnik para tentar entender o que exatamente está acontecendo nesta pacata cidade. Ele foi convidado, pela cidade, para discursar como parte de um painel do evento “Um Dia de Judaísmo” – outra surpresa, levando em consideração a ausência de qualquer comunidade judaica em Chmielnik. O Rabino Baumol e outros participantes – um padre e um ministro – contaram apaixonadamente sobre “como os judeus e poloneses não-judeus podem trabalhar juntos e prosperar na Polônia,” relatou mais tarde o Rabino Baumol.

Chmielnik nem sempre foi assim. Antes da Segunda Guerra Mundial, mais de 80 por cento da população da cidade era judaica. Com base nas datas encontradas no antigo cemitério da cidade, os primeiros judeus chegaram a Chmielnik em 1565. A comunidade começou a florescer um século mais tarde, a partir de 1658, e a sinagoga foi, então, construída. Por volta de 1764, quando um censo foi realizado, haviam 1.445 judeus vivendo na cidade. O censo de 1897 mostrou que a comunidade já contava com 5.660 judeus. No seu auge, em 1939, a população judaica da Chmielnik alcançou 10,275.

Sem nenhum judeu em Chmielnik após o Holocausto, o que está por trás do ressurgimento na cidade, de uma notável memória institucional judaica? Piotr Krawczyk, um jovem polonês não-judeu, estava em seus 20 e poucos anos, quando, há 17 anos, encontrou um livro sobre Chmielnik. Krawczyk estava fascinado por conhecer mais da história da cidade, contudo, perplexo pela omissão de qualquer menção de que já houve uma próspera comunidade judaica. “Eu lembrei que meus avós me disseram que antes da guerra, haviam um monte de judeus aqui”, contou ao The Jewish Daily Forward.

Sentindo-se um sentimento de injustiça com a maioria assassinada da cidade, Krawczyk mergulhou profundamente nos arquivos da cidade. “A história dos judeus aqui é a história da cidade”, concluiu. Ele estava determinado a colocar a história judaica de volta no mapa de Chmielnik – e na auto-consciência da cidade.

Além do museu de U$$3 milhões e da restauração da sinagoga da cidade, Krawczyk estabeleceu o “Encontros com a Cultura Judaica,” um festival anual que comemora o passado judaico da cidade. Ele organiza programas para crianças de escolas locais e trabalha para preservar os restos dos cemitérios judaicos de Chmielnik. Seu livro, lançado em 2006, é o único deste tipo na história judaica da cidade.

O projeto do museu é impressionante, ocupando grande parte do antigo santuário da sinagoga, tem como peça central uma luz de fundo que reproduz, em alta escala, transparente, a bimá destruída, onde, certa vez, a Torá era lida. A parte das mulheres, construída com um teto de vidro, foi transformada em um pequeno centro de auditório com exposições. Perto dali, um restaurante de estilo judaico chamado Tsimmes serve pratos judaicos tradicionais como cholent, kugel, fígado picado e ganso assado (em referência aos tempos modernos, há também hummus no menu).

O discurso do Rabino Baumol aconteceu na recém transformada sinagoga-museu, mas o destaque, para ele, foi a inauguração do recém-descoberto mikvê. “Eles vão reformá-lo como parte do desejo de mostrar Chmielnik como uma importante parada na consciência polaco-judaica”, explica.

Na verdade, a cidade já se tornou uma parada popular no que é conhecido como a “Rota do Shtetl” para os visitantes que começam na Cracóvia buscando entender melhor a vida judaica polonesa no pré-guerra.

“Todo o evento foi muito bem feito, celebrando o diálogo e a tolerância,” acrescentou o Rabino Baumol. “Na minha apresentação, falei sobre Abraão como o pai de muitas religiões e a importância de todos nós seguirmos seus passos.”

Claramente, o espírito de Abraão está muito bem vivo em Chmielnik.

Seguem algumas fotos do evento “Um Dia de Judaísmo”, em Chmielnik:

Art-gallery Candles-in-museum In-front-of-wall-of-names Mikve-1 Mikve-2 Rabbi-Baumol-in-gallery Rabbi-Baumol-speaking Torah-scrolls