O significado das 4 espécies

Comentário sobre a festa de Sucot

 

No primeiro dia tomareis para vós o fruto de árvores formosas, folhas de palmeiras, ramos de árvores frondosas e salgueiros de ribeiras; e vos alegrareis perante o Senhor vosso Deus por sete dias. (Vaikra 23:40)

A simples pergunta que surge é: qual é a relação entre as quatro espécies (arbaát haminim) e a alegria perante D’s. O Sefer Hachinuch explica de maneira direta a relação, afirmando que qualquer pessoa que vê um arbaát haminim se alegra. A natureza, a beleza e o seu significado alegram os corações das pessoas.

Para entender melhor esta grande mitzvá que o próprio Rei Shlomo, o homem mais sábio do planeta, testemunhou que não a entendia, vamos viajar pelo mundo do midrash e avaliar os diferentes significados que nossos sábios deram a esta.

Uma das explicações – fornecida pelo Midrash Raba, começa com uma parábola: dois lados se enfrentaram em um juízo e não se sabe quem triunfou. Assim é com Israel e o resto das nações. As nações falam mal de Israel perante a D’s em Rosh Hashaná e Yom Kipur, e não sabemos quem triunfou. Quando vemos o povo de Israel sair com o arbaát haminim, sabemos que Israel triunfou (M.R 30: 2).

Desta forma, entendemos que depois de tantos dias de introspecção e medo de julgamento divino, finalmente chega a festa de Sucot, onde a mitzvá de alegria é central e podemos cumpri-la sabendo que triunfamos no julgamento. A grande prova deste triunfo é a unidade do nosso povo representado pelas 4 espécies.

Nossos sábios compararam o arbaát haminim com 4 tipos de pessoas do Povo de Israel. O Etrog (fruta da cidra), tem cheiro e gosto, como algumas pessoas justas do povo de Israel que fazem boas ações e também estudam a Torá. O Lulav (ramos de palmeiras) tem gosto, mas não tem cheiro, assim como aquelas pessoas no povo judeu que têm Torá, mas não com boas ações. Adas (ramos de mirto), cheiram, mas não com gosto, então há pessoas de nosso povo que têm boas ações, mas não a Torá. Por fim, a Aravá (salgueiros de erva) não tem cheiro ou gosto, então há pessoas judeus que não têm nem Torá e nem boas ações.

A mitzvá comandada pela Torá é de amar todo o povo de Israel, unir tudo e aceitar tudo, somente quando nos preocupamos com cada de todos os componentes do nosso povo, mesmo aqueles que não têm – por enquanto – Torá e boas ações, é possível se alegrar. (M.R. 30:12).

Outra linda interpretação que nossos sábios deram a esta mitzvá especial é a comparação entre o arbaát haminim e o corpo humano. O Etrog representa o coração (é por isso que é tomado com a mão esquerda, lado do coração); Lulav representa a espinha, alta e erecta; Adas os olhos e a Aravá a boca (M.R 30:13).

Rabino Saadia Gaon, diz que cada um expia os pecados que tem a ver com essas partes do corpo. Depois de se arrepender durante o mês de Elul, tendo sido julgado em Rosh Hashaná e tendo confessado nossos pecados uma e outra vez em Yom Kippur, o arbaát haminim nos permite expiar por todos eles. O rabino Saadia Gaon nos diz que o Etrog expia pelos maus sentimentos que tivemos, o Lulav expia pelo orgulho, o Adas por ter olhado coisas proibidas e a Aravá por falar Lashon Hara.

Finalmente, os arbaát haminim simbolizam também a riqueza da terra de Israel e, quando os unimos, além de unirmos todas as pessoas do povo de Israel com as diferentes partes do corpo, também unimos as diferentes áreas de Eretz Yisrael. Aravá e Etrog, eles precisam de muita água para crescer, o Lulav, a palmeira, precisa de calor e um clima seco, os adasim também precisam de frio. Assim, também, a terra de Israel tem um papel importante, e todos os seus lugares, a praia, as fontes, o deserto e as montanhas, unem-se para que possamos cumprir esta mitzvá especial.

Chag Sameach!

5 thoughts on “O significado das 4 espécies”

  1. Belo texto! Gostei da explicação sobre as plantas e o tipo de judeus que representam. Parece-me que os Bnei Anussin, no geral, são Adas.

    Feliz festa com muitos convidados e belas cidras!

  2. Depois de se arrepender durante o mês de Elul, tendo sido julgado em Rosh Hashaná e tendo confessado nossos pecados uma e outra vez em Yom Kippur, o arbaát haminim nos permite expiar por todos eles.

  3. Creio que tenho minhas origens em Israel, e quanto ter cheiro e sabor graças ao Deus de Israel virá um dia em que um só Judeu será como uma nação poderosa,e todo o Israel serás como Deus.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *