As festividades de Israel

“(…) no mês primeiro, aos catorze dias do mês, é o Pessach do Eterno.
E aos quinze dias do mesmo mês haverá festa; sete dias se comerão pães ázimos. No primeiro dia haverá santa convocação; nenhum trabalho servil fareis (…) Assim, cada dia oferecereis, por sete dias, o alimento da oferta queimada em cheiro suave ao Eterno (…) E no primeiro dia do mês; nenhum trabalho servil fareis; será para vós dia de sonido de trombetas (Rosh Hashana) (….) E no dia dez deste sétimo mês tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; nenhum trabalho fareis. (Yom Kipur) (….) Aos quinze dias deste sétimo mês tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis; mas sete dias celebrareis festa ao Senhor (Sucot) (…) E falou Moisés aos filhos de Israel, conforme a tudo o que o Senhor ordenara a Moisés.”

(Bamidbar 28-29)

Continue reading “As festividades de Israel”

O Calendário Judaico – Noções de Judaísmo

512130_79O Calendário Lunissolar

Os Anussim que queriam continuar mantendo secretamente as festividades judaicas, não tiveram outra escolha a não ser entrar em contato com os judeus, para saber exatamente os dias destas festividades. Eu também, quando comecei a me interessar pelo Judaísmo, aos onze ou doze anos, ainda em Mallorca, queria saber quando eram os feriados judaicos, e, foi só então, que percebi que isso seria muito difícil sem a ajuda de alguém que me orientasse.

Muitos irão se surpreender com o fato de que os judeus possuem um calendário diferente. Não somente com festividades diferentes, mas também com uma estrutura completamente diferente.

A verdade é que existem muitas diferenças. Primeiro, trata-se de um calendário lunissolar, ou seja, um calendário combinando entre meses lunares com estações solares.

A base é o ciclo da lua. A lua gira em torno da Terra em uma órbita que dura, em média, 29 dias, 12 horas, 44 minutos, três segundos e um terço de segundo. Este é o tempo que demora desde o momento em que a lua está diretamente entre o Sol e a Terra até o próximo momento em que estará na mesma posição. O momento em que estes três astros estão alinhados é o momento do “nascimento”, mas a lua nova não pode ser vista até algumas horas mais tarde, e somente quando esteja visível é que podemos iniciar o novo mês.

Mas não é possível estabelecer um mês de 29 dias e meio, portanto, alternamos entre meses de 29 e 30 dias, que acontecem normalmente, embora haja exceções. Isso nos dá o total de 354 dias, que é um ano lunar. Porém esta conta não é exata, pois vão sendo acrescentados os 44 minutos, três segundos e um terço de segundo, de cada mês, até que, após um ano, chegam a quase nove horas.

Além disso, como sabemos, o ano solar é de 365 dias (mais precisamente, 365 dias, cinco horas e cerca de 56 minutos), uma diferença de 11 dias entre os calendários, solar e lunar (10 dias, 21 horas e 11 minutos).

A Festa da Primavera

Os muçulmanos seguem o calendário lunar, com 354 ou 355 dias por ano, deste modo, o famoso mês de jejum, o Ramadã, pode acontecer por vezes no verão e por vezes no inverno. Mas isso não lhes incomoda. Do mesmo modo que não lhes importa o calendário “internacional”, com base no romano-cristão, baseado nas estações solares, que por sua vez não se importa nem um pouco com as fases da lua.
Mas o povo de Israel deve combiná-los, como está escrito no verso que diz que devemos manter “o mês da primavera” e neste celebrar a festa de Pessach (Êxodo 34:18). A festa de Sucot também é chamada de “festa da colheita” da produção agrícola (ibid. 34:22).

Ciclo de 19 anos

Portanto, devemos encontrar uma maneira de conciliar a lua com o sol.

Assim, a cada 19 anos, sete anos possuem um mês mais aos tradicionais 12 meses. Desta maneira, é marcado um “ano de saída”, que não será explicado aqui, e os anos 3, 6, 8, 11, 14, 17 e 19, possuirão 13 meses. O ano de 5775, no qual nos encontramos atualmente (que começou no dia 25 de setembro de 2014 e termina no dia 13 de setembro de 2015) é o 18º ano do ciclo dos 19 anos que mencionamos.
O primeiro dia de cada mês é chamado em hebraico de “Rosh Chodesh”, que significa “início do mês”, mas quando o mês tem 30 dias, o último dia também é chamado de “Rosh Chodesh” e, neste caso, serão os dois dias seguidos, chamados por este nome.

Os Nomes dos Meses

Os doze meses do calendário judaico são uma herança da nossa estadia na Babilônia, há cerca de 2500 anos atrás. Os meses são: Nissan, Iyar, Sivan, Tamuz, Av, Elul, Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet, Shvat e Adar. E o mês que é adicionado é chamado de “Segundo Adar” ou “Adar Sheni”.

Os meses de Nissan, Sivan, Av, Tishrei e Shvat sempre possuem 30 dias, enquanto Iyar, Tamuz, Elul e Tevet, sempre 29 dias. Os meses de Cheshvan e Kislev variam de ano para ano, conforme a necessidade. Quando há apenas um mês de Adar no ano, este terá 29 dias, e quando são dois, o primeiro terá 30 e o segundo 29 dias.

As festas bíblicas de Pessach (Nissan), Shavuot (Sivan), Yom Kipur e Sucot (Tishrei) e o moderno Yom Ha-Atzmaut (Iyar), seguem, obviamente, o calendário judaico.

Quando o Ano Começa?

Existe um outro “problema” no calendário judaico. Citamos os meses de acordo com a ordem tradicional, que começa, como a Torá nos ensina, na primavera. No capítulo 12 de Êxodo, lemos que o mês da primavera é o primeiro do ano.

Mas o primeiro dia do sétimo mês, o mês de Tishrei, é chamado na Mishná como o dia do “Ano Novo”, e na opinião de um dos nossos sábios, é este o mês em que foi criado o homem. E, se assim, o ano começa, na verdade, no Outono e não na primavera, e deveríamos contar os anos a partir do mês de Tishrei.
Toda esta questão tem um significado espiritual, que não será explicado aqui.

Outros ‘Começos do Ano’

A Mishná que vimos, menciona, na verdade, quatro diferentes datas que, ao longo do ano, são chamadas de “começos do ano”, e, representam um novo ciclo agrícola ou civil. Com isso, temos o primeiro dia de Tishrei, que é chamado de Rosh Hashana ou “Começo do Ano”, referindo-se ao ano judaico formal. O primeiro dia de Nissan é considerado o começo dos anos para os reis, significando que, se um rei começa a reinar pouco antes de Nissan, o primeiro dia de Nissan, será contado como o início do segundo ano de reinado. O dia 15 de Shvat, que é chamado de Tu Bi-Shvat, é o início do ano das árvores para qualquer efeito haláchico (da lei judaica). E o mês de Elul, é o primeiro do ano para as questões relacionadas ao dízimo dos animais domésticos.

No Estado de Israel os cheques podem ser assinados tanto no calendário judaico como também, no calendário internacional. Muitos israelenses crescem sem sequer saber os nomes dos meses do calendário internacional e mesmo quando aprendem, nem sempre se lembram com certeza se o mês de agosto vem antes ou depois de setembro, por exemplo. Mas há muitos outros que, infelizmente, não conhecem o calendário judaico, seus nomes ou a época do ano que acontecem.

Acredito que se trata de um dos nossos sinais de identidade, possuir um calendário pelo qual somos guiados em nossas celebrações, e, portanto, devemos nos esforçar para conhecê-lo e respeitá-lo.

Referências para contar os anos

images (7)Na antiguidade, o ponto de partida para a contagem dos anos, variava de cidade para cidade e de uma nação para outra, pois cada lugar se baseava em um evento histórico significativo diferente. Normalmente, o início do reinado de um novo monarca marcava o ínico dos anos. O “Ano Um” desse reino e, assim por adiante o cálculo continuava até a coroação de um novo rei e uma nova contagem se iniciava. Tais datas eram utilizadas para datar documentos oficiais e para registrar acontecimentos históricos. A Bíblia nos dá muitos exemplos de tal uso. Continue reading “Referências para contar os anos”