Antes que se esqueça o idioma – Parte 1

Istambul, Turquía

Até o século passado, Turquia era o lar de uma grande comunidade judaica e o centro vivo da cultura ladina, que tem sua origem na Espanha. 500 anos após o grande apogeu, em Istambul sentem tanto a decadência como o temor.

Existem aqueles que descrevem a história judaica como uma escada que se encontra apoiada na terra e sua parte superior chega até o céu. A escada é a analogia do povo judeu, o qual se encontra sempre em uma escada, as vezes sobe um degrau e as vezes desce dois. A existência judaica não é plana e horizontal, mas sim vertical. Outros descrevem a existência judaica como um péndulo de um relógio que não para nem por um minuto, as vezes está em cima e as vezes está em baixo. Parece que tais descrições caracterizam o judaismo turco até os dias de hoje.

No passado, os judeu foram bem recebidos no Império Turco Otomano; porém agora, os judeus vivem no país turco, um país muçulmano-laico, com determinado temor por sua sugurança. Em minha última visita a Turquia vi a grande preocupação com segurança que existe fora das sinagogas, nos edifícios comunitários e nos escritórios do Rabinato. O tema ficou ainda mais delicado após os vários atentados que ocorreram nas sinagogas, entre eles, as duas vezes ocorridas no Beit Kenesset “Neve Shalom”. A situação de segurança me levou ao passado, a época dos anussim de Espanha – de lá chegaram os judeus à Turquia, lugar onde poderiam viver como judeus com liberdade e sem temor.

Os momentos mais importantes da história judeu-turca são, em particular, a chegada dos expulsos de Espanha no século XV, a conversão ao islamismo do falso messias Shabetai Tzvi no século XVII e os atentados as sinagogas no seculo XX.

Nem a chegada dos judeus de Espanha, nem a grande decepção que causou Shabetai Tzvi aos judeus de Turquia e ao mundo judaico, preocupam aos judeus locais, mas já o terceito problema, a segurança pessoal e física, esse sim. Apesar da comunidade viver com seus vizinhos muçulmanos em relativa paz a cerca de 500 anos, hoje em dia não é fácil viver como uma minoria judaica num grande país muçulmano. A comunidade judaica é certamente uma minoria na Turquia de hoje; a população geral, dos quais 99% são muçulmanos, conta com quase 70 milhões de pessoas; a comunidade judaica de todo o país tem menos de 30 mil pessoas.

 

De onde provêm os judeus da Turquiaeuropa-haketia

Após a expulsão dos judeus de Espanha e Portugal, o Sultão Biazir II publicou um convite formal aos judeus para que viessem viver em seu território, e eles começaram a chegar ao Império em grande número. O Sultão sonhou em transformar o Império Otomano em uma potência internacional e intercultural, e como parte desta tendência se dirigiu aos centenas de milhares de judeus expulsos e lhes sugeriu viver em seu Império e desfrutar de completa liberdade de culto.

O Império Otomano incluía naqueles tempos não somente a Turquia, mas também a Grécia e parte dos Balcãs, como grande parte do Oriente Médio. A oferta do Sultão Biazir, deu nova esperança aos judeus sefaraditas perseguidos. Em 1492 o Sultão ordenou aos dirigentes das províncias do Império Otomano “não negar a entrada aos judeus ou criar dificuldades, mas sim recebê-los com alegría”. Os judeus vieram e na Turquia se estabeleceram principalmente em Istambul, Esmirna e Edirne.

“Vocês chamam a Fernando o rei sábio”, disse o Sultão, “porém, ao expulsar os judeus, condenou sua terra a pobreza e a nossa a riqueza!” Os judeus de fato de desempenharam em distintas tarefas no Império Otomano: os muçulmanos turcos não estavam interesados em empreendimentos comerciais e deixaram o comércio para as minorias religiosas. Tão pouco confiavam nos súbitos cristãos dos países que haviam conquistado fazia tão pouco tempo atrás, e por isso, naturalmente preferiam aos judeus.

Os expulsos de Espanha e Portugal encontraram em Istambul uma grande comunidade de judeus Romagnotes (judeus que viviam no Império Bizantino e que cuidaram seus costumes após a conquista do Império Otomano; de acordo a vários investigadores, estes judeus partiram da terra de Israel após a destruição do Segundo Templo, para a Ásia Menor e os Balcãs), italianos e asquenazitas. A chegada dos sefaraditas mudou a composição da comunidade. Tiveram cuidado em manter uma política da boa vizinhança entre os distintos grupos, porém as diferenças culturais eram tão grandes que não puderam arbitrar entre elas, tendo ocorrido apenas depois de muitos anos. Finalmente, os judeus Romagnotes foram os que se “assimilaram” dentre os judeus que chegaram de Espanha e adquiriram seus costumes.

Ao longo dos anos, os expulsos de Espanha passaram a ser o grupo dominante e determinante na vida cultural, comercial e medicinal do país. Durante 300 anos depois da expulsão, o êxito e a criatividade dos judeus Otomanos na Turquia e no resto dos países do Império estavam a um nível muito parecido ao da Idade de Ouro na Espanha. Quatro cidades otomanas – Istambul, Esmirna, Safed e Salonica – converteram-se nos centros do judaísmo sefaradita.

Uma das maiores inovações que os judeus trouxeram para o Império Otomano foi a imprensa. Em 1493, apenas um ano depois do exílio de Espanha, David e Shemuel Ibn Najmias estabeleceram a primeira máquina impresora hebraica em Istambul.

 

A cultura do Ladino

Os expulsos de Espanha, cuja língua era o judeu-espanhol, não só levaram consigo sua rica cultura judaica ao Império Otomano, que chegou ao seu apogeu na época de ouro, senão também, o idioma que os acompanhou durante séculos. Os judeus que chegaram a Turquia seguiram preservando sua língua original, parecia ser como uma tentativa de fixar a sua origem judaico-espanhola em pleno Império Otomano. As centenas de anos de estadia na Turquia não foram suficientes ara que os poetas, os escritores, os exegetas e os rabinos adotassem a língua turca; as obras foram escritas e transmitidas de forma completa em ladino.

El origen del ladino se encuentra en el español antiguo y se encuentran integradas palabras y dialectos del hebreo y el arameo. Hay quienes distinguen entre el idioma original en el que hablaban los judíos de España, el judeo-español o el “j’udaismo”, y el Ladino el cual se desarrolló en especial luego de la expulsión de España y se transformó en el idioma oficial de los judíos expulsados de los Balcanes, del imperio Otomano, del Norte de África y de todos lados a donde fueron llevados los expulsados de España.

O ladino foi escrito com letra Rashi ou com letras hebraicas quadradas. As vezes se escrevia o ladino em letras latinas e as vezes em letras redondas o qual era muito aceito em distintas comunidades espanholas.

Lamentavelmente o ladino começa a desaparecer. Os jovens já não o falam, nem tão pouco é uma língua falada. É certo que se está tentando “renovar” o idioma, porém de fato o principal uso da mesma ocorre em obras, no teatro, nas universidades, na liturgia, no folclore e na música.

Os judeus da Turquia conseguiram preservar o idioma durante 500 anos, porém no século XX ocorreu uma grande e dramática mudança. A identidade dos judeus turcos como exilados de Espanha já não é mais preservada com tanto rigor.

Os jovens da comunidade anseiam unir seu futuro com o futuro do país e tornarem-se turcos em todos os sentidos. Está claro que evitam falar o ladino publicamente. É lógico que os motivos de segurança influenciam. Em minha visita a Istambul adorava falar ladino com os anciãos da comunidade e os adultos; eles ainda desfrutam do ladino e se orgulham de poder falar o idioma que os une a seu passado.

Continuará…