Pessach no Chile, Colômbia, El Salvador, Itália e Israel

Pessach terminou – deixamos a Matzá de lado até o próximo ano e o pão volta a frequentar nossas mesas. Mas não podíamos deixar de compartilhar com vocês algumas fotos enviadas para nós durante a festa, das comunidades da Shavei Israel em todo o mundo.

Continue reading “Pessach no Chile, Colômbia, El Salvador, Itália e Israel”

Judeus e descendentes de Bnei Anussim celebram Purim na Itália, Portugal e El Salvador

Os judeus e Bnei Anussim das comunidades das quais a Shavei Israel trabalha na Itália, Portugal e El Salvador, entraram no espírito de Purim este ano – e os nossos fotógrafos conseguiram capturar o humor.

Vamos começar a nossa ‘turnê mundial’ pela Itália. Abaixo imagens do que aconteceu no início da semana passada em Palermo.

E aqui, o que rolou na comunidade italiana de Bnei Anussim de San Nicandro:

Viajando um pouco para o oeste, paramos em Portugal onde Purim foi comemorado com o emissário da Shavei Israel, o Rabino Elisha Salas:

Para nossa parada final, cruzamos o oceano e chegamos à El Salvador onde a comunidade de Beit Israel se destacou com dua festa de Purim:

A primeira Sinagoga de Palermo em 500 Anos a ser inaugurada em Sicilia

Mais de 500 anos após a expulsão dos judeus da Sicília, a pequena comunidade judaica de Palermo deve comemorar a abertura da sua primeira sinagoga desde a Inquisição espanhola.

Em uma cerimônia que acontecerá na quinta-feira, 12 de janeiro de 2017, o Arcebispo de Palermo, Corrado Lorefice, transferirá oficialmente para a comunidade judaica uma instalação de propriedade da igreja e o mosteiro de São Nicolau Tolentino, que foi construída sobre as ruínas do Grande sinagoga de Palermo.

A data para a entrega também é significativa: o prazo para a expulsão de todos judeus da Itália (por ordem da Rainha Isabel I de Castela e do Rei Fernando de Aragão), 12 de janeiro de 1493.

“Desde que aprendi sobre a história da Sicília, meu objetivo foi estabelecer as bases para o estabelecimento da primeira comunidade judaica em Palermo em mais de cinco séculos”, disse o presidente da Shavei Israel, Michael Freund. “Isso é o que torna tão importante a cerimônia desta semana: vamos estabelecer, juntamente com o ISSE [Instituto Siciliano de Estudos Judaicos], a primeira sinagoga de Palermo e casa de estudo judaica, desde a expulsão. Estou muito comovido que esta, estará localizada ao lado de onde a Grande Sinagoga de Palermo uma vez esteve e eu sou grato ao arcebispo de Palermo por ter a visão e a coragem de fazer um grande gesto de reconciliação para com o povo judeu”.

A comunidade judaica local em Palermo é pequena, contando apenas com 60-7o pessoas, mas tem um líder dinâmico, o emissário da Shavei Israel, Rabino Pinhas Punturello, que será, agora, também, o rabino da nova sinagoga.

“É um milagre que depois de mais de 500 anos ainda haja pessoas em Sicília que orgulhosamente se agarram às suas raízes judaicas, testemunhando o fato de que nem a expulsão e nem a Inquisição foram capazes de extinguir a eterna centelha judaica de seus corações”, Freund disse. “Com a ajuda de D’us, os sons das rezas do Shabat e as orações judaicas voltarão a ser ouvidas nas ruas de Palermo”.

A abertura da nova sinagoga na Sicília tem recebido ampla cobertura da mídia. Aqui estão alguns dos artigos:

Jerusalem Post

Time of Israel

Israel National News

The Yeshiva World

Na foto acima: o Arcebispo de Palermo Corrado Lorefice (à esquerda) com o emissário da Shavei Israel para a Sicília, o Rabino Pinhas Punturello (à direita).

Palermo recebe os Bnei Anussim italianos em um Shabaton patrocinado pela Shavei Israel

Mais de cinquenta convidados de toda a Itália “desceram” para Palermo, a capital pitoresca da Sicília – ilha no sul do país, para participar de um Shabaton no fim de semana passado, organizado pela UCEI – União das Comunidades Judaicas Italianas e pela Shavei Israel.

Enquanto que a UCEI organiza Shabatonim semelhantes para a comunidade, duas vezes por ano, esta foi a primeira vez que tal encontro foi realizado em Palermo – em grande parte como um reconhecimento pelo trabalho que a Shavei Israel e seu emissário, o Rabino Pinchas Punterello têm fazendo com os Bnei Anussim da região, desde a nomeação do rabino, em 2013.

O objetivo da Shavei Israel no sul da Itália tem sido fortalecer as comunidades Bnei Anussim locais em pequenas cidades nas regiões de Puglia, Campania, Sicília e Calábria.

Os Bnei Anussim do sul da Itália são descendentes de judeus espanhóis que foram forçados a se converter ao catolicismo em 1492 ou escapar da Inquisição. Mas, quando os monarcas espanhóis capturaram a região um século mais tarde, uma nova série de perseguições começaram, incluindo novas conversões forçadas e expulsões. Apesar desta situação difícil em que viviam, os Bnei Anussim se agarram a sua identidade judaica, transmitindo-a de geração em geração. A Shavei Israel tem sido fundamental para alimentar o ressurgimento moderno dos Bnei Anussim no sul da Itália.

O Shabaton começou na quinta-feira à noite com um seminário especial sobre o tema “tzedaká” (caridade) na Universidade de Palermo. O seminário contou com apresentações e um painel de discussão com o Rabino Roberto Della Roca, diretor de cultura da UCEI; Gadi Piperno, que também representou a UCEI; Rabino Umberto Piperno, Rabino-Chefe de Nápoles; Leonardo Samona, chefe do Departamento de Ciências Humanas da Universidade de Palermo; e o Rabino Punturello. A professora da Universidade de Palermo, Luciana Pepi – um dos membros mais ativos da comunidade Bnei Anussim – foi a moderadora.

A Sexta-feira incluiu orações, um jantar de Shabat e um painel onde os membros da comunidade de Bnei Anussim contaram suas histórias pessoais.
“Foi muito emocionante”, comenta o Rabino Punturello. “Muitas pessoas na Sicília expressaram que, sem a Shavei Israel, a comunidade que já começamos a construir aqui, nunca poderia ser uma realidade”.

Apresentamos abaixo uma série de fotos antes e depois Shabat.

Seguem algumas fotos do seminário.

Abaixo algumas fotos da Havdalá na noite de sábado.

Os participantes do Shabaton também oraram na infame prisão Steri em Palermo, que serviu como sede da inquisição de 1601-1782, e uma célula de espera para os judeus que aguardavam sua terrível execução de morte na fogueira através do auto-de-fé. O Rabino Punturello começou, nos últimos anos, a celebrar as cerimônias de acender velas de Chanuká nas masmorras de Steri.

Aqui estão um par de fotos de um Shabaton anterior (o Rabino Punturello está no meio em ambas as fotos):