Primeiras fotos da Aliá de Novembro de mais um grupo Bnei Menashe

Group-photo-300x207A Aliá da Índia volta a acontecer! O primeiro vôo – de vários que estão para chegar – com 50 novos imigrantes Bnei Menashe, do estado de Manipur (Índia), desembarcou no início deste mês.

A equipe de Shavei Israel está na Índia, preparando mais de 200 imigrantes que chegarão, b”h, durante este mês de Novembro.

Bem-vindos de volta para casa!

 

 

 

Trazemos abaixo algumas fotos.

Happy-to-be-home-295x300 Holding-new-ID-cards-300x230 Older-girl-with-flags-169x300 Reunion-with-grandma-300x191 Young-girl-with-flag-300x249 Mother-and-son-at-airport-247x300 Boy-with-flags-298x300 Bnei-Menashe-soldier-300x298

Uma tribo perdida que não é mais perdida

Em 24 de dezembro, enquanto a companhia aérea Uzbekistan Airways descia sobre Tel Aviv, mais de 50 pares de olhos olhavam para fora das janelas do avião, ansiosos para ter um vislumbre de sua nova casa.

Por mais de 27 séculos, seus ancestrais perambularam no exílio, sonhando com o dia que, apesar das probabilidades, poderiam voltar. E agora, essa ambição tão antiga se tornou realidade quando, 53 novos imigrantes da comunidade de Bnei Menashe do nordeste da Índia, chegou ao aeroporto Ben Gurion.

“Quem disse que nós não vivemos em uma época de milagres?” Os Bnei Menashe são descendentes da tribo de Menashe, uma das dez tribos perdidas de Israel que foram exilados pelo império assírio em 722 a.e.c. Apesar de terem sido excluídos do povo judeu por muitos séculos, os Bnei Menashe permaneceram fiéis à sua herança, teimosamente agarrados à fé de seus antepassados. Eles observaram o Shabat e mantiveram a alimentação kosher, realizaram as festividades, praticaram os rituais de sacrifícios e até discutiram bastante entre eles assim como os judeus têm feito desde tempos longínquos.

Na verdade, os Bnei Menashe nunca esqueceram quem eram e de onde vieram, e seus sonhos de retornar.

Esta lealdade está sendo recompensada neste momento quando, a odisseia extraordinária termina e eles voltam para a terra de seus ancestrais, a terra de Israel. Continue reading “Uma tribo perdida que não é mais perdida”

Testemunho Ocular: “e voltarão juntos formando uma grande multidão”

Addis Ababa – Etiopia
São cerca da 11 horas da noite, em uma noite de maio em Addis Ababa e grandes partes da capital da Etiópia se encontra completamente escura, resultado dos cortes de luz que vem aumentando nos últimos meses.

Soldados e policiais patrulham as ruas em frente à Embaixada Israelense com metralhadoras kalatchnikov penduradas no pescoço. Enquanto controlam o tráfego que vem de ambas direções, um grande ônibus pára antes de estacionar na empoeirada via pública.

Quando seu ruidoso motor parecer descansar, oficiais israelenses revisam uma enorme quantidade de papeis, enquanto preparam os eventuais passageiros com destino ao aeroporto. De lá tomarão um vôo da Ethiopian Airlines com o objetivo de realizar a viagem milenar de regresso à terra de seus ancestrais à Terra de Israel.

Enquanto isso, dentro de um complexo vizinho, 42 Falash Mura (descendentes de judeus etíopes que se converteram ao cristianismo no início do século XIX), se sentam pacientemente e tranqüilamente em bancos de madeira, esperando para subir ao ônibus. Suas feições delatam uma silenciosa dignidade, mas não muito mais do que isso. Não existem suspiros emocionados ou qualquer reação do tipo emocional.

Apenas Yossi, uma criança encantadora de três anos com um contagioso sorriso, desafia todo esse ambiente, e parece perceber a importância do passo que está prestes a dar.

Há dez dias, Yossi e os outros chegaram a Addis Ababa após dois dias de viagem, desde Gondar, ao norte da Etiópia. Após recuperarem-se da longa viagem, passaram por um intensivo mini seminário organizado pelos funcionários israelenses, com o objetivo de familiarizá-los dos distintos aspectos da aliah.

Este grupo, que conta com 38 adultos, duas crianças e dois bebes, é o penúltimo grupo de Falash Mura que o governo de Israel planeja trazer ao Estado Judeu. Conforme informações dos funcionários do governo, outros 300 Falash Mura, aproximadamente, serão trazidos a Israel no fim de junho, e depois a operação estará encerrada.

Os funcionários da embaixada, já começaram a procurar emprego em outros lugares, pois existem os rumores da redução do quadro de empregados. É o fim de uma era, disse um oficial, acrescentando orgulhosamente que a antiga comunidade judaica da Etiópia encontrou finalmente o caminho de volta a sua casa.

Ativistas israelenses e norte americanos não concordam e dizem que ainda existem 8700 Falash Mura na região de Gondar. Eles acusam o governo israelense de querer encerrar o processo rapidamente sem avaliar devidamente essas pessoas. Eles ameaçam seguir pressionando até que o último membro dos Falash Mura que queira retornar ao judaísmo e ao povo judeu, tenha êxito e lhe seja permitido a aliah.

Porém estas disputas, parecem estar longe da mente daqueles presentes hoje em Addis Ababa, pois estes potenciais imigrantes caminham ao ônibus após terem recebido o visto de entrada dos funcionários israelenses.

Mesmo os mais cínicos observadores não podem deixar de ser influenciados por sua paciência e passividade, ao mesmo tempo em que deixam para trás tudo o que conhecem para enfrentar, no melhor estilo Abraham Avinu, o incerto futuro que os espera.

Quando chegam ao aeroporto, descem do ônibus, ajudando uns aos outros calmamente. Uma mãe carrega seu bebe, e o balança suavemente de um lado para o outro até que ele pega num sono profundo.

Uma senhora de idade, com muita dificuldade para ver e caminhar, é ajudada por dois jovens até o terminal de embarque.

Atrás dela, um homem com muletas tenta seguir o grupo, cada passo que dá com dificuldade, o aproxima mais a Jerusalém.

Vendo esta cena diante de meus olhos, o versículo de Jeremias (Cap. 31) me vem rapidamente à mente: “e os reunirei dos mais distantes confins da terra, e com eles trarei o cego e o coxo, a mãe e seu filho; e voltarão juntos formando uma grande multidão”.

De fato, é fácil imaginar que assim talvez tenha sido o êxodo do Egito, ao mesmo tempo em que estes remanescentes do judaísmo etíope retornam à terra prometida, escrevendo um novo capítulo na história.

Existem aqueles que vêem os Falash Mura como emigrantes com dificuldades econômicas, ou como, inclusive, gente que se aproveita do sonho sionista. E assim, dizem os críticos, sua motivação é simplesmente para elevar o nível de vida e escapar-se para o Ocidente. Porém, todo o cinismo do mundo não pode negar o fato dessas preciosas almas, estes “judeus perdidos” estarem, finalmente, regressando a sua gente e a sua terra.

É notório dizer, porém, que outro país faria semelhante esforço? No momento em que os Estados Unidos estão apertando o cerco por causa da imigração mexicana, França e Espanha combatem as ondas de imigração do Norte da África, o pequeno Estado de Israel cruza desertos para trazer de volta milhares de africanos como cidadãos com todos os direitos.

À medida que avançam e cruzam pelos guardas do aeroporto etíope, com seus poucos pertences à mão, não podemos deixar de ver na realização de seu sonho, a concretização do nosso também.

Vida Nova para 18 (Chai) casais de Olim da Índia

Restavam ainda alguns últimos preparativos, a faixa preparada no último momento acabava de chegar, a tinta ainda fresca, mas precisava ser pendurada rapidamente na fachada da Grande Sinagoga de Jerusalém já que em mais alguns minutos os convidados começariam a chegar.

Esse pequeno atraso, entretanto não tirou nem um pouco o brilho do evento ímpar e especial, realizado no fim da tarde de ontem (02/03) na Grande Sinagoga de Jerusalém. O casamento de 18 casais de olim chadashim da tribo Bnei Menashé da Índia que fizeram aliah nos últimos meses, foi um acontecimento que marcou e marcará por muito tempo, as vidas dos noivos e também daqueles que tiveram o privilégio de participar do evento.

Continue reading “Vida Nova para 18 (Chai) casais de Olim da Índia”

Prêmio “O Sionista do Ano”

O Movimento de Libertação Nacional do Povo Judeu está passando por maus momentos.

Seja pra que lado for, o Sionismo e seus valores estão em queda. A Aliah está diminuindo, assentar na terra santa já não está em moda, e as instituições sionistas clássicas sofrem ataques por promover o aspecto judaico do estado.

Recentemente, o Ministro de Absorção anunciou que uma irrisória soma de 19700 pessoas escolheram imigrar para Israel em 2007, representado um total diminuto de dois décimos de 1% dos judeus da Diáspora. Este percentual é o menor dos últimos 20 anos.

O governo de Israel nunca esteve tão impotente para enfrentar um ataque externo e inclusive temas básicos e fundamentais como a unidade de Jerusalém são temas de controvérsia política mais do que de consenso popular.

De fato, inclusive o “mui” amigo de Israel na Comunidade Internacional, o Primeiro Ministro Ehud Olmert, afirmou ao jornal Jerusalém Post, que devemos nos acostumar a ver o futuro do país em base aos limites fronteiriços de 67, e Jerusalém dividida.

Foguetes seguem caindo em Sderot e no Neguev, Iran continua enriquecendo urânio e nossos líderes parecem não se importar com nada.

Até mesmo no que diz respeito à criatividade, o Sionismo está perdendo terreno, a mídia israelense e os campos universitários se tornaram celeiros do pós-sionismo radical. O editor do maior jornal israelense em hebraico, alega que Israel foi “violada” política e diplomaticamente e que praticamente ninguém se incomoda com o fato.

Entretanto, na Universidade Hebraica de Jerusalém, um estudante graduado recebeu honrarias por uma pesquisa que fez, na qual conclui que os soldados israelenses são racistas porque não violam as mulheres palestinas (Jornal Makor Rishon, 23 de dezembro).

Será que estamos enlouquecendo?

Parece até que John Adams, um dos fundadores dos Estados Unidos, não estava tão errado quando questionou a resistência do poder nas sociedades livres. “A democracia nunca dura muito”, escreveu, “rapidamente é desperdiçada, fica exausta e se auto-elimina. Nunca existiu uma democracia que não tenha cometido suicídio”, disse Adams.

Porém, esta não tem porque ser nossa realidade. Apesar de que tantas coisas se encontram mal ao nosso redor, o mais importante é centrarmos nas coisas boas desse país e celebrar os frutos do Sionismo.

Em vez de nos curvarmos ao cinismo e de nos prostrarmos à derrota, devemos redobrar nossos esforços por alentar o ideal sionista de Israel e de sua juventude, promovendo valores básicos como amor pelo país, patriotismo e orgulho judaico, que devem se tornar prioridade máxima, particularmente porque estes princípios são essenciais para Israel e seu futuro.

Se uma recente pesquisa for correta, e ela afirma que um terço da juventude israelense está pensando em viver no exterior, então algo saiu terrivelmente errado na forma com que nós, enquanto uma sociedade, inculcamos algumas de nossas opiniões mais básicas e fundamentais.

Eventualmente, que existem várias formas de mudar isso, desde revisar o sistema de educação, reenfatizar os símbolos nacionais, até transformar o discurso público.

Entretanto, existe uma idéia relativamente simples e direta, que pode ter um impacto mais imediato e direto: que Israel comece a repartir prêmios ao “sionista do ano”.

É verdade, que já temos o Prêmio Israel, que é entregue no Dia da Independência em uma cerimônia televisionada e conta com a participação de distintas figuras políticas. Porém o Prêmio Israel, como declara o seu próprio site oficial, tem por objetivo premiar aqueles que “tenham demonstrado excelência e tenham inovado em seu campo de trabalho ou que tenham realizado uma contribuição exclusiva à sociedade israelense”. Isto pode incluir artistas, cientistas e especialistas acadêmicos, todos eles importantes e merecem um destacável reconhecimento. Porém, o Prêmio falha por não ressaltar excepcionais e relevantes realizações de verdadeiro Sionismo e isto é um erro que deve ser corrigido.

Se o que uma nação decide honrar, demonstra uma grande mensagem com respeito aos seus valores, então o que podemos dizer do fato de não rendermos nenhum tributo à ideologia que fez surgir o estado de Israel?

Com a entrega do prêmio “o sionista do ano” a indivíduos, organizações ou comunidades, Israel transmitirá importantes mensagens direcionadas a contínua vitalidade do Sionismo e de sua importância vital para o futuro do país.

Isso permitirá ao jovem compreender que nossa sociedade e nossas instituições nacionais dão grande valor não apenas aos benefícios na área de alta tecnologia, mas também, em áreas tais como o serviço público.

A Broadway tem os Prêmios “Tony”, Hollywood tem o “Oscar” e a televisão o “Emmy”, é tempo de Jerusalém começar a distribuir o “Prêmio Herzl”.

Deixem o meu Povo entrar na Terra Prometida!

Pronto! Agora já podemos dormir sossegados. É verdade que o Irã continua com a ameaça de destruir o Estado Judeu, é verdade também, que a Síria se encontra em plena luta para obter armas de destruição em massa, e também é verdade que terroristas palestinos seguem lançando foguetes ao sul de Israel praticamente todos os dias.

Mas não temam! No 14 de outubro, o governo israelense em sua sessão semanal, decidiu dedicar seu precioso tempo e energia para nos proteger, a todos, de um mas grave perigo para o futuro de Israel: o aumento da aliah (imigração).

É isso mesmo, você leu corretamente.

Por sugestão do Ministro do Interior Meir Shitrit, o governo adotou uma vergonhosa decisão que tem por objetivo fechar as portas para grupos de pessoas que desejam se tornar judeus e viver em Israel.

Conforme o comunicado do gabinete, ficou decidido que o Ministro do Interior “outorgará vistos de entrada a grupos relacionados com conversões e aquisição de cidadania somente com a aprovação governamental e de acordo com critérios especiais”.

Porém, por trás desta aparente linguagem ingênua, jaz um objetivo mais sinistro; a determinação anteriormente anunciada por Shitrit, de impedir que grupos com laços históricos que os relacionam ao povo judeu, retornem ao judaísmo e venham viver em Israel.

Além do mais, pedir a aprovação do gabinete cada vez que um grupo de 100 ou 200 pessoas queira vir a Israel para fazer conversão, é uma receita para inércia burocrática, já que existe, uma pequena chance que um tema como este ingresse na ocupada agenda do governo, e aí… já imaginamos em que vai dar… Desta forma, criando um grande obstáculo virtualmente insuperável para conseguir a aprovação, o Ministro espera enterrar este tema de uma vez por todas e para sempre.

Certamente vem a pergunta, por que desejaria Shitrit e seus colegas de gabinete atingir tal objetivo? A resposta é realmente simples. É o mais puro pós-sionismo em sua forma mais repulsiva, repleta de prejuízos e pura ignorância.

Nos últimos meses, Shitrit deixou claro que se opõe a aliah de comunidades tais como os Bnei Menashé do nordeste da Índia, que se intitulam descendentes de uma tribo perdida de Israel, e agora está concentrando esforços para assegurar que eles não consigam retornar para casa.

Mesmo não tendo conhecido a nenhum membro da comunidade, tão pouco ter estudado o tema, Shitrit está disposto a selar o destino dessas pessoas, já que não se enquadram nos conceitos acerca de como deve ser um judeu enquanto a sua aparência externa.

Faz apenas um mês que Shavei Israel, organização que presido, trouxe para Israel um grupo de 230 Bnei Menashé após de ter recebido permissão de Roni Bar-On, o antecessor de Shitrit no Ministério do Interior. Quando Shitrit se interou do tema, tentou boicotar a chegada do grupo, inclusive no momento em que já estavam em trânsito para Israel. Felizmente não teve êxito.

Talvez, o Sr. Shitrit tenha suposto simplesmente, que todo aquele que deseja vir a Israel da Índia esteja motivado por necessidades econômicas mais que por convicções ideológicas e religiosas.

De modo surpreendente, Shitrit mesmo, nasceu no povoado de Ksar Souk, Marrocos, em 1948, e fez aliah com 9 anos de idade. Indiscutivelmente, Shitrit deve ter sofrido muito tipo de descriminação durante a época em que cresceu aqui, visto que muitos veteranos israelenses olhavam com desprezo aos imigrantes do Marrocos.

É por isso, que é realmente surpreendente que adote estes mesmos métodos que foram utilizados contra si e contra seus compatriotas, com respeito aos Bnei Menashé, seja por sua aparência física ou sua origem.

Na realidade, não parece lhe importar, a Shitrit, que o Rabino Chefe Sefaradí, o Rabino Shlomo Amar, tenha reconhecido formalmente aos Bnei Menashé como “descendentes de Israel” em março de 2005 e os chamou para se reintegrarem a Israel e ao povo judeu.

Tampouco parece incomodar, nem um pouquinho a Shitrit, o fato de já existirem 1400 Bnei Menashé vivendo aqui como judeus e israelenses em todos os sentidos. Todos passaram a conversão formal mediante o Rabino Chefe de Israel, vivem estilos de vida judaica praticante, servem o exército e mantêm-se economicamente e as suas famílias com dignidade.

Três jovens membros da comunidade receberam recentemente ordenação rabínica, enquanto que outros se encontram estudando distintas carreiras universitárias, desde ciências da computação até educação, em universidades e institutos de graduação israelenses. Durante a Segunda Guerra do Líbano ocorrida no ano passado, mais de uma dezena de jovens soldados Bnei Menashé, que estavam sozinhos no país (chaialim bodedim), estiveram em frente de batalha como parte integrante de Tzahal, combatendo os nossos inimigos e defendendo a nossa pátria.

Apesar de tudo, Shitrit está obstinado com a idéia de não permitir aos 7000 Bnei Menashé que ainda se encontram na Índia, voltarem para casa. Isto seria uma grande tragédia, não apenas para as famílias e as pessoas envolvidas, mas também para o estado de Israel.

Os Bnei Menashé são parte da extensa família judaica. Seus ancestrais foram separados de nosso povo contra sua vontade, entretanto eles conseguiram preservar através dos séculos sua identidade judaica. Agora, depois de tantas gerações de exílio, estão retomando o contato e solicitando o retorno de volta para casa.

Porém, ao invés de estender as mãos aos nossos irmãos, Shitrit e o governo preferem dar-lhes as costas, sem levar em conta que pessoas como os Bnei Menashé podem fortalecer este país.

Lamentavelmente, o que nossos líderes parecerem ter esquecido é que Israel deveria funcionar como o bote salva-vidas sionista. Confortavelmente a bordo, Shitrit e seus colegas, parecem não ter escrúpulos e tentam impedir que outros que queiram subir a bordo tenham um lugar entre nós.

Bem, eu gostaria de informar ao Sr. Shitrit e seus colegas que o processo divino de retorno a Sion por parte do povo de Israel é muito maior que qualquer pessoa e governo, e nenhum poder humano pode interpor em seu caminho.

Apesar da decisão do gabinete desta semana, o regresso histórico para casa dos Bnei Menashé e de outros grupos como este, pode e vai continuar.

Vamos lançar uma grande e alarmante campanha contra, e não vamos descansar até que possam regressar para casa.

E com a ajuda de D-us, tenho certeza que eles conseguirão.