Parashat Bamidbar

O exército do povo

Por Rabino Eliahu Birnbaum

«E disse o Eterno a Moisés no deserto do Sinai, no tabernáculo… “Fazei o censo de toda a congregação dos filhos de Israel, pelas suas famílias e suas casas paternas, tomando em consideração os homens de vinte anos para cima, ou seja, todos os que estão aptos para pegar em armas em Israel.» (Números, 1, 1-5)

O quarto livro da Torá, Bamidbar, o livro de Números, conta a história do povo de Israel nas suas deambulações pelo deserto, desde o segundo ano da saída do Egito, até o ano quarenta. O livro de Números é o livro da Torá mas variado no seu conteúdo. Nos três livros anteriores, é mais fácil encontrar o fio condutor: O livro de Génesis é o livro dos patriarcas e da sua história. O livro do Êxodo é o livro que narra o surgimento do povo. Levítico é o livro dos sacrifícios e da santificação. Mas o livro de Números está composto por diferentes temas, e não se centra num tema fundamental como os livros anteriores.

Continue reading “Parashat Bamidbar”

As festividades de Israel

“(…) no mês primeiro, aos catorze dias do mês, é o Pessach do Eterno.
E aos quinze dias do mesmo mês haverá festa; sete dias se comerão pães ázimos. No primeiro dia haverá santa convocação; nenhum trabalho servil fareis (…) Assim, cada dia oferecereis, por sete dias, o alimento da oferta queimada em cheiro suave ao Eterno (…) E no primeiro dia do mês; nenhum trabalho servil fareis; será para vós dia de sonido de trombetas (Rosh Hashana) (….) E no dia dez deste sétimo mês tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; nenhum trabalho fareis. (Yom Kipur) (….) Aos quinze dias deste sétimo mês tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis; mas sete dias celebrareis festa ao Senhor (Sucot) (…) E falou Moisés aos filhos de Israel, conforme a tudo o que o Senhor ordenara a Moisés.”

(Bamidbar 28-29)

Continue reading “As festividades de Israel”

A solidão de um homem de fé

Comentário sobre a porção semana da Torá – Balak

 

Nesta porção da Torá nos deparamos com Balak Ben Tzipor, rei de Moav, que teme o avanço dos filhos de Israel à sua terra, sabendo que este povo é ajudado por uma força transcendental que emana da vontade de D’us. Uma força da qual ele não pode lutar contra e, assim, tenta buscar ajuda através de feitiços mágicos.

Continue reading “A solidão de um homem de fé”

Pureza

Comentário sobre a porção semanal da Torá – Chukat

 

Na parashá desta semana nos deparamos com a complicada mitzvá da vaca vermelha, o animal cujas cinzas deveriam ser usadas para purificar aqueles que se encontravam em um estado de impureza, por várias razões, incluindo o luto por um parente próximo.

Continue reading “Pureza”

Por que a rebelião de Korach fracassou?

No fundo, a crítica de Korach foi justa e representava forças democráticas difíceis de ignorar: “E se congregaram contra Moshe e contra Aharon, e lhes disseram: Basta-vos, pois que toda a congregação é santa, todos são santos, e o Senhor está no meio deles; por que, pois, vos elevais sobre a congregação do Senhor?” (Números 16: 3)

Continue reading “Por que a rebelião de Korach fracassou?”

Opiniões subjetivas para um valor objetivo

Comentário sobre a Porção Semanal da Torá – Shelach Lechá

 

Nesta porção da Torá é decretado que o Povo de Israel viveria quarenta anos no deserto. Durante os eventos no deserto vem à tona – muito claramente – a regra que define quem viverá em liberdade e quem não.De qualquer modo, é nesta parashá da Torá que se determina o futuro de toda uma geração que morreria no deserto, e quem seriam aqueles que viveriam para entrar na Terra de Israel.

Continue reading “Opiniões subjetivas para um valor objetivo”