Voluntário da Shavei ensina hebraico na América Central

Por Gabriel Cavaglion

Em anos recentes, Israel tem registado fluxos migratórios vindos de regiões remotas, tais como a imigração Bnei Menashe do nordeste da Índia, que se tornou possível para parte da comunidade, depois de um rigoroso processo de conversão (cerca de 3000 pessoas até ao momento). Eles consideram-se descendentes da tribo Menashe, uma das tribos exiladas pelos assírios em 722 AEC.

Continue reading “Voluntário da Shavei ensina hebraico na América Central”

Paz, Shalom, Salam, Fraternidade!

No passado dia 25 de Abril, o rabino Elisha Salas, emissário da Shavei Israel para Portugal e Espanha, participou, na cidade do Porto (Portugal), numa conferência intitulada “A Fraternidade na Europa das religiões do século XXI”.

Tratou-se de uma conferência organizada por um grupo independente de intelectuais e pensadores portugueses, com o propósito de explorar os vários contributos que as religiões monoteístas podem dar para a consecução do objetivo mundial de “agirmos uns com os outros em espírito de fraternidade”, tal como consta do texto da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Continue reading “Paz, Shalom, Salam, Fraternidade!”

Guarda, Portugal – Notas de viagem.

Aqui temos um excerto de um texto de Nora Goldfinger, que tem estado a viajar por vários locais de interesse judaico em Espanha e Portugal e aceitou partilhar a sua experiência connosco.
Sabe-se que os judeus chegaram pela primeira vez a Espanha há muitos séculos. Encontram-se provas deste facto nos antigos manuscritos do Mar Morto (Manuscritos de Qumram), que mencionam a presença Judaica em Espanha.
Em Portugal, os primeiros imigrantes judeus apareceram na região da Beira somente no fim do século XIII, sendo a Guarda a primeira cidade a aceitá-los.
Trancoso, Covilhã e Castelo Branco aceitaram-nos no século XIV devido ao ambiente de antissemitismo existente na época em Espanha e à crescente imigração depois do édito de expulsão de 1492.

Continue reading “Guarda, Portugal – Notas de viagem.”

Belmonte, Portugal – Notas de Viagem.

Aqui temos um excerto de um texto de Nora Goldfinger, que tem estado a viajar por vários locais de interesse judaico em Espanha e Portugal e aceitou partilhar a sua experiência connosco.
Depois de tantas vilas desertas, chegar a Belmonte e ver a sinagoga Beit Eliyahu encheu-nos de alegria. Entrámos e ficámos surpreendidos pelo número de pessoas que lá se encontrava, até que nos disseram que eram um grupo de israelitas de visita a Belmonte.
Enquanto acabavam de ler a Torá, eu queria guardar na memória o que via: As nove Estrelas de David azuis que emolduram as luzes do teto por cima da área das mulheres e um grande candeeiro decorado por três Estrelas de David douradas que se localiza quase mesmo por cima da bimá. As estrelas são de três tamanhos diferentes e duas delas estão enfeitadas com luzes.
De um dos lados do Aron haKodesh está uma menorá feita de madeira e do outro lado podemos ver os leões de Yehuda.
Depois da tradicional bênção dos Kohanim, foram devolvidos ao Aron haKodesh dois rolos de Torá. De repente, vi-me imersa na oração de Musaf, lendo a Amidá com judeus de outras partes do mundo, partilhando o espírito daquele Shabat particular.

Durante o serviço religioso, ouvi o rabino falar em espanhol com uma pronúncia parecida à de Buenos Aires, Argentina.

Aproximámo-nos para o cumprimentar e descobrimos que o seu nome é Elisha Salas e que era chileno.
Começámos a falar e o rabino contou-nos a história de Belmonte. Como resultado da Inquisição, a prática oculta do judaísmo por parte dos cripto-judeus fê-los esquecer muitas das leis judaicas. A comunidade não tinha sinagoga, não tinha ideia de como fazer a circuncisão e menos ainda da língua hebraica, mas guardavam Pesach, Yom Kipur e Shabat.

Continue reading “Belmonte, Portugal – Notas de Viagem.”

Cura para os habitantes de Belmonte

Introdução

Citarei as palavras dos nossos sábios, que são sempre corretas: “Mesmo nas brincadeiras, o coração estará dorido, e a alegria afligir-se-á.” (Provérbios, 14:13)

A tristeza não é diferente da alegria; está ao seu lado. As chuvas, que são uma bênção, também geram lama e sujidade, e, do mesmo modo, a alegria no mundo está sempre misturada com tristeza.

O Rabino Shmuel Hanagid, que viveu na Era Dourada, trouxe-nos uma metáfora do mundo animal: “O pastor leva a ovelha a pastar contra a sua vontade, mas quando se trata de a trazer de volta do campo, também é contra a sua vontade.”

Um evento incrível atravessou-se no meu caminho

Em junho e julho de 2017, a Comunidade de Belmonte (Portugal) convidou-me para ensinar hebraico através da organização Shavei Israel. Continue reading “Cura para os habitantes de Belmonte”

Estudantes do Machon Miriam ganham Mezuzot em uma competição

Na Espanha e Portugal existem espaços vazios no canto superior direito dos batentes da porta, ao entrar nas casas. Estas são as posições onde um dia, as Mezuzot foram colocadas, sinalizando que a casa pertencia a uma família judia.

Nos últimos 500 anos, as Mezuzot desapareceram, principalmente porque os judeus, de todos os países de língua espanhola foram expulsos ou forçados a se converter ao catolicismo. Estes judeus são conhecidos como Bnei Anussim, vivendo sua vida judaica em segredo, longe dos olhos curiosos da Inquisição e seus executores.

Continue reading “Estudantes do Machon Miriam ganham Mezuzot em uma competição”

O quê você faz quando encara de frente a inquisição espanhola?

“Ninguém”, a sátira Monty Python continua, “espera a Inquisição Espanhola”, e o mesmo vale para os visitantes do Museu do Prado em Madrid. Virando em uma esquina no segundo andar, os espectadores se deparam com a pintura de Emilio Sala Francés de 1889 “A Expulsão dos Judeus da Espanha”.

Continue reading “O quê você faz quando encara de frente a inquisição espanhola?”