O que aconteceu com o “espírito de Entebe”?

Era uma vez, e realmente parece que aconteceu há muito tempo atrás, havia um Estado de Israel, o qual sabia atuar de forma decisiva para assim proteger seus cidadãos e castigar a seus inimigos.

Eu sei estimado leitor, que pode ser difícil para você acreditar, principalmente pelos recentes acontecimentos. Além do mais, Israel tem passado grande parte da última década ocupada em retroceder, rendendo-se ao terrorismo e deixando vastos territórios sob o controle palestino.

O cabo Guilad Shalit, passou o último ano no cativeiro em Gaza, em mãos palestinas. Já os residentes de Sderot e do Neguev ocidental esquivam-se de foguetes “Kassamim” diariamente. É por isso, que é fácil esquecer palavras como heroísmo, ousadia, e valentia, as quais, então, simbolizaram a forma na qual enfrentou nosso governo, o terrorismo.

Nenhuma destas qualidades, entretanto, apareceram recentemente na cúpula de Sharm el-Sheikh. Nela, o Primeiro Ministro Ehud Olmert aproveitou a oportunidade para garantir concessões e mais concessões a inútil e cada vez mais irrelevante Autoridade Palestina, na pessoa do Presidente Mahmoud Abas.

Após aceitar transferir centenas de milhões de dólares ao regime de Abas, e a fortalecer guerrilheiros do braço armado do Fatah, os quais são leais e ele (Abas), o Premier apresentou ao Presidente da Autoridade Palestina uma inesperada surpresa de despedida.

“Como um gesto de boa vontade aos Palestinos”, Olmert declarou: “decidi apresentar uma proposta, na próxima reunião de gabinete, para libertar 250 prisioneiros do Fatah, que não tenham sangue nas mãos”.

Em seguida, no tocante a resolução e recente determinação israelense, o primier insistiu que os terroristas do Fatah seriam libertados, somente si “firmarem acordos de não voltarem a converter-se em terroristas”. Ufffa! E eu que pensei que seriam liberados sem receber nada em troca.

Aparentemente, o Primeiro Ministro não se deu conta que se pode casar a liberação dos terroristas palestinos com a possível liberdade de Guilad Shalit, ou pelo menos, condicionar ou seguir avançando na frente diplomática em troca do retorno do cabo Shalit ao seu lar.

Em vez disso, o fato de que um jovem judeu israelense tenha sido seqüestrado a cerca de 12 meses por um grupo de assassinos, enquanto servia a seu país, foi tratado com desgosto e monotonia, em vez de um característico e fundamental princípio ético.

Vendo a lamentável atuação do Primeiro Ministro, é possível que lembremos o aniversário de um evento muito importante, o qual comemora três décadas esta semana. Este fato nos oferece uma recordação, justa e precisa, acerca de como devemos combater o terrorismo.

Fazem 31 anos, em 27 de junho de 1976, homens armados pertencentes a Frente Popular para a Libertação da Palestina (OLP), junto a alguns cúmplices alemães, seqüestraram o vôo 139 da Air France. Depois desviaram o vôo para a Líbia e em seguida para a cidade de Entebe em Uganda de Idi Amin.

Enquanto o mundo observava, os terroristas continuaram separando os passageiros judeus e israelenses, ameaçando matá-los caso prisioneiros palestinos seguissem sendo retidos em celas israelenses e não fossem libertados.

Entretanto, Israel não costumava ceder diante das exigências terroristas. Nenhuma cúpula internacional foi convocada em Sharm el-Sheikh, nenhum “gesto” foi dado aos terroristas, tão pouco nenhum imposto foi transferido aos seus cofres.

Em vez disso, Israel desencadeou devidamente, uma incursão militar no dia 4 de julho de 1976, libertando praticamente a todos os cativos e levando a situação a um repentino e dramático fim.

De uma só vez, Israel realçou seu rol de soberano e defensor dos judeus em qualquer lugar do mundo. Uma geração completa foi inspirada a acreditar que o povo judeu estava determinado a defender-se não importando as conseqüências.

O Resgate em Entebbe, foi assim, um poderoso símbolo para todo o mundo livre. O mesmo mostrou que com um pouco de coragem e iniciativa, e uma bela dose de força militar, o sinistro terror internacional pode ser derrotado.

Durante Anos, foi o “espírito de Entebbe” que guiou este país, e impediu aos nossos inimigos, sequer, pensar que os judeus e os israelenses eram presa fácil.

Olhando para atrás, é difícil acreditar a transformação ocorrida desde então. Em apenas três décadas, Israel deixou de ser um país que liberta reféns para ser um país que liberta terroristas.

Em vez de negar a negociação com os “meninos maus”, lhes oferecemos concessões unilaterais sem receber nada em troca.

Nos tempos de hoje, devemos tentar reviver o “espírito de Entebe” e inculcá-lo em nossa nação. As vidas judaicas, naquele tempo, eram consideradas o suficientemente preciosas, a tal ponto de correr o risco de receber uma condenação internacional em troca de salvar aos judeus em lugares distantes. Isto deve voltar a converter-se em um pilar da política israelense com respeito à segurança.

Abstendo-se de tomar as iniciativas necessárias para autoproteger-se, temendo qual seria a reação do mundo, Israel está efetivamente dando mais importância à opinião pública internacional do que as vidas e ao bem-estar de seus cidadãos. Este cálculo, não é apenas imoral, mas também é míope e perigoso.

Assim como Entebe demonstrou, o triunfo sobre os terroristas não provem quando um cede diante deles, senão quando os mesmos são forçados a render-se.

Somente recuperando o espírito de triunfo e fortaleza contraído em Entebe, e defendendo-nos de nossos inimigos, poderá Israel dissuadir aos terroristas de não cometerem mais atrocidades.

Quão mais brevemente nosso governo adote este básico enfoque, mais seguros estaremos.