Judeus e descendentes de Bnei Anussim celebram Purim na Itália, Portugal e El Salvador

Os judeus e Bnei Anussim das comunidades das quais a Shavei Israel trabalha na Itália, Portugal e El Salvador, entraram no espírito de Purim este ano – e os nossos fotógrafos conseguiram capturar o humor.

Vamos começar a nossa ‘turnê mundial’ pela Itália. Abaixo imagens do que aconteceu no início da semana passada em Palermo.

E aqui, o que rolou na comunidade italiana de Bnei Anussim de San Nicandro:

Viajando um pouco para o oeste, paramos em Portugal onde Purim foi comemorado com o emissário da Shavei Israel, o Rabino Elisha Salas:

Para nossa parada final, cruzamos o oceano e chegamos à El Salvador onde a comunidade de Beit Israel se destacou com dua festa de Purim:

Queijo Kosher em Belmonte com o Rav Elisha Salas

Procurando queijo kosher em Portugal? Vá a Belmonte, onde o emissário da Shavei Israel, o Rabino Elisha Salas, está supervisionando uma nova linha de queijos kosher de ovelha. (Este na foto é o nosso estimado rabino acima de uma grande piscina de leite de ovelha!)

Esta não é a primeira vez que o rabino Salas explora o mundo da fabricação de queijo. Supervisionou a produção de queijo em Trancoso, outra cidade portuguesa com uma comunidade Bnei Anussim.

O último queijo perfurmado da Shavei Israel é patrocinado pelo rabino Usher Eckstein, que ensina em Nova York, onde também fornece supervisão kosher.

Todos os novos queijos de ovelha são certificados de chalav israel (leite acompanhado por um judeu desde o príncipio de sua produção).

O rabino Elisha diz que o trabalho não somente fornece queijo kosher em Belmonte, mas também fornece trabalho para as famílias judaicas locais, descendentes de Bnei Anussim, que vivem em Belmonte.

O Rabino Salas tem estado na estrada mais do que de costume: assumiu a posição do ex-emissário da Shavei Israel na Espanha, o Rabino Nissan Ben-Avraham, dando classes e visitando as comunidades da nação vizinha. Ele visitou recentemente a comunidade Bnei Anussim em Alicante, encontrando-se com o presidente, ensinando para dez pessoas e dando boas-vindas ao Shabat.

“Não há nenhum minian regular (quórum de dez homens) em Alicante”, relata o Rabi Salas, “e esta foi a primeira vez na história da comunidade que um shacharit [serviço da manhã] foi realizado”.

A comunidade já lhe pediupara aumentar os dias de estudo.

“Eles não querem me deixar descansar!”, Ele brinca.

Aqui estão mais algumas fotos.

Rabino de Belmonte – 500 anos de tradição judaica

Representante de todos os judeus de Belmonte, o Rabino Elisha Salas concede uma entrevista ao País Positivo desmitificando o facto de a comunidade judaica ser considerada fechada e pouco receptiva a visitas de pessoas exteriores à comunidade.

Rabino de Belmonte, Elisha Salas
Rabino de Belmonte, Elisha Salas

Com um poder de oratória notável recebe os convidados dentro da Sinagoga. Começa por explicar a disposição das pessoas: “homens em baixo com kipá sobre a cabeça e as mulheres no piso superior de cabelos cobertos”

É um membro ativo em Belmonte que prima por promover e divulgar a cultura judaica. As ações pela Rede de Judiarias de Portugal ajudam o seu trabalho?

A comunidade judaica de Belmonte é um pequeno organismo que sozinho não consegue disseminar 500 anos de história da presença judaica em Portugal, precisamos de um organismo mais amplo e forte para o fazer e a Rede de Judiarias de Portugal vem desempenhar, na perfeição esse papal. É necessário desenterrar a história judaica, leva-las às pessoas e expor a riqueza que se encontra escondida no território português.

Há na sua opinião, muito trabalho por efetuar?

Acredito que sim. Todos os organismos trabalharam para melhorar, preservar e conservar o patrimônio local, agora devem-se unir e criar uma rota única de forma a eu o turista não perca tempo com as viagens e fique perdido quando necessita de alguma informação adicional. O trabalho em rede, em comunidade é fundamental e a Rede de Judiarias de Portugal está a trabalhar nesse sentido.

Recebe a visitas de muitos turistas judeus?

Todos os turistas que visitam Belmonte ficam encantados com a região e querem conhecer mais do país, a sua curiosidade fica aguçada e a Rede de Judiarias desempenha um papel fundamental ao criar rotas devidamente assinaladas e estruturadas para que estas pessoas satisfaçam a sua curiosidade e regressem.

Criadas as Rotas é necessário criar condições para receber os turistas que têm regras diferentes da cultura portuguesa. Nota que já existe essa sensibilidade?

Já existem alguns restaurantes que servem comida kosher. Desloquei-me ao local para ensinar e me certificar de que a comida é confeccionada mediante as nossas regras e certifiquei esses restaurantes. Atualmente já existem queijos, compotas, carnes e bebidas que podem ser adquiridas e que têm a certificação kosher.

 

Artigo publicado no jornal País Positivo

Belmonte se prepara para Shabat!

A comunidade judaica de Belmonte, Portugal, sabe como comemorar Shabat com gosto.

Seguem abaixo algumas fotos da preparação que aconteceu na última sexta-feira, antes do pôr do sol, com o emissário da Shavei Israel para a comunidade, o Rabino Elisha Salas.

1 2 3 4

O Rabino Salas pode ser visto nas fotos ensinando alguns dos homens a amarrar da maneira correta os nós de seus tzitziot – os pequenos xales de oração.

5 6 7

E o que preparam na cozinha? Provavelmente algumas chalot e uma sopa de frango caseira!

9 10

BEM-VINDA À CASA ABIGAIL: a portuguesa que descobriu seu judaísmo

Abigail (Marina) Erlich estava programada para se apresentar diante do tribunal de conversão rabínica para, enfim, voltar formalmente ao judaísmo quando, no último momento, revelou ao Rabino Elisha Salas – emissário da Shavei Israel para Portugal e guia pessoal em vários anos de estudo  – que acreditava já ser judia.

“Eu sempre soube no meu coração que era judia, mas não tinha nenhuma prova, então nunca comentei a ninguém”, diz Abigail. Mas pouco antes de concluir seu processo de conversão, decidiu compartilhar sua história.

Quando era criança, a avó de Abigail lhe havia comentado que ela era judia. Mas os pais de Abigail eram fortes comunistas e nada queriam com a religião. Abigail cresceu completamente secular. “Sempre que o assunto vinha à tona, meus pais faziam o melhor para suprimir esta identidade”, diz ela.

Mas depois de Abigail estudar a Torá e a lei judaica por dois anos com o Rabino Salas, ela entendeu que, se sua avó era judia, ela também era.

A família de Abigail emigrou da Argentina para Portugal. Abigail contatou o gabinete do Rabino-Chefe de Buenos Aires, que localizou a sepultura da avó de Abigail em um dos cemitérios judaicos da cidade.

Esta foi a prova que precisava.

Abigail já havia reservado a passagem para Israel, onde ocorreria a conversão, então, mesmo assim, viajou – celebrando assim seu novo/velho status de “membro do povo judeu”. A corte rabínica, inclusive lhe forneceu a oportunidade de contar sua comovente história, e assim, receber sua bênção.

Marina-1Abigail é apenas um dos vários alunos do Rabino Salas em Portugal que optaram por se converter ao judaísmo nos últimos anos. Abigail vive em Belmonte, onde o Rabino Salas está baseado.

Quando perguntamos a Abigail de que maneira sua vida seria diferente a partir de agora, ela foi rápida em responder: “agora posso me casar!”. Abigail já estava participando dos serviços e celebrava as festas judaicas. Agora sua comunidade estará buscando fora de Portugal um partido adequado para Abigail.

Mazel tov, Abigail. É bom tê-la conosco novamente!

Uma História de Amor em Belmonte, Portugal!

Uma aristocrata romana certa vez provocou o Rabino Yossi Ben Ḥalafta, um dos sábios mais importantes da época da Mishna, com uma pergunta capciosa.

“Em quantos dias D’us criou o mundo?”, perguntou.

“Em seis,” o rabino respondeu.

“E o que D’us tem feito desde então?”, continuou questionando.

“Combinando casais para se casarem”, respondeo o Rabino Yossi.

“Apenas isso?”, disse a romana confrontando o rabino com desdém. “Eu mesmo posso fazer isso. Lhe demonstrarei como o faço, tão rapidamente”.

A história continua no Midrash, em Bereshit Rabba (68:4), e é relatado que, naquela noite, a mulher romana começou a formar casais entre seus escravos. Mil de seus escravos do sexo masculino foram juntados com mil escravas do sexo femenino. Contudo, pela manhã, um escravo apareceu com a cabeça esmagada, outra havia perdido um olho, enquanto que uma terceira cambaleava por causa de uma perna quebrada.

O Rabino Yossi que havia previsto exatamente tal resultado, disse à nobre romana: “Pode parecer fácil para você, mas para D’us, é tão difícil quanto abrir o Yam Suf (Mar Vermelho).”

D’us, que deveria estar assistindo ao recente Shabaton, tão especial, que foi realizado em Belmonte Portugal, demonstrou mais uma vez Sua habilidade de juntar casais, mesmo nas situações mais improváveis.

No último mês de maio, o emissário da Shavei Israel para Portugal, o Rabino Elisha Salas recebeu um Shabaton na cidade de Belmonte, hospedando 120 judeus chassídicos de Nova Iorque no hotel que recentemente se tornou kosher, o Har Sinai Hotel (confira nosso artigo sobre o Shabaton, clicando aqui). O Rabino Isroel Nachum de Safed organizou a expedição que o Rabino Salas apelidou de “uma experiência extraordinária e única em Portugal.”

Deve ser isso que sentiram, também, Chunie Reinhold e Ruth Rodrigo.

Chunie, 29, foi um dos Chassidim que visitaram Belmonte e Ruth, 22, é uma judia local de Belmonte, que se preocupou em proporcionar uma verdadeira hospitalidade portuguesa aos visitantes. Ambos começaram a conversar … e conversar… e assim passaram grande parte do fim de semana.

Chunie voou de volta para Nova Iorque com o grupo, mas sabia que já havia sido afetado. Uma semana depois, voltou para Belmonte e após alguns dias, propôs casamento a Ruth. Sua família, em seguida, voou de Nova Iorque para conhecer Ruth e sua família.

O casamento acontecerá em Setembro, em Nova Iorque. Ruth se mudará aos EUA para ficar com seu novo marido.

 

Quando a mulher romana descobriu, há 2.000 anos, o quão desafiador pode ser juntar casais apropriados, ela convocou o Rabino Yossi novamente à seu palácio e lhe disse: “Seu D’us é único e sua Torá é verdadeira, agradável e louvável”. “Você respondeu com sabedoria!”.

Mazel tov ao mais novo casal de noivos, Chunie e Ruth!

Apresentamos algumas fotos abaixo:

Shiduch1-Belmonte Shiduch2 Shiduch3 Shiduch5 Shiduch6 Shiduch7

Mais uma visita interessante em Belmonte!

Belmonte tem sido procurada, cada vez mais, por turistas que buscam um local campestre, com uma paisagem deslumbrante e muita história. A cidade em que nasceu Pedro Alvarez Cabral, também foi berço de uma vibrante comunidade judaica antes da época da Inquisição. Deste modo, tem sido muito simbólica a procura de Belmonte como destino turístico, também, pela comunidade judaica internacional.

Contamos um pouco sobre a visita do Rabino Isroel Nachum de Safed e 80 judeus americanos chassídicos, no hotel Har Sinai. Para conferir o artigo, clique aqui.

Desta vez a cidade recebeu um grupo de 35 judeus de Londres, frequentadores de uma sinagoga que, curiosamente, se chama “Belmonte”. O nome da sinagoga impressionou bastante o emissário da Shavei Israel para a região, o Rabino Elisha Salas, que sugeriu uma possível relação dos fundadores da sinagoga com a pequena cidade portuguesa. Infelizmente, os visitantes não souberam responder a esta questão.

Contudo, os turistas fortaleceram a comunidade judaica local com sua visita, participando da nossa oração diária de Shacharit, pela manhã.

Não é comum em Belmonte ter um “minian” (quorum de 10 pessoas) na parte da manhã, durante a semana, uma vez que os membros da comunidade trabalham durante o dia, e é difícil reuni-los. Deste modo, quando a reza da manhã pode ser realizada com um “minian”, ainda mais em um dia que puderam ler a Torá, foi uma alegria especial para o Rabino Salas e todos aqueles que participaram do serviço.

“Como é bom estar entre irmãos, ouvir sua ‘Torá’ em Portugal, e sentir as pequenas reminiscências de um Shabat que ainda está em nossas almas”, contou, emocionado, o Rabino Salas.

Esperamos que muitas mais comunidades e individuais possam visitar Belmonte e sua comunidade, se impressionando com este renascimento judaico na região e alegrar a comunidade judaica com sua presença.

Fotos da visita, abaixo:

DSC_0821 DSC_0827 DSC_0837 DSC_0848