O Renascimento do Histórico Judaísmo Italiano

Não é surpreendente ouvir que a vida judaica na Itália constitui um rico capítulo dentro da história judaica, através dos tempos. Podemos facilmente captar a sua dimensão mencionando, somente, luminares como Leone Ebreo (Don Yehuda Abarbanel), o célebre pensador medieval; Rabi Moshe Chaim Luzzatto, o estudioso e cabalista cujos escritos continuam a brilhar no pensamento judeu; ou Primo Levi, o judeu italiano que sobreviveu ao Holocausto e relacionou esta experiência com a lucidez do mundo. Mas quantas vezes ouvimos sobre os descendentes de uma comunidade que foi destruída e seu povo expulso, cerca de quinhentos anos antes de começarem a retornar à sua identidade religiosa? É exatamente isso que tem acontecido com os judeus italianos na Sicília – a ilha do sul da Itália que já foi um emirado árabe – mesmo que, não tenha qualquer comunidade judaica organizada.

Como parte das atividades dos “Dias Europeus da Cultura Judaica”, trezentas pessoas, entre estas descendentes de Bnei Anussim, reuniram-se em Palermo, na Sicília, no dia 18 de setembro, para celebrar a cultura judaica. A iniciativa italiana ocorreu em mais de 70 localidades, este ano com o tema, “línguas hebraicas e dialetos.” Em Palermo as atividades foram divididas entre visitas a sítios judaicos, música e uma conferência na qual o emissário da Shavei Israel para o Sul da Itália e Sicília, o Rabino Pinchas Punturello, participou juntamente com vários palestrantes, no campo da linguística hebraica com suas manifestações na Itália. Veja as fotos aqui.

As visitas cobriram a área da Guidecca, o Arquivo Histórico Comunal e o Palácio Marchesi, enquanto que para o encerramento das atividades, o conjunto Tahev Shir realizou um concerto centrado na música sefardita e asquenazita. Os eventos foram organizados pela Shavei Israel em coordenação com o município e organizações culturais locais. Veja as fotos aqui.

Através dessas atividades, os descendentes de judeus que foram forçados a adotar o catolicismo tiveram a oportunidade de se reconectar com suas raízes judaicas. Seus antepassados, embora forçados a abandonar o judaísmo, mantiveram secretamente uma aparência de sua identidade judaica, apesar do terror e da opressão que a Inquisição representava. Nos últimos anos, tanto no sul da Itália quanto na Sicília, muitos estão tomando o caminho de volta para suas raízes.

“O retorno do povo judeu é um testemunho notável do poder da memória coletiva judaica, juntamente com nosso dever histórico e moral de chegar até eles, recebendo-os de volta para o povo judeu”, afirma Michael Freund, presidente da Shavei Israel, a principal organização que trabalha com os Bnei Anussim na Itália e no mundo.

Traçando brevemente a história do judeu siciliano, este provavelmente data dos anos anteriores à destruição do Segundo Templo e do exílio judaico. Embora saibamos que após a destruição do Templo muitos judeus chegaram como escravos, ao longo dos séculos, a comunidade floresceu, apesar de múltiplas perseguições e execuções de, inclusive, grandes rabinos e eruditos. No século XIV e sob a pressão do regime espanhol a situação deteriorou-se de tal forma que os guetos foram estabelecidos, e para aqueles relutantes em abraçar o cristianismo em suas vidas diárias, tornou-se uma situação terrível, atingindo o seu pico com a expulsão definitiva dos judeus (52 comunidades em toda a Sicília ). Esta expulsão datada de 1510, estima que cerca de 37.000 judeus foram expulsos. Aqueles que permaneceram foram convertidos a força, com o olho ubíquo da Inquisição sempre vigilante de qualquer atividade religiosa ilegal entre os judeus italianos.

Muitos se mudaram para regiões italianas vizinhas como Nápoles e Calábria, assim como muitos judeus espanhóis fizeram, entre eles o renomado Don Isaac Abarbanel, erudito e empresário que tinha servido como ministro na Espanha. A Inquisição no sul da Itália durou até o século 17 e possivelmente até mais tarde, queimando Bnei Anussim e seus descendentes. Ainda assim, não pôde impedir que a identidade judaica fosse transmitida de geração em geração, tornando possível que hoje, alguns desses descendentes, estejam lentamente empreendendo o caminho de retorno às suas raízes judaicas.

“A celebração da cultura judaica de Palermo enfatiza a força do espírito judaico e o fato tocante de perceber mais uma vez como, nem mesmo a expulsão e a Inquisição, conseguiram extinguir a eterna centelha judaica”, conclui Freund.

Como os judeus guardavam o Purim durante os tempos da Inquisição?

Apesar da perseguição implacável, os judeus encontraram uma maneira de observar o Purim durante a Inquisição espanhola.

Em 1391, massacres anti-judaicos varreram a Espanha, fazendo com que judeus fossem obrigados a escolher entre se converter ao cristianismo ou serem assassinados. Cerca de 20.000 judeus espanhóis se tornaram cristãos durante este período e muitos mais continuaram a converter ao longo do século 15, sob coerção. No entanto, muitos desses judeus que foram convertidos sob a espada continuaram a praticar o judaísmo em segredo. Isso perturbou muito os espanhóis, que viram que muitos judeus “escondidos” continuavam a fazer parte dos altos escalões da sociedade espanhola, como já eram desde a Idade de Ouro da Espanha muçulmana.marranos-300x261

Deste modo, em 1492, a rainha Isabel e D. Fernando expulsaram do seu reino todos aqueles judeus acusados de seguirem praticando a fé judaica. Em um primeiro momento, a Inquisição espanhola foi criada para caçar os judeus que continuavam a praticar sua fé em segredo. Cerca de 165.000 judeus fugiram da Espanha, 50.000 foram batizados e algo como 20.000 morrem, tentando deixar a Espanha em 1492. Enquanto isso, 31,912 “hereges” foram queimados nas fogueiras da Espanha, e outros 17.659 foram queimados em efígie – ou seja, simbolicamente, substituídos por um boneco de pano. Para os judeus secretos, conhecidos como “Anussim” – conversos ou marranos – que viviam sob o jugo da Inquisição e, portanto, em constante medo de que seriam descobertos, a festa de Purim tinha um significado especial, já que a Rainha Esther também foi forçado a praticar o judaísmo em segredo.

Para os Anussim da Espanha, Portugal e América Latina, Purim não era um dia de festa com crianças fazendo barulho e adultos consumindo álcool. Pois, se celebrassem desta forma, seriam descobertos pela Inquisição. Ao invés disso, os Anussim, que corriam perigo de vida, jejuavam por três dias, assim como a Rainha Ester jejuou quando os judeus da Pérsia foram ameaçados de aniquilação.

Como resultado, a Inquisição utilizou o Jejum de Esther como um indicador de judeus engajando-se em atividades religiosas “proibidas”. Além disso, um jejum de três dias não era considerado saudável. De acordo com Gabriel de Granada, um garoto de 13 anos de idade, interrogado pela Inquisição no México em 1643, as mulheres de sua família dividiam os três dias de jejum entre elas. Leonor de Pina, que foi preso pela Inquisição portuguesa em 1619, registrou que suas filhas jejuavam por três dias, durante o dia, enquanto durante a noite, comiam. Contudo, quando comiam, se abstinham de comer carne.

Estudiosos dos Anussim sustentam a idéia de que os judeus secretos de Espanha, Portugal e América Latina viram no jejum particular de três dias como um substituto para as Mitzvot públicas de: ler a Megilá na sinagoga e enviar presentes com comida para familiares e amigos – sendo estas ações que chamavam a atenção da Inquisição. O professor Moshe Orfali da Universidade Bar Ilan afirma que os Anussim jejuavam, muitas vezes, como uma forma de demonstrar o seu remorso por serem forçados a violar a Torá.

Curiosamente, os Anussim também transformaram a rainha Esther em “Santa Esther,” como um meio de disfarçar sua fé judaica durante a Inquisição. Os Anussim frequentemente ofereciam todas as suas orações para esta “santa”. Assim, mesmo que os Anussim hajam perdido muito de sua herança judaica ao longo dos séculos, eles nunca esqueceram a Rainha Esther, ou as palavras da Megilá que proclamam: “E esses dias de Purim nunca deixarão os judeus, e sua lembrança jamais será perdida entre seus descendentes”.

 

Por: Rachel Avraham, traduzido do site UnitedWithIsrael.org

O Papa Lunático e a Disputa com os Judeus

A Disputa de TortosaFOTO-Concilio

Na segunda metade do século XIV, viajava pela Europa um frade dominicano, nascido em Valência, que era conhecido por seu antissemitismo virulento. Uma de suas expressões favoritas era “batismo ou morte” baseada no terrível desastre de 1391 onde se expandiu por Castela e Aragão uma terrível onda de ataques contra as comunidades judaicas, muitas dessas comunidades judaicas espanholas desapareceram, seja porque seus habitantes morreram ou porque foram forçados a se converter ao cristianismo, ou mesmo, por ambos motivos.

Continue reading “O Papa Lunático e a Disputa com os Judeus”

O Escritor Miquel Segura aborda o tema dos “Chuetas” em uma Perspectiva Novelística!

Convit_les cendres del rabi.fh8Muito tem sido escrito sobre os “Chuetas” em Mallorca, porém somente Miquel Segura – escritor convertido que em 2009, retornou à fé de seus antepassados judeus – abordou a questão a partir de uma perspectiva atual, retirando o tema dos arquivos e coteries sempre fechados e inacessíveis. Começou com o ensaio “Raízes Chuetas, Asas Judaicas” (Lleonard Muntaner 2006), que foi traduzido para o espanhol, conseguindo difundir rapidamente em toda a Espanha e América Latina e até mesmo em cidades como Sarajevo e Istambul. Mais tarde Segura nos surpreendeu com “A História Somos Nós” (Lleonard Muntaner 2012), uma crônica de seu retorno ao Judaísmo, escrita em um livro-chave de suas viagens.

No entanto, Segura, apesar de poder se mover como um peixe na água no gênero que poderíamos chamar de, “Literatura do Eu”, nunca quis renunciar de sua vocação como novelista. Um dia, em 2010, teve a sorte de encontrar um homem que contou uma história incrível. Joseph Wallis, afirma ser um descendente do Rabino Rafael Valls, morto na fogueira pela Inquisição espanhola, em 1691, juntamente com outros 36 descendentes de judeus convertidos. Wallis transportou o escritor para a vida dos seus pais e avós, todos, vítimas da Shoá (Holocausto), embora seus pais tenham sobrevivido a este horror. Aquele homem assegurou-lhe que sua família sempre teve uma força muito especial, que ele atribuia a seus antepassados de Mallorca: eles haviam lhe dado força nos campos de concentração e, mais tarde, na sua peregrinação pela Europa devastada pela guerra, até chegar em Israel. Eles também lhe tinham transmitido os fundamentos da ortodoxia. Contou sobre um Sidur que seu pai perdeu entre Auschwitz e Dachau, cuja capa traseira incluia a árvore genealógica da família.

Com este material intenso e cativante – embora contido em compartimentos estancados – Miquel Segura escreveu um romance que se passa entre os anos de 1678 e 2009. Demonstrando o domínio no “flash back” e um vasto conhecimento da história dos últimos “conversos judaizantes” de Mallorca, o autor leva o leitor através de várias histórias que se cruzam em uma ação frenética aonde não faltam intriga, reivindicação do passado e do presente e uma emoção dramática.

Estamos, portanto, diante de um romance construído a partir de muitas histórias verdadeiras em que os personagens fictícios ajudam a concretizar os vários argumentos que acabam sendo o mesmo: a desgraçada cadeia histórica dos conversos de Mallorca, que ainda não foi reparada, muito menos, em sua totalidade.

Mas, “As Cinzas do Rabino” – escrito em catalão, que é a língua materna de Segura – não é um romance “de chuetas”. É muito mais: é a reivindicação de um passado e um presente que os mallorquino sempre quiseram arrancar dos arquivos empoeirados. É a denuncia da falácia daqueles que usam a memória histórica dos convertidos de Mallorca como uma cobertura para um entretenimento para curiosos, pseudo-intelectuais e promotores de turismo. O drama dos Chuetas – subgrupo de Anussim – deixado de lado neste mar tempestuoso de instituições religiosas, tanto judaicas quanto cristãs, aparece aqui com força total. Além deste romance histórico, cheio de intrigas que servem como um estímulo para o leitor, trata-se de uma grande questão que ainda está por resolver: o enquadramento dos chuetas no judaísmo ou, em qualquer caso, no grande Povo de Israel.

 

Os Primeiros na Fila para a Cidadania Portuguesa: Sonhadores Judeus e Caçadores de Fortuna!

Debruçada sobre um monumento em homenagem a milhares de judeus mortos no massacre de 1506 em Lisboa, Danielle Karo (não é seu nome real) sentia um inchaço nos olhos.pasaportes-ciudadanía-del-dúo-11408424-300x199

Para Karo, uma poeta e analista de negócios americano, que é descendente de um dos maiores sábios do judaísmo sefaradita, o massacre não é apenas uma história antiga. É um emblema da perseguição que a motivou solicitar a cidadania portuguesa sob uma lei de 2013 que garante cidadania para os descendentes de judeus sefaraditas, o termo usado para se referir aos judeus que viviam na Península Ibérica.

“Eu acho que esta lei de Portugal é uma coisa bonita”, disse Karo, que pediu para ser identificada por um pseudônimo, pois trabalha, também, em países muçulmanos no Oriente Médio. “Mas quando eu penso na perseguição que a minha família sofreu lá, eu também acredito que é um dever de Portugal.”

Karo é a primeiro de cerca de 300 pessoas que solicitaram a cidadania nos termos da lei, de acordo com as comunidades judaicas do Porto e de Lisboa, que deverá supervisionar os pedidos de naturalização, para o governo. A lei, que entrou em vigor no mês passado, faz de Portugal o segundo país do mundo com uma lei de retorno para os judeus.

Para se qualificar a cidadania, os candidatos devem provar que pertencem a uma comunidade judaica sefaradita ou que possuem uma ascendência sefaradita. Devem, também, fornecer certificados provando que não possuem antecedentes criminais e uma certidão de nascimento autenticada pelo consulado Português, em seu país de residência, entre outros documentos. A lei não exige que os candidatos viajem a Portugal.

Até o momento, as comunidades do Porto e de Lisboa, são as responsáveis por certificar a ascendência sefaradita dos cerca de 200 candidatos. Em Lisboa, a maioria dos candidatos vêm de Israel, de acordo com José Oulman Carp, presidente da comunidade judaica da capital. Em Porto, 55 dos 100 certificados são judeus turcos, de acordo com um relatório de progresso lançado por esta comunidade no dia 31 de março.

Até o momento, as recorrentes não receberam uma resposta.

Karo, uma ávida viajante e ex-aluna da Universidade de Edimburgo, afirma ser descendente de Joseph Karo, um Rabino espanhol do século 16 que foi o autor de um dos principais códigos de lei judaica. Ela admite que além do gesto simbólico em resposta a deportação de seus ancestrais no século 16, um passaporte Português ajudaria com “algumas aplicações práticas”, tais como vistos automáticos de trabalho e estudo em todos os 28 membros da União Europeia.

Ainda assim, Karo insiste que a decisão de aplicar para a cidadania “é movida, principalmente, pelo lado emocional” orgulhosa de sua ascendência sefardita.

“É algo que é parte de mim, por isso apliquei imediatamente”, disse ela.

Políticos portugueses responsáveis pela legislação citaram motivações semelhantes. José Ribeiro e Castro, um político conservador que estava entre os co-autores da lei, disse que pretendia, com a legislação, trabalhar pela reparação tardia da expulsão de centenas de milhares de judeus da Península Ibérica nos séculos 15 e 16.

“Pela minha carreira política, sou muito grato por ter alcançado esta lei”, escreveu Ribeiro e Castro no mês passado em um Op-Ed no jornal “Público”.

Para alguns candidatos, a cidadania portuguesa significa uma oportunidade.

James Harlow, 52 anos, pai de três crianças na Califórnia e dono de uma empresa de tecnologia no Vale do Silício, disse a JTA, que a nacionalidade portuguesa lhe permitiria expandir o seu negócio na Europa. Dois judeus turcos, sócios nos negócios, disseram a JTA que estão considerando aplicar para a cidadania para que possam começar uma empresa de computadores nos Países Baixos.

“Para os jovens judeus turcos, a aquisição da nacionalidade portuguesa é uma questão de conveniência”, disse Cefi Kamhi, um ex-parlamentar turco e uma figura proeminente na minguante comunidade judaica da Turquia.

Como centenas de milhares de judeus sefaraditas, a família de Kamhi fugiu para Portugal, quando a Inquisição começou na Espanha, e teve que fugir novamente quando esta alcançou Portugal. Kamhi já solicitou a cidadania espanhola em um procedimento complicado iniciado na década de 1990, mas nunca foi naturalizado.

“Estou pensando em aplicar para a cidadania portuguesa, embora eu não precise disso por qualquer razão prática”, disse Kamhi. “Seria apenas um bom encerramento.”

No ano passado, o governo espanhol aprovou seu próprio projeto de lei para a naturalização dos judeus sefaraditas, muito mais permissiva que a versão de Portugal, mas a execução foi adiada devido a divergências sobre o procedimento. No próximo mês, a baixa Câmara do Parlamento Espanhol deve votar em uma segunda versão do projeto de lei, que instituiria critérios além daqueles exigidos em Portugal, incluindo a necessidade dos candidatos se submeterem a um teste de língua espanhola.

Assim como seus colegas portugueses, políticos espanhóis dizem que a lei se destina a corrigir um erro histórico. No entanto, como Espanha e Portugal lutam para sair de uma crise econômica que deixou os países com taxas oficiais de desemprego de 23 e 14 por cento, respectivamente, os estados ibéricos também pode ver nesta medida, um incentivo financeiro ao atrair os recém-chegados judeus.

“A Diáspora Sefaradita pode ser vista como uma grande piscina de potencial para beneficiar as economias de Espanha e Portugal, uma vez que a piscina pode atrair visitas, moradores e investimentos”, disse Michael Freund, fundador e presidente da Shavei Israel, uma ONG, sem fins lucrativos, com sede em Jerusalém que trabalha com programas de extensão para os descendentes de judeus sefaraditas.

Freund observou que os funcionários de turismo dos dois países costumam citar o incentivo financeiro abertamente, ao defender a expansão na rede de patrimônios históricos judeo-ibéricos.

Harlow, o requerente da Califórnia, não vê contradição entre os dois.

“Como líder de negócios no Vale do Silício, recebo de braços abertos a oportunidade de trazer capital, empregos e know-how para auxiliar no cultivo da região do Porto”, disse ele. “Talvez incluiria o cultivo de uvas moscatel ou azeitonas, assim como os meus antepassados fizeram mil anos atrás.”

Este artigo foi publicado originalmente no site da JTA.

Artur Carlos de Barros Basto: o Dreyfus português!

Sessenta e cinco anos após a morte do Capitão Arthur Carlos de Barros Basto – fundador da comunidade judaica no Porto, e defensor apaixonado dos Bnei Anussim de Portugal – ainda se debate sua reintegração póstuma ao Exército Português. Barros Basto foi expulso do exército há quase sete décadas atrás pelo “crime” de proclamar com orgulho sua herança judaica!

A recomendação de reintegrar Barros Basto foi feita no fim de julho de 2012 pelo Parlamento Português, depois de quase 10 anos de lobby da Shavei Israel e a neta do capitão, Isabel Maria de Barros Lopes, que no ano passado apresentou um pedido formal ao presidente do parlamento Português. A Shavei Israel, então, lançou uma petição on-line amplamente divulgada para complementar o pedido de Lopes. A petição recebeu mais de 1.300 assinaturas.

O Capitão Barros Basto foi u552204_432442650150596_2037884314_nm soldado condecorado que comandava uma companhia de infantaria Portuguesa na I Guerra Mundial. Lutou nas trincheiras de Flandres, e participou da ofensiva aliada para libertar a Bélgica. Em 1937, no entanto, os militares Portugueses sumariamente o expulsaram de suas fileiras, humilhando-o injustamente, pois havia lançado uma campanha pública para despertar os Bnei Anussim de Portugal a regressar às suas raízes judaicas.

Barros Basto foi ele próprio parte dos Bnei Anussim – um descendente de judeus cujos antepassados tinham sido forçados a se converter ao catolicismo durante a época da Inquisição espanhola. Após a guerra, ele abraçou a fé de seus antepassados e foi submetido a um retorno formal ao judaísmo perante um tribunal rabínico no Marrocos espanhol. Vestindo seu uniforme militar e suas medalhas, viajou entre as cidades e aldeias do interior de Portugal, fazendo discursos empolgantes, conduzindo serviços judaicos e procurando inspirar outros a seguir seu exemplo.

Voltando-se aos judeus do mundo por ajuda, ele conseguiu levantar os fundos necessários para a construção da magnífica sinagoga Mekor Haim, que ainda existe na cidade do Porto, e abriu uma yeshiva que operou por nove anos, ensinando jovens Bnei Anussim sobre sua herança. Sozinho, também produziu um jornal judaico, HaLapid (a Tocha, em hebraico), além de ter sido responsável pela publicação de vários livros sobre a história judaica e Direito Português.

Mas sua prática aberta do judaísmo, e as milhares de pessoas que inspirou, não se compatibilizavam com o governo ou as autoridades da Igreja da época. Estes procuraram sufocar seu crescente movimento, trazendo-lhe encargos ligados à prática da religião judaica. O Conselho Superior de Disciplina do Exército Português concluiu que Barros Basto não tinha a “capacidade moral” para servir em suas fileiras.

E o que constituía como uma deficiência em moralidade? Incrivelmente, o militar “acusou” que Barros Basto tinha “realizado a operação de circuncisão de vários alunos de acordo com um preceito da religião israelita que professa” e, além do mais, “era excessivamente afetuoso com seus alunos”. Destituído de seu posto, a dispensa desonrosa quebrou Barros Basto psicologicamente, fisicamente e financeiramente. Ele também colocou um fim prematuro a seus esforços para despertar os Bnei Anussim de Portugal, muitos dos quais viram o tratamento dado a Barros Basto como um sinal de que as autoridades não tolerariam seus retornos ao judaísmo.

A situação de Barros Basto tem sido comparada ao de Alfred Dreyfus, o Oficial Maior francês que, por ser judeu, foi condenado por traição por falsas acusações em 1894 e também expulso do serviço militar. No entanto, ao contrário de Dreyfus, não houve um Émile Zola português, que denunciou publicamente a injustiça geral francesa. Mesmo após a queda da ditadura portuguesa em 1974, a família Barros Basto não foi capaz de obter um novo julgamento.

Ao longo dos anos, a Shavei Israel suscitou o apoio de um número de organizações judaicas americanas, incluindo a Conferência dos Presidentes, a União Ortodoxa e os sionistas religiosos da América. Em fevereiro de 2012, em parte como resultado de nossa longa campanha, uma comissão parlamentar aprovou por unanimidade o relatório, que reconheceu a base anti-semita da decisão de 1937 e pediu a reabilitação do capitão Basto. A aprovação final do relatório do Parlamento Português veio no final de Agosto deste mesmo ano.

Lopes, a neta de Barros Basto e hoje a vice-presidente da comunidade judaica no Porto, disse à imprensa que esta decisão “significa o fim de uma luta que tinha sido realizada por meu avô, minha avó, minha mãe e eu.” Ela acrescentou que a decisão significa que a luta de Barros Basto e seu sofrimento não foram “completamente sem sentido.”

A reintegração do capitão Barros Basto também nos dá esperança de que outros erros históricos e anti-semitas de discriminação podem algum dia ser consertadas com justiça. E, talvez mais do que tudo, ela demonstra que a advocacia e a atitude intrinsecamente judaica de “nunca desistir” pode – e deve – alcançar resultados tangíveis.

Com a conclusão do caso Basto Barros, uma mancha foi removida do nome de um homem nobre. Que sua alma finalmente possa descansar em paz!

O “Broquel” dos Judeus

Pelo Rabino Nissan Ben Avraham
A Discriminação1

Com a destruição do Segundo Templo, o povo de Israel início o período do duro o exílio que durou até a independência do Estado de Israel. Por estar longe de casa, em uma posição claramente inferior, foram muito frequentemente perseguidos e discriminados. Claramente que nem em todos os lugares e nem em todos os momentos a mesma discriminação ocorreu. Houve épocas mais duras, assim como lugares piores que outros.

Na luta pela discriminação contra os judeus, tanto as diferentes populações quanto as instituições têm inventado ao longo do tempo, diferentes sistemas de alcançar seus objetivos. Veja aqui dois exemplos deles.
Os Bairros Judeus

Um dos métodos mais conhecidos foi obrigar os judeus a viverem em condomínios fechados. Nos países árabes estes “bairros” foram chamados de ‘alchama’ ou ‘melach’, que significa “reunião” e “sal”, respectivamente. O segundo nome é em razão do fato de os árabes terem semeado o terreno com sal antes de entrega-los aos judeus para impedir que estes não possam ter sucesso plantando na terra. Em Castela estes bairros foram chamados de ‘juderías’, ou ‘o local onde judeus vivem’. Nos países catalães eram chamados de ‘call’, a palavra com origem do hebraico ‘cahal’, que significa ‘comunidade’. E, em Veneza, os chamaram de ‘gueto’, palavra Veneziana que significa ‘fundição’, uma vez que o bairro judeu daquela cidade – no século XIV – era localizado perto de um forno siderúrgico.

A verdade é que os próprios judeus estavam interessados em viver juntos, em um local fechado por paredes ou muralhas, com portões na entrada, e isso, não somente por razões de segurança. Viver nestes bairros fechados facilitava a mobilidade no Shabat, o sábado judaico, no qual os sábios proíbem transportar objetos na rua, a não ser que tenha sido estabelecido previamente um acordo entre os vizinhos, chamado “eruv”. A condição para fazer o “eruv” deveria ser que todos os moradores fossem judeus ou que ‘alugassem’ a propriedade daqueles que não são judeus para poder realizar o “eruv”.

Ainda assim, o fato de que o bairro judeu deveria fechar suas portas à noite, ou que não poderia ter janelas abertas para as ruas “normais”, não tinha relação com as leis judaicas, era, simplesmente, resultado de discriminação contra os judeus. Era uma maneira de tê-los “sob controle” e facilitava a possibilidade, explorada muitas vezes, de obter o censo preciso das pessoas para poder, assim, impor vários impostos. Além de tê-los todos reunidos para os casos “eventuais” de um ataque violento.

As crônicas da Idade Média em Castela e Aragão estão cheias de “eventos” nos quais a multidão atacou as ‘alchamas’ judaicas, causando várias vítimas na população. São notórios os ataques russos contra os bairros judeus, denominados ‘pogroms’ – palavra russa que significa “destruição”, “abate” – que ocasionaram em uma grande emigração judaica, principalmente para o Norte e o Sul das américas, e alguns poucos, para a Terra de Israel, no final dos séculos XIX e início do século XX. Estando todos reunidos em algumas poucas ruas, sem dúvida, facilitava a tarefa dos atacantes.

Os nazistas encheram em alguns poucos guetos toda a população judaica da Polônia – assim como o fizeram em outros países ocupados – antes da deportação dos judeus para campos de concentração e, em seguida, para a etapa de extermínio. No Gueto de Varsóvia foram obrigados a conviver quase meio milhões de judeus, no início dos anos 1940.
O Maguen David2

Os criminosos nazistas na Europa do Terceiro Reich, obrigaram os judeus a costurar em suas roupas uma estrela de seis pontas amarela com a palavra “judeu”. Em cada país ocupado, em seu próprio idioma: ‘Jude’ na Alemanha, “Juif” em França, “Jood ‘na Holanda, e etc …

Mas, na realidade, não foram estes que inventaram essa sinalização para os judeus. A “Estrela de Davi” ou o “Maguen David” – “Escudo de David”, como é chamado em hebraico – é um distintivo muito mais antigo, que já era parte da bandeira proposta pelos Congressos Sionistas e se tornou a bandeira do moderno estado de Israel.

Outras versões foram anteriormente impostas:
Chapéus e casacos

3Nas terras de Ashkenaz, para os judeus serem reconhecidos mais facilmente, estes eram obrigados a vestir um chapéu especial, em forma de sino, registrado em diferentes gravuras da Idade Média.

Também na Catalunha, os judeus eram obrigados a cobrir suas cabeças com um chapéu em forma de cone, cuja imagem pode ser vista em um retábulo da igreja de Mallorca do século XV, que representa um grupo judaico, vestidos de acordo com o costume naquela época. O retábulo representa o chamado “Paixão de Beirute”, na qual os judeus da cidade foram convertidos ao cristianismo.

Em Perpignan, capital do reino de Mallorca, foi publicado no ano de 1302 um decreto que exigia que os judeus usassem uma ‘Capa Judaica’, que também pode ser visto em alguns gráficos da época.
O Broquel4

Finalmente, algumas décadas mais tarde está registrado que se decretava em Mallorca, que os judeus eram obrigados a costurar a roupa um “broquel”, um escudo redondo, também chamado de “Rodella”, metade amarelo e metade vermelho.

Cerca de trinta anos atrás, apareceu em Mallorca uma coleção de livros relacionados com os judeus de Mallorca e seus descendentes que se converteram ao cristianismo, na Editorial Miquel Font, chamado, precisamente de ‘La Rodella’, ajudando, afinal, a ampliar o conhecimento do contexto cultural judaico – a melhor maneira de lidar definitivamente com o preconceito e a complexidade antijudaica.

Infelizmente a discriminação ainda não parou. Nossos inimigos ainda estão à procura de desculpas para continuar perseguindo e segregando, sem serem capazes de aceitar a nossa cultura, nossa religião, nossas idiossincrasias – distintas e separadas. Deve-se parar completamente a era da discriminação, seja ela de qualquer tipo.