Parashat Miketz

É difícil defini-lo já que às vezes é visto como frio (quando traz a fofoca, não avisa ao pai que está vivo) e outras vezes é muito sentimental (quando os irmãos vêm e se emociona).

Yosef vê seus sonhos como algo insinuante (uma sinal divina). É possível que essa tenha sido a razão pela qual eu não avisei ao pai que ele estava vivo, já que ele estava esperando por uma sinal celestial para fazê-lo.

Quando descobre seus irmãos, não o faz porque não suportava, pois ele controlava muito bem seus sentimentos, poderia ter ido a outro lugar e chorar em particular como fizera antes, mas decide desmascarar porque acreditava que chegou a hora.

Você pode provar isso (ele se vê como um enviado de Deus) em suas mesmas palavras quando ele repete três vezes para seus irmãos que Deus o enviou.

Em Yosef é constantemente visto que ele quer colocar o nome de Deus na boca do povo (com o faraó, com os irmãos, com a esposa de Potifar) ele é continuamente visto como um homem de fé. Também quando ele fala aos ministros do Faraó, ele diz que ele foi roubado da terra dos Hibrim, ele usa o termo Hibri, que é o nome dos seguidores de Abraão. Em tudo ele é visto com Emuna e ele não esconde nem se envergonha.

O fato de que o faraó reconhece que os magos sábios dele não puderam decifrar seu sonho, foi um duro golpe e Yosef aproveita essa situação para ensiná-lo sobre Deus e vemos que ele é bem sucedido, desde então o faraó diz duas vezes o nome de Deus.

Yosef insiste novamente, ele menciona o nome de Deus para o faraó quando ele decifra o sonho e explica a ele que Deus é o único que administra o mundo e Ele é o único que concedeu paz e tranquilidade ao faraó.

Yosef interpretando o sonho para o faraó, ele faz isso por meio de um discurso em que ele repete muito o tema das sete vacas magras e da fome que está chegando. O que ele quer é causar um choque. Para o Egito, o mais importante é o Nilo (já que eles o suportaram) porque as sete vacas magras no Nilo não as salvarão da fome, ele diz ao faraó que você está nas mãos de Deus.
Se analisamos o texto, vemos que a palavra Hashem, muitas vezes, é outra. Yosef insiste, porque ele quer mostrar a ele que Deus é quem manda, Ele é quem faz e traz fome, 18 vezes Yosef pronuncia o Nome de Deus. Ainda que o servo de Yosef fala com o Nome de Deus (quando fala com os irmãos de Yosef que lhes diz Elokejem veEloke Avotejem) o que quer dizer na casa de Yosef se sabia muito sobre Deus.

Quando ele vai conceder a terra a sua família, ele dá para o melhor do Egito, não porque ele amava sua família ou porque, tendo poder, ele queria acomodá-los bem, mas porque o faraó ordenou, digamos, não porque ele decidiu, mas porque o faraó disse isso. Essa é a atitude correta de quem vê que tudo pertence a Deus e não a ele. Yosef poderia ter dito, eu fiz tudo isso, depende de mim, mas não é assim, ele não se vê como o dono do Egito. Todo o abacate do Egito trouxe para o faraó, não para sua casa, nada é deixado para ele e mesmo quando ele compra a terra, ele compra para o Faraó, não para ele.

É possível que Yosef não quisesse lhes dar comipara, não os prejudicasse, também sabemos que as coisas são recebidas gratuitamente para os egípcios, porque ele pensava que não faria bem às pessoas, não é bom que se acostumassem a receber um presente, que é melhor não libertá-lo para não prejudicá-lo; sabemos também que as coisas são recebidas pelo seu próprio mérito, é por isso que ele lhes dá sementes para semear a terra, em outras palavras, coloca-as de pé, dá-lhes segurança e auto-estima.

Yosef odeia a escravidão, é por isso que ele não os compra quando se oferecem como escravos, ele revolucionou o Egito, já que eles pensavam assim antes no Egito e ele rompeu com isso, só Deus é servo.

Yosef se abstém de ter filhos quando há fome, ele quer ensinar ao Egito que é necessário controlar as paixões, este é um momento de sofrimento, não é hora de pensar em prazer. Yosef foi o exemplo do Egito e muitas vezes ele age para ensinar as pessoas a agir.

Yosef nunca viu o Egito como sua terra, então ele pede que eles o levem para Israel quando eles vierem, isto é, Deus se lembrará deles, o sonho de Abraão está se materializando, eles serão um povo e Deus lhes dará a terra de Cnaan. Mesmo depois da morte, ele quer continuar transmitindo a idéia, quando pede que levem seus ossos com eles.

Como dissemos 18 vezes, ele menciona o Nome de Deus – Jai = Vida, em hebraico número 18, ou seja, Deus estava vivo nele. Os atos de Yosef eram o produto do Emet-truth.

Yosef é visto como sensível aos seres humanos e “Mejaved et Haberiot” respeita as criaturas, não quer que elas sejam imersas em coisas ruins, enquanto ele permanece indiferente.

“Ohev et Haanashim doeg laveriot – amava as pessoas e cuidava de Suas criaturas” era sensível.

Ele poderia ter dito “alguns idólatras vão morrer, é com isso que eu me importo”, mas ele não fez isso, há pessoas que ouvem que em outro país houve um terremoto que eles se alegram, menos mal, mas não é assim a Torá, mesmo em Pessach, não dizemos o Halel completo, não devemos nos alegrar porque o maligno morreu, porque o ideal seria que o maligno abandonasse seu caminho maligno e se arrependesse.

Moshe foi muito inspirado por Yosef.

Para Yosef, o Egito é Eretz Oni – A terra do meu sofrimento, mas Cnaan é Eretz Haibrim, significando o espírito de Abraão. Yosef é o discípulo de Abraão, ele ensina, ele expande o nome de Deus entre os seres humanos. Só difere de Abraão na profecia que ele não tinha, é possível que isto foi porque ele não teve muita tranquilidade, ele estava ocupado nas coisas do reino, além de que se ele não tivesse sido separado de Yaacob tão jovem ele poderia ter alcançado o nível de a profecia.

Yosef instilou neles a consciência do povo aos filhos de Yaacov e graças a isso eles permaneceram unidos e não assimilaram se ao Egito.
Yosef foi chamado pelo sábio Yosef Hatzadik – Yosef, o justo. E como o rei David define os justos? Aquelas pessoas que antes de trabalhar pensam: “Como vai parecer o que eu vou fazer aos olhos de Deus?” Os justos são os homens que têm consciência plena e permanente de que Deus está nos observando. Os justos são aqueles que se propõem a viver uma vida que é digna e justa aos olhos de Deus.

David afirma, não devemos esquecer que “Deus de seu trono celestial observa tudo o que acontece em nosso mundo e Ele distingue entre os homens”. Em outras palavras, Deus distingue entre o homem bom e o homem mau, entre o justo e o corrupto. Os homens podem simular a outros homens. Mas ao contrário dos olhos humanos que podem ser enganados com truques, mentiras e duplicidade, o “olhar de Deus” penetra nos corações dos homens. Ele e somente Ele conhece a verdade. Ele sabe o que sentimos, pensamos e planejamos. Yosef sabia disso.
Que os ensinamentos de Yosef nos inspirem a viver uma vida plenamente consciente de que vivemos diante dos olhos de Deus.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *