A Luz de Jerusalém

western_wall_candles_hanukkahHoje, judeus do mundo todo completam um ciclo de acendimento de velas que, começou faz uma semana com uma vela e aumentando de forma gradual, termina hoje com 8 velas, finalizando assim, os 8 dias de Chanuka.

A festa comemora a incrível batalha do pequeno exercito hebreu de Jerusalém, liderados pelos Hashmonaim, contra o poderoso Império Grego. E o simbólico milagre do pequeno frasco de óleo encontrado entre os escombros do Templo, o único intocado, que deveria ser suficiente para acender por um dia o candelabro que iluminava o local mais santo do Templo, e assim, o local mais santo para a religião judaica, e durou por oito dias, tempo suficiente para conseguir mais óleo.

Não havia me caído a ficha, que estou morando na esquina do local aonde toda essa historia aconteceu. Ate que essa semana, vi um pai acendendo a vela com o filho nas ruas aqui de Jerusalém e estava contando a historia de Chanuka a seu filho e então disse “isso aconteceu com nossos tatataravos aqui mesmo, em Jerusalém”. Foi quando percebi. Há cerca de 2200 anos, nessa mesma época, neste mesmo local, tentaram impor aos judeus como eles deveriam ser, que costumes deveriam seguir, quais os procedimentos tomar, o que era certo e o que era errado. E por não aceitarmos, por querermos seguir a religião de nossos pais, nos atacaram, invadiram nosso templo e pela espada tentaram nos forçar a aceitar suas crenças!

Bom, hoje cá estamos, o povo judeu em Jerusalém, na verdade nunca saímos. Mas somos novamente um estado, um dos maiores contribuidores do mundo. (Difícil alguém hoje, no mundo, tratar de Esclerose Múltipla, Câncer, Alzheimer, paralisia ou problemas no figado, sem provavelmente usufruir de algumas das grandes contribuições israelenses, por exemplo.) E o Império Grego desapareceu. Mas o papo continua o mesmo. Semana passada o Hamas completou 25 anos e seu líder declarou na sua festa: “Hoje é Gaza. Amanha será Ramallah e depois Jerusalém. Então, Haifa e Jaffo.” E a Autoridade Palestina apoiou o evento e mandou representação para a organização que traz em sua declaração a seguinte mensagem: “O Dia do Julgamento não irá chegar ate que os Muçulmanos lutem com os Judeus, quando o Judeu ira se esconder atras das pedras e arvores. E as pedras e arvores irão dizer ‘Oh Muçulmanos, Oh Abdullah, tem um judeu atras de mim, venha e mate-o’.”

E nada foi dito sobre isso. Mas quando se constrói casas em Jerusalém, o mundo inteiro cai em cima de Israel, criticando sem descanso. Mas este Chanuka percebi algo.

Comemoramos Chanuka, acendendo velas!! Lembramos principalmente do milagre do frasco de óleo, e não da guerra! Pois a guerra não foi e nunca será nosso objetivo, embora muitas vezes o objetivo de outros povos e nações! E quando tivemos que enfrentar as batalhas, por vezes ganhamos e por vezes perdemos. Mas a guerra, sempre ganhamos! Não com espadas, e sim com luz. Por vezes reduzidos a pequenos frascos sem esperança no meio de uma destruição completa, mas que aos poucos, foi se recompondo e gradualmente crescendo ate voltar a ser um formoso candelabro de oito braços. Pois esse é e sempre sera nosso objetivo, quer gostem ou não. Trazer luz ao mundo! Construir um estado que possa trazer cura para diferentes doenças, sistemas de irrigação e agricultura para combater fome e desnutrição, avanços tecnológicos sem limites e etc etc etc..

Não tenho duvidas que Israel tem condições de ganhar qualquer guerra que apareça, mas rezo para que não precise assistir isso. Rezo para poder ver Jerusalém sendo frequentada por todas as religiões, etnias, sexos e crenças do mundo em total harmonia, e portanto Israel deve continuar construindo nela. Pois esta é a alma de nossa historia, o coração de nossa religião e a capital de nossa nação! Rezo para que o povo palestino possam ser cidadãos livres, livres principalmente de seus governantes que os usam de escudos e escondem deles e do mundo o que, na verdade, declaram abertamente: ‘a Jihad (Guerra Santa) não irá parar com um estado e nem com Jerusalém’. E a muita gente incomoda, e continuam tentando nos dizer o que fazer e como fazer, como se não tivessem problemas suficiente para se preocupar.. Como se fossem exemplos de alguma coisa!

Por que ninguém nunca considerou na historia devolver Jerusalém aos judeus? Somente porque, por 2000 anos, não levantamos a espada contra ninguém? Somente porque eramos ameaçados e não ameaçávamos? Enfrentamos pogroms, inquisições, câmaras de gás, crematórios e apos ouvir em todos os quatro cantos do mundo “Voltem para o lugar de onde vieram!”, voltamos! Pois nunca esquecemos de Jerusalém, nunca esquecemos nossa Tzion. E cá estou, comemorando Chanuka, no lugar aonde tudo aconteceu. Aonde a minha historia aconteceu.

O mundo diz que sabe a receita para a paz, e que Jerusalém deve ser negociada. Bom, me permita desconfiar do mundo ao dizer que duvido um pouco que estejam mais preocupados com a paz dos dois povos do que com os próprios bolsos. A paz continua incerta, mas nunca existiu dúvidas quanto ao amor deste povo por Jerusalém. Não se troca o certo pelo duvidoso. Tais pedras mencionadas na declaração do Hamas que esperam que entregue os judeus para a morte, são hoje, as pedras que os mantem vivos.

Dessa forma me perguntava se seria possível a paz algum dia com pessoas que têm como objetivo a morte e a destruição! Será que sempre teríamos que formar um exército de Hashmonaim e apelar para a espada? Jerusalém, não poderia finalmente descansar em paz? Quero acreditar que sim!

Dizemos na reza ao acender as velas, “a salvação está muito demorada, pois parece não ter fim os dias da maldade”.

Como alguém entra em um colégio e atira em crianças de 5 e 6 anos??? Isso é humano? Existe conserto para pessoas assim? Eu, junto com o mundo me fiz tais perguntas depois do terrível ataque em Connecticut ontem. E não foi a primeira vez.

Crianças são declaradamente usadas como escudos humanos em Gaza e na Síria. Em Março de 2008, um árabe-israelense entrou em uma escola de Jerusalém atirando nos jovens que ali estudavam. Neste ano um terrorista atirou em frente a uma escola judia em Toulose, matando três crianças. Sem nenhum objetivo a não ser, matar judeus! Começa a ficar profética a frase de Golda Meir em que diz “Haverá paz com os árabes, quando eles aprenderem a amar suas crianças mais do que odeiam as nossas”.

Ainda não tenho respostas para tais perguntas. Mas não posso concordar com os que dizem que a unica solução é a guerra! Não pode ser! Chega de sangue, seja aqui no Oriente Médio, seja na Africa, seja no Brasil. Para mim a solução para a escuridão sempre foi e sempre será, a LUZ! E por isso que, enquanto levantam espadas por aí, eu acendo as minhas velas aqui… na esperança que essa luz ilumine a humanidade e possamos viver para ver a paz!!