Crise do Corona atinge os novos imigrantes em Israel

Como todos sabemos, o mundo está atualmente enfrentando a ameaça sem precedentes representada pelo coronavírus e, é claro, isso afetou a Shavei Israel as e suas comunidades em todo o mundo. A nossa equipa e emissários continuam a trabalhar, embora à distância, com as nossas comunidades de judeus perdidos e ocultos em todo o mundo, fazendo o possível para dar-lhes força e encorajamento durante estes dias difíceis, seguindo estritamente os protocolos de saúde e segurança exigidos pelos governos. 

Pode parecer difícil de acreditar, mas Pesach está a chegar muito em breve, e um número crescente de israelenses – incluindo novos imigrantes Bnei Menashe da Índia e judeus chineses de Kaifeng – estão a perder os seus empregos e fontes de subsistência. De fato, de 15 a 20 famílias já foram dispensadas sem remuneração dos seus empregos. Isso só contribuiu para o sentimento de incerteza e medo que muitos já sentem.

Por isso, estamos nos voltando para vocês – os nossos leais amigos e apoiantes – e pedindo que por favor nos ajudem para que possamos ajudar estas pessoas. Existem muitas famílias necessitadas entre os novos imigrantes, e, com a aproximação da festa, essas necessidades só crescerão. Se puder ajudar de alguma forma, teremos o maior prazer em entregar os seus donativos às novas famílias imigrantes carenciadas neste momento. CLIQUE para fazer um donativo. 

Muito obrigado pelo seu apoio e amizade contínuos. Desejamos-lhe toda a saúde e força para superar este momento desafiador, e oramos para que o Criador cure os doentes e tenha misericórdia da humanidade.  

Judeu indiano imigrante em Israel atacado em incidente racista em Tiberíades

Racismo em Israel como resultado do coronavírus

Am-Shalem Singson, de 28 anos, membro da comunidade judaica Bnei Menashe, originário de Manipur, na Índia, imigrante em Israel desde 2017, foi atacado no sábado em Tiberíades por dois homens.

Os atacantes gritaram referências racistas a Singson, incluindo tê-lo chamado de «chinês» e «corona», enquanto o espancavam e o chutavam no peito. Mais tarde, Singson foi hospitalizado no Centro Médico Baruch Padeh, em Tiberíades. Apesar de ter sofrido lesões no peito e pulmões, a sua situação é considerada estável. 

Singson, cuja mãe, avó e irmão também se mudaram para Israel com ele, vive em Tiberíades e frequenta uma Yeshiva Hesder em Ma’alot. — Eu disse aos dois agressores que eu nem sou chinês, mas sim judeu da comunidade Bnei Menashe, não que haja justificativa para atacar um chinês ou qualquer outra pessoa. Mas eles estavam totalmente loucos e me chutavam com força enquanto gritavam: «Corona! Corona!», — Disse Singson, da sua cama de hospital.

— Na Shavei Israel estamos chocados com o ataque cruel e racista a Am-Shalem Singson ontem em Tiberíades. Os Bnei Menashe são nossos irmãos e irmãs, e qualquer pessoa que levante a mão contra eles deve ser levada à justiça. Exijo que sejam tomadas medidas e peço à polícia para investigar este incidente imediatamente — disse Michael Freund, presidente da Shavei Israel. 

— O coronavírus não faz distinção entre diferentes tipos de israelenses com base na cor da pele ou no formato dos olhos, e ninguém deveria fazer essa distinção — continuou Freund.

Existem cerca de 6.500 membros da comunidade Bnei Menashe ainda vivendo no nordeste da Índia, enquanto aproximadamente 3.000 fizeram de Israel a sua casa desde meados dos anos 2000. Atualmente, 700 Bnei Menashe aguardam a aprovação do governo israelense para imigrar. O próprio Singson imigrou para Israel em 2017. Esta não é a primeira vez que aconteceu um episódio de racismo em Israel como resultado do coronavírus. No final de fevereiro, uma mãe nipo-americana de jerusalém, que imigrou para Israel há nove anos, falou com o The Jerusalem Post descrevendo um nível crescente e desconfortável de racismo contra asiáticos em Israel desde o início do surto de coronavírus. 

Shavei Israel chega a Boca Raton, Florida

Convidar um palestrante da Shavei Israel é uma ótima maneira de trazer conteúdo judaico e israelense para a sua comunidade.

Quando a diretora de marketing e comunicação da Shavei Israel, Laura Ben-David, se viu viajando para Boca Raton, Flórida, onde vive Simi, a nossa dedicada voluntária, os pais de Simi, Sharon e Steven Langert, abriram a sua casa para receber uma conferência sobre algumas das comunidades perdidas e ocultas com as quais Shavei Israel trabalha.

O seu tópico, «Uma nação, diversas faces», concentra-se em algumas das comunidades que a Shavei Israel ajuda, como os Bnei Menashe na Índia, os judeus ocultos da Polónia e os Bnei Anussim em Espanha, Portugal e América do Sul, e inclui uma bela apresentação multimédia que transporta o público para terras exóticas.

Laura diz que a resposta à sua apresentação foi «realmente positiva. As pessoas que participaram gostaram e ficaram muito empolgadas ao ouvir sobre comunidades cuja existência elas desconheciam completamente.»

Essa foi uma das muitas turnés que Laura fez para a Shavei Israel. Convidar um palestrante da Shavei Israel é uma ótima maneira de trazer conteúdo judaico e israelense para a sua comunidade.

O nosso departamento de oradores dinâmicos, que também inclui o presidente da Shavei Israel, Michael Freund, está pronto para proporcionar ao seu grupo um momento verdadeiramente inspirador, mergulhando profundamente no futuro do mundo judaico.

Para convidar Michael Freund ou Laura Ben-David para o evento da sua comunidade, clique aqui: https://www.jewishspeakersbureau.com/contact-us

Aqui estão algumas fotos da apresentação de Laura:

Menina Bnei Menashe recebe prémio na residência presidencial de Israel

Ya’ara Namte, uma jovem da comunidade Bnei Menashe, recebeu um prémio especial num evento que teve lugar na residência presidencial, em Jerusalém, pela sua colaboração com os jovens Bnei Menashe, ao ajudá-los a se integrarem na vida israelense. O prémio foi excepcional, não só por ser uma grande honra, mas porque Ya’ara entrou no movimento juvenil Oz apenas há alguns meses.

Num evento realizado na residência presidencial, em Jerusalém, o Presidente de Israel, Ruby Rivlin e o Presidente da KKL-JNF, Daniel Atar, reconheceram vários jovens israelenses por sua contribuição à comunidade. Ya’arah, que fez aliá para Israel há vários anos, quando tinha 14, através da Shavei Israel, admite que não foi fácil para ela. No entanto, é algo profundamente importante para os Bnei Menashe, pois é difícil para eles guardar os mandamentos da Torá e manter a tradição judaica na Índia. Mesmo quando crianças, os Bnei Menashe crescem com o conhecimento de que seus pais planejam trazê-los para Israel um dia, e é isso que eles esperam e sonham.

A família de Ya’ara estabeleceu-se em Nof Hagalil, na região da Galiléia. Apesar dos muitos desafios, Ya’ara adaptou-se à nova cultura e estilo de vida diferente. Ela decidiu retribuir, usando sua própria experiência ao serviço do movimento juvenil Oz e fez uma grande diferença em muito pouco tempo.

Como dizemos em Israel, kol hakavod Ya’arah!

TISHA BEAV PELO MUNDO

As comunidades da Shavei Israel de diferentes partes do mundo partilharam fotografias connosco nos serviços religiosos, em luto pela destruição dos Templos e em memória de outras tragédias na história judaica que aconteceram em Tisha B’Av, o dia anual de jejum. Como de costume neste dia, as pessoas sentaram-se no chão, na sinagoga, para ouvir a leitura da Megilat Eichá – o livro de Lamentações.

Ver artigo>

ALIÁ BNEI MENASHE: ELON HAOKIP

Ainda este ano, a Shavei Israel trará um grupo de 250 imigrantes Bnei Menashe do nordeste da Índia para Israel em Aliá.  

Entre eles está Elon Lunkhojang Haokip, de 55 anos. Um nativo de Manipur muito animado por realizar o seu sonho e retornar à terra dos seus antepassados.

Elon lembra-se de se começar a interessar pela sua herança judaica há cerca de vinte anos, quando soube que as origens da sua família remontam às Dez Tribos Perdidas de Israel. Elon começou a viver o estilo de vida de um judeu praticante, e escolheu usar os seus talentos para apoiar a sua comunidade. Desempenhou primeiro a função de chazan(cantor) no centro comunitário local de B.Vengnom, Beith Shalom, e, mais tarde, a de mohel, trazendo cerca de 1000 meninosBnei Menashe para o Pacto de Abraão.

Elon é casado e tem quatro filhos e uma filha que se juntarão a ele no caminho de regresso ao Estado judaico.

 — É como um sonho para mim, ir para a terra que eu sempre desejei, e este sonho está finalmente a tornar-se realidade, com a ajuda da Shavei Israel! — Exclamou Haokip, emocionado.

 *****************************

A data em que a família de Elon se poderá mudar para Israel, juntamente com os outros Bnei Menashe que farão Aliá com eles, depende em parte do financiamento. O custo por imigrante é de apenas US $ 1.000, o que cobre passagens aéreas e transporte da Índia para Israel, bem como alguns dos custos iniciais de absorção.  Por cada US $ 1.000 angariados, Elon ou outro Bnei Menashe poderá fazer a longa jornada de volta a Sião

Apoie a aliá dos Bnei Menashe e faça uma  verdadeira diferença!

É possível regressar às origens do judaísmo?

Como podemos distinguir entre o que é divino e o que foi gerado pelos sábios? O que é original e o que evoluiu depois?

Artigo de MISHAEL DICKMAN, fotografias de LAURA BEN-DAVID

Jovens BNEI MENASHE em Manipur, Índia, vestindo trajes tradicionais. Observe as suas franjas tradicionais misturadas com as franjas modernas de seus tzitzit.

O judaísmo é uma tradição ligada diretamente à Bíblia, que nos leva de volta ao Monte Sinai, ou seja, a palavra original de De’s? Ou é um código legislativo geral que evoluiu lentamente ao longo dos anos até ao que é hoje?

Se nos aprofundarmos no Talmud, provavelmente perder-nos-emos rapidamente, devido à sua grande riqueza de ensinamentos e explicações e, sobretudo, pela existência de debates sobre quase tudo o que existe à face da Terra. Como podemos distinguir entre o que é divino e o que foi gerado pelos sábios? O que é original e o que evoluiu depois?

Muitos historiadores tentaram responder a estas questões. Para cada historiador, temos uma teoria diferente (e às vezes até mais do que uma), o que nos deixa onde começámos.

Continuar lendo