O Rabino Nissan ben Avraham e os Bnei Anussim!!

Lugar: a cidade de Barcelona na Espanha.

Tempo: aproximadamente 500 anos atrás.

Um grupo de pessoas entrou em segredo em um dos prédios não tão aparente em uma ruela a beira da cidade. O trajeto até o lugar não foi fácil, e o tempo todo se viravam para trás para ver se as pessoas que os perseguem, não estavam nos seus rastros.

As dezenas de pessoas que se amontoaram no sotão do prédio, não chegaram alí juntas. Cada uma veio de seu próprio lugar, e até mesmo tentou aumentar o trajeto o quanto possível, e tudo para esconder o destino e o objetivo de sua ida até alí.

Eles chegaram alí com o objetivo de participar de uma aula de Torá, o que era proibido a eles de acordo com as regras que lhes foram impostas pelo governo em seu país.

Eles eram os “anussim”.

Os judeus “anussim” eram, como sabemos, judeus para todos os efeitos, que escondiam em público sua religião, após restarem-lhes somente duas opções: ou abandonar sua terra natal, a Espanha, ou converter-se ao catolicismo e abandonar sua religião, e assim poderiam ficar na Espanha e viver por longas e longas gerações. A maioria dos judeus que respeitavam a lei, optaram obviamente, por abandonar o país. Porém, muitos deles resolveram aceitar a segunda opção e converteram-se, mas apenas de modo aparente, e as escondidas, estes judeus continuavam a praticar as mitzvot (preceitos de D-us), e são eles os denominados “anussim”.

Hoje em dia, Sefarad (Espanha em hebraico) e outros países ao seu redor, estão repletos de pessoas que afirmam ser descendentes dos “anussim” (bnei anussim – descendentes de marranos ou anussim). Grande parte deles, até mesmo, sustentam a prática, durante gerações, de alguns costumes, como acendimento das velas e outros, e isso para provar que eles são realmente desrav-nissancendentes dos “anussim”. Porém, obviamente, devido os anos que se passaram, já não é mais possível comprovar quem realmente é filho de uma família judaica de anussim e que não tenha se assimilado durante essas gerações.

O Rabino Nissan ben Abraham, ele próprio é descendente dos “anussim”. Quando ele descobriu esta realidade, fez de tudo para retornar as suas raízes judaicas anteriores. Ele viajou para Israel, ficou por aqui por alguns anos, e finalmente fez a conversão de acordo com a “Halachá” (lei judaica) e hoje é um judeu temente aos céus e respeita as leis. Há dois anos atrás, começou o Rabino ben Abraham, a ocupar a função de “Rabino dos descendentes de Anussim”, esta função é muito especial, pelo interesse e a sede que existe entre os “bnei anussim”, em aprender e conhecer mais sobre o judaísmo, a religião que seus antepassados respeitavam e pertenciam e que tiveram de abandonar para não perder suas vidas.

“Nasci no ano 5718 (1948) em Maiorca”. Maiorca, explica o Rabino Nissan ben Abraham, é um ilha no Mar Mediterrâneo, em frente as praias espanholas e faz parte do território nacional espanhol. É um paraíso turístico visitado por muitos turistas o tempo todo. A cerca de 600 anos, houveram em Maiorca levantes anti-judaicos, partindo dos habitantes católicos da ilha. Nesses levantes, a comunidade judaica foi praticamente dizimada. Quase todos os judeus foram mortos e os que sobreviveram resolveram converter-se ao catolicismo, mas é claro que os seus corações continuavam judeus e tentavam, a medida do possível, continuar praticando o judaísmo as escondidas.

Até o ano de 1661 existem comprovações claras de que os “anussim” praticavam o judaísmo na ilha de Maiorca. E isso é possível aprender de um simples fato – até então a Inquisição praticava os Autos de Fé contra os “anussim” em Miorca. No ano 1690 morreram 36 judeus anussim pela mão dos inquisidores em um Auto de Fé, situação que deixou os anussim sobreviventes e que ainda resistiam, em uma situação difícil e eles procuraram, a partir daí, não mais “irritar” os inquisidores. Assim, a partir desta data, não houveram mais Autos de Fé, o que presumi que não haviam mais judaizantes (pessoas que praticavam o judaismo) na ilha.

A comunidade de descendentes de “anussim” de Maiorca hoje em dia tem cerca de 10000 pessoas. É nessa comunidade que cresceu o Rabino Nissan ben Abraham até seus 20 anos. “Todos os descendentes de “anussim” que vivem na ilha hoje, são católicos fervorosos, porém eu pessoalmente sou considerado entre os habitantes da ilha, judeu, e é melhor que seja assim. O tempo todo os católicos nos consideravam como judeus, na igreja chamavam os “anussim” de “judeus” e nos xingavam. Apesar de não termos nunca sofrido nenhuma violência física, sempre fomos tratados diferentes e com inferioridade pelos habitantes católicos da ilha.

“Pelos sobrenomes, que são exatamente 14, era possível saber quem eram os “anussim”, e essa separação clara persistiu por mais de 500 anos. Apesar de algumas outras famílias terem se misturado com os católicos da ilha, essas 14 famílias específicas foram discriminadas e não conseguiram se livrar de seu carma, e eu digo graças a D-us”.

“Meu pai, foi um dos primeiros que se casou com uma mulher fora do grupo, fora da comunidade após 600 anos que eles não se misturavam. Assim, ficou claro que para que eu me tornasse judeu de fato, teria que passar pela conversão, o problema é que naquela época eu não sabia disso. No ano 1970 fundaram na ilha uma comunidade judaica da linha conservadora, mas que os judeus pareciam mais ortodoxos que conservadores. Passei a frequentar a comunidade, depois que os seus membros me receberam de braços abertos.

O rabino Ben Abraham tinha então somente 14 anos, e os membros da comunidade estavam preocupados com o que poderia pensar o governo da ilha, e no que estariam “doutrinando” aquele rapaz de 14 anos. Logo, pediram a ele que trouxesse uma autorização de seus pais para fazer parte nas orações, eventos e festas comunitárias. Quando o rabino contou a seus pais sobre sua frequência nas atividades da comunidade, eles não responderam, ele então, entendeu que o fato de não opinarem era uma autorização para continuar frequentando.

“Quando terminei o meu serviço militar em Maiorca com 20 anos, fiz minha Aliah (imigração para Israel), e fui viver na cidade de Afula onde estudei durante um longo tempo para fazer o meu Guir (conversão). Quando terminei o meu processo de conversão, continuei para os estudos de rabinato e consequentemente ao final deste, recebi a Semichá (documento formal) de Rabino do Rabinato Chefe de Israel”.

Hoje em dia o Rabino Nissan Ben Abraham, mora em Shiló em Shomron (Samária), está casado e é pai de 12 crianças.

“No início trabalhei como professor no ishuv (pequenos vilarejos onde vivem famílias de colonos na Judéia e Samária) e também fazia serviços como Sofer Stam (pessoa capacitada pelo Rabinato para escrever objetos sagrados, como Tefilin, Mezuzot, Meguilot, Sefer Torá). Hoje em dia trabalho na Organização Shavei Israel presidida por Michael Freund, a cerca de dois anos. Viajo durante duas semanas todo mês, nesse curto espaço de tempo tenho que estar em quatro ou cinco cidades diferentes, encontrar-me com descendentes de “anussim”, ensinar-lhes judaísmo e suas leis. Explico-lhes o que é o povo de Israel e qual o objetivo de cumprir as Mitsvot. Conheço, portanto, essas pessoas e posso afirmar que existem entre eles, famílias inteiras que tem casa cem por cento kasher, mas que não são famílias judias de acordo com a halachá, ainda”.

O Rabino Ben Abraham afirma também que “existe uma diferença primordial entre as comunidades de “anussim” da Espanha e da Ilha de Maiorca. Maiorca era um lugar fechado, que deixa claro que os “bnei anussim”, casaram-se somente entre si, endogamia mesmo, e na minha opinião 99% dos descendentes de “anussim” na ilha são judeus mesmo, tanto que inúmeras vezes não pude sequer pedir-lhes que acendam a luz pra mim no Shabat. Entretando, os “benei anussim” da Espanha, talvez tenham preservado alguns costumes, mas não existe porém, nenhum testemunho de que tenham se casado entre si, ou que a mãe sempre se manteve judia. Por isso digo, na minha opinião, que ao contrário de Maiorca, 99% dos descendentes de “anussim” na Espanha não são judeus de acordo com a “Halachá””.

Especialmente na Ilha de Maiorca, onde existe um número grande de pessoas que pertencem ao grupo de descendentes dos “anussim”, e eles são quase que certamente judeus, essas pessoas não tem nenhuma intenção ou vontade de retornar a cumprir as mitzvot e isso porque? Eles ainda tem muito medo! Mesmo após, centenas de anos eles ainda tem muito medo. Explica o rabino Ben Abraham: “este medo existe sem nenhuma dúvida, mas não deveria existir por que não tem nenhuma lógica, quando falo sobre esse assunto com os anussim, eles negam completamente, e pra mim essa é a prova, pois eles tem medo do que dirão os seus vizinhos. Eu, obviamente, não posso andar pelas ruas dizendo para os bnei anussim voltarem a cumprir as mitzvot, é possível apenas dar aulas para aqueles poucos que nos procuram, na esperança de que eles divulguem e espalhem o que aprendem para as outras famílias de bnei anussim e quem sabe assim possamos trazer mais e mais almas judias que estão afastadas da prática das mitzvot”.

A Bíblia dos Anussim

LADINAR E ALJAMIAR

Parece que durante séculos os judeus espanhóis trataram de “ladinar” os textos sagrados originais em hebraico para o castelhano. O verbo “ladinar” significa – traduzir em ladino, ou língua românica falada nos países ibéricos. Para isso se poderia utilizar de duas possibilidades: o aljamiado, ou seja, escrever a tradução espanhola em letras hebraicas ou árabes (do árabe “Achami” – estrangeiro) ou escrevendo diretamente no alfabeto latino.

Tudo isso sugere que, embora o interesse nos textos judaicos sagrados fosse grande, já há muito tempo o hebraico original não era acessível, pelo menos não no nível popular (a maioria dos judeus de Castela não falavam hebraico).

Estes mesmos judeus após terem sido expulsos pelos Reis Católicos, em 1492, continuaram falando o castelhano e sentiam a necessidade de estudar os textos sagrados neste mesmo idioma.

‘ESPANHÓIS E PORTUGUESES’

Aqueles que chegam em Portugal na esperança de encontrar um novo lar onde pudessem praticar sua fé ancestral, são forçados pelo rei D. Manuel a se converter ao cristianismo. Muitos conseguem fugir para a Holanda aonde, embora chamados de ‘Portugueses’, continuaram falando o castelhano, inclusive, por várias décadas.

a1Contudo, o neto dos Reis Católicos, Carlos, torna-se regente dos Países Baixos, antes mesmo de se tornar rei de Castela e imperador da Áustria, e os exilados ‘Portugueses’ começaram a sentir a perseguição religiosa. Muitos destes continuaram sua jornada rumo a Itália continental e de lá ao Império Otomano para a segurança que Suleiman, o Magnífico, lhes conferia.

FERRARA

Uma das cidades italianas que abriram suas portas para estes fugitivos foi Ferrara, a primeira cidade moderna da Europa, às margens do Rio Pó. Esta tinha uma reputação como protetora dos expulsos da Espanha, já que em 1498 o Duque Hércules I d’Este, havia publicado um privilégio para os judeus espanhóis. Também chegou a esta cidade a família Abravanel e muitos outros judeus que tinham sido expulsos do reino de Nápoles, quando Charles I, em 1541, procede com a expulsão definitiva dos judeus, assinada por seu avô Fernando, o Católico. A partir de 1534, quem governou Ferrara foi o Duque Ercole II (ou Hércules) d’Este, filho de Alfonso I e da maquiavélica valenciana Lucrécia Bórgia (ou Borgia, em italiano).

Mais de cem anos após a invenção da imprensa por Johannes Gutenberg, por volta de 1450, já haviam centenas de bimpressoras em toda a Europa. Em 1553, dois exilados que haviam chegado em Ferrara, o “espanhol” Jeronimo de Vargas e o ‘Português’ Duarte Pinhel, de acordo com seus nomes “cristãos”, ou Yomtov Atías e Abraão Usque, em seus nomes hebraicos, imprimiram um Tanach (a Bíblia judaica), tão necessário para os fugitivos, na nova impressora hebraica que Usque tinha acabado de adquirir.

A BÍBLIA DE FERRARAb

Este Tanach é conhecido como “A Bíblia de Ferrara”.

O subtítulo do livro diz:

“Bíblia em Língua Espanhola traduzida palavra por palavra do Hebraico verdadeiro por muitos excelentes estudiosos, Vista e examinada pelo Santo Ofício da Inquisição. Com o ilustríssimo privilégio do Senhor Duque de Ferrara”.

Pouco tempo depois, em 1569, o cristão Casiodoro de Reina a usou como um importante recurso para a tradução chamada de a “Bíblia do Urso” ou “Bíblia Reina-Valera”. E assim afirma Reina em seu prefácio, onde ele diz:

“Da velha tradução espanhola do Antigo Testamento, impressa em Ferrara, que nos ajudou com tais necessidades mais do que qualquer outra que vimos até agora, não somente porque ela se mostrou mais bem sucedida do que outras em casos semelhantes, mas por nos dar o significado original e natural das palavras em hebreu, e as diferenças dos tempos verbais, como estão no mesmo texto,uma obra digna de maior valor (à juízo de todos os que a entendem) dentre as quais existem hoje: e por este apoio tão singular, do qual as outras traduções não gozaram, esperamos que a nossa não seja, pelo menos, inferior à qualquer uma delas”.

c1A BÍBLIA ANUSSIM

A edição foi impressa com pouco mais de 400 páginas de 4°, com duas colunas cada página e tipo de letra gótica, que era a mais popular na época.

Em sua introdução, Abraham Usque e Yomtov Atías expõem que, a tradução é feita ‘verbo por verbo’, ou seja, palavra por palavra, ‘e sem trocar uma palavra por duas, o que é muito difícil (para o leitor). Também buscam preservar a ordem das palavras do texto hebraico “nem antecipar e nem postergar umas as outras… mesmo que, para alguns, a linguagem possa parecer estranha e bárbaro, muito diferente da polida que se usa em nosso tempo”. Eles afirmam também que nela usaram “a linguagem utilizada pelos antigos hebreus espanhóis: que, apesar de algo parecer estranho mesmo para o hebraico, tem suas bases na antiguidade”.

A edição saiu duplicada pois alguns livros foram assinados por Jeronimo de Vargas e Duarte Pinhel e dedicados ao Duque Ercole, e outros os nomes eram Abraham Usque e Yomtov Atías e dedicados a Doña Gracia Nací (Nasi), o que demonstra a dupla personalidade dos infelizes exilados. Por um lado, sua lealdade ao duque e a identidade falsa de novos cristãos, e po outro, o agradecimento a princesa judia pelo apoio e suas verdadeiras identidades de judeus observantes.

Usque continuou publicando até 1558, livros de oração e de judaísmo em castelhano para Cristãos Novos que passavam por Ferrara, Veneza e outras cidades italianas em suas jornadas ao Império Otomano, onde podiam retornar à sua fé ancestral abertamente. Para ele, estes necessitavam destes livros para instruí-los no judaísmo, uma vez que os que tinham haviam perdido ou tinha sido danificados.d

Esta mesma Bíblia de Ferrara oferecia em seu prefácio para ‘o leitor’ uma lista dos livros que compõem a Bíblia com a tradução hebraica, a especificação de cada capítulo desde o livro de Bereshit até Neemias (situado após Divre Hayamim), a lista do Salmos em ordem alfabética em castelhano, os eventos e festas no ano de acordo com o livro “Seder Olam”, e muitos outros detalhes da história do povo de Israel incluídos no Tanach e mesmo de após ‘la desolación de la Casa’ (A Destruição do Segundo Templo de Jerusalém). Ao falar sobre os mais recentes eventos, a data se referia como ‘la desolación de la Casa’, ou seguindo a “criação do mundo”, para não seguir o calendário cristão. Ele também incluiu a lista de ‘Haftarot’ (Hafṭarot – trechos de livros dos Profetas que se lê aos sábados na sinagoga após a leitura da porção semanal da Torá). Indica as conclusões ‘petuchá’ (ponto) e ‘setumá’ (ponto que segue) tradicionais judaicas, com um C maiúsculo, e no lugar do Tetragrama escreve um A maiúsculo pontilhado (letra inicial do tradicional nome usado pelos judeus para se referir ao Criador: A’donay). Usa também a expressão judaica ‘Dio’ (Deu) sem o ‘s’ no final, para assim não escrever o nome inteiro.

Chega até a indicar um calendário que mostra se as Parashiot (Trechos semanais da Torá) se leem em conjunto ou separadamente, desde o ano 5313 (1553) até 5380 (1620), sendo assim, um período de 67 anos, talvez mais do que suficiente, em sua opinião, para voltar a aprender hebraico e voltar a vida judaica plenamente.

Encontramos, portanto, nesta Bíblia, não apenas um enorme tesouro de traduções precisas das palavras hebraicas para o castelhano, algumas tão frequentes nesta mas tão raras hoje em dia, como ‘Barragán’, que significa “forte”, ou o verbo ‘muchiguarse’ que significa ‘multiplicar-se’ e muitas outras expressões de museu, mas também, encontramos aqui uma fonte abundante de água para saciar a sede dos que procuram ver a perspectiva judaica das passagens bíblicas. Uma vez que, muitas vezes, como indicado no póprio prólogo, acrescenta-se uma ou duas palavras entre parênteses para dar a interpretação correta sobre a passagem, sempre partindo do ponto de vista rabínico e, geralmente, de acordo com a tradução do aramaico feita pelo sábio Onkelos.

Deveríamos nos dedicar, acredito eu, em publicar este preciosa Bíblia, agora com letras mais confortáveis para a leitura do que as letras góticas que permitem confundir o ‘s’ com o ‘f” e vice- versa e, onde o ‘u’ e ‘v ‘ estão escritas da mesma forma, para assim, disponibilizar ao público os tesouros escondidos nesta jóia dos Sefaradim Anussim.

Você pode conferir a versão facsimile no seguinte link: http://www.larramendi.es/i18n/catalogo_imagenes/grupo.cmd?path=1001869&posicion=1

Quem se lembrará de nós?

Quem se lembrará de nós?

perseguidos e difamados,

angustiados e forçados.

Forçados a adorar falsos deuses

que nos são estranhos.

Pois Um é nosso Deus

Quem nos irá resgatar

da infâmia e do esquecimento?

Quem se adequará a nossa mesa

na presença dos nossos inimigos?

Anseio de redenção liberdade dos cativos

A ti clamamos, Deus abençoado

nos leve a um lugar de pastos delicados

e deixe-nos descansar!

Ariel Lozano é um músico e poeta, membro do grupo de estudo com o rabino Nissan Ben Avraham da Shavei Israel na área de Valência.

 

Opinião: Deixem de comparar a perseguição política no Brasil com a Inquisição!

Por Dov Z.

 

“INQUISIÇÃO?”marquise_de_brinvilliers

Me parece que o termo que tem sido utilizado no Brasil por alguns intelectuais, formadores de opinião e políticos para comparar a “perseguição política” que tem acontecido no Brasil, não tem sido feliz e chegou o momento de criticar isso.

Quero deixar claro que NÃO SE TRATA DE POLÍTICA, NEM DE LADOS E NEM DE PARTIDOS. Se trata de uma estratégia que tem se tornado cada vez mais comum para que, aqueles que se sentem ameaçados, exagerem suas posições de vítimas para tentar atrair a opinião pública.

No caso, o termo “inquisição” tem aparecido muito nos noticiários brasileiros em relação as investigações da Lava-Jato e não se referindo a sua verdadeira conotação histórica, da qual, pelo contrário, não se fala sobre isso. Este tabu histórico foi sempre mantido a distância no Brasil, por se tratar de um tradicional país cristão.

Mas agora o termo está nas manchetes. E as vítimas da Inquisição merecem que a justiça seja feita e que aqueles que se dizem vítimas desta “inquisição” moderna, agradeçam a D’us por não estar vivendo esta realidade.

A verdadeira “Inquisição” começou, oficialmente em 1478, com o Papa Sisto IV, como resultado de perseguições aos judeus que já vinham ocorrendo por mais de 100 anos pela Europa. No século anterior comunidades judaicas, especialmente da Espanha, como Toledo, Sevilla, Córdoba e Barcelona, foram cruelmente profanadas e os judeus, assassinados. Calcula-se que cerca de 50.000 judeus foram assassinados nestes ataques e outras dezenas de milhares, forçados a abandonar a fé de seus pais e as práticas diárias, para adotar uma religião da qual não acreditavam, vendo-se obrigados a mudar seus hábitos e costumes.

A “ironia” foi que depois de forçar todos os judeus a escolherem entre a cruz ou a espada (o cristianismo ou a morte), a Igreja, decidiu que a conversão dos judeus não havia sido “suficientemente” boa e o Papa Sisto IV, sob incentivo dos reis Fernando e Isabel, criou os “Tribunais da Inquisição” que, basicamente, julgavam a “sinceridade” das conversões feitas pelos judeus. Ou seja, não somente aqueles que fizeram a “triste” escolha de permanecerem vivos, eram obrigados a se converter, estes eram obrigados a querer se converter (!).

Em 1483, os tribunais da Inquisição começaram a se tornar ainda mais violentos e prender e queimar cada vez mais “cristãos-novos”, acusados de praticar o judaísmo escondido.

Em 1492, Fernando e Isabel se decepcionaram com o fato de que muitos judeus estavam preferindo viver e se converter do que morrer, e decidiram oficialmente, expulsar todos os judeus da Espanha, e obviamente, roubar todas suas propriedades.

Como funcionava a Inquisição?

Basicamente, o acusado era torturado até “confessar” que praticava escondido o judaísmo. Tendo confessado, eram queimados em fogueiras em praças públicas, a não ser que aceitassem beijar a cruz, se o fizessem, eram enforcados.

Este cenário sanguinário seguiu acontecendo até 1834 (ou pelo menos, permitido), quando a Inquisição foi finalmente abolida (não durou nem cem anos para os judeus “descansarem” na Europa e Hitler já havia subido no poder). E não somente na Europa (Espanha, Portugal e Itália – principalmente), mas também no México, Peru, Colômbia, e outros países da América Central e do Sul assim como, também, no Brasil, aonde o último “herege” foi queimado já no século 19.

Hoje, calcula-se de 5-10 milhões de brasileiros que podem ser descendentes destes judeus que foram forçados a se converter. Dentre estes, está uma pequena parte que arriscou suas vidas tentando cuidar, pelo menos de algumas tradições judaicas, tendo hoje que enfrentar um difícil dilema ao descobrir suas raízes judaicas. Mas, por outro lado, tiveram seu judaísmo arrancado a força e agora, batalham para poderem, novamente, conquistarem seus espaços nas comunidades judaicas que se fecharam, ainda mais, como resultado deste mesmo antissemitismo.

Deste modo, quando uma perseguição política no Brasil, force suas “vítimas” a abondarem suas fés e tradições milenares, obrigando-os a acreditar em um só caminho verdadeiro, deixando como opção a morte, que de um jeito ou de outro, já é rotina de suas vidas, então não condenarei a comparação com Inquisição, embora sugeriria um novo nome, para não misturar episódios históricos.

Deste modo, convocamos a todos os envolvidos a deixarem de banalizar a crueldade que até hoje tem suas raízes em mais de milhões de pessoas mundo afora e parem de comparar as investigações contra corrupção no Brasil com a Inquisição!

Jogo de cartas para esconder a identidade judaica!

Em sua apresentação à Conferência de Estudos Criptojudaicos (SCJS) de 1999, em Los Angeles, Seth Ward contou sobre uma mulher do norte do Novo México, da qual tinha entrevistado. Ela descrevia as práticas criptojudaicas de seus familiares e, então, controu sobre o jogo de cartas que jogava, todo mês de setembro, com sua avó. Este jogo de cartas era um ritual anual da família que estava ligado, de alguma maneira, com as Grandes Festas Judaicas.

Continue reading “Jogo de cartas para esconder a identidade judaica!”

Shavei Israel publica novo livro: “Você tem raízes judaicas?”

Do you have Jewish roots eBook coverAlguma vez você já se perguntou “será que tenho raízes judaicas?”? Existe uma tradição familiar, aparentemente incomum, que você não sabe sua origem? Pode ser que seu nome é similar à outros nomes judaicos de outras épocas?

Continue reading “Shavei Israel publica novo livro: “Você tem raízes judaicas?””

A vida de um marrano: Samuel Nuñez Ribiero

Fonte: www.chabad.org.br

 Contaremos aqui a história de uma famosa família de Marranos, cerca de duzentos anos após a expulsão da Espanha e Portugal.

Os Marranos daqueles países, vivendo em constante terror, tinham apenas uma esperança: escapar para algum país amigo para jogar fora aquele odioso disfarce e viverem abertamente como judeus.

Assim ocorria com a família Nunez. Durante muitas gerações, esta família mantivera sua fé judaica em segredo, e alguns membros da família tiveram morte violenta nas mãos da Inquisição. (Clara Nunez foi queimada em Sevilha, Espanha, em 1632, e no mesmo ano Isabel e Helen Nunez também foram condenadas à morte por sua lealdade à fé judaica). Um ramo da família, que vivia em Portugal, estava entre as mais conhecidas famílias nobres. Embora vivessem quase 250 anos depois da Expulsão da Espanha e Portugal, esta família ainda observava secretamente a religião judaica. Era liderada por Samuel Nunez, nascido em Portugal, e que se tornara um famoso médico. Fora nomeado Médico da Corte do Rei de Portugal. Além dos serviços que prestava à família real, toda a nobreza considerava um privilégio ser atendido por ele. O Dr. Nunez não era requisitado apenas como profissional, como também era convidado a todos os eventos sociais importantes. Além disso, quando ele organizava um banquete ou um baile em seu lindo palácio sobre o Rio Tejo, a elite da sociedade lisboeta estava entre seus convidados.

O Dr. Nunez ainda era jovem quando atingiu o auge do seu sucesso profissional e nos círculos sociais. Isso naturalmente provocou inveja entre os seus competidores, e a Inquisição deu a eles uma excelente oportunidade de tentar prejudicá-lo.

Embora na superfície o Dr. Nunez fosse um católico tão bom quanto qualquer outro cristão que freqüentasse a igreja, os líderes da Inquisição registraram os avisos dados pelos inimigos do médico. Eles conseguiram infiltrar um “agente” na casa da família Nunez, disfarçado de criado, para informar sobre o que acontecia no círculo familiar.

Finalmente o agente relatou que a família Nunez estava definitivamente praticando a religião judaica em segredo, pois todos os sábados, eles se recolhiam a uma sinagoga nos subterrâneos do palácio, onde jogavam fora o disfarce de cristãos e rezavam como verdadeiros judeus.

Embora os líderes da Inquisição conseguissem prender toda a família Nunez e colocá-la na prisão, sua alegria durou pouco, pois o Dr. Nunez era muito popular e tinha amigos influentes entre a nobreza. Estes convenceram o rei a libertar Dr. Nunez e sua família da prisão e permitir que se instalassem novamente no palácio como Médico da Corte.

Geralmente o rei era completamente influenciado por seu “padre confessor” – um sacerdote católico, mas nesse caso ele não lhe contou sua decisão (apoiado por toda a família real), dando ordens para que a família Nunez fosse libertada imediatamente e pudesse voltar à sua residência às margens do Tejo.

Havia uma condição, porém, que empanava a alegria da família Nunez durante sua libertação – dois funcionários da Inquisição deveriam residir com a família para certificar que eles não praticavam a religião judaica. Isso, obviamente, fez o Dr. Nunez planejar uma fuga. Mas como conseguir isso sob os olhos sempre vigilantes dos inquisidores?

O Dr. Nunez teve uma idéia ousada e brilhante. Organizou um banquete e convidou todas as pessoas importantes da cidade. Entre essas havia muitos funcionários de altos cargos que, embora suspeitassem dele no tocante à fé, ficaram felizes em aceitar o convite para o banquete, pois era considerado um privilégio estar presente.

O banquete terminou e o baile estava no auge quando o Dr. Nunez mandou a orquestra parar e fez a seguinte declaração chocante:

“Meus amigos! Tenho uma bela surpresa para vocês! Estão todos convidados a embarcarem em meu iate, que foi preparado para o vosso prazer. As diversões da noite continuarão ali, com o Capitão ao vosso serviço. Por aqui, Senhoras e Cavalheiros!”

Com estas palavras, Dr. Nunez saiu da sala, e todos os convidados o seguiram alegremente, deliciados com a surpresa.

Todos apanharam seus casacos e, conversando com animação, embarcaram no iate que balançava suavemente no embarcadouro do palácio.

O que os convidados não sabiam era que uma surpresa não muito agradável os esperava. Somente uma hora depois do embarque, eles perceberam que o iate estava se movendo! E a julgar pela velocidade, não era um iate, mas um barco enorme. Sim, eles estavam navegando para longe da costa de Portugal a toda velocidade, rumando para as praias mais amigáveis da Inglaterra. Bem, amigáveis para a família Nunez. O médico arranjara cada detalhe com a ajuda dos seus parentes, os Mendez, um dos quais tinha se casado com a filha de Nunez. Este conseguira vender em segredo parte de suas propriedades e outros bens, e tinha transferido o dinheiro para a Inglaterra através de mensageiros secretos. Assim ele conseguiu contratar um capitão britânico para levar seu barco ao Rio Tejo na noite do banquete, preparado para receber muitos passageiros.

O Dr. Nunez assegurou aos convidados que, assim que chegassem à costa inglesa, o barco voltaria imediatamente com eles para Portugal. Quanto ao Dr. Nunez, os convidados tinham de admitir que não era sua culpa o fato de ser obrigado pela Inquisição a deixar o país que estiveram tão pronto a aceitar seus serviços e seu conhecimento, mas não lhe permitira que ele e a família vivessem segundo sua fé e consciência.

Conforme fora arranjado com antecedência, a família Nunez foi transferida para outro barco que estava deixando a Inglaterra com outros marranos a caminho da Geórgia, na América, para estabelecer uma colônia. No verão de 1733, os Marranos, liderados pela família Nunez, chegaram a Savaná, na Geórgia. Foram calorosamente recebidos pelo governador inglês, James Oglethorpe, um homem tolerante e compreensivo.

Quando os administradores do território em Londres souberam que Oglethorpe tinha doado terra aos refugiados judeus, e que eles construíram casas e estavam bem estabelecidos, enviaram um protesto indignado ao Governador, dizendo: “Não queremos que a nova terra se torne uma colônia judaica!”
O Governador, porém, era um homem justo que percebera como tinha sorte de contar com refugiados tão valiosos. O Dr, Nunez certamente seria útil naquelas vastidões semi-desertas, pois poucos profissionais se aventuravam a viver naquele país pioneiro. Os outros refugiados, também, tinham levado seus ofícios e riquezas com eles, mas mesmo que não tivessem, o bondoso Governador não tinha intenção de fazer os recém-chegados sofrerem perseguição no novo país. Eles já tinham sofrido bastante em suas terras de origem.

Quando os administradores em Londres continuaram a insistir com Oglethorpe para expulsar os colonos judeus, ele fingiu levar a ordem em consideração. Porém os registros daqueles tempos, ainda preservados em Savaná, demonstram que não apenas ele não expulsou os judeus, como ao contrário, concedeu-lhes ainda mais terras e privilégios.

A História nos conta que o Dr. Nunez e sua família mais tarde se mudaram para Charleston, na Carolina do Sul. Porém alguns membros da família permaneceram em Savaná, cultivando as seis ricas propriedades que receberam do Governador Oglethorpe, pelos valiosos serviços prestados à colônia pela família Nunez. Posteriormente, o genro do Dr. Samuel Nunez mudou-se para Nova York e se tornou o líder espiritual da recém-fundada comunidade portuguesa. Um descendente deste ramo da família do Dr. Samuel Nunez Ribeiro foi prefeito de Nova York, Dr. Manuel Mordechai Noah, idealizador de um dos projetos de estabelecer uma colônia judaica na América.

Com certeza concordaremos que a família daquele nobre e corajoso médico, temente a D’us, Dr. Samuel Nunez Ribeiro, merece um local de destaque na História Judaica.