O pacto de cada um de nós

Comentário sobre a Porção Semanal da Torá – Nitzavim

 

Cada cultura proporciona diferentes formas de relacionamento e compromissos entre as pessoas e as instituições. Estas relações podem acontecer por escrito ou oralmente, através de emoções, intelecto e da lei. Nesta parashá, a Torá nos apresenta um compromisso diferente: o Pacto.

O Pacto que a Torá prevê exige a necessidade de ambas as partes, claramente diferenciadas contudo obrigatoriamente presentes, que aceitem explicitamente a aliança. Por um lado, temos D’us e por outro lado, o povo de Israel, composto de pessoas que, no momento da Aliança, estão se relacionando com D’us de uma maneira tão singular como se fossem um único indivíduo. O pacto é sempre feito entre duas partes que mantêm sua independência, mas não são necessariamente iguais ou mutuamente equivalentes. O conceito da Aliança é aplicável à relação entre D’us e o homem, a de um homem com sua esposa, entre dois homens ou mesmo entre instituições com diferentes funções e ideologias: dois homens ou entidades “iguais” não precisam de uma aliança. Seria inútil fazer uma aliança consigo mesmo.

Ao contrário do que acontece com contratos, padrões e leis – todos não mais que formulários humanos – o Pacto é baseado no conceito de fidelidade acima dos benefícios. Um pacto exige e estabelece um compromisso comum e um objetivo ao qual as partes contratantes – que se tornam aliadas – tendem a ser subordinadas aos elementos da diferença.

O mundo em que vivemos contribuiu para debilitar o povo judeu, o conceito e a conseqüência da aliança. Relações interpessoais e instituições baseiam-se em normas e contratos que variam de acordo com as circunstâncias. De fato, a maior parte da crise do judaísmo no mundo pós-moderno decorre da ausência do “pacto” na vida diária judaica, do enfraquecimento da conexão com o judaísmo, com o resto do povo judeu, com a memória coletiva , com a Diáspora e o Estado de Israel.

Da mesma forma, grande parte da solução para a crise geral que enfrentamos reside na renovação individual de cada um dos “pactos” herdados como um meio de retornar a uma identidade coletiva forte e saudável que é válida para todos nós. Pacto este que, em cada momento de nossa vida, nos protegeu e nos protege, nos comprometeu e nos compromete.

5 pensamentos em “O pacto de cada um de nós”

  1. Realizei um teste de DNA ancestralidade patrilinear e descobri que pertenço ao haplogrupo R-M269 . UMA PESQUISADORA DA USP DE SÃO PAULO DE BIOMEDICINA MARIA INÊS NOGUEIRA AFIRMA QUE ESSE HAPLOGRUPO É DE JUDEU DE PORTUGAL. MEU BISAVÔ ERA PORTUGUÊS. ME ALFABETIZEI NO HEBRAICO POIS DESDE INFANCIA ME SENTIA JUDEU. MAS MEU AVÔ E MEUS TIOS PERDERAM A DOCUMENTAÇÂO DO BISAVÔ DO MEU AVÔ. COMO POSSO PROVAR QUE SOU ANUSSIM SE SÓ TENHO O SOBRENOME MACEDO E O RESULTADO DO TESTE? QUIZ MUITO LUTAR PELO MEU RETORNO, MAS ESBARREI NESSE PROBLEMA. DE ELIEZER BATISTA MACEDO.

    1. Olá Eliezer!
      Recomendamos que baixe, gratuitamente, o livro “Voce tem raízes judaicas?”, que disponibilizamos no blog.
      O livro trata deste tema.
      Shalom

  2. Bom,já de muito tempo tenho informação de que os meus ante- passados eram de origem judaica,com ramificação Portuguesa.
    com base no nosso sobrenome que é Meneses,Lima e Oliveira tenho vivido como um Judeu anussim e tenho buscado minhas origens;porém isso é muito desgastante e muitas vezes desanimador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *